O incrível caso da hotelaria das Maldivas na pandemia

O ano de 2020 foi seguramente o mais desafiador para a hotelaria e a indústria do turismo em geral, no mundo todo. Muitos hotéis passaram meses fechados, e alguns anunciam agora reaberturas somente para o começo de 2021. Mas mesmo em um ano com tantas dificuldades para a hotelaria frente à pandemia, e no qual a maior parte das pessoas sequer viajou, surge o incrível caso das Maldivas. A hotelaria do idílico arquipélago no Oceano Índico celebra uma impressionante recuperação e vem se convertendo no grande destino de 2020.

Siga as Hotel Inspectors também no Instagram!

Desde março, viajantes com os mais diferentes perfis (incluindo inúmeras celebridades nacionais e internacionais) escolheram seus resorts como uma espécie de refúgio da pandemia que assola o planeta há mais de nove meses. Puro estilo turismo de isolamento.

Há hotéis que fecharam por alguns meses, é claro; mas vários deles seguiram operando normalmente, mesmo enquanto as fronteiras internacionais estavam fechadas. Hóspedes pré-pandemia decidiram seguir ali, isolados em vilas pé-na-areia e bangalôs sobre o mar, ao invés de voltar para seus países de residência. 

Mais que isso: diversos resorts viram, logo antes das Maldivas fecharem suas fronteiras internacionais ainda em março, turistas chegaram ali em seus jatinhos e iates justamente para fugir dos lockdowns que começavam em seus países de origem.

LEIA TAMBÉM: A evolução dos hotéis durante a pandemia.

.

Dia-a-dia sem pandemia

O incrível caso da hotelaria das Maldivas durante a pandemia pode parecer um roteiro de ficção para quem vê de fora. Ali hóspedes vivem o dia-a-dia sem máscaras nem muitas preocupações com distanciamento social, como se a Covid-19 não existisse.

Um dos poucos destinos abertos para qualquer turista internacional, sem restrições inclusive para brasileiros, o arquipélago tem o novo coronavírus sob relativo controle (menos de 13 mil casos totais e 46 mortes desde o começo da pandemia). E recebeu do World Travel and Tourism Council (WTTC) a alcunha de “destino seguro” há três meses (apesar de todas as questões com o ISIS em andamento).

O segredo? Uma resposta rápida, eficiente e conjunta entre governo, hotelaria e companhias aéreas, com regras claras, comuns e objetivas. Valorizando também, é claro, as caraterísticas naturais de isolamento geográfico, distanciamento social e predominância de atividades ao ar livre do destino.

LEIA TAMBÉM: O que há de especial na hotelaria das Maldivas

.

Estadias mais longas e frequentes

O incrível caso da hotelaria das Maldivas na pandemia tem gerado não apenas um fluxo constante de viajantes ao longo dos meses, como a maioria deles está fazendo do arquipélago seu único destino da viagem, aumentando a duração das estadias nos resorts. Graças a muitas pessos trabalhando em home office e muitas famílias com as crianças em ensino à distância, as extended stays ficaram ainda mais frequentes por lá.

LEIA TAMBÉM: O crescimento das estadias prolongadas durante a pandemia.

Oferecendo promoções desde o começo da pandemia, resorts locais receberam pela primeira vez reservas de brasileiros para estadias de um mês inteiro. “As Maldivas reabriram suas fronteiras para viajantes de qualquer nacionalidade, e a maioria das pessoas já associa o destino a segurança, com teste negativo, local remoto, tudo feito ao ar livre. Com os preços tão atrativos, a demanda realmente aumentou muito”, diz Clara Campos, diretora comercial da Minor Hotels para América do Sul.

Muitos dos resorts criaram pacotes especiais para favorecer as estadias prolongadas (extended stays), que seguem fazendo sucesso entre os mais diferentes perfis de viajantes. Um dos hotéis mais procurados por brasileiros no arquipélago, o Anantara Veli, foi ainda mais longe e criou agora no final do ano um pacote que dá direito a até 365 dias consecutivos de hospedagem. O pacote inclui livre trânsito dos hóspedes, traslados ilimitados de e para Malé e mais uma série de mimos e privilégios durante a estadia. 

LEIA MAIS sobre o Anantara Veli aqui.

.

Promoções constantes e parcerias com celebridades

Além disso, a parceria constante da hotelaria local com celebridades (brasileiras, de Hollywood e Bollywood), agentes de viagem e influenciadores também tem sido essencial para colocar o destino cada vez mais em evidência como “ambiente livre de Covid” nas redes sociais. “Tanto o órgão de turismo local quanto os hotéis sempre tiveram uma política de relações públicas e divulgação bastante sólida, facilitando o acesso de celebridades, influenciadores e agentes de viagem. E agora seguem promovendo essa política mais do que nunca”, conta Bruno Vilaça, proprietário da Superviagem.

“Os hotéis estão todos com promoções realmente atraentes, com descontos reais entre 25% e 50% em relação aos valores que costumavam praticar antes da pandemia”, diz Jacque Dallal, da Be Happy, uma das agências que mais vende viagens para as Maldivas no Brasil. “Estamos vendendo bem Maldivas desde maio, e vendendo o mesmo tanto que vendíamos antes da pandemia”, conta. 

A resposta sincronizada das companhias aéreas foi capaz de criar inclusive uma oferta de voos internacionais a Malé ainda maior do que a existente pré-pandemia. A Qatar Airways, umas das principais responsáveis pelo transporte de brasileiros ao arquipélago, criou exigências para embarque em seus voos que também aumentam a sensação de segurança do destino, como apresentação de teste PCR negativo no check-in em São Paulo e embarque obrigatório nos aviões com uso de máscara e face shield. A companhia passou agora a realizar também testes rápidos gratuitos e obrigatórios na conexão no aeroporto internacional do Catar em todo passageiro com destino a Malé. 

VEJA TAMBÉM: Como é fazer conexão em Doha.

.

O protagonismo da rede Soneva

Hotéis e resorts estabeleceram rapidamente regras claras e amplamente divulgadas para garantir a segurança sanitária de staff e visitantes. Mas talvez o maior case da hotelaria das Maldivas durante a pandemia seja o da rede Soneva. Suas duas propriedades no arquipélago, Soneva Fushi (que tive o prazer de conhecer em 2019 e mostro em detalhes também no meu instagram @maricampos) e Soneva Jani, ficaram fechadas por vários meses durante pandemia até que a rede encontrasse sua fórmula perfeita de segurança para reabrir as portas aos turistas. 

LEIA AQUI como é se hospedar no Soneva Fushi.

O visionário Sonu Shivdasani contratou e treinou equipe médica exclusiva e montou um laboratório de análises particular em parceria com a Roche em uma ilhota não muito distante dos resorts (cada um instalado em uma ilha privativa diferente).

Hoje, todo novo hóspede dos dois resorts da rede é levado diretamente para sua própria vila para colher material para um novo teste, gratuito, que garante uma espécie de  “camada extra de proteção” contra o coronavírus. O hóspede fica então “confinado” aos limites da sua vila (com alimentação, acesso ao mar e à piscina privativa) até que saiam os resultados negativos dos testes – o que normalmente acontece até a hora do jantar do primeiro dia. 

Iniciativa de sucesso

O staff dos hotéis é testado frequentemente e deixa os resorts com muito menos frequência do que faziam no pré-pandemia. Além disso, os funcionários dedicados a receber novos hóspedes não têm nenhum tipo de contato com hóspedes já negativados. 

LEIA TAMBÉM: Turismo de luxo segue firme durante a pandemia.

A iniciativa adotada pelos hotéis Soneva tem sido tão bem sucedida que outras redes presentes no arquipélago já cogitam adotar metodologia semelhante para 2021.

Com os testes feitos in loco, as máscaras foram 100% abolidas nos resorts, hóspedes e staff interagem livremente entre si o tempo todo, e até os serviços de buffet e as clássicas salas self-service de sorvetes e chocolates da rede foram mantidos. “Dentro dos hotéis simplesmente não se fala de Covid. A gente vive o dia-a-dia como se realmente não houvesse pandemia no mundo”, conta Fernanda Schmidt, da Beyond Destinations, que acaba de voltar de lá com a família.

E tem mais: se o hóspede recém-chegado a qualquer um dos resorts Soneva testar positivo, ele deve ficar confinado em sua vila até que o teste dê negativo – mas a rede garante até 14 dias de cortesia nas diárias nesse caso. Ousados, para dizer o mínimo.

.

.

.

VEJA TAMBÉM: Os melhores hotéis do ano.

.

Leia tudo que já publicamos sobre hotelaria em tempos de pandemia.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.


Piscina no Four Seasons Bangko

Novos hotéis de luxo para 2021

A ILTM Cannes, a maior e mais importante feira de viagens de luxo do mundo, todo dezembro na Riviera Francesa, e as versões regionais foram canceladas em 2020. O evento de Cannes, no qual eu estaria pela nona vez, se transformou no ILTM (International Luxury Travel Market) World Tour, dividido por três diferentes mercados. Participei da seção Americas, realizada virtualmente. De modo geral, a ILTM mostrou que o setor de viagens de luxo é resiliente. Na hotelaria, propriedades foram abertas em 2020 e há novos hotéis de luxo previstos para 2021 em todo o mundo.

Ao longo de 2020 propriedades independentes e de pequenas e grandes redes fecharam, outras tiveram suas aberturas adiadas, mas o segmento continua sólido e se adaptando aos novos hábitos de consumo. Ben Trodd, vice-presidente de Vendas e Marketing do grupo canadense Four Seasons, destaca dois exemplos de hotéis da rede que, como muitos de nós, se “reinventaram” na pandemia. O FS Jackson Hole, no Wyoming, procurado por turistas estrangeiros, agora recebe 80% de público doméstico e garantiu boas taxas de ocupação no verão. É a staycation versão Estados Unidos. Já o FS Punta Mita, no México foi pioneiro no hotelschooling voltado para o mercado americano. “Estamos tomando decisões baseadas na ciência e priorizando a segurança de nossos colaboradores”, diz Trodd.

Ainda não podemos viajar por aí sem preocupação, mas há muita coisa boa nos esperando pelo mundo. A seguir, alguns novos hotéis de luxo de 2021.

Inspiração & informação: clique para seguir o Instagram @HotelInspectors

Leia também: Como é dormir em uma locação da série “Bridgerton”

Cheval Blanc Paris

Um dos novos hotéis de luxo mais aguardados para 2020 está pronto para ser inaugurado em 2021. Anne-Laure Pandolfi, diretora de Relações-Públicas e Inovação da área de hotelaria do conglomerado de luxo LVMH (Moët Hennessy Louis Vuitton), diz que grife francesa pretende anunciar em fevereiro a data de abertura de seu quinto hotel. O Cheval Blanc Paris está instalado no impressionante prédio art déco da antiga loja de departamentos Samaritaine, um ícone às margens do Rio Sena, e terá 72 quartos e suítes. Pandolfi anunciou ainda que a marca trabalha em um projeto de longo prazo para 2025 em Los Angeles, na Rodeo Drive em Beverly Hills.

Leia também: O que realmente mudou nos hotéis com a pandemia

Airelles Château de Versailles, Le Grand Contrôle

Outra grife francesa vai inaugurar uma propriedade das mais exclusivas em 2021. O Airelles Versailles terá apenas 14 acomodações, com móveis originais do século XVIII e design assinado pelo parisiense Christopher Tollomer, o mesmo dos outros hotéis franceses da marca criada em 2017. Os hóspedes terão acesso ao palácio em horários especiais, inclusive à noite, e jantares festivos assinados por Alain Ducasse. “Inicialmente pensamos que uma noite em Versailles é o suficiente. Mas como todas as experiências que vamos oferecer esperamos que os hóspedes fiquem duas noites”, diz Kevin Triboulet, diretor de Vendas e Marketing. Para 2023 e além, há planos de novos hotéis em Paris e Veneza (este seria o primeiro fora da França).

Novos hotéis de luxo em 2021: One&Only Portonovi, Montenegro
Vista da varanda de um dos quartos do O&O Portonovi | Foto de divulgação
One&Only Portonovi

Em 21 de março de 2021 a O&O inaugura seu primeiro resort europeu, outro projeto adiado de 2020. Portonovi, em Montenegro, tem 130 acomodações e as reservas estão abertas. O segundo hotel O&O na Europa, na ilha grega de Kéa, ficou para 2022. Marca que faz parte do grupo Kerzner International, a One&Only chegou ao evento da ILTM comemorando a abertura e as taxas de ocupação do Mandarina, o segundo resort O&O no México. “As 54 villas no Mandarina já foram concluídas levando em conta o distanciamento social”, diz David Solis, diretor regional de Vendas e Marketing. Pelas fotos que mostramos em primeira mão no Instagram @HotelInspectors parece mesmo um lugar para ocupar o topo da lista de desejos. O hotel fica a uma hora de carro do aeroporto de Puerto Vallarta, cidade histórica na costa do Oceano Pacífico, e tem um restaurante do premiado chef Enrique Olvera.

Leia também: Hotéis para respirar ar puro na serra do Rio de Janeiro

.

Four Seasons Napa Valley

O novo FS na principal região vinícola da Califórnia terá 85 acomodações, duas piscinas ao ar livre e spa com tratamentos voltados para o bem-estar. A inauguração está prevista para o início do ano, mas ainda sem data marcada. A rede canadense planeja outras aberturas para 2021, entre elas Nova Orleans, com vista para o Rio Mississippi; Tamarindo, na Costa Oeste do México, e San Domenico Palace, endereço italiano histórico em Taormina, na Sicília. Já o FS Bangkok at Chao Phraya River (foto no início do texto) é um hotel novo que marca o retorno da rede à capital tailandesa, em 18 de dezembro de 2020.

Leia também: É seguro usar piscina de hotel durante a pandemia?

Novos hotéis de luxo para 2021: Waldorf Astoria Monarch Beach, na Califórnia
O beach club do Waldorf Astoria Monarch Beach, na Califórnia | Foto de divulgação
Waldorf Astoria Monarch Beach

A clássica marca de luxo do grupo Hilton acaba de assumir a operação do Monarch Beach Resort, em Dana Point, no Sul da Califórnia. A esperada reabertura do hotel de Nova York, ícone da hotelaria em Manhattan, ficou para 2022, assim como a inauguração em Londres no centenário Admiralty Arch. O histórico WA New York terá menos quartos e mais espaço. O projeto é de antes da pandemia (as obras de renovação começaram em 2017). Dino Michael, chefe global da Waldford Astoria, chamou a atenção para os ajustes sutis da hotelaria de luxo sobre os quais já escrevemos aqui: “Somos abençoados com espaço e podemos facilmente oferecer um escritório com vista, uma workcation”. Para o futuro mais distante, em 2026, está previsto o primeiro WA japonês, em Tóquio.

Leia também: Cinco inovações que vão mudar a hotelaria

Crockfords Las Vegas, LXR

Previsto para julho de 2021, o hotel terá 230 quartos no Las Vegas Boulevard, perto do Wynn. Esta é a mais nova marca de luxo do grupo Hilton: “Na LXR os hoteleiros são independentes. Os hotéis têm características próprias e permitem que sejam criadas experiências diferentes em cada um deles. São destination experiences para atrair hóspedes de outros resorts”, conta Feisal Jaffer, chefe global da marca hoje com seis hotéis em diferentes países. Entre eles está o Oceana em Santa Monica, Califórnia, que reabre como LXR em janeiro. Em setembro deve ser inaugurado o Roku Kyoto. O hotel de Londres, The Biltmore, Mayfair, pode ser considerado uma novidade. Abriu no final de 2019, fechou em março e reabre em abril de 2021.

Leia também: O que mudou no bufê de refeições dos hotéis na pandemia

.

The Residences Dorchester Collection Dubai

O crescimento dos residenciais de luxo com serviços de hotelaria de grife é uma tendência do mercado. O grupo Dorchester Collection inaugura em 2021 The Residences Dubai. O hotel mesmo, o décimo da marca, só deve abrir as portas em 2022. Todos as nove propriedades do grupo estão funcionando, ainda que nem todos os restaurantes estejam abertos. Há planos de crescimento: “Certamente vamos nos expandir no futuro próximo para a Ásia e a América Latina. Estamos olhando o mercado latino-americano muito de perto, especialmente São Paulo”, diz o CEO Christopher Cowdray.

Com este rápido panorama dos novos hotéis de luxo em 2021, encerro meu ano no Hotel Inspectors. Ainda teremos mais uma coluna este mês, assinada pela inspector Mari Campos. Foi um ano duro para todos nós. No Hotel Inspectors nos esforçamos para trazer as novidades e as melhores análises das transformações pelas quais a hotelaria está passando em tempos de Covid-19. Vimos nossa audiência aumentar muito, aqui e no Instagram @HotelInspectors, e tivemos o reconhecimento da lista 100+ Poderosos do Turismo Panrotas Elo na categoria Conteúdo e Mobilização.

Muito obrigada pela companhia e até 2021!

Leia também: Os melhores hotéis do meu 2019 (por @CarlaLencastre)

Tudo o que publicamos sobre hotelaria na pandemia está neste link.

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectors, no Twitter @HotelInspectors e no LinkedIn @HotelInspectors

O crescimento das estadias prolongadas em 2020

Desde abril passado, quando o mundo todo já tinha entendido que estávamos vivendo uma pandemia e tantas fronteiras permaneciam fechadas em todo o planeta, muitos hoteleiros começaram a ver inesperadamente o crescimento das estadias prolongadas. Hóspedes buscando nos mais diversos destinos acomodação não por duas ou três noites, mas sim por duas semanas, um mês e até dois meses se tornaram cada vez mais frequentes. 

Acompanhe mais notícias da hotelaria no nosso Instagram.

O crescimento das estadias prolongadas (as chamadas long stays/extended stays) em parte da hotelaria em 2020 tem sido uma ferramenta importantíssima na recuperação do setor nestes tempos de pandemia. Em comum, a maioria destes hóspedes vem de cidades grandes e busca alternativas com maior espaço ao ar livre e maior conexão com a natureza para se manter socialmente distanciado em um endereço fora de seu próprio domicílio. 

Algumas propriedades chegaram a notificar um crescimento de até 300% na procura por estas estadias prolongadas neste ano, sobretudo em hotéis e pousadas à beira-mar ou rodeados por montanhas, desde o começo da pandemia.

Acomodações em estilo villa e chalés estão se tornando cada vez mais disputadas (como já comentamos em textos anteriores por aqui) pela privacidade e isolamento que naturalmente oferecem. Mas diversas propriedades têm visto também com frequência – graças a tantos profissionais em home office por tempo indeterminado e tantas crianças e adolescentes em EAD – famílias inteiras ocupando de dois a cinco quartos de uma vez em um mesmo hotel. 

LEIA TAMBÉM: Pandemia pode transformar o home office em road office.

.

Provence Cottage. Foto: Mari Campos

Um novo perfil de hóspede para as estadias prolongadas

Há gente planejando fazer quarentenas voluntárias em um destino diferente do seu e há gente também que, ao invés de planejar muitas pequenas viagens diferentes como fazia antigamente, passou a optar por apenas uma escapada – um único destino, mas por muito mais tempo. 

Propriedades em diferentes países estão apostando neste mercado. Alguns destinos nos EUA e na Espanha, por exemplo, começaram a oferecer pacotes de estadia baseados em pelo menos um mês de hospedagem ainda no primeiro semestre. O movimento foi tão significativo em alguns destinos que há hotéis fazendo mudanças estruturais para conseguir atender esses hóspedes. 

