Conciergerie e Santa Capela, dois monumentos, uma epopéia!

São tantas histórias! Para resumir a visita destes monumentos incríveis separei alguns dos melhores capítulos da epopéia:

Concierge é um termo da língua francesa e pode ser traduzido literalmente como “porteiro” para o português. Para muitos dentre nós, concierge é um cargo comum no ramo hoteleiro, consistindo na função do profissional responsável por atender as necessidades básicas e especiais dos hóspedes.

Conciergerie, a origem do nome: Quando na segunda metade do século XIV, Charles V deixou a Conciergerie, até então conhecida como Palais de La Cité, para se instalar no Louvre, não quis abandonar o mais belo edifício da cidade sem proteção. Denominou um Conte para ficar ali. Entre outras funções, o dito Conte deveria se ocupar da segurança e do abastecimento em velas da cidade. Velas em Francês são chamadas “cierges”. Sendo assim, o “Conte” que se ocupava dos “cierges” deu a origem a palavra Concierge.   Com o tempo o Concierge tornou-se um importante personagem, nomeado pelo rei,  assegurava a ordem, o policiamento e registrava prisioneiros em espera de julgamento, que a prisão acolhia.

La Conciergerie 1ª Sede do Poder

Um rei para a França: Século VI –  Clóvis, o primeiro rei católico da França, instalou seu palácio real sobre a Ilha de La Cité. Onde antes romanos imperavam sobre Lutécia*.

Um Castelo para o Rei: Século XIII – Em 1200, Philippe Auguste fez do Palais de La Cité, atual Conciergerie, o palácio real, sede do poder dos Capetos.

 

 

 

 

 

 

Uma igreja para um Santo Rei: 1249 – São Luís, o então rei Luís IX,  construiu junto ao palácio a magnífica Sainte-Chapelle para abrigar relíquias do Cristo adquiridas durante uma de suas Cruzadas. (Estas relíquias são atualmente expostas uma vez ao mês na Notre-Dame ).

O Golpe do Rei: Século XIV -Em torno de 1300  Philippe-le-Bel* reformou e ampliou o palácio para abrigar o Judiciário e o Administrativo e assim manter ambos os poderes completamente sob sua tutela.

Um esplêndido palácio gótico. Do Palácio de La Cité medieval encontramos a Sala da Guarda e a Sala das Armas erigidas sob Philippe- Le- Bel, bem como cozinhas construídas sob Jean-Le-Bon.

Cozinha 4 lareiras imensas, 1 em cada canto da peça
A escadaria – sala da guarda
Cozinha
Sala da Guarda

O Massacre dos Templários*: O mesmo Philippe-le-Bel cobiçou o tesouro da poderosa ordem católica dos Templários a ponto de mandar prender todos eles e exigir a excomunhão de seus membros pelo Papa Clemente V a fim de apoderar-se das riquezas do grupo e acabar com «um (segundo) Estado dentro do Estado».

A maldição infalível e o fim de um reinado: O grande mestre da ordem, Jacques de Molay, torturado na torre da Conciergerie denominada Tour Bon-Bec* antes de “arder no fogo” da justiça jogou uma praga ao Papa, ao rei e seus herdeiros. O Papa Clemente V, Philipe-le-Bel e seus três filhos morreram sucessivamente pouco tempo após o ocorrido. Sem sucessor, a linha dos Capetos perdeu o trono para os Valois.*

As Torres da Conciergerie são: Tour D’Argent ouTorre de Prata –alusão ao dinheiro da coroa; Tour Cesar – lembra que o palácio foi edificado onde antes viviam governadores romanos, enviados de Cesar; Tour de l’Horloge ou Torre do Relógio , graças ao relógio, presente de Charles V aos cidadãos da cidade, séc XIV; Tour Bon-Bec, literalmente Torre Bom-Bico, fazendo alusão à tortura e confissões nela obtidas.

