Reconhecer e premiar o mérito também é boa prática

Logomarca do Prêmio Parceiro de Valor Abracorp

Carlos Prado

O mundo dos negócios não se restringe a números frios e impessoais, presentes em cálculos que medem oscilações e projetam cenários.  Por trás das operações contábeis, das cifras e dos gráficos, estão pessoas em carne e osso, que transformam talento, expertise e determinação em resultados compensadores. Em valores que extrapolam o presente para pavimentar novos caminhos rumo ao futuro.

A reflexão vem a propósito da iniciativa que instituiu o prêmio Parceiro de Valor Abracorp. Lançado em julho, durante encontro com jornalistas, objetivo é reconhecer os melhores parceiros de negócios da entidade em 2019. Faz parte do Plano Estratégico 2020 da Abracorp, que prioriza a difusão das melhores práticas empresariais. 

Cerimônia de premiação será no dia 24 de setembro de 2019, na Casa Itaim (Grupo Bisutti), a partir das 19h30, com participação dos convidados.

O certame engloba as seguintes categorias: Cia Aérea Nacional; Cia Aérea Internacional; Hotel Nacional; Hotel Internacional; Locadora Nacional; Locadora Internacional; Assistência Viagem e Transfer, além de duas categorias visando inovação e sustentabilidade no segmento MICE.

Cabe destacar a segmentação 1, 2 e 3, referente ao Aéreo internacional Américas (1); ao Aéreo internacional Europa, África e Oriente Médio (2) e ao Aéreo internacional Ásia e Pacífico (3). Os três segmentos compõem a categoria Companhia Aérea internacional, num contexto em que se verifica a importância crescente do Oriente ao mercado de viagens corporativas no Brasil. Fiquei muito bem impressionado em visita recente ao Sudeste Asiático, que tem muito a ensinar e a trocar com nosso país.

A pesquisa destinada a selecionar os vencedores do prêmio Fornecedor de Valor Abracorp está em curso durante o mês de agosto. Gestão e tabulação dos dados contam com o apoio do Centro de Pesquisa da Universidade Anhembi Morumbi, sob coordenação da professora Elizabeth Kyoko Wada. São levados em conta indicadores qualitativos de desempenho; guia de boas práticas Abracorp; competitividade comercial; eficiência e qualidade no atendimento operacional; tecnologia e inovação; diferenciação na oferta de benefícios; e atratividade de produtos.

Cursos Abracorp

Oportuno registrar que a professora Elizabeth Kyoko Wada é a representante da Universidade Anhembi Morumbi na parceria com a Abracorp, no Projeto IHC (Inovação, Habilidade e Competência). Estão programados vários cursos até novembro, nas áreas de comunicação, gestão, planejamento estratégico, oratória, finanças, clientologia, entre outras. Há turmas fechadas (apenas para profissionais das TMCs associadas) e abertas ao mercado. Vale lembrar que a capacitação é um dos sete pilares que sustentam o planejamento estratégico do Abracorp.

No fecho dessa mensagem, reitero que o prêmio Parceiro de Valor Abracorp traduz, de forma simbólica, o reconhecimento ao profissionalismo e qualidade da cadeia de fornecedores. São eles, os fornecedores, que garantem o bom andamento das principais atividades em viagens corporativas.

Presidente Bolsonaro, o turismo quer e pode ajudar

O país, a despeito do clima nervoso da campanha eleitoral, sai fortalecido pela forma ordeira e republicana com que o pleito se realizou. O resultado da votação, incontestável, legitimou a vontade popular e descortinou a antevisão de cenários iminentes pelas lideranças empresariais.

