Como fronteiras podem interferir na recuperação hoteleira

Faz quase quatro meses que estamos discutindo aqui nesta coluna a hotelaria em tempos de Covid-19. Já sabemos que não existe receita universal, ainda mais diante de uma crise sem precedentes e de um vírus tão devastador quanto desconhecido. Mas, em pleno verão no hemisfério norte, ficou também mais claro do que nunca como algumas fronteiras podem interferir sobremaneira na recuperação hoteleira. 

Nas últimas semanas, hotéis e pousadas começaram a reabrir em diversos destinos (no Brasil e no exterior). Mas sabemos o quanto essa retomada da hotelaria não é nada fácil. Além de todas as adaptações pelas quais uma propriedade tem que passar para reabrir em tempos de pandemia, alguns hotéis tiveram que colocar a criatividade para seguir funcionando. Alguns deram nova função a seus quartos ociosos para tentar fechar as contas no final do mês. Outros redesenharam funções, cargos e empregos para atender às exigências dos novos tempos.  E ainda temos todo um imenso retrocesso no que diz respeito a uma indústria realmente sustentável no turismo.

Sabemos que as escapadas curtas e as viagens de carro são as que devem se recuperar primeiro, até pelo gerenciamento de riscos ser mais factível (ou aparentemente menos complexo). A recuperação das viagens de longa distância pode incluir ciclos de planejamento extremamente curtos. Trade e consumidor estarão provavelmente monitorando a situação em cada destino. Afinal, não se sabe quando exatamente determinadas fronteiras precisarão ser fechadas novamente.  E tudo isso, obviamente, influencia (e influenciará) diretamente na dinâmica das reservas hoteleiras. 

Veja aqui como a hotelaria está redesenhando empregos em tempos de pandemia.

A piscina no rooftop do Hilton Madrid Airport. Foto: Mari Campos

Fronteiras fechadas para americanos

Pesquisa recente feita pelo instituto McKinsey sugere que a recuperação da indústria hoteleira em números pré-Covid-19 deve acontecer somente a partir de 2023. Mas o verão no hemisfério norte e o levantar de várias fronteiras nos países que já passaram pela primeira onda toda trouxeram nova dúvida ao setor. Afinal, até onde exatamente algumas fronteiras fechadas podem interferir na recuperação de uma determinada propriedade?

Para destinos na Europa, o banimento temporário de turistas americanos na União Europeia pode prejudicar particularmente a recuperação da hotelaria de luxo e das cadeias norte-americanas. Principalmente aquelas que contam majoritariamente com este perfil de turista durante a temporada de verão. Estima-se que cerca de 18 milhões de americanos tenham viajado para países da União Europeia em 2018. E mais de um terço deles estiveram no continente durante a temporada de verão. Com fronteiras fechadas a eles por enquanto, determinadas redes hoteleiras podem, sim, sofrer significativa interferência em seu processo de recuperação.

Redes americanas como Marriott e Hilton, que contam mais com hóspedes americanos em suas propriedades na Europa, podem sofrer de maneira mais efeitos ao longo de seu processo de recuperação. Para dar uma ideia geral, no ano passado, americanos em viagem ao velho continente representaram 20% das diárias vendidas pelo braço europeu da Marriott, de acordo com o Skift. 

Além disso, diversos hotéis destes grupos também estavam acostumados a contar enormemente com convenções e turismo de negócios. Entrevistados da McKinsey afirmaram que suas empresas já confirmaram que adotarão a tecnologia como substituta para as viagens não essenciais mesmo quando a pandemia terminar. E especialistas já esperam que o setor de convenções e eventos seja o último da indústria turística a se recuperar. 

Propriedades econômicas podem se recuperar mais rápido

Por outro lado, fronteiras fechadas com os EUA podem interferir muito menos na recuperação hoteleira de redes baseadas na Europa, como a Accor. Além de focar mais em propriedades midscale e econômicas na Europa, em 2019, cerca de 90% dos negócios da Accor na Europa vieram diretamente do turismo doméstico. 

Clique aqui para ver como é a reabertura de um hotel em tempos de pandemia.

