“Nem tudo é dias de sol”

Temperatura em Paris: O calor e o sol estão chegando para a temporada estival. Porém, apesar da chegada do verão, com escreveu Alberto Caiero, heterônimo de Fernando Pessoa: ““Nem tudo é dias de sol…”“*

Sendo assim, quando seu cliente perguntar como estará a temperatura em Paris durante sua viagem, não se preocupe! Você não precisa desiludi-lo e pode deixá-lo acreditando que, como todo bom agente de viagens, você conhece a temperatura média de todas as capitais e pequenas cidades do mundo a qualquer momento do ano. E, por mais incrível que pareça, você não precisará abordar qualquer questão climática para isso. Nem citar Fernando Pessoa.

Diga a seu cliente que as opções são tantas que ele não deve se preocupar com a questão. E esteja pronto para prová-lo! Afinal, credibilidade é tudo na hora da venda.

Passage des Princes, Boul Haussmann

É claro que a visita do museu do Louvre deve ser a primeira escolha em caso de chuva, porém se você está diante daquele cliente que ( provavelmente durante um circuito) já o conheceu ou daquele que não põe o pé em museus nem pagando (infelizmente isso existe) não comece a suar frio com medo de perder a venda. Conte a seu passageiro: em caso de chuva, mesmo quem detesta (ou já conhece todos) museus pode passar horas descobrindo maravilhosas galerias cobertas na margem direita do Rio Sena.

A grande maioria destas passagens datam do séc. XIX, primeiros shoppings centers da cidade, foram edificadas após a revolução francesa permitindo a burgueses passear, comprar e consumir em segurança.

A variedade de lojas, cafés, restaurantes, oferece diversão e distração durante horas. A beleza arquitetônica distinta de cada passagem convida a viajar no tempo e esquecer a temperatura afora, seja ela quarenta graus caniculares, chuvas esparsas ou tempestade.

Published by

Silvia Helena

Após breves passagens pela Faculdade Metodista de São Bernardo e Belas Artes de São Paulo, aos 18 anos fui estudar no Canadá, onde vivi durante 23 anos. Lá me formei em História da Arte pela Universidade de Montréal, estudei turismo no Collège Lasalle de Montréal e no Institut de Tourisme et Hôtellerie du Québec. Comecei minha carreira na área trabalhando em Cuba. Durante os anos vividos no Canadá, entre outras coisas, fui guia de circuitos pela costa leste e abri minha primeira agência de receptivo para brasileiros. Há dez anos um vento forte bateu nas velas da minha vida me conduzindo até França. Atualmente escrevo de Paris, onde vivo e trabalho dirigindo a empresa de receptivo, a Holatour.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *