Agente ou consultor de viagens?

Estamos sempre nos perguntando sobre as mudanças rápidas e profundas no turismo. Que tipo de empresas vão surgir? Quais vão acabar? O digital vai substituir o presencial em que proporções? Me recordo quando surgiram as teleconferências, diziam que os eventos estavam com os dias contados. Bem, não temos a resposta para essa questões, mas devemos acompanhar e nos localizar nesse cenário.

Segundo uma pesquisa recente encomendada pela agência de viagens AAA Travel, norte-americanos com idades entre 23 e 39 anos estão tão propensos a usar um agente de viagens quanto aqueles com idades entre 54 e 72 anos. Muitos são os dados de mudança de comportamento nas diversas faixas etárias.

De acordo com 46% dos entrevistados, trabalhar com um agente de viagens ajuda a garantir uma viagem mais tranquila, trazendo benefícios como: economia de tempo, redução de estresse com preparativos, recomendações de quem já possui experiência no ramo e auxílio caso ocorra algum problema durante a viagem.

De uma certa maneira, essa pesquisa faz um contraponto a uma matéria publicada recentemente pela Work + Money, que colocava o agente de viagens dentro da lista das 25 profissões para se evitar, por estar em declínio.

Na matéria se afirmava que os sites de reservas de viagens on-line fizeram com que cada pessoa se tornasse o seu próprio agente de viagens. Mas o que parece não ter sido considerado nesta afirmação é de que embora a internet facilite essa autonomia os viajantes ainda prezam por poupar o seu tempo, usufruir de comodidade e aproveitar as ofertas proporcionadas pelo setor. Também não há nada que substitua a experiência já vivenciada nos destinos, de outros viajantes, ou de especialistas.

Hoje o agente de viagens funciona como um consultor. Alguém que ajuda com seu conhecimento específico, colabora na prevenção de crises, a evitar gastos desnecessários, a economizar tempo, entre outras coisas; esses benefícios já citados anteriormente. Esse tipo de papel não pode ser desenvolvido, desta maneira, pelos sites. E o viajante preza por isso. Não é à toa que a ASTA passou a se chamar American Society of Travel Advisors (não Travel Agents, como antes).

Um bom agente de viagens, ou CONSULTOR, CONSELHEIRO, ORIENTADOR,  garante a relevância da sua função porque pode compartilhar um olhar especializado e um conhecimento único sobre determinado destino, prestando uma consultoria que a impessoalidade dos sites não é capaz de proporcionar.

Fique por dentro da Abav/ Braztoa

abav_2016
44ª Abav Expo (Foto: Divulgação)

Grandes nomes da indústria do Turismo e viagens e setores associados estão reunidos em São Paulo, no Expo Center Norte, desde esta quarta-feira (28), para participar da 44ª Abav Expo e o 46º Encontro Comercial Braztoa. A feira tem o recorde de  aproximadamente 24 mil participantes.

Entre palestras, mesas redondas, opiniões manifestadas durante conversas e entrevistas dos participantes, o ponto alto da 44ª Abav é ainda a reunião de líderes do setor em um mesmo evento, onde é possível promover o estreitamento de laços, novos encontros, atualização de negócio e até mesmo a discussão de novos projetos. Cito, abaixo, alguns dos temas mais comentados do evento até agora:

O momento econômico pelo qual o Brasil atravessa tem sido um dos assuntos mais abordados na Feira. As complicações para o setor que vieram com o tempo de instabilidade tem sido muito debatidas, assim como as projeções para o próximo semestre. Leia mais aqui.

O legado da Rio 2016 também foi tema de discussão da Vila do Saber. O reconhecimento dos benefícios da passagem das Olimpíadas e Paralimpíadas pelo Brasil para o desenvolvimento do Turismo de forma geral foi abordado ontem na Vila do Saber, veja aqui.

Alguns passos da malha aérea em direção a vôos internacionais foram também comentados com otimismo por participantes do evento, leia aqui.

A importância das redes sociais, um dos assuntos bastante comentados aqui no MKT Destinos, tem sido alvo de aprendizado na 44ª Abav. A influência das novas tecnologias e a interação com turistas exercem mudanças significativas na forma de fazer o Turismo. Aqui, para ler mais.

Em tempos de crise, experimentar, observar e ouvir de grandes profissionais ideias propostas, soluções viáveis e opiniões facilitadas pelo evento diante do quadro crítico em que se encontra o setor no Brasil é uma oportunidade da qual podemos extrair ao máximo aplicabilidade para nossos próprios negócios. Investir no desenvolvimento particular de cada profissional que move a indústria é investir também no desenvolvimento do Turismo do país.