Hotéis e pousadas de luxo também tendem a ter recuperação bem mais lenta. Afinal, com custos fixos muito mais altos, um hotel de luxo geralmente precisa de uma taxa de ocupação uma vez e meia mais alta que um hotel econômico para que a conta feche. Portanto, em lugares onde a ocupação ainda está correspondendo a níveis tão baixos quanto 15 ou 20% neste nicho, talvez seja realmente mais prudente esperar o máximo possível para a reabertura. No caso das propriedades na Europa, a interferência pode ser maior ainda neste verão em redes hoteleiras de luxo que dependem mais de turistas americanos, como Four Seasons.

Para pousadas e hotéis econômicos, que possuem custos fixos consideravelmente mais baixos, o cenário é diferente. E os índices de ocupação, muito mais altos. Crises anteriores no setor mostram que quanto maior a demanda e menores os custos operacionais, mais rápida a recuperação. 

Mas isso não quer dizer que a jornada vá ser fácil, é claro. Franck Gervais, CEO do grupo na Europa, acha que hotéis higienizados e seguros passam a ser regra definitiva. A experiência que cada “marca” hoteleira é capaz de entregar vai ser diferente. Segundo ele, cumprir os novos protocolos é essencial, mas a personalização da experiência do hóspede é agora mais importante do que nunca.

Veja aqui como pousadas brasileiras estão se preparando para a reabertura.

Foto: Mari Campos

Luz no fim do túnel

Enquanto destinos reabrem (seja aqui ou lá fora), a maioria dos hotéis aposta em portas abertas sabendo que, infelizmente, ainda correm o risco de fechar novamente a qualquer momento se novos surtos locais acontecerem (como vimos recentemente em destinos da Flórida, na Serra Gaúcha e em Foz do Iguaçu, por exemplo).

A recuperação do setor também depende deste fator importantíssimo, para qualquer tipo de hotel, em qualquer destino: tornar a experiência o mais segura possível. E e é fundamental deixar isso claro para o turista mais ressabiado e prudente. No estudo da McKinsey, os turistas entrevistados responderam que, sim, são as medidas extras de saúde e segurança que os farão viajar de novo a passeio. 

The brightside: nos últimos anos, alguns hotéis passaram a operar em sistema de otimização dos lucros, deixando de ver a receita unicamente em termos de ocupação de quartos e diárias vendidas. Passaram a levar em consideração igualmente a receita de alimentos e bebidas, eventos, spa etc. E o F&B (bares/restaurantes), por exemplo, é um setor que pode ter importância fundamental na recuperação hoteleira nestes tempos de baixa ocupação.

Embora esses setores tenham margens bem diferentes de lucro, os custos também são bem diferentes. Propriedades que já operavam neste sistema mais “holístico” podem ter vantagens na recuperação hoteleira, mesmo com diferentes fronteiras ainda fechadas. Em Amsterdã, por exemplo, hotéis como o The Dylan, que tem um restaurante estrelado entre suas opções de F&B, já vêem um aumento considerável de receita neste setor neste começo de reabertura para o turismo em comparação ao mesmo período do ano passado.

Para propriedades que ainda não tinham investido neste tipo de operação otimizada, e como desafios podem ser também oportunidades, este período complicado da pandemia pode ser o sinal definitivo para esta mudança. 

Clique aqui para ler tudo sobre hotelaria em tempos de coronavírus.

Clique aqui para ler mais sobre turismo e pandemia.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

Covid-19 prolonga o uso de plástico na hotelaria: piscina do Mandarin Oriental Lake Como

Covid-19 prolonga o uso de plástico na hotelaria

A covid-19 afetará negativamente as metas de redução do plástico de uso único na hotelaria? Pelo menos a curto prazo, sim. A médio ou a longo termo ainda é cedo para dizer, até porque ainda não sabemos o que significa pouco ou muito tempo para o novo coronavírus. Todo ano a Euromonitor International, especializada em pesquisa de mercado, aponta tendências globais de consumo. Para 2020, os “revolucionários da reutilização” (“reuse revolutionaries” no original em inglês) empenhados em encontrar alternativas para produtos de plástico descartável estavam no top 10 de tendências. Era um mundo diferente do atual. Poucos meses depois, com a pandemia, a empresa revisou suas previsões.

Parece que demos um passo atrás na busca por um turismo mais sustentável e os “revolucionários da reutilização” ficaram em segundo plano. Com a covid-19, a prioridade é limpeza, e não redução de plástico descartável na hotelaria. Há propriedades reabrindo com toalhas embaladas em sacos de plástico, assim como controles remoto, talheres, alimentos. Hotéis adicionaram máscaras e luvas descartáveis, em invólucros plásticos, e frascos de álcool gel às amenidades de banheiro. E há os essenciais equipamentos de proteção individual dos funcionários, além de embalagens de produtos de limpeza e desinfetantes usados em quantidades maiores.

O plástico aumenta a percepção de higiene e passa sensação de segurança sanitária. É barato, leve, fácil de produzir e de limpar. Mas o uso excessivo e o descarte irresponsável poluem os oceanos, matam espécies marinhas, incluindo aves, e fazem mal para a saúde. Reportagens na imprensa europeia anunciaram que conservacionistas franceses recolheram máscaras, luvas descartáveis e frascos de álcool gel no Mediterrâneo. Meio mundo adiante, em Hong Kong, também foram encontradas máscaras no mar. A publicação britânica The Economist destacou que a pandemia de poluição plástica chegou ao Rio Tâmisa, em Londres. Para dar ideia da dimensão do mar de problemas dos plásticos de uso único, as Nações Unidas estimaram, em 2018, que 13 milhões de toneladas de plástico chegam ao mar a cada ano.

Acompanhe nosso Instagram @HotelInspectors

Piscina do Mandarin Oriental Lago di Como, reaberto mês passado
Piscina do Mandarin Oriental Lago di Como, reaberto mês passado | Foto de divulgação

Pandemia x ecologia: as metas de redução de plástico na hotelaria

Como já apontamos aqui, os ajustes por conta da covid-19 na hotelaria de luxo serão menores em várias áreas, inclusive no uso de plástico descartável. Amenidades de banho em embalagens de cerâmica ou de plástico em formatos maiores e não descartáveis, água em garrafas de vidro, sacos de lavanderia em tecido, iogurte em embalagens individuais de vidro, tudo isso já fazia parte da rotina de vários hotéis. Mas há novos desafios a serem enfrentados. A rede asiática Mandarin Oriental se comprometeu, no final do ano passado, a eliminar o plástico de uso único até 2021. Em maio deste ano, o grupo prestou contas do progresso já levando em conta a covid-19.

Por enquanto, a meta está mantida. Mas o MO admite que novos protocolos de limpeza dos hotéis podem vir a atrasar o processo. O plástico descartável em estoque, como garrafas de água e amenidades de banheiro, vai demorar mais a acabar. O grupo também faz a ressalva de que está enfrentando dificuldades em convencer fornecedores a mudar procedimentos.

Six Senses Con Dao, no Vietnã: alimentos em embalagens sustentáveis
Six Senses Con Dao, no Vietnã: alimentos em embalagens sustentáveis | Foto de divulgação

O uso de plástico pela cadeia de fornecedores é um obstáculo que havia sido destacado, antes da pandemia, pela reconhecidamente sustentável rede Six Senses. Escrevi sobre o assunto, no início do ano, no texto “O difícil adeus ao plástico na hotelaria”. Six Senses, que aboliu as garrafas de plástico na década de 1990, tem o ambicioso objetivo de ser plastic free em 2022.

Para uma propriedade que nasce com a preocupação de ser sustentável, talvez seja simples manter distância do plástico. Um hotel inaugurado este mês na Riviera Maya, Palmaïa, The House of Aïa, parte da coleção L.V.X. da Preferred Hotels, anunciou que não terá amenidades de banheiro em embalagens descartáveis nem garrafas de plástico na propriedade.

