Vista do Zabriskie Point, no Vale da Morte, deserto na Califórnia | Foto de Carla Lencastre

O que fazem os hotéis nas redes sociais durante a crise

No Rio de Janeiro, onde moro, pelo menos 60 hotéis estão fechados, segundo levantamento da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH) divulgado neste início de abril. Os que estão abertos, com uma oferta total de cerca de 20 mil quartos, aoresentam taxa de ocupação de cerca de 5%. Não é um panorama muito diferente de outras cidades do país e do mundo. Vários hotéis informaram o fechamento em suas contas no Instagram. Como sempre, há quem consiga ir além e inovar. E, como mencionei em meu texto anterior sobre as ações dos hotéis em tempos de novo coranavírus, reforçar a marca para o futuro. E ainda ser proativo, como explicamos aqui.

A revista americana Forbes chamou a atenção semana passada para o premiado Deer Path Inn, membro da Historic Hotels of America a cerca de uma hora de carro ao norte de Chicago. O hotel está fechado, e o restaurante funcionando em esquema de drive-thru. Além da cozinha, o inn também manteve o ritmo nas postagens no Instagram @DeerPathInn. São umas três ao longo do dia, de pelo menos três diferentes (e inspiradores) projetos.

Fachada do Deer Path Inn, hotel em estilo inglês nos arredores de Chicago | Foto de vidulgação
O Deer Path Inn, uma hora ao norte de Chicago | Foto de divulgação

O primeiro projeto estreou em 20 de março, dias depois de o hotel fechar. Chama-se Cocktails with Jorge e é estrelado pelo chief spirits officer, como se autointitula Jorge Centeno. O bar do Deer Path é famoso na região. No início deste ano, por exemplo, seus martinis criativos apareceram entre os melhores de Chicago em uma lista da Eater, publicação on-line especializada em gastronomia. Em tempos de quarentena, Jorge está no canal do hotel na IGTV. Sozinho no bar, de luvas, ensina drinques clássicos fáceis de fazer.

Outros funcionários, que apareciam aqui e ali em publicações anteriores, estão em novos posts, em ambientes vazios e situações bem-humoradas, como lavando as mãos ao som de Despacito. Semana passada, um deles estreou em uma espécie de spin-off. Héctor Barranco é o astro da divertida novela sobre um casamento celebrado em tempos de coronavírus (o Deer Path é wedding destination). A instanovela As The Inn Turns é um sucesso. Os capítulos são curtinhos e alguns já tiveram mais de três mil visualizações.

Entre as aulas caprichadas de Jorge e as desventuras amorosas de Héctor, o Deer Path começou o projeto If These Walls Could Talk, algo como “se as paredes falassem”. Nos vídeos, também bem curtos, personagens de obras de arte ganham voz. Os protagonistas são esculturas, fotografias e pinturas das áreas comuns do hotel de 57 quartos. Aberto em 1929, durante a Grande Depressão, e renovado há três anos, o inn é decorado em estilo inglês.

Difícil não rir um pouco com a criatividade e as mensagens positivas, que respeitam o distanciamento social e a orientação de ficar em casa, e em momento algum minimizam a gravidade da crise. Há lugar também para falar sério. O gerente-geral Matt Barba, que estrela alguns posts e administra a conta do hotel no Instagram, anunciou um leilão on-line de experiências no inn, como aulas com Jorge ou um jantar privado na adega. O dinheiro irá para negócios locais na vizinhança de Lake Forest que estão de portas fechadas.

Já anotei o nome do Deer Path para ir até lá na minha próxima vez em Chicago. Enquanto a gente não viaja novamente, fui conferir o que propriedades nas quais me hospedei nos últimos tempos estavam fazendo no Instagram. A maioria se limitou a comunicar o fechamento e desaparecer; algumas poucas estão em negação, postando fotos com legendas que parecem ter sido feitas antes de o mundo mudar para sempre; outras fizeram ações pontuais, como uma receita de drinque aqui; uma live com um DJ ali, mas prometem mais. A acompanhar.  

A melhor surpresa foi o Oasis at Death Valley, na Califórnia (a minha foto no topo deste texto mostra a vista do Zabriskie Point de dia). Diferentemente do que sugere o nome, é repleto de vida o Vale da Morte. Em sua conta no Instagram, o hotel acabou de mostrar uma série de imagens dos animais do deserto, em uma postagem por dia com a hashtag #OneWeekofWildlife. Na semana anterior, o projeto reuniu algumas das paisagens estonteantes do vale em #OneWeekofWonder. Esta semana é a #OneWeekOfIcons, que começa com a emblemática piscina de água natural do Oasis at Death Valley . Esta parte do nome corresponde à realidade: o Oasis é mesmo um oásis.

Leia mais

Como é se hospedar no Oasis at Death Valley, a duas horas de Las Vegas

Como é o Park MGM, o mais novo hotel na Strip

A renovação dos hotéis Marriott na Califórnia e em Chicago

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel

Coronavírus e a proatividade na hotelaria

Sabemos que o turismo será infelizmente uma das indústrias mais impactadas com a pandemia da Covid-19. O segmento turístico, aliás, foi um dos setores que mais imediatamente começou a sofrer os efeitos destes nossos novos tempos, com uma quantidade sem precedentes de voos cancelados no mundo todo e também uma quantidade inimaginável de hotéis de todos os tamanhos e targets fechando provisoriamente suas portas. Da primeira à última semana do mês de março, em hotéis do mundo inteiro, o cenário não poderia ser mais diferente. E diversos hotéis independentes correm sério risco de fechar suas portas se este cenário se esticar por muito tempo.

Mas, mais do que apenas preencher cartas, documentos e abaixo-assinados pedindo ajuda governamental para manterem seus negócios em pé (que se faz necessária, sim, é claro), esta é também uma época em que parte da indústria hoteleira se mostra ainda mais pró-ativa. Urge utilizar o negócio hoteleiro para colaborar de alguma forma para ajudar (como for possível) que passemos por tudo isso mais rápido e que se repense estratégias para o futuro próximo. 

Várias “boas ações” da hotelaria foram citadas aqui na coluna na semana passada. De campanhas de arrecadação como da Lungarno Collection às redes hoteleiras que estão cedendo seus quartos sem custos a profissionais da saúde e sem-teto na Inglaterra, o setor felizmente começa a se posicionar solidariamente neste novo cenário que tem a maioria dos viajantes do mundo todo fechados em suas próprias casas para tentar frear um pouco o avanço do vírus. 

E é preciso, sim, ser solidário e investir em ações solidárias, mesmo com consideráveis investimentos, para que essa roda possa continuar girando lá na frente, “quando isso tudo passar”. O viajante já está prestando redobrada atenção nos players da hotelaria que estão se manifestando solidariamente, seja com iniciativas pequenas e pontuais (como os programas de fidelidade da Marriott e da Hilton ampliando a validade de pontos e status)  ou como iniciativas gigantes, como os hotéis que recebem sem custos profissionais da saúde. 

Mas urge também que a hotelaria como um todo se reestruture, já que o nosso modo de viajar deve também mudar consideravelmente quando fronteiras forem reabertas e, com sorte, uma vacina for criada. E, mesmo agora, há espaço também para novas oportunidades no setor trazidas, de alguma maneira, pela própria crise na qual nos encontramos. 

Alguns países em destinos asiáticos – a primeira região do mundo a sofrer os efeitos da pandemia – podem dar exemplos interessantes. A ideia de transformar o propósito dos hotéis em uma espécie de QG da quarentena poderia, por exemplo, servir como uma maneira de ocupar parcialmente os quartos ociosos e gerar alguma renda neste período. 

