3 áreas para o foco do turismo em 2019

Inspirada por um relatório realizado pela Skift sobre a economia mundial e as áreas que as empresas de turismo devem ter atenção e foco em 2019, compartilho 3 temas de grande importância:

  1. Investimento em tecnologias: como as empresas de turismo estão organizando seu suporte de vendas e de marketing com novas tecnologias? As oportunidades de mudanças na experiência do turista estão em todos os lados, e a atualização e alteração de patamar das empresas brasileiras é fundamental para se manter competitivo;
  2. Turismo sustentável: a palavra pode ser batida, mas a forma como os destinos brasileiros estão cuidando dos aspectos ambientais, culturais e econômicos são essenciais num mundo em que os viajantes querem originalidade e experiências verdadeiras;
  3. Mercados emergentes: no caso do Brasil, que a economia dá sinais de um crescimento um pouco maior para 2019, com os desafios de um dólar americano forte;  como empresas e governos (que estão mudando) estão se preparando para enfrentar a competitividade e expandir negócios na busca de turistas ?

Poderíamos ainda citar vários aspectos como a forma que os novos governos (sem orçamento) irão trabalhar os imensos desafios de uma atividade tão importante na geração de negócios, empregos e investimentos. Será que darão continuidade a projetos em andamento ? Ou irão reinventar tudo ? Outro tema será certamente o câmbio e as mudanças econômicas e políticas no Brasil (especialmente me preocupo com a imagem do Brasil no mundo, que sofrerá grandes mudanças). Por enquanto vamos ficar por aqui, desejo um ótimo Natal e um 2019 cheio de realizações para o turismo do Brasil

Brasil no prêmio WTTC Tourism for Tomorrow

O Brasil está entre os 15 finalistas do prêmio WTTC Tourism for Tomorrow, uma das mais importantes premiações de reconhecimento para destinos que adotam as melhores práticas de preservação ambiental. A representação é do Refúgio Ecológico Caiman, localizado no pantanal sul matogrossense, cuja preservação da natureza local é um dos principais programas do lugar e guarda uma reserva natural de 5,6 mil hectares.

Os critérios observados para a indicação são a conservação da biodiversidade, proteção dos habitats naturais e mudança climática. O Refúgio Ecológico Caiman concorre na categoria “Prêmio de Meio Ambiente”.

A indicação para o prêmio tem muito valor nesse início de 2017, que foi eleito o ano do Turismo Sustentável pela Organizações das Nações Unidas (ONU). O título possui objetivo de incentivar a sustentabilidade na indústria e promover a preservação de patrimônios naturais mundial.

Os vencedores serão anunciados no final do mês de abril.

Como comentei anteriormente aqui, o Brasil tem muito a crescer ainda no quesito sustentabilidade no Turismo, mas estamos no caminho. Alguns destinos no país possuem estratégias e análises de risco voltadas ao planejamento, prática e promoção do turismo sustentável. A cidade de Bonito, no Mato Grosso do Sul, por exemplo, recebeu em 2016 o prêmio de melhor destino de turismo responsável do mundo (World Responsible Tourism Awards), entregue na WTM London. Curitiba também se destacou no segmento de sustentabilidade no setor, sendo considerada a cidade mais verde toda América Latina, no relatório Green City Index (Índice Cidades Verdes).

 

2017: o ano do Turismo Sustentável

bonito
Lagoa Misteriosa, Bonito (MS), considerado o melhor destino responsável do mundo. (Foto: Divulgação)

Com vistas na promoção da conscientização a respeito de todo patrimônio natural mundial e considerando que indústria de Turismo e Viagens permanece em crescimento (com aumento de 4% no número de turistas pelo mundo no período de janeiro a setembro deste ano), a Organização das Nações Unidas (ONU) definiu 2017 como o ano do Turismo Sustentável.

Falei sobre o tema aqui no blog há pouco tempo (veja aqui) explicando a fragilidade das estratégias do nosso turismo, de maneira geral, a respeito de sustentabilidade. O termo, quando se refere ao setor, ainda possui definição um pouco vaga e uma aplicabilidade mais inconsistente ainda na maior parcela da nossa indústria.

A sustentabilidade no turismo, que, entenda-se, vai muito além da preservação ambiental de destinos de ecoturismo, tem mais chances de ser compreendida e transformada em prática, agora que, muito possivelmente, será  mais debatida por aqui.

Quais medidas de preservação são passadas aos turistas? Há reforço de práticas de manutenção de áreas públicas? Como o crescimento do turismo no país afeta a nossa condição socio-cultural?  Qual o impacto ambiental causado pelos visitantes no destino? Qual o papel dos agentes da indústria dentro do tema? São perguntas básicas que devem ser respondidas se quisermos a continuidade do turismo a longo prazo no Brasil.

No caminho

Alguns destinos no país possuem estratégias e análises de risco voltadas ao planejamento, prática e promoção do turismo sustentável. A cidade de Bonito, no Mato Grosso do Sul, recebeu neste ano o prêmio de melhor destino de turismo responsável do mundo (World Responsible Tourism Awards), entregue na WTM London. A cidade de Curitiba também se destacou no segmento de sustentabilidade no setor, sendo considerada a cidade mais verde toda América Latina, no relatório Green City Index (Índice Cidades Verdes).

Também dentro do tema, o MTur apresentou neste ano o Mapa da Sustentabilidade, um guia para consultas que promove e incentiva turistas a visitarem destinos que têm destaque por suas ações sustentáveis.

Somente quantos turistas ?

É um debate importante para fazer em poucas linhas, mas vamos tentar resumir: o número de turistas não é indicador de resultados para a indústria de viagens e turismo, se usado isoladamente.

Estudos mostram que para avaliar os resultados do desenvolvimento do turismo de um destino precisam conjugar dados estatísticos, informações e inteligência comercial. Mais do que isto, conjugar diferentes indicadores que mostram quantos turistas chegaram, quantos dias ficaram, quanto gastaram: VOLUME DE TURISTAS X PERMANÊNCIA MÉDIA X GASTO MÉDIO DIÁRIO.

Por que isso é importante? Principalmente porque o objetivo em atrair turistas para um destino é atrair negócios para os empresários, gerar empregos e contribuir para a entrada de divisas e ingressos. Além disso, alguns destinos podem receber dezenas de milhares de visitantes (destino de praia ou de cidades, por exemplo), mas outros só podem receber números menores de turistas (destinos de ecoturismo). Além disso, condições históricas, nível de maturidade do turismo no destino, posição geográfica e outros fatores exercem grande influência na atração de turistas de diferentes mercados emissores.

Na verdade, quanto mais desenvolvido e sustentável é  um destino mais exigentes são empresários e comunidade local quanto ao tipo de visitantes que recebe e quais os verdadeiros resultados que lhes interessam.

Rio +20: e o que nós temos com isso ?

À partir dessa semana já estamos vendo os eventos e “esquentas” da Rio+20. Muitos profissionais de diversas áreas ligadas ao turismo se mobilizam em torno do debate de temas importantes para o setor de viagens.

Muitas agendas previstas. Quero destacar os eventos da OMT que irão acontecer dias 19 e 20 no Rio de Janeiro e a 6a. Conferência Internacional sobre Turismo Responsável que irá acontecer em São Paulo no dia 18 ( www.gtci.com.br/rtd6 ).

Também no dia 20, durante o evento da OMT no Rio, acontecerá o lançamento do livro “Green Growth and Travelism – Letters from Leaders”. São 20 lideranças mundiais que trazem sua avaliação dos avanços do setor de viagens e turismo assim como os desafios da sustentabilidade em suas dimensões econômica, social e ambiental. Muitos deles nossos conhecidos como Taleb Rifai, David Scowsill, Richard Branson, dentre outros. Tive a oportunidade de contribuir com um artigo que fala sobre o turismo sustentável na América Latina.