Leia mais: Cinco inovações que vão mudar a hotelaria

Covid-19 na hotelaria: banheiro sem amenidades em plástico no novo Palmaïa
Banheiro sem amenidades em plástico no novo Palmaïa | Foto de divulgação
O que as redes hoteleiras podem fazer agora

Não há comprovação de que uma garrafa de água de plástico seja mais segura em relação ao novo coronavírus do que uma de vidro. Mas redes hoteleiras realmente comprometidas com o meio ambiente podem se ver obrigadas a aumentar o consumo de plástico de uso único. Na situação excepcional de uma pandemia, ambientalistas dizem que uma das soluções a curto prazo é os hotéis se preocuparem cada vez mais com o descarte correto. EPIs devem ser incinerados. Frascos de álcool podem ser reciclados, ainda que custe mais caro reciclar plástico do que comprar um novo. Consumidores conscientes podem levar a própria garrafa de água e produtos de higiene em embalagens recicladas ou recicláveis. E, na hora de escolher onde gastar o dinheiro, priorizar hotéis que levam a sério a sustentabilidade.

Clique aqui para ler tudo o que publicamos sobre hotelaria e a covid-19

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel

Como a hotelaria pode redesenhar empregos em tempos de pandemia

É fato que a Covid-19 caiu sobre a indústria turística – e sobre nossas vidas, um a um, sejamos francos – como um meteoro. A cada mês, desde março passado, vemos que seus impactos serão mais amplos, profundos e duradouros do que todos previmos no começo. O setor hoteleiro – assim como a indústria do turismo em geral – está sob imensa pressão com tantos hotéis fechados parcial ou totalmente.  E assim a hotelaria começa a redesenhar empregos – e a si mesma! – em tempos de pandemia.

Com tantas incertezas sobre como serão exatamente as demandas por quartos no futuro próximo, não é de estranhar que muitas propriedades estejam redirecionando, otimizando ou mesmo dando novos usos para algumas de suas áreas. Já comentamos aqui, por exemplo, como a rede Accor transformou os quartos de parte dos seus hotéis no Brasil em espaços de trabalho.

E assim também está acontecendo naturalmente com algumas das funções da hospitalidade. O primeiro impacto foi uma grande onda generalizada de demissões, sobretudo nas grandes redes internacionais. Para dar uma ideia dos impactos, aproximadamente 25% dos funcionários do grupo Hilton, por exemplo, já foram dispensados mundialmente.

Crédito: Accor/Divulgação

cautela para a retomada

Embora os aspectos econômicos justifiquem boa parte das dispensas do setor, enquanto a hotelaria começa a redesenhar empregos em tempos de pandemia algumas redes e propriedades podem ficar “descobertas” no momento da retomada. A carência de bons funcionários (e já devidamente treinados e conhecedores profundos daquele negócio em si) nesta fase pode ser fatal.

“É preciso que hotéis comecem a analisar quantos funcionários serão necessários para gerenciar certos níveis de ocupação, e planejar esses cenários para melhor entender de fato quando será necessário voltar a recrutar e entrevistar candidatos. O processo de recrutamento, se feito corretamente, pode levar tempo. E, como hoteleiros, precisamos reagir rápido a essas mudanças, para que o serviço não seja negativamente impactado”, diz Letícia Tavares, diretora de Excelência em Operações para a Marriott (e também criadora do blog Hospitality Vitae). Vale destacar aqui que as opiniões de Letícia são individuais e não em nome do grupo Marriott de nenhuma forma.

Leia aqui sobre como funcionam os hotéis reabertos em tempos de pandemia.

De todas maneiras, devagarinho o setor está percebendo que, enquanto parte da indústria de hospitalidade anda cortando tantos talentos de sua folha de pagamentos nesta pandemia, outras indústrias podem se beneficiar largamente destes profissionais. Afinal, hoteleiros costumam reunir um impressionante conjunto de habilidades (como atenção aos mínimos detalhes, empatia, capacidade natural de improvisação e antecipação) e são extremamente diplomáticos em geral. “Nós sabemos, melhor que ninguém, como prestar serviço com excelência. Vejo muitos hoteleiros serem candidatos incríveis para empregos ligados a serviço ao consumidor, como varejo”, defende Letícia.  

Foto: Mandarin Oriental/Divulgação

Novas atribuições e novas funções

Felizmente, nem só de demissões está vivendo o setor (nacional e internacionalmente) nesta fase em que a hotelaria começa a redesenhar empregos para a retomada em tempos de pandemia. Boa parte do mercado hoteleiro já entendeu que medidas relacionadas, por exemplo, aos novos protocolos de limpeza e segurança em saúde vieram mesmo para ficar. Mudanças que devem permanecer mesmo após a criação da tão esperada vacina contra o novo coronavírus.

Muitas redes hoteleiras – como Hilton, Four Seasons, Accor e tantas outras – não apenas estão redesenhando empregos em tempos de pandemia, como criaram inclusive novos departamentos que se dedicaram nos últimos meses exclusivamente a cuidar destes quesitos. Em muitos casos, departamentos criados para cuidar de parcerias com hospitais, clínicas de limpeza e centros de pesquisa para tal. O Baccarat Hotel New York, por exemplo, que ainda segue fechado, criou um novo cargo para uma profissional veterana da casa que agora se dedica inteiramente a supervisionar o novo protocolo de saúde e limpeza: diretor de saúde e segurança ambiental.

“Acho que, mais do que nunca, o profissional multi-facetado e generalista será requisitado na hotelaria. E quero dizer alguém que saiba operar em diversas funções do hotel – governança, alimentos & bebidas e recepção, por exemplo”, afirma Letícia.  “Funcionários, gerentes e diretores usarão diversos chapéus durante esse período, pois talvez tenham um staff reduzido, ou que será trazido de volta aos poucos. Portanto, não acho que cargos desaparecerão, mas sim que descrições de cargo serão modificadas para incluir mais responsabilidades”.

E Letícia não acha esse novo rol de tarefas dentro de cada função algo necessariamente ruim para que a hotelaria comece a se redesenhar empregos em tempos de pandemia. “O hoteleiro tem que olhar para o lado positivo: se você teve uma carreira mais focada em uma área, talvez este seja o momento para realmente aprender algo novo. E aprender ‘fazendo’ é uma das melhores maneiras de entender o negócio”. 

Leia aqui como pousadas brasileiras estão se preparando para a reabertura.

Foto: Mari Campos

Mudanças inevitáveis

Reabrir um hotel em tempos de pandemia, ainda à espera de uma vacina, é tarefa que pode mudar enormemente dependendo do destino no qual a propriedade está inserida. Mas, seja qual for o cenário local, a necessidade de adaptar estratégias e realizar mudanças operacionais que vão muito além dos protocolos de higiene é indiscutível. 

Em um cenário inicial de retomada de atividades turísticas, a indústria hoteleira vai se redesenhando lentamente funções para que a qualidade de serviço não seja comprometida. Até porque algumas mudanças já se mostram mesmo inevitáveis.

Com viajantes que podem não estar exatamente confortáveis em todos os passos de suas primeiras viagens pós quarentena (alguns podem mostrar-se inclusive bastante receosos), as funções de concierge e guest relations já se vêem ainda mais repletas de atribuições – e felizmente já começam a ganhar reforços em algumas propriedades. 

Com a necessidade de funcionalidades e serviços cada vez mais digitais e sem contato, as próprias atribuições dos concierges também estão mudando. E eis aí um aspecto bastante interessante deste momento em que hotelaria pode redesenhar empregos em tempos de pandemia. Algumas redes do mercado de luxo planejam inclusive aumentar sua equipe de colaboradores associados a esta função. A ideia é que parte deles fique 100% focada em responder prontamente cada mensagem enviada pelos hóspedes através de seus aplicativos, que devem ser mais utilizados do que nunca (falamos aqui sobre o amplo uso do serviço de chat pela rede Four Seasons desde muito antes da pandemia). Uma época curiosa em que “menos contato” com o hóspede e ocupação reduzida nos quartos temporariamente podem gerar, ao mesmo tempo, mais demanda por serviço. 

Clique aqui para ler tudo sobre hotelaria em tempos de coronavírus.