A busca por um quarto de hotel hoje em dia vai desde viajantes de negócios e turistas que se viram repentinamente “ilhados” após o fechamento de fronteiras e cancelamento de voos até indivíduos que estão buscando lugares alternativos para se auto-isolar da família por duas semanas ante a possibilidade de terem sido expostos ao vírus. Isso, aliás, foi algo que na minha família mesmo consideramos para o último membro que chegou de viagem – e uma atitude que mais pessoas estão de fato adotando também no Brasil (para citar um exemplo bem público, Preta Gil escolheu um flat em São Paulo para seu auto-isolamento após ser diagnosticada com Covid-19).  

Em destinos asiáticos como a Tailândia, alguns hotéis já começam a anunciar inclusive seus “quarantine packages” para este público, com duração de duas semanas e preços bastante competitivos. Em alguns países, como o caso de Singapura, é inclusive mandatório que qualquer pessoa entrando no país faça sua quarentena por duas semanas, mantendo ainda abertas as portas da maioria de seus hotéis.

Em propriedades como as da rede tailandesa A-One, os pacotes incluem refeições entregues nos quartos em trolleys e a promessa de cuidar separadamente de pratos, talheres e roupas de cama e banho destes hóspedes em quarentena. E, é claro, a promessa de que o staff checará diariamente as condições de cada hóspede em quarentena e tomará as providências cabíveis caso algum deles necessite ser levado ao pronto-socorro. 

Na Suíça, o Le Bijou Apart-Hotel ganhou os holofotes do cyberspace nestes últimos dias ao anunciar pacotes de quarentena de alto luxo em seus apartamentos independentes. Numa jogada de marketing, os pacotes mais completos custam milhares de euros por dia e incluem também os serviços diários de médicos e enfermeiros, além de uma testagem para a doença. O upside fica por conta do fato de que passaram a oferecer estadia sem custos para profissionais da saúde em algumas de suas unidades – e alguns dos executivos da propriedade, incluindo o CEO, doaram seus salários para ações de solidariedade durante a quarentena.

O cenário para o turismo parece mesmo bastante desanimador para os próximos meses, mas novas perspectivas para a hotelaria nacional e internacional, ainda que mínima e bem vagarosamente, devem continuar aparecendo para tentar preencher de alguma forma esse gap. Por aqui estamos torcendo muito.

Pôr do sol em Florença, Lungarno Collection | Foto de divulgação

Bons exemplos da hotelaria em tempos de coronavírus

A indústria de viagens já é uma mais das afetadas pela pandemia. Mas aqui no Hotel Inspectors a ideia neste momento é escrever sobre coisas boas. Em meio à crise, alguns hotéis têm encontrado uma maneira de fazer o bem e, consequentemente, reforçar positivamente a sua marca para o futuro. Porque quando tudo isso passar, não só vamos querer como precisar viajar. Enquanto não acaba, destaco aqui algumas ações de solidariedade e promoção de bem-estar, tanto de grandes marcas quanto de pequenas.

A rede americana Best Western está discutindo, na Grã-Bretanha a possibilidade de deixar à disposição do National Health Service (NHS, o sistema de saúde britânico) os 270 hotéis sob a sua bandeira na Inglaterra, na Escócia e no País de Gales. O Best Western Great Britain é um dos maiores grupos de hoteleiros independentes do Reino Unido. Vários proprietários dos hotéis da BWGB já se adiantaram. Alguns estão hospedando sem custo profissionais da área de saúde perto dos hospitais onde eles estão trabalhando, outros foram além e procuram parceiros para fornecerem equipamentos médicos necessários para receberem pacientes de baixo risco.