Como protagonista da ampla cadeia turística, onde se insere a indústria de viagens corporativas, busco captar, filtrar e analisar os primeiros movimentos do eleito, definições de ministros e ministérios, etc. Tudo isso com a lupa focada na relevância que será dada ao turismo como opção segura, rápida e viável à recuperação econômica do país.
A expectativa da Abracorp e de toda a cadeia produtiva do setor de turismo, pode ser resumida em duas premissas: 1 – Cabe ao governo centrar foco e priorizar ações ao setor de viagens e turismo. 2 – A Abracorp e toda a cadeia produtiva do setor de viagens e turismo estão empenhados em trabalhar a favor do desenvolvimento da atividade econômica.
Vejo com bons olhos os propósitos declarados pelo economista Paulo Guedes, no sentido de que é preciso reduzir impostos, em vez de distribuir subsídios. Também enxugar a máquina pública e promover a desburocratização, para que investimentos privados possam prosperar com ganhos de produtividade e competitividade.
O redesenho dos ministérios, em gestação, é compreensível. A eventual fusão que resulte na nomenclatura Indústria, Comércio e Turismo, cogitada como alternativa, é bem avaliada pelos players e lideranças setoriais. Porém, em qualquer hipótese, defendemos que haja recursos e estrutura compatíveis com a importância do setor. Quem sabe um aparelho mais ágil e resolutivo, sob a chancela de uma mega secretaria.
A expectativa inclui a percepção clara, por parte do governo, de que o Brasil é o destino número um no ranking mundial dos países com mais atrativos naturais. E o oitavo com mais atrativos culturais. O fortalecimento integrado do nosso receptivo, por meio de políticas de Estado – e não apenas de Governo – abrirá as portas dos nossos tesouros para o mundo. Nosso portfólio ganhará destaque nas vitrines internacionais, para atrair viagens a lazer e a negócios.
Todos sabemos, muito bem, que o mercado de viagens corporativas anda, avança e prospera ao ritmo da roda da economia. Executivos e técnicos cruzam o planeta com mais intensidade quando o deslocamento se justifica. E é nesse clima de expectativa e esperança que todas as entidades do trade estão unidas e articuladas, para que possamos nos posicionar à altura da força que representamos. A união setorial e de toda a cadeia de valor é o nosso ativo mais valioso.
*Carlos Prado é empresário e presidente do Conselho de Administração da Abracorp

Por que intermediar com uma TMC?

De acordo com publicações especializadas do setor, a  BTN – Business Travel News, as 100 maiores empresas demandadoras de serviços de viagens corporativas do maior mercado (EUA)  do segmento a maioria absoluta, recorre aos serviços de uma TMC.
Não por coincidência nem acaso, o desafio da gestão de viagens corporativas, especialmente diante do atual cenário de adversidades econômicas, e posicionamento das empresas diante do novo ambiente de negócios, impõe estratégias além da redução de custos.
O potencial de benefícios com o gerenciamento de viagens ou Programa de Viagens, de forma consolidada, com a intermediação de uma agência de viagens variam muito em oportunidades e ganhos.
Com a expertise da indústria, a TMC é capaz de avaliar e recomendar:  
 Gestão do volume aéreo – permite uma avaliação assertiva quanto a recomendação do melhor provedor aéreo, considerando sua cobertura e destinos para o cliente, considerando análise de benchmarking.
 Gestão do volume hotel – elaboração de estudo de oportunidades tendo em conta mapeando de propriedades mais convenientemente localizadas, com pacote mais competitivo de serviços de conveniência como internet.
 Serviços terrestres – com o conhecimento de serviços terrestre especializados, operando com fornecedores homologados,  a economia no processo de negociação vem com a segurança da execução dos serviços.
 Avaliação de resultados – a análise do conjunto de ações relacionadas, mas não limitadas a: execução de programas de fornecedores preferenciais da cadeia, taxa de aderência a Política de Viagens, entre outros itens alinhado a inteligência de dados da TMC, é possível ainda identificar economias perdidas.
Os itens resumidos não são de menor importância quando comparado a outros atributos entregues por uma TMC como a tecnologia online, ferramentas de rastreabilidade de viajantes, e aplicação dos benefícios do Traval Analytics que trata do processo de gestão de viagens, cruzando inúmeras possibilidades que permitam a montagem de cenários de melhorias relacionadas à otimização de processos, economia financeira e satisfação dos viajantes.
Esse conjunto resumido de itens de um programa de viagens vêm em media, reduzindo em 25% os custos com viagens das corporações, a exemplo das 100 maiores empresas, sem comprometer alocação de recursos ligados ao seu “core business”.
Enfim, simplificação de processos operacionais; facilidades de suporte às atividades de treinamento de usuários e monitoria eficiente no controle dos programas e políticas de viagens estabelecidas são vantagens comparativas que permitem mitigar riscos e garantem a excelência no padrão de serviços (SLA) por meio da inexorável concentração de uma TMC.