Clique aqui para ler mais sobre turismo e pandemia.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

Hotel em tempos de pandemia de covid-19: piscina do Six Senses Con Dao Vietnam

É seguro usar piscina de hotel durante a pandemia de covid-19?

Nas últimas duas semanas, apareceram algumas vezes nos termos de pesquisa do Hotel Inspectors buscas sobre piscina de hotel e pousada em tempos de pandemia de covid-19. A pergunta do título não tem resposta simples. Não há evidências de que o novo coronavírus sobreviva em água com cloro, tratada segundo padrões químicos adequados. Mas as pessoas ao redor podem ser um problema. Aglomerações dentro da piscina do hotel na pandemia de covid-19 e fora dela oferecem os mesmos riscos de transmissão do vírus. Assim como nadar perto de alguém na água clorada. Ou seja, é importante manter o distanciamento social também dentro da piscina.

Em tempos incertos para o turismo, há condutas distintas anunciadas por hotéis e pousadas que estão reabrindo. Tanto no Brasil, onde os números de casos e de mortes aumentam a cada dia e ainda não é seguro viajar nem para a cidade vizinha, quanto em países da Europa, que conseguiram conter o vírus. Em algumas propriedades, piscinas e spas voltarão a funcionar somente em uma próxima fase. Como no Botanique, na Serra da Mantiqueira. O hotel, com 18 acomodações, reabriu este mês com ocupação reduzida e seguindo seus novos próprios protocolos de limpeza, com 135 tópicos. Mas mantém fechados spa, piscina e academia de ginástica (assim como o restaurante, funcionando apenas para serviço de quarto).

Nos hotéis com acesso liberado à piscina, espreguiçadeiras podem ser um problema, ainda que sejam afastadas umas das outras e limpas após o uso. O Marbella Club, hotel de luxo no glamouroso balneário da Costa do Sol espanhola, adotou a política de reservar um lugar fixo ao sol para cada hóspede. Na reabertura, em 2 de julho, cada espreguiçadeira de frente para o Mar Mediterrâneo será usada por um único hóspede por dia.

Clique aqui para acompanhar nosso Instagram @HotelInspectors

É seguro fazer massagem no spa para relaxar em tempos de covid-19?

Piscina hotel pandemia covid-19: yoga na praia no Six Senses Con Dao, no Vietnã
Yoga na praia no Six Senses Con Dao, no Vietnã | Foto de divulgação

Viajantes mais ansiosos não estão procurando apenas piscina de hotel na pandemia de covid-19. E sim bem-estar de um modo geral, uma das palavras-chaves mais buscadas atualmente. Academias de ginástica, quando abertas, já sabemos que de um modo geral são com hora marcada, com um hóspede de cada vez, desinfecção entre um uso e outro, e banheiros e vestiários fechados. Muitos hotéis estão adotando o mesmo protocolo em relação a saunas, ainda que não haja comprovação que o novo coronavírus suporte altas temperaturas, e a spas. Tratamentos corporais, em vez de faciais, e sem toques com as mãos ganham destaque. Aulas de yoga ou alongamento serão individuais ou com grupos reduzidos e, sempre que possível, ao ar livre.  

Piscina hotel pandemia covid-19: cabana de spa ao ar livre e com vista para o Caribe no Four Seasons Anguilla
Cabana de spa ao ar livre e com vista para o Caribe no FS Anguilla | Foto de divulgação

Como analisei neste outro texto (clique para ler), a hotelaria de luxo é a que terá que fazer menos ajustes na era covid-19, porque sempre priorizou bem-estar, espaço e privacidade, independentemente da pandemia. Há muitos quartos, suítes e villas com jacuzzi e piscinas privativas, e áreas amplas. Os tratamentos do spa podem ser na acomodação ou ao ar livre. É o caso do caribenho Four Seasons Anguilla, com reabertura em 22 de outubro.

Ainda não passou, mas vai passar: um exemplo otimista na Ásia

Hotel pandemia covid-19: Piscina do Six Senses Ninh Van Bay, no Vietnã
Piscina do Six Senses Ninh Van Bay, no Vietnã | Foto de divulgação

Uma declaração do COO do grupo Six Senses, Guy Heywood, sobre as adaptações dos hotéis na Ásia, continente semanas à frente na contenção do vírus, me chamou a atenção em uma reportagem deste mês da revista britânica Condé Nast Traveller. A rede Six Senses, que sempre foi voltada para o bem-estar, reabriu seus dois hotéis no Vietnã, país que conseguiu conter o vírus. Heywood conta que se surpreendeu com os hóspedes pouco preocupados com protocolos de higiene: “Podemos dizer que quem está preocupado ainda não está viajando. Estamos operando com 100% de ocupação e surpresos com a tranquilidade. As pessoas chegam de máscara, mas tiram assim que entram no resort e parecem felizes nas piscinas”.

Clique aqui para ler nossos textos sobre hotelaria e pandemia de covid-19

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel

Pousadas brasileiras se preparam para a reabertura

Na semana passada, mostramos nas nossas redes sociais que, contrariando recomendações e protocolos do setor, o hotel Laguna Plaza, em Brasília, vergonhosamente servia café da manhã, almoço e jantar unicamente em sistema buffet, sem nem sequer oferecer talheres esterilizados individualmente, como única opção para um grupo de passageiros e funcionários da Gol, preso na cidade devido a cancelamento de voos. Mas enquanto algumas propriedades envergonham o setor hoteleiro (incluindo proprietários que acham que basta espalhar displays de álcool-gel pelo hotel que está tudo bem), diversas pousadas brasileiras se preparam com cuidados meticulosos para a esperada reabertura em tempos de pandemia e servem de exemplo para o mercado (e alívio para os viajantes). 

Muitas delas continuam primando pela qualidade de serviços e estão fazendo tudo direitinho neste processo, preocupando-se verdadeiramente com hóspedes e colaboradores, e indo muito além das sugestões do vergonhoso selo de “turismo seguro” criado pelo governo – que, além de superficial e nada conclusivo, pode ser baixado e utilizado por qualquer estabelecimento, sem absolutamente nenhum tipo de fiscalização (shame, shame, shame). 

Clique aqui para ler sete ideias para tornar suas viagens mais sustentáveis a partir de agora.

Uma das pousadas brasileiras com reabertura já agendada é a linda Provence Cottage, em Monte Verde (MG), uma das melhores e mais românticas pousadas do país. Em termos de estrutura, não precisaram fazer grandes mudanças, já que espaço ali nunca foi o problema: são apenas oito chalés para duas pessoas distribuídos em dois hectares.  Ainda assim, os proprietários Ari Kespers e Whitman Colerato optaram por receber nesta fase de reabertura apenas metade da capacidade da pousada, além de fazer rodízio dos chalés utilizados, para minimizar mesmo qualquer possibilidade de contaminação. 

Como propriedade que sempre levou a personalização de serviços como bandeira, os serviços de café da manhã e chá da tarde já eram à la carte em mesas que também já contavam com distanciamento adequado. Ari e sua equipe também sempre estiveram à disposição dos hóspedes via Whatsapp e isso não mudará. Vale lembrar que a Provence Cottage tem também um dos melhores restaurantes de Monte Verde. E mais importante ainda: os funcionários estão sendo devidamente protegidos e cuidados desde o começo da pandemia. 

Clique aqui para ler mais sobre o que está mudando na hotelaria em geral neste processo de reabertura.

Outro belo exemplo de pousadas que se preparam de fato para a reabertura segura também vem de Minas Gerais: é a deliciosa Aromas da Montanha, em Tiradentes. Sempre engajados e solidários, os proprietários participaram ativamente de reuniões com Associação Brasileira de Governança para validar os novos protocolos que serão utilizados na reabertura, em um trabalho super minucioso coordenado por Maria José Dantas, presidente da ABG, especialista em governança hoteleira. 

Sempre conscientes, entraram firme na queda de braço quando alguns empresários da cidade quiseram a todo custo reabrir Tiradentes prematuramente para o turismo, em plena acensão da curva da Covid-19 na região. E seguem firmes e solidários, para a felicidade e segurança de nós, viajantes:  “Sabemos que muitos negócios não conseguirão sobreviver se a ajuda do governo federal não chegar. Mas acreditamos que, se conseguirmos sobreviver a essa fase da crise de saúde, o turismo nacional será muito mais valorizado, também em função do cenário econômico e da saúde internacional”, diz a proprietária Rosana Negreiros. 

Clique aqui para ler mais sobre a Aromas da Montanha.

Ainda no Sudeste, a deliciosamente romântica pousada Casa Turquesa, em Paraty, RJ, parte do portfólio da BLTA, também se prepara para a esperada reabertura para o público. Apesar de seguir todos os novos protocolos de higiene e segurança adotados internacionalmente, a propriedade também não precisará de grandes mudanças estruturais. Como sempre foi composta de poucos quartos e sempre prezou a privacidade e exclusividade nos serviços, suas mesas para o café da manhã já têm espaçamento necessário naturalmente, e hóspede também poderá optar pelo café no quarto. Será o próprio hóspede que decidirá se a equipe do room service entra ou não no quarto, se haverá arrumação do quarto ou não etc. 

O único serviço que passará por mudanças será o delicioso chá da tarde da casa, que antes era servido em um pequeno buffet e agora passará a ser servido individualmente. Haverá teste de temperatura para staff e hóspedes, malas esterilizadas, funcionários estarão sempre devidamente paramentados com equipamentos de proteção e serão colocadas menos espreguiçadeiras na piscina. Outra vantagem da Casa Turquesa é que a propriedade já possuía um aplicativo através do qual check in e check out serão obrigatoriamente feitos na reabertura – e a proprietária Tetê Etrusco e sua equipe também estão sempre à disposição dos hóspedes através do Whatsapp. 

Clique aqui para ver como dar toques de hotelaria à sua própria casa.

A Pousada Mata N’ativa, em Trancoso, na Bahia, é outro exemplo inspirador de pousadas brasileiras que se preparam adequadamente para uma reabertura segura e consciente. A pousada tem um belíssimo histórico de sustentabilidade em um dos mais disputados destinos do litoral brasileiro – leia mais aqui. Ali o check in passará a ser virtual, incluindo fornecimento de informações sobre preferências para o café da manhã (agora à la carte e que pode ser servido tanto na casa principal quanto no quarto) e o frigobar, que passa a ser on demand. Todos os novos procedimentos internos da pousada já estão sendo colocados no site, para que o futuro hóspede possa sanar todas as suas dúvidas e se sinta seguro em todas as etapas da reserva e estadia.

A Mata N’ativa adquiriu também ozonizador e lâmpada germicida UV-C, para dar mais segurança aos protocolos de limpeza – que agora incluem também desinfecção de malas e outros objetos, limpeza das suítes à base de peróxido de hidrogênio e funcionários trajando EPI’s. As suítes, aliás, serão lacradas após limpeza e desinfecção. Cardápios passam a ser virtuais, as espreguiçadeiras da piscina foram espalhadas para garantir maior distanciamento entre elas, e novos ambientes foram criados no amplo terreno da propriedade, incluindo um novo quiosque para mais privacidade dos hóspedes.

Clique aqui para ler mais sobre a excelências das pousadas brasileiras.

Vale lembrar que, como ainda estamos em plena ascensão da curva de contaminações e mortes pela Covid-19, e como a legislação sobre quarentena muda municipal e estadualmente, cada uma destas pousadas tem data diferente para reabertura. De qualquer maneira, é um alento, dentre tantos equívocos no setor (mesmo em grandes redes hoteleiras), ver pequenas pousadas brasileiras que se preparam de maneira tão correta, segura e eficiente para este processo de reabertura. Tomara que mais propriedades brasileiras levem a sério as medidas que estes tempos sem precedentes exigem. Ainda estou em quarentena mas, como viajante, seguramente privilegiarei propriedades com tais comportamentos quando for seguro viajar novamente.

Clique aqui para ler tudo que já publicamos sobre hotelaria em tempos de pandemia da Covid-19.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.