O site da BWGB destaca hotéis da marca que serviram como hospitais durante as duas guerras mundiais (clique para ler em inglês) em um texto leve e informativo. O jornal britânico The Guardian informa que o primeiro BWGB a se transformar temporariamente em um hospital fica no Sul de Londres. Ainda segundo o Guardian, Hilton, Holiday Inn (do grupo InterContinental Hotels), Premier Inn e Travelodge, também consideram ceder seus quartos vazios no Reino Unido para pacientes de baixo risco, vulneráveis em grupos de risco, e médicos e enfermeiros.

Four Seasons New York vai receber profissionais da área de saúde| Foto de divulgação

Do lado de cá do Oceano Atlântico, o Four Seasons New York anunciou que vai receber profissionais de saúde em seu luxuoso hotel na Rua 57. Nova York é, no momento, o epicentro da pandemia nos Estados Unidos.

No Brasil, o grupo de hotéis Dom Rafael, com quatro propriedades em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, cedeu uma delas para receber quem trabalha no Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM). Segundo a revista Veja, o Holiday Inn Parque Anhembi, com mais de 700 quartos e um dos maiores do país, também cederá suas instalações para apoiar o hospital de campanha montado pela prefeitura de São Paulo no Anhembi.

Equipe da Slaviero Hotéis | Foto de divulgação

A Slaviero Hotéis, com endereços em 15 cidades nas cinco regiões do Brasil e operações suspensas na maioria deles, está doando alimentos estocados a instituições de cuidam de vulneráveis. Equipes se revezam na entrega dos produtos, sempre na mesma cidade onde fica o hotel, para que a doação de cerca de 600 kg de alimentos seja concluída o mais rapidamente possível, já que a maioria é perecível. 

Na Itália, a Lungarno Collection, com cinco hotéis em Florença, promove uma campanha de duas organizações sem fins lucrativos na cidade. O objetivo é arrecadar € 50 mil para as despesas dos mais de 700 enfermeiros que vieram de outras regiões do país. O pôr do sol cor-de-rosa em Florença, no alto deste texto, é do Instagram da Lungarno

Outros hotéis estão fazendo ações bem simples, mas que já colaboram com o bem-estar de quem pode ficar em casa neste momento (como nós do Hotel Inspectors estamos fazendo). O hotel boutique e spa de luxo suíço The Capra, em Saas-Fee, membro da L.V.X. Collection da Preferred Hotels, compartilhou a receita da sopa de cenoura servida em seu restaurante.

Como, por enquanto, distanciamento social e isolamento são as únicas medidas que comprovadamente contribuem para achatar a curva da contaminação do novo coranavírus, continuarei em casa e vou arriscar a sopa de do Capra nos meus próximos dias de quarentena.

Receita The Capra Saas-Fee
Receita da sopa de cenoura do suíço The Capra | Divulgação

Se souber de outras iniciativas bacanas da hotelaria para tornar mais leves e nos ajudar a superar estes dias tão duros, conte na caixa de comentários. Vamos espalhar solidariedade por aí.

Leia mais para sonhar com dias melhores

Como é um spa cinco estrelas na lista do Forbes Travel Guide

Novos hotéis e spas cinco estrelas na lista 2020 do guia de viagens Forbes

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel

El Arco em Los Cabos

Como é um spa cinco estrelas na lista do Forbes Travel Guide

O Forbes Travel Guide lançou sua aguardada lista de novos hotéis cinco estrelas mês passado, e já comentei algumas das novidades no meu texto anterior (clique aqui para ler). Além de hotéis, o FTG também reconhece spas e restaurantes. Um dos destaques da edição 2020 do guia é a quantidade de spas cinco estrelas em Los Cabos, no México. Entre os 24 novos spas premiados com a classificação máxima em todo o mundo, três ficam em Los Cabos, que já tinha um cinco estrelas (The Spa at Esperanza, da Auberge Resorts) e outros dois com quatro estrelas (The Spa at Las Ventanas, resort Rosewood, e SE Spa at Grand Velas Los Cabos).

As novidades de Los Cabos são o One&Only Spa at Palmilla, o Spa Montage e o Waldorf Astoria Spa. Os três premiados em 2020 ficam em hotéis que também receberam cinco estrelas no FTG (assim como o Las Ventanas al Paraíso). Estive no Spa at Palmilla, a convite do hotel. Voltado para o bem-estar e conectado com a cultura local, é realmente espetacular.

Um dos mais bonitos e luxuosos hotéis de Los Cabos, a pouco mais de duas horas de voo de Los Angeles, o One&Only Palmilla é reduto mexicano de celebridades de Hollywood. Em busca da privacidade e da calma oferecida em toda a propriedade localizada no deserto da Baja California, no extremo sul da península, às margens do azul profundo do Mar de Cortez.

O premiado spa fica em meio a jardins exuberantes, com uma fonte, piscinas, jacuzzi, espreguiçadeira e 13 casitas (incluindo uma palapa com vista para o mar) para tratamentos relaxantes, revitalizantes, rejuvenescedores. Há bar de sucos, e diferentes águas aromatizadas estão por toda a parte no spa de dois mil metros quadrados. Uma área mais recente, inaugurada há pouco mais de dois anos, foi construída para os rituais indígenas do temazcal, como banhos a vapor, com ervas locais, para desintoxicação e purificação, ou consultas com um xamã. Vários tratamentos foram criados exclusivamente para o Palmilla, como uma experiência holística de duas horas de duração que combina exercícios de respiração com massagens.

Produtos naturais, como sal marinho, ou da marca britânica ESPA, com ingredientes orgânicos, são usados em peelings, massagens, exfoliações e outras experiências faciais e corporais. É possível marcar aulas de alongamento, yoga ou mesmo um treino de boxe. O spa tem uma barbearia, com tratamentos faciais masculinos, e manicure e pedicure com a grife do podologista francês Bastien Gonzalez, que também só trabalha com ingredientes naturais e óleos essenciais. Todos os hóspedes das 173 suítes do resort podem aproveitar o fitness center e as saunas seca e a vapor, mas vale investir em uma experiência exclusiva.

Parte do grupo Kerzner, o Palmilla em breve deixará de ser o único One&Only nas Américas. Em 1º de junho será inaugurado o Mandarina, na Riviera Nayarit, também no México. A rede está em expansão e chega à Europa em julho, com a abertura do Portonovi, em Montenegro.

Leia mais: Como é o Hotel Esencia, na Riviera Maya

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel

St. Regis Bora Bora

Os novos hotéis e spas cinco estrelas na lista Forbes

O Forbes Travel Guide criou o conceito de hotel cinco estrelas há 62 anos, nos Estados Unidos. Ao longo destas seis décadas, sua lista de propriedades estreladas tornou-se uma das mais esperadas pela indústria de viagens de luxo. A edição 2020, anunciada às vésperas do carnaval, apresenta 70 novos hotéis em todo o mundo com a classificação máxima. O número chama mais atenção se comparado ao de 2019, quando foram apenas 21 os novos hotéis que entraram no grupo cinco estrelas. O guia reconhece ainda restaurantes e spas. Este ano, no total, são 107 novos premiados, entre os 432 estabelecimentos com cinco estrelas. O FTG analisa centenas de características de cada propriedade, sendo 75% serviço e 25% instalações.

O único representante do Brasil, e da América do Sul, entre os hotéis cinco estrelas continua sendo o realmente ótimo Belmond Hotel das Cataratas, em Foz do Iguaçu. Outros oito brasileiros, em São Paulo e no Rio de Janeiro, aparecem com quatro estrelas, entre eles o Four Seasons, ou recomendados, como Santa Teresa Hotel MGallery by Sofitel.

Leia mais: Sustentabilidade no Santa Teresa Hotel MGallery by Sofitel

Fiquei particularmente feliz de ver que o Forbes Travel Guide chegou este ano a Polinésia Francesa, um dos 16 novos países contemplados este ano, na maior expansão global da história do guia. Depois de anos de queda no número de visitantes internacionais, e de hotelaria elegante, porém decadente, o arquipélago no Pacífico Sul começa a dar sinais de recuperação. Um dos seus dois hotéis cinco estrelas é o St. Regis Bora Bora, que mantém o frescor depois de mais de uma década.

Estive lá e escrevi sobre o St. Regis e, também, sobre o Conrad Bora Bora Nui, que entrou na lista do FTG como recomendado, neste link. O outro cinco estrelas da Polinésia Francesa é The Brando. A inspector Mari Campos fala um pouco sobre o hotel do ponto de vista da sustentabilidade neste link. Ainda na Polinésia Francesa, o guia recomenda também o InterContinental Bora Bora Resort & Thalasso Spa.

Suíte renovada no Beach Pavillion do Four Seasons Kuda Huraa, nas Maldivas
Suíte renovada no Beach Pavillion do Four Seasons Kuda Huraa | Foto de divulgação

Maldivas é outro país estreante. Aparece na lista com nove hotéis com quatro estrelas ou recomendados e seis hotéis cinco estrelas, entre eles o Four Seasons at Kuda Huraa, que renovou recentemente as acomodações com um ou dois quartos e piscinas privativas do Beach Pavillion.

Four Seasons é a marca recordista no FTG, com a maior quantidade de hotéis cinco estrelas (45, além de sete spas na categoria principal e mais 68 hotéis e spas com quatro estrelas ou recomendados). Já o Peninsula Hotels é a única marca com todos as suas propriedades, dez no caso, na categoria cinco estrelas, além de quatro spas com classificação máxima (os outros são quatro estrelas).

Londres continua a cidade com maior número de hotéis cinco estrelas no guia, 19, o que não surpreende quem acompanha a movimentada e luxuosa cena hoteleira da cidade. Entre as novidades, destaque para o Brown’s, a Rocco Forte Hotel, um dos mais antigos da capital, e o relativamente novo Rosewood London, com um dos melhores bares de hotel em Londres.

Leia mais

Como é se hospedar no Mandarin Oriental London, hotel e spa cinco estrelas no FTG

Como é se hospedar no La Réserve, um dos 13 hotéis cinco estrelas em Paris no FTG

Forbes Travel Guide também avalia spas

Entre os 24 novos spas com a classificação máxima, destaca-se a concentração de prêmios em Los Cabos, no México, que já tinha três spas com quatro e cinco estrelas. As novidades são os spas do One&Only Palmilla (já experimentei e é mesmo divino, vou contar mais em um post futuro), do Waldorf Astoria Pedregal e do Montage, o maior da região, com quase quatro mil metros quadrados. Membro da Preferred Hotels, o Montage Los Cabos ganhou ainda um prêmio inédito, criado este ano pelo guia: o de melhor conta no Instagram. Os critérios foram consistência na qualidade das imagens e em reforçar a marca, campanhas criativas e interação.

O prêmio foi anunciado semana passada durante o Forbes Travel Guide Luxury Summit, em Las Vegas, que reuniu mais de 600 pessoas em um evento carbono zero realizado no Aria Resort & Casino, com quatro estrelas no guia. O Wynn Resorts, com sete estabelecimentos na categoria principal, é recordista em estrelas em Vegas e no mundo. Em sintonia com o viajante consciente, o Aria calculou as pegadas de carbono deixadas pelo transporte e a hospedagem de todos os participantes e compensou financiando plantio de árvores e fazendas de energia eólica. Porque não dá mais para usar a cansada palavra sustentabilidade apenas no discurso.

A lista completa do Forbes Travel Guide com 1.898 propriedades, entre cinco e quatro estrelas e recomendados, está neste link.

Leia mais

O difícil adeus ao plástico nos hotéis

Como é se hospedar no Park MGM, novo hotel em Las Vegas

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel