O Louvre- prepare sua visita

O Louvre: uma fortaleza

Muitos não sabem que antes de se tornar o museu mais visitado da Europa, o Louvre teve outra vida.

Edificado no século XII, o Louvre era uma fortaleza. O rei Phillipe Auguste desejou proteger a cidade antes de partir para a primeira Cruzada francesa, que tinha como objetivo abrir os caminhos aos peregrinos da França até o sepulcro do Cristo em Jerusalém.

O Louvre: o maior palácio da Europa

Foi a partir do século XIV que a fortaleza tornou-se moradia real. O Rei Charles V, após uma invasão e rebelião de mercadores navegantes, decidiu mudar-se da Conciergerie para o Louvre, onde se sentia mais seguro.  A partir deste momento até a mudança de Louis XIV para Versalhes no século XVII a construção foi submetida a inúmeras melhorias, obras monumentais, caprichos reais.

Assim, com uma área construída de 135 000 m2, o Palácio do Louvre se tornou o maior palácio da Europa.

Durante oito séculos de existência, o Louvre foi marcado por muitos movimentos arquitetônicos, desde a fortaleza medieval do século XII até a polêmica pirâmide de vidro do século XX.

O Louvre: o museu

Inaugurado em 1793 pelos revolucionários franceses a fim de mostrar ao povo as jóias e fastos da coroa, o antigo palácio, recebe atualmente entorno de 9,2 milhões de visitantes ao ano, sendo o museu mais visitado do mundo. É também o monumento e lugar cultural mais visitado na França, com um número maior de visitantes que a própria Torre Eiffel.

Sua coleção atual inclui 554 731 obras, das quais somente 35 000 expostas. O acervo do museu compreende obras das antigas civilizações orientais, egípcia, grega, etrusca, romana e obras de arte ocidentais desde a Idade Média até 1848. Uma nova ala, recentemente inaugurada expõe artes gráficas e artes do Islã. Na ala Denos, minha preferida, encontramos obras notórias como a Mona Lisa, a Balsa da Medusa,  A Liberdade guiando o Povo, o Sacramento de Napoleão .

O Louvre: a visita

Quanto tempo demora uma visita ao Louvre? Se você passar 40 segundos diante de cada obra, irá precisar de 15 dias, 24h/24h para realizar uma visita completa. Sendo assim, para aqueles que não querem perder o essencial fica a dica: prepare sua visita.

Mais de 20 quilômetros de galerias

Os bilhetes podem ser comprados a partir do site do Louvre. “Mas isso nao é tudo”.

Uma visita guiada pode ser uma excelente opção para quem deseja descobrir as obras mais importantes, seus detalhes históricos e ligações com a cultura francesa. A visita guiada em português é realizada em pequenos grupos todas as quintas-feiras pela tarde ou aos sábados pela manhã. Ou ainda, uma visita guiada com guia habilitado pode ser realizada em caráter privativo no momento de sua conveniência.

Le Louvre Michal Barkovski
Graça e Michel Barkowski optaram por uma visita guiada com a guia Valéria

Para aqueles que querem as informações relevantes, mas prezam pela sua liberdade é possível adquirir um áudio-guia na hora da compra das entradas ou até mesmo antes solicitando o sistema Guidedvox a seu receptivo.

Além disso, o Louvre coloca ao dispor do visitante, em seu site, percursos temáticos e oferece igualmente um aplicativo utilizável em seu telefone.

O Louvre e os brasileiros

Os visitantes mais representados em 2017 foram oriundos dos Estados Unidos apresentando um aumento de 23% em relação ao ano anterior (1 milhão ou 13% dos visitantes), da China (626 000 visitantes ou 8%), do Brasil (289 000 visitantes ou 3,5%), do Reino Unido (280 000), da Alemanha ( 259 000) e da Espanha (224 000).

Os maiores aumentos em termos de freqüentação devem-se aos russos (+ 92% em relação a 2016), aos visitantes brasileiros (+ 82%) .

Fiquei feliz em ver como a freqüentação de brasileiros vem aumentando. Porém não fiquei surpresa, afinal com tanta beleza, talento e expressão artística em um só lugar ninguém consegue ficar indiferente.

Horários:

Segunda-feira : 9 h – 18 h
Terça-feira: Fermé
Quarta-feira : 9 h – 21h45*
Quinta-feira: 9 h – 18 h
Sexta-feira : 9 h – 21h45*
Sábado : 9 h – 18 h
Domingo : 9 h – 18 h

Gratuito de outubro a março todo primeiro domingo do mês e para menores de 18 anos com identificação.

*Os dias com horários prolongados  ou visitas noturnas são excelentes para quem busca  desfrutar do passeio com mais calma.

Veja mais imagens:

Império dos sentidos

Quem esteve por aqui nas últimas semanas de 2015 pôde se deleitar com as delícias  oferecidas nos inúmeros mercados de Natal sobre os quais postei fotos anteriormente.Por toda Paris, uma profusão de odores, sabores e cores apelavam para os  sentidos dos transeuntes, convidando-os a tomar um vinho quente, comer uma especialidade local francesa ou ainda cheirar e tocar os inúmeros objetos expostos a fins comerciais.

Mas quem deixou para vir em 2016 não precisa se privar de tais prazeres, bem ao contrário! Há em Paris delicias convidativas em muitos lugares e isso, durante 365 dias ao ano.
Mesmo para quem já conhece a cidade, uma série de novos endereços merecem ser explorados. Especialmente na temporada de inverno, quando o friozinho incita a atividades internas

Uma das mais deleitáveis visitas da cidade acontece no pouco conhecido Museu do Chocolate, situado no bairro 2 de Paris. Uma imensa coleção de artefatos e objetos antigos permite ao visitante uma completa descoberta da história do cacau através dos séculos e em diferentes continentes.
O encontro com um chefe chocolateiro e a degustação de diversos tipos de chocolates constituem o ponto alto (e mais gostoso) da visita. Um verdadeiro prazer para os olhos e o paladar.

A entrada para adultos custa 11€ e crianças 10€. O museu organiza também ateliês em datas específicas ou sob demanda para grupos desejosos em aprender a confeccionar produtos a base de chocolate.  Uma boutique na saída oferece a oportunidade de tomar um chocolate quente ou ainda comprar diferentes tipos de chocolates e uma profusão de produtos ligados ao saboroso artigo.

Outro lugar de incontestável prazer é o Museu do Perfume, pertencente à empresa Fragonard. Graças a uma rica e curiosa coleção de peças ligadas ao perfume e a toalete, assim como ao apoio de lindas fotos e imagens cinematográficas, o museu expõe a trajetória do perfume desde a antiguidade até os dias de hoje.  A visita guiada em português é gratuita e deve ser obrigatoriamente reservada. Nela a guia do museu explica em detalhes os objetos e conta curiosidades sobre o perfume  e hábitos de higiene passados. O agradável momento termina, no entanto, em uma boutique, o que pode intimidar o visitante. Porém nas imensas salas onde estão expostos produtos da casa Fragonard, a guia dá uma aula sobre fragrâncias florais, cítricas, amadeiradas, com direito a provas e perguntas. É o momento de festa para o olfato! Tudo acompanhado por um imenso sorriso e nenhuma pressão para que você compre algo. É vero que fica difícil não comprar nada depois de um atendimento tão impecável e tentador. Eu sou testemunha disso. Mesmo porque, considero a qualidade dos produtos de beleza Fragonard superior aos da conhecida Occitane e os preços mais accessíveis.

A família Fragonard recebe grupos de turistas em sua usina em Grasse no sul da França e no Museu do Perfume em Paris. Aos sábados pela manhã, o museu oferece cursos de confecção de perfume. Além disso, a casa Fragonard  atende a milhões de clientes em suas lojas espalhadas pelo Sul da França e nas 7 lojas situadas nos pontos mais nobres de Paris, tais como o Carrossel do Louvre, a Rua Saint Honoré, a região da Opera, no Marais assim como nos aeroportos.

Paris é o império dos sentidos porque além destes, há na cidade uma série de lugares para atiça-los como, por exemplo, o restaurante Dans le Noir?, onde o cardápio surpresa é servido completamente no breu; o Museu do Erotismo; o Museu do Vinho, entre outros endereços. Humm, bons temas para novos posts.

Boa semana querido leitor(a)

 

Uma brisa de alegria sobre a cidade de Paris

Os termômetros estão subindo e no hemisfério norte este momento tem um significado muito especial para todos: é hora de tirar o mofo, a alegria está no ar. E Paris não escapa da febre, ao contrário, borbulha como champanhe e comemora a chegada do sol “à lá parisiense”.

Além do ambiente festivo nas ruas e bistrôs, algumas exposições desvendam o melhor de Paris com um frescor quase primaveril. Em quatro dos 136 museus da cidade a beleza estética, o amor ao moderno e o otimismo da virada dos séculos 19 a 20 contam alegrar e refrescar os dias parisienses.

 

3-04-2014 005Ruas de ParisPrimavera e exposições alegram o quotidiano parisiense.

 

 

 

 

 

 

  • Comemorando as Exposições Universais, a Revolução Industrial, o Impressionismo, o Art Nouveau e a Belle Époque, a exposição Paris 1900 La Ville Spectacle faz reviver ao visitante clichês da época, mas também desvenda relações entre importantes protagonistas do quotidiano artístico parisiense passando pela pintura, musica, escultura, arquitetura e moda em 1900. De terça a domingo no Museu de Artes Decorativas do Petit Palais até dia 17 de agosto.
  •  No Centro Georges Pompidou Henri Cartier-Bresson revela Paris do século vinte através de sua câmera fotográfica. Considerado pai do jornalismo fotográfico Henri Cartier Bresson viveu entre 1908 e 2004 e e soube como nenhum outro registrar sua época. Até 9 de junho no Centro Georges Pompidou, um lugar, aliás, imperdível da cidade.O Museu de Arte Moderna de Paris está no Marais, na Praça Georges Pompidou, rua St Martin . Apesar de sua polêmica arquitetura, não é preciso ter medo, quem entra não se arrepende. Imperdível também a vista de Paris à partir do café no ultimo andar . Das 11h00 as 21h00 com excessão das terças feiras.
  •  Para aqueles que ousam sair do perímetro turístico tradicional o Museu Marmottan apresenta obras inéditas de pintores impressionistas oriundas de coleções privadas internacionais. Aberto desde 1934, responsável pelo patrimônio artístico de Claude Monet, o museu Marmottan oferece com esta exposição a descoberta de obras até então desconhecidas de Jean-Baptiste-Camille Corot, Eugène Boudin, Édouard Manet, Claude Monet, Pierre-Auguste Renoir, Edgar Degas, Camille Pissarro, Alfred Sisley, Gustave Caillebotte, Berthe Morisot, Paul Cézanne et Auguste Rodin entre outros. Les Impressionnistes en privé Cent chefs-d’œuvre de collections particulières até 6 de julho 2014, de terça a domingo das 10h00 as 18h00 Endereço 2, rue Louis-Boilly 75016 Paris.
  •  The last but not the least – Inesperadamente em plena Paris, os vagões do mítico trem Orient Express permitem ao visitante experimentar em pessoa um pouco do luxo de uma viagem neste trem-proeza que ligava Paris ao, uma vez tão inspirador, Oriente. Mais uma verdadeira“obra de arte” da Revolução Industrial exposta no Instituto do Mundo Arabe.Do 4 abril au 31 agosto 1, rue des Fossés-Saint-Bernard Place Mohammed-V 75005 Paris. Abertura 10h Horários de encerramento variam entre 19h e 21h.
Orient Express 1883 -1977
Delacroix-Entrée des Croisés à Constantinople
1841 Delacroix-Entrée des Croisés à Constantinople