A maldição e suas consequências:  A briga pela coroa após a morte dos Capetos deu origem à guerra de Cem Anos contra a Inglaterra.

Do Palácio Real ao Tribunal de Justiça.

O Terror: Século XVIII – De 1793 a 1795, o Grande Júri do Tribunal Revolucionário se instalou na Conciergerie e marcou a queda do palácio na fase chamada Terror. Durante a revolução aproximadamente 2500 cabeças foram decapitadas em Paris, 1500 delas durante as 6 semanas do Terror lideradas pelo revolucionário Robespierre, que foi ele mesmo decapitado. Os demais membros do comitê revolucionário concluíram que era melhor decapitar Robespierre, antes que Robespierre decapitasse a todos eles, para ficar só no poder.

Durante a revolução acabaram-se os privilégios do “concierge” que passou a receber os prisioneiros nesta peça.
A profissão de carrasco era passada de pai para filho. E carrasco só casava com filhas de outros carrascos. Era o próprio quem cortava o cabelo dos condenados antes da guilhotina.

Prisão revolucionária. A Conciergerie tornou-se um dos lugares de detenção durante a revolução francesa, com a instalação do tribunal revolucionário. Seu mais famoso prisioneiro foi Marie-Antoinette. No século XIX  uma capela memorial foi construída na localização da antiga cela.

Uma capela memorial foi construída no local onde Maria Antonieta esteve encarcerada.

E para terminar,  fica a dica: A visita dos dois monumentos pode ser feita separadamente, mas há menos fila para a Conciergerie e quem compra o bilhete integrado corta a fila da Santa Capela.

Notas

*Lutécia-Nome de Paris sob o império Romano, iniciado em 50 antes de Cristo.

*1268 -1314 Philippe-Le-Bel ou Felipe, o Belo, rei francês responsável pela perseguição aos cavaleiros templários. Em 1129, A milícia denominada  Pobres Cavaleiros do Cristo e do Templo de Salomão foi criada para manter o caminho de peregrinos desde a França até o túmulo de Cristo accessível.  Sua organização se assemelhava a grupos islâmicos de cavaleiros defensores de Ala. Com perdão para matar em nome de Deus, a Ordem do Templo, como ficou conhecida, constituiu  uma grande fortuna e adquiriu muito poder.   O Papa Clemente V foi, por sua vez, o responsável pelas falsas acusações de heresias que fizeram a perseguição possível.

*Tour Bon-Bec, literalmente  Torre Bom-Bico, fazendo alusão à tortura e confissões nela obtidas.

As palavras de Jacques de Molay : “Papa Clemente… Cavaleiro Guillaume de Nogaret… Rei Filipe; Intimo-os a comparecer perante o Tribunal do Juiz de todos nós dentro de um ano para receberdes o seu julgamento e o justo castigo. Malditos! Malditos! Todos malditos até a décima terceira geração de suas raças!!!”

A saga de Philippe-Le-Bel e seus sucessores foi contada magistralmente na obra “ Os reis malditos” de Maurice Druon, a obra de Druon inspirou o autor de Game of Thrones, George R.R. Martin para criação de seu jogo!

 

Published by

Silvia Helena

Após breves passagens pela Faculdade Metodista de São Bernardo e Belas Artes de São Paulo, aos 18 anos fui estudar no Canadá, onde vivi durante 23 anos. Lá me formei em História da Arte pela Universidade de Montréal, estudei turismo no Collège Lasalle de Montréal e no Institut de Tourisme et Hôtellerie du Québec. Comecei minha carreira na área trabalhando em Cuba. Durante os anos vividos no Canadá, entre outras coisas, fui guia de circuitos pela costa leste e abri minha primeira agência de receptivo para brasileiros. Há dez anos um vento forte bateu nas velas da minha vida me conduzindo até França. Atualmente escrevo de Paris, onde vivo e trabalho dirigindo a empresa de receptivo, a Holatour.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *