Um Ano Novo pra valer

Rubens Schwartzmann

Chego ao final do mandato como presidente do Conselho de Administração da Abracorp com a agradável sensação de dever cumprido. Mais que sensação – certeza! Baseados na visão associativa, fortalecemos o espírito de união e de colaboração. Por consequência, a marca Abracorp também está fortalecida.

Em nossa última convenção anual, realizada no início de dezembro em Mendoza, na Argentina, debatemos e finalizamos a revisão do Estatuto da entidade, visando atualizá-lo frente aos novos desafios do setor. E com base nos pilares consolidados e em processo de consolidação, antevimos cenários e possibilidades para 2018.

Ratificamos e fortificamos as conquistas dos antecessores por meio de ações planejadas, que passaram pela necessária reedição do Planejamento Estratégico da Abracorp. Esse realinhamento contou com a participação das 30 TMCs associadas, o que foi determinante para o trabalho desenvolvido pela KPMG.

As sementes para a definição dos Princípios de Valor Abracorp também foram plantadas. No 1º trimestre de 2018 faremos a colheita de bons frutos, gerados em benefício da atuação de toda a cadeia produtiva do setor. Ou seja, os Princípios de Valor Abracorp servirão para nutrir as ações da entidade, das associadas, dos fornecedores e clientes.

Implantar o projeto de BI, cujo desfecho é aguardado por nós e pelo mercado como um todo, constituirá expressiva evolução das informações sobre viagens corporativos no Brasil. Com alto grau de acuidade e precisão, os dados decorrentes da pesquisa de vendas junto às associadas ganharão em abrangência, profundidade e consistência. Esse redimensionamento revitaliza a marca Abracorp; permite às associadas tomar decisões estratégicas mais seguras, consequentes e oferecer para os fornecedores e clientes uma visão mais apurada sobre o segmento.

O tripé que dá sustentação à Abracorp – pessoas, governança e informação – ganhou musculatura e sinergia com a operacionalização dos comitês temáticos e dos grupos de trabalho. De forma voluntária e organizada, os representantes das associadas levaram avante propostas e projetos destinados a aprimorar as relações com o mercado, em clima de parceria. A padronização dos vouchers de faturamento das locadoras de automóveis é um exemplo da proatividade dos comitês.

Com realismo e determinação, sempre acreditamos na capacidade de superação das TMCs Abracorp. Acertamos quando apostamos no reaquecimento gradual da indústria do turismo, com ênfase nas viagens corporativas. E essa convicção é que nos impulsiona para o aprimoramento constante da entidade nas relações com o mercado.

Responsáveis por mais da metade do volume de viagens corporativas do país, as nossas TMCs se consolidam como referência setorial e capitalizam cacife para influenciar definições políticas relevantes para o turismo brasileiro.

Por fim, meu ‘muito obrigado’ aos meus pares e parceiros, pela colaboração, respeito e confiança nesses dois anos de trabalho conjunto. E que em 2018 tenhamos uma Abracorp ainda mais coesa, transparente e perceptiva.

O que precede a escolha de uma TMC?

Rubens Schwartzmann*

Temos abordado, em diferentes meios, locais e circunstâncias, a pertinência de se contar com os serviços especializados de uma TMC. Respondemos, de forma sóbria e isenta, às perguntas sobre a possibilidade de se prescindir de uma TMC, por meio da criação de departamentos internos dedicados à gestão de viagens das empresas. Sempre analisamos cenários, arrolamos prós e contras e chegamos à conclusão consensual de que as soluções ‘caseiras’, mesmo que alimentadas por consultorias profissionais disponíveis no mercado, são limitadas.

Levemos em conta o comportamento global dos investimentos em viagens de negócios, em 2016. Eles atingiram a cifra de US$ 1,3 trilhão, segundo dados do Relatório Global Annual & Forecast, divulgado recentemente durante a GBTA Convention 2017 da GBTA Foundation, braço de educação e pesquisa da GBTA.

A demanda crescente por viagens desta natureza requer, cada vez mais, programas gerenciados com segurança, de modo a equilibrar as necessidades dos funcionários com os objetivos corporativos. Dada a complexidade da matéria e o leque de variáveis a ser considerado, ganha relevância, no processo de escolha, a TMC mais apropriada à dinâmica e à cultura da corporação.

Estudo recente da Fundação GBTA, em parceria com o Banco Central Americano, apresenta respostas para as questões-chave relacionadas à escolha da TMC mais apropriada para esta ou aquela organização. Sobre o valor que uma TMC agrega à política de viagens do seu cliente, entende que o rastreamento de dados e o relatório de gastos garantem melhor compreensão do volume de negócios realizado com cada fornecedor.

O gerenciamento dos canais preferenciais de reserva por uma TMC permite saber quando os bilhetes são reservados e as reservas feitas. Isso permite monitoramento estratégico, em defesa dos interesses dos passageiros. As TMCs ajudam os gerentes de viagens a se manterem informados sobre as tendências da indústria. Fornecem acesso a recursos e educação corporativa, para garantir o pleno atendimento das necessidades de seus viajantes.

Economicidade: uma TMC pode alcançar a redução de 5% a 50% das despesas de viagem do seu cliente, revela o estudo da GBTA. O uso de dados capturados pela TMC no comportamento do viajante permite oferecer projeções de volume mais precisas e negociar taxas mais baixas com os fornecedores. Programas de viagem com simples orientações diferem daqueles providos de políticas predefinidas, que alcançam resultados mensuráveis de maior sucesso financeiro.

A escolha da TMC, em última análise, deve ser precedida de discussões internas para de determinar os objetivos fundamentais do programa de viagem. Feito isso, inicia-se a interlocução com TMCs. A contratante deve expor seus objetivos e ouvir da candidata a ser contratada os caminhos e planos para atingi-los. Recomenda-se incluir TMCs de tamanhos e escopos diferentes nessas discussões iniciais.

Empresas com grande número de plantas ou filiais ao redor do mundo tendem a procurar uma TMC globalizada ou com muitos parceiros globais. Porém, uma TMC menor pode ser mais ágil para acomodar as necessidades do cliente de pequeno, médio ou até grande porte. Em qualquer circunstância, o relacionamento com uma TMC deve se basear na transparência. Cabe à TMC orientar o cliente por meio de roteiro personalizado para cada programa. E explicar a lógica que sustenta suas recomendações. Transparência e honestidade garantem a saúde da relação. E o sucesso recíproco vem em decorrência.

*Rubens Schwartzmann é CEO da Costa Brava Viagens e presidente do Conselho de Administração da Abracorp