Diversão garantida com 100 % transformismo e 0% vulgaridade

Não consigo definir se o sucesso do polêmico Pablo Vittar e seu personagem feminino pode ajudar ou interferir negativamente na apresentação do cabaré Artishow. Acredito ser positivo que a prática do transformismo tenha transcendido o mundo gay para chegar as grandes telas brasileiras, no entanto acho uma pena que esse transformismo tenha se tornado uma caricatura mega sexualizada da Mulher na pele de Vittar. Acho uma pobreza e uma ofensa a Mulher. Porém, isso é uma questão de gosto e há quem diga gosto não se discute.

No entanto, é importante esclarecer que mesmo se o transformismo de Vittar está em alta neste momento ele tem uma proposta completamente antagônica à incrível promessa de diversão do cabaré Artishow.

A vontade de se transformar em personagens femininos levou o pequeno grupo de artistas a buscar as maiores referências musicais da França e do mundo e ressuscitá-las com mestria e perfeição para grande alegria da platéia do cabaré Artishow.

Em uma pequena sala, onde o convivialidade e ambiente familiar imperam, pessoas das mais diferentes idades e origens se reúnem, riem e recordam momentos marcantes de suas vidas apreciando personalidades famosas de outrora como Edith Piaf, Stephanie de Mônaco, Charles Aznavour ou ainda Lisa Minelli e Amy Whitehouse. Outros personagens transvestidos, criações originais dos artistas como a bela Lulubell ou a engraçada Petúnia usam de irreverência e bom humor para animar a platéia entre os quadros musicais com piadas e uma linguagem bastante visual, porém respeitosa.  100% transformismo, 0% vulgaridade!

Fica a dica!

Postagens relacionadas

Published by

Silvia Helena

Após breves passagens pela Faculdade Metodista de São Bernardo e Belas Artes de São Paulo, aos 18 anos fui estudar no Canadá, onde vivi durante 23 anos. Lá me formei em História da Arte pela Universidade de Montréal, estudei turismo no Collège Lasalle de Montréal e no Institut de Tourisme et Hôtellerie du Québec. Comecei minha carreira na área trabalhando em Cuba. Durante os anos vividos no Canadá, entre outras coisas, fui guia de circuitos pela costa leste e abri minha primeira agência de receptivo para brasileiros. Há dez anos um vento forte bateu nas velas da minha vida me conduzindo até França. Atualmente escrevo de Paris, onde vivo e trabalho dirigindo a empresa de receptivo, a Holatour.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *