Por que intermediar com uma TMC?

De acordo com publicações especializadas do setor, a  BTN – Business Travel News, as 100 maiores empresas demandadoras de serviços de viagens corporativas do maior mercado (EUA)  do segmento a maioria absoluta, recorre aos serviços de uma TMC.
Não por coincidência nem acaso, o desafio da gestão de viagens corporativas, especialmente diante do atual cenário de adversidades econômicas, e posicionamento das empresas diante do novo ambiente de negócios, impõe estratégias além da redução de custos.
O potencial de benefícios com o gerenciamento de viagens ou Programa de Viagens, de forma consolidada, com a intermediação de uma agência de viagens variam muito em oportunidades e ganhos.
Com a expertise da indústria, a TMC é capaz de avaliar e recomendar:  
 Gestão do volume aéreo – permite uma avaliação assertiva quanto a recomendação do melhor provedor aéreo, considerando sua cobertura e destinos para o cliente, considerando análise de benchmarking.
 Gestão do volume hotel – elaboração de estudo de oportunidades tendo em conta mapeando de propriedades mais convenientemente localizadas, com pacote mais competitivo de serviços de conveniência como internet.
 Serviços terrestres – com o conhecimento de serviços terrestre especializados, operando com fornecedores homologados,  a economia no processo de negociação vem com a segurança da execução dos serviços.
 Avaliação de resultados – a análise do conjunto de ações relacionadas, mas não limitadas a: execução de programas de fornecedores preferenciais da cadeia, taxa de aderência a Política de Viagens, entre outros itens alinhado a inteligência de dados da TMC, é possível ainda identificar economias perdidas.
Os itens resumidos não são de menor importância quando comparado a outros atributos entregues por uma TMC como a tecnologia online, ferramentas de rastreabilidade de viajantes, e aplicação dos benefícios do Traval Analytics que trata do processo de gestão de viagens, cruzando inúmeras possibilidades que permitam a montagem de cenários de melhorias relacionadas à otimização de processos, economia financeira e satisfação dos viajantes.
Esse conjunto resumido de itens de um programa de viagens vêm em media, reduzindo em 25% os custos com viagens das corporações, a exemplo das 100 maiores empresas, sem comprometer alocação de recursos ligados ao seu “core business”.
Enfim, simplificação de processos operacionais; facilidades de suporte às atividades de treinamento de usuários e monitoria eficiente no controle dos programas e políticas de viagens estabelecidas são vantagens comparativas que permitem mitigar riscos e garantem a excelência no padrão de serviços (SLA) por meio da inexorável concentração de uma TMC.

28 de Junho – data relevante

Carlos Prado*

O calendário de atividades da Abracorp reservou o dia 28 de junho para tornar públicos documentos balizadores da relação entre associados, fornecedores e clientes no âmbito da indústria de viagens corporativas. Depois de um esforço exaustivo e criterioso, chegamos à edição final dos Princípios de valor do Associado; Guia de Boas Práticas do Fornecedor; Guia de Boas Práticas do Cliente. E, com isso, oxigenamos o papel institucional da Abracorp perante todos os players do mercado.

Coeso, normativo e em conformidade com o Código de Ética e Conduta da Abracorp, o texto das três peças busca aprimorar a regra do jogo. Vem, por assim dizer, revitalizar a marca Abracorp e consolidar seu peso no mercado de viagens corporativas. Da ética à compliance, passando pelas licitações e processos concorrenciais, o conjunto é uma demonstração nítida do grau de maturidade alcançado pela nossa entidade. E da preocupação em criar salvaguardas contra o perigo representado pelas más práticas.

A importância do dia 28 de Junho, estampada no título desta mensagem sucinta, agrega outro fato relevante para a Abracorp: o BI da entidade vai gerar o primeiro relatório de pesquisa de vendas de forma totalmente automatizada. Conforme vimos anunciando, desde o ano passado, nosso Business Intelligence vem para ampliar e aprofundar o processo de pesquisa, por meio da definição e seleção isenta de variáveis as mais relevantes. E com isso, aposentamos o sistema manualizado que, por mais cuidadoso que seja, tem limitações e riscos de erros.

Enquanto aguardamos o dia 28 de Junho, reiteramos aos nossos associados e partners do mercado de viagens corporativas a nossa crença no reencontro do nosso país com os caminhos do desenvolvimento sustentável. E da prosperidade. Se a economia emite bons sinais, as empresas retomam projetos, repensam metas e se livram das travas. Os executivos voltam a viajar com mais frequência, os eventos ganham novo alento e a roda dos nossos negócios volta a girar em bom ritmo, sem sobressaltos.

*Carlos Prado é empresário e Presidente do Conselho de Administração da Abracorp