Afinal, muitas propriedades econômicas, por exemplo, acostumadas a receber hóspedes “de passagem” por uma ou duas noites, sequer tinham itens como guarda-roupas, mesas e cadeiras nas acomodações; em pouco tempo, se viram obrigados a transformar seus quartos para acomodar adequadamente os hóspedes com estadias prolongadas que não paravam de chegar. 

E os casos são geralmente muito bem sucedidos. Os hotéis HomeTowne Studios (antigos Red Roof), por exemplo, investiram pesado neste modelo e sua performance em tempos de Covid já se compara em números a 2019, com mais de 80% de ocupação média neste ano. Mesmo que as tarifas praticadas sejam menores, os hóspedes estão ficando por mais tempo, o que tem equilibrado as finanças de muitos hotéis. 

Leia também: A evolução dos hotéis durante a pandemia.

.

Foto: Four Seasons Image Library

Um conceito de hospedagem criado há 35 anos

O conceito de estadia prolongada (extended-stay) teria sido criado há cerca de 35 anos por Jack DeBoer e Robert L. Brock, fundadores da rede Residence Inn. A marca deu tão certo que hoje é parte da Marriott International.  Já nos anos 2000, o próprio DeBoer criou uma nova rede similar, mas ainda mais econômica: a Value Place. Anos depois, mudou o nome da rede para WoodSpring Suites para vende-la para a Choice Hotels International há dois anos. 

A Choice Hotels também tem um excelente histórico de redes focadas em estadias prolongadas, como MainStay Suites e Suburban, e agora está lançando mais uma marca, a Everhome Suites, que já vem sendo muito bem recebida pelo mercado. 

Além dos índices satisfatórios de ocupação, muitos hotéis que investiram mais em extended-stays viram também queda nos custos operacionais ao cortar os bufês de café da manhã e diminuir a frequência do serviço de camareira como medidas de segurança na pandemia.

Muitas redes estão usando também estes duros meses de 2020 para reavaliar que padrões e amenidades devem mesmo manter quando a pandemia estiver sob controle. 

LEIA TAMBÉM: A revolução cultural na hotelaria em 2020.

Diversos hóspedes também reavaliaram suas prioridades ao escolher uma acomodação na pandemia e passaram também a considerar cozinhas como uma amenidade muito importante. Hoje, investidores do setor hoteleiro também já consideram acomodações com pequenas cozinhas as melhores alternativas de investimento nestes tempos. 

.

Anantara Veli. Foto Divulgação.

O crescimento das estadias prolongadas em 2020 também no mercado de luxo

No começo da pandemia, muitos dos hóspedes procurando estadias prolongadas eram trabalhadores essenciais da saúde, logística e construção. Em pouco tempo, a hotelaria de luxo começou a ver também famílias inteiras buscando estadias prolongadas em hotéis e villas nas Maldivas (destino que, aliás, segue sendo um verdadeiro case de sucesso neste 2020, tema que abordarei em uma próxima coluna). 

A coisa foi levada tão a sério nas Maldivas – testemunhando celebridades se mudando praticamente de mala e cuia para lá, por meses a fio – que o resort Anantara Veli achou por bem criar um pacote de estadia ilimitada por até 365 dias consecutivos.

LEIA MAIS sobre hotelaria nas Maldivas aqui.

Misty Belles, diretora de relações públicas da Virtuoso, disse recentemente que o comportamento do viajante de luxo realmente mudou e a tendência atual são viagens com semanas de duração. Com tanta gente trabalhando remotamente e sem a necessidade de as crianças voltarem para a escola em muitos países, tempo virou o verdadeiro luxo. 

O grupo Auberge Resorts, que possui 19 propriedades focadas no mercado upscale e de luxo, teve dezenas de reservas de estadia prolongada neste outono do hemisfério norte – contra apenas uma no mesmo período do ano passado. 

O Eden Roc Cap Cana, na República Dominicana, foi ainda mais longe no seu programa de estadia prolongada para famílias: a reserva de uma suíte de dois quartos com vista para o mar inclui todas as refeições, uso de escritório para trabalho e atividades ilimitadas para crianças, de aulas de culinária e esportes a aulas de idiomas e instrumentos. 

Os hotéis Hyatt Ziva e Hyatt Zilara, no Caribe, também criaram programas de extended-stay focados em hóspedes que trabalharão remotamente. Os pacotes para quem se hospedar por pelo menos duas semanas incluem estações de trabalho, suporte de TI, serviços educacionais e recreativos para as crianças e até personal trainer três vezes por semana e serviço de lavanderia gratuita. 

Pequenos hotéis e pousadas no Brasil passaram a oferecer a possibilidade de serem reservados por inteiro por um determinado grupo ou família. Mesmo redes hoteleiras tradicionais, como Four Seasons, deram ainda mais prioridade aos seus serviços de villas e residences (com serviço completo) para as estadias prolongadas neste 2020.

LEIA TAMBÉM: O futuro do turismo de luxo no Brasil.

.

Foto: Four Seasons/ Divulgação

Crescimento das estadias prolongadas deve seguir em 2021

Ainda assim, vale lembrar: embora a indústria hoteleira esteja testemunhando um crescimento sem precedentes das estadias prolongadas neste 2020, este tipo de acomodação ainda representa apenas 5% da ocupação geral dos hotéis e pousadas. Mas especialistas do setor acreditam que esse número deve crescer ainda mais nos próximos meses, com tantas empresas anunciando que não devem voltar ao trabalho presencial pelo menos até 2022. E mais: alguns acreditam que hóspedes que optem pela estadia prolongada durante a pandemia podem acabar reservando mais extended stays no futuro. 

.

.

.

Leia tudo que já publicamos sobre hotelaria em tempos de pandemia.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

Piscina do Sheraton, resort urbano no Rio

Staycation: como é se hospedar em um resort urbano no Rio

Biossegurança, protocolos, staycation são palavras com novos significados na pandemia de Covid-19. Staycation, algo como férias em casa ou nos arredores, continua sem tradução em português. Mas é algo que já fiz algumas vezes no Rio de Janeiro, onde moro, e que ganhou outro sentido na versão pandêmica. Depois de quase oito meses, meu primeiro check-in foi em um resort urbano no Rio. A ideia era aproveitar a mudança de ares para descansar, trabalhar e vivenciar as mudanças pelas quais a hotelaria está passando. Recentemente, fui conferir como estão funcionando os restaurantes de hotéis na orla carioca. Agora dei mais um passo.

Esta staycation durante a pandemia foi em hotel de grande rede internacional, com procedimentos claros, que reunia tudo o que eu buscava naquele momento. Mas há muitas propriedades pequenas em que tudo também está certo. O importante é escolher o que melhor se adequa ao que cada um procura. No meu caso, buscava um lugar perto de casa, de frente para o mar, em meio ao verde, com ar puro e espaço para praticar distanciamento social sem esforço e recuperar um pouco os movimentos fazendo uma das coisas que mais gosto na vida: viajar. Ainda que para um destino realmente hiperlocal, a menos de10km do meu endereço.

Leia mais: As novidades na hotelaria de luxo para 2021

Inspiração & informação: clique aqui para seguir o nosso Instagram

.

Sheraton Grand Rio, resort urbano de frente para o mar

Décadas antes de pensarmos em pandemia, o Sheraton Grand Rio já era um resort urbano com ampla área de lazer ao ar livre. Há 46 anos entre as praias de Leblon e São Conrado, com vista livre para o Oceano Atlântico, foi renovado para as Olimpíadas de 2016 e está bem conservado. O hotel, o primeiro de marca internacional no Rio de Janeiro, fica perto das melhores praias cariocas, de bares e restaurantes e do comércio. Mas escolhi não sair do resort e aproveitar todas as comodidades, entre elas a exuberância da natureza ao redor, como mostrei no meu Instagram.

Fui durante a semana, já que meu trabalho remoto permite. Encontrei pouca gente (todos respeitando as regras, inclusive o uso obrigatório de máscara nas áreas comuns), ambientes limpos e serviço acima da média com equipe gentil e eficiente em todas as áreas. O hotel retomou as atividades em setembro seguindo os novos procedimentos de limpeza da Marriott International sobre o qual já falamos aqui (detalhes no site da rede). O resort tem também os selos de conscientização municipal, estadual e federal.

Leia mais: Os desafios do turismo no Estado do Rio

.

Biossegurança: álcool gel por toda a parte e menus por QR code

O check-in pode ser feito pelo aplicativo Marriott Bonvoy ou, rapidamente, no lobby imenso e vazio, com álcool gel, barreira em acrílico protegendo os funcionários e marcação no piso. Os elevadores têm avisos lembrando que eles não devem ser usados por mais de duas pessoas de bolhas diferentes, além de álcool gel ao lado das portas e nas cabines.

Os quartos, com decoração clássica, estão disponíveis em diversas configurações. Vale a pena investir em uma das opções com vista para o mar. Na chegada, o aviso na porta diz que ninguém entrou depois da limpeza. Um código QR leva ao menu do room service e do minibar, que agora é abastecido sob demanda. O Wi-Fi funciona perfeitamente.

Leia mais: Como estão funcionando os hotéis do Rio na pandemia

.

Lazer: Uma das maiores áreas ao ar livre da hotelaria carioca

Há álcool gel por toda a propriedade, com destaque para os totens que funcionam por aproximação no acesso à área de lazer. Com muito verde e voltado para a praia, o ambiente ao ar livre é espaçoso e não favorece aglomerações. Há duas piscinas (a infantil, no momento, abre apenas nos fins de semana), uma jacuzzi, duas quadras de tênis e espreguiçadeiras por toda a parte. A trilha sonora às vezes pode ser animada demais para um ambiente tão tranquilo, mas basta se afastar um pouco das caixas de som para ouvir apenas o barulho do mar. Academia de ginástica, salão de beleza e saunas seca e a vapor ficam no spa e funcionam com hora marcada. A área de lazer do resort também pode ser aproveitada em day use.

Uma escadinha em madeira leva direto à Praia do Vidigal. Que não é privativa do hotel, mas parece. O outro único acesso é por uma escadaria que sai da Avenida Niemeyer. Durante a semana a prainha, com faixa de areia de 500 metros de extensão, costuma estar vazia. O serviço de praia do Sheraton está suspenso e ainda não tem data para voltar.

Leia mais: É seguro usar piscina de hotel na pandemia?

.

Comes e bebes: restaurantes reabrindo aos poucos e bom room service

A área de alimentos e bebidas do Sheraton Grand Rio é onde mais se nota os efeitos da pandemia. Nos dias de semana, estão funcionando apenas o bar da piscina (12h às 17h) e o restaurante Casarão (das 6h às 23h). O cardápio à la carte é variado, as mesas estão afastadas umas das outras e o restaurante tem uma gostosa varanda aberta. Para quem não pretende sair do hotel acaba sendo meio monótono fazer todas as refeições no mesmo lugar.

O Club Lounge está aberto apenas durante a tarde para um café expresso ou uma água. Estão suspensos o serviço de café da manhã e a happy hour. Às sextas-feiras e aos sábados abrem na parte da tarde e à noite a Casa da Cachaça (de pizzas, petiscos e sanduíches, vizinha do Casarão na área das piscinas); o Lobby Bar e o L’Etoile, restaurante gourmet no 26º andar.

O room service funciona bem e os pratos chegam na temperatura certa, mas o cardápio é bem menor do que o do restaurante. Já no café da manhã a melhor opção é mesmo pedir no quarto. O café farto chega muito bem apresentado. Com o room service, dribla-se o ponto em que o Sheraton poderia fazer melhor: o bufê de refeições self-service. Aqui o hotel segue o novo padrão de bufê pandêmico de resort, com muito plástico (espere encontrar laranjas com casca embrulhadas em filme de PVC), e pré-pandêmico, com desperdício de comida.

Leia mais: Plástico, a nova obsessão dos resorts brasileiros

.

Antes de ir

Com o aumento dos casos de Covid-19 em todo o país, inclusive no Rio de Janeiro, o cenário ainda é de incerteza. Antes de planejar uma staycation ou um day use é importante confirmar com o hotel, qualquer que seja a categoria, quais serviços estão funcionando e as regras da propriedade. E, claro, ter bom senso para avaliar se é um bom momento para uma escapada.

Tudo que publicamos sobre hotelaria na pandemia está neste link

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog, no Twitter @InspectorsHotel e no LinkedIn @Hotel Inspectors

A força dos pequenos na hotelaria

É inegável o quanto os hotéis se transformaram desde o começo da pandemia. E o hóspede médio também vem mudando parte de sua percepção sobre o setor. Com a necessidade de distanciamento social constante, as comparações entre pequenos hotéis com até 35 quartos e grandes propriedades com várias centenas deles estão ficando cada vez mais inevitáveis para muitos viajantes. Em tempos de pandemia, fica mais evidente do que nunca a força dos pequenos na hotelaria. 

Acompanhe também as novidades do setor em nosso Instagram.

Fiz agora em outubro minha primeira escapada desde a declaração da pandemia do novo coronavírus em 12 de março último. Procurando seguir as principais orientações da OMS e dos cientistas em geral para reduzir contatos e riscos, procurei destinos chamados “hiperlocais” (até 300km da minha residência) e viajei no meu próprio carro.

Passei dez dias na Serra da Mantiqueira, entre Monte Verde (MG) e Campos do Jordão (SP) – dá para ver detalhes da viagem no meu instagram. E realmente não precisei pensar duas vezes para escolher dois pequenos hotéis para minhas primeiras experiências hoteleiras dos “novos tempos”.

LEIA TAMBÉM: O futuro da hotelaria de luxo no Brasil.

.

O acolhimento dos pequenos hotéis

Em Monte Verde, apostei sem medo na Provence Cottage&Bistrô, há muitos anos considerada uma das melhores e mais românticas pousadas do Brasil. Ali distanciamento social já era regra quando nem sonhávamos com um pandemia. São apenas sete chalés para duas pessoas (e está vindo mais um, que fica pronto no mês que vem) espalhados por um delicioso bosque de quase doze mil metros quadrados na montanha. 

Os padrões de limpeza também sempre foram assunto seríssimo na propriedade, até porque sua cozinha foi sempre seu coração e maior chamariz. Os proprietários Ari Kespers e Whitman Colerato são absolutos craques na gastronomia. Seu café da manhã e chá da tarde servidos todos os dias e incluídos em todas as diárias (sempre à la carte, com tudo preparado na hora) são realmente difíceis de superar.

E foram extremamente transparentes durante todo o processo de reabertura, inclusive nas redes sociais, sobre todos os novos protocolos da casa em tempos de pandemia. Tudo cumprido à risca pelos hóspedes, sem reclamações, durante os dias em que estive ali. Inclusive a obrigatoriedade de uso da máscara em todos os ambientes. 

LEIA MAIS sobre a Provence Cottage&Bistrô aqui.

.

.

Alto padrão de serviço e calidez

Em Campos do Jordão, escolhi a L.A.H. Hostellerie, um pequeno oásis de apenas nove quartos, longe da badalação do Capivari, que é meu xodó na cidade. O mesmo alto padrão de serviços cheio de calidez de sempre segue firme por lá – mas agora dando um baile de profissionalismo também nos procedimentos adotados em tempos de pandemia.

A limpeza e desinfecção dos quartos é minuciosa e sistemática, da entrada das funcionárias devidamente paramentadas ao descarte correto dos EPIs. Há distribuidores de álcool gel espalhados literalmente por todos os cômodos e acessos da propriedade. Cada hóspede recebe também máscara e frasco individual do produto no check in (e máscaras são obrigatórias fora do quarto).

O café da manhã à la carte agora só é oferecido com hora marcada (até 13h!). E é o próprio hóspede que decide na noite anterior o horário e o local (quarto, restaurante ou deck da piscina) em que quer fazer seu desjejum. Com poucos quartos, o staff do hotel consegue administrar muito bem essa nova demanda. Tomei meu demorado café da manhã no deck da piscina na maioria das manhãs, tranquila, tudo feito na hora, sem nenhum outro hóspede à vista. Vale ressaltar que, mesmo com o destino liberando 100% de ocupação, durante a semana decidiram manter ocupação reduzida na propriedade. 

Até o uso da deliciosa piscina aquecida da L.A.H. está funcionando com hora marcada agora. Além da sensação maior de segurança, ter a piscina só para você no horário reservado é também um tremendo luxo – que jamais seria possível em uma grande propriedade. 

LEIA MAIS sobre a L.A.H. Hostellerie aqui.

.

A força dos pequenos da hotelaria

Estudos do setor vinham apontando maior confiança do viajante nas grandes marcas hoteleiras internacionais no começo da reabertura, com uma percepção em geral maior de que grandes marcas teriam processos sanitários mais abrangentes e controlados. Mas novos estudos já sugerem uma confiança crescente nos hotéis independentes também.  

Leia também: Desafios da hotelaria na amazônia durante a pandemia.

É inegável que as grandes marcas da hotelaria tenham budgets em geral muito maiores para marketing e relações públicas. Não pouparam esforços desde o começo da pandemia em divulgar as associações que faziam com escolas médicas e grandes empresas de saúde, nem imagens de seus quartos e ambientes sendo desinfetados.

Mas este segundo semestre vem mostrando a força dos hotéis pequenos e independentes. Um segmento que sempre se mostrou extremamente forte em autenticidade e atenção aos detalhes, sobretudo na hotelaria de luxo. Nestes tempos em que o turista estrangeiro desapareceu e o Brasil finalmente passa a ser vendido para brasileiros, os pequenos hotéis estarão mais em voga do que nunca. Alguns hoteleiros já andam dizendo que “small is the new big”

LEIA TAMBÉM: Oito pousadas para escapar no final de semana.

.

Flexibilidade e agilidade nas reações

Os pequenos hotéis têm estruturas menos rígidas, focando na qualidade do serviço, na autenticidade e no tempo como artigo de luxo (aliás, quer coisa mais luxuosa que café da manhã servido a qualquer horário?). A maioria teve suas estruturas completamente adaptadas às necessidades da pandemia com rapidez porque, em proporções diminutas, já pregavam também distanciamento social e critérios máximos de segurança sanitária desde muito antes da chegada do novo coronavírus.

Hotéis independentes têm naturalmente menos “scripts” que as unidades das grandes redes. Também se beneficiam de não terem a obrigatoriedade de aderir a este ou aquele conjunto específico de padrões e protocolos associados a uma marca, inclusive nos momentos de crise. Embora acabem tendo muito mais trabalho para desenvolver ou selecionar seus próprios protocolos, têm sem dúvida muito mais maleabilidade para tocar o processo. E podem ser mais proativos e ágeis nas reações. 

LEIA TAMBÉM: 10 hotéis para praticar turismo de isolamento no Brasil.

.

Tamanho importa

Com o novo foco global da hotelaria em limpeza, muitos pequenos hotéis criaram equipes de “concierges de limpeza” e estão fazendo um trabalho realmente impecável, com um dinamismo de fazer inveja a muita propriedade grande. É claro que tamanho importa; afinal, uma propriedade pequena tem menos espaços comuns, menos quartos e, portanto, menor área para “cobrir”.  

Por terem geralmente uma proporção maior de staff por hóspede, conseguem gerenciar de maneira mais fácil os checklists de limpeza pré e pós-check in. Inclusive pedidos de limpeza “extra”, enquanto o turndown service foi extinto provisoriamente por muitas redes grandes. E o mais importante: geralmente têm as regras de conduta e segurança durante a pandemia muito claras e objetivamente comunicadas em seu website e/ou no material entregue aos hóspedes no check in. Comunicação eficiente, sabemos, é mais do que nunca essencial. 

Portanto, no dia-a-dia, tudo nos pequenos da hotelaria é muito diferente do “one-size-fits-all”  das grandes redes. Se por um lado são onerados nos custos muitas vezes maiores por não comprarem em grande escala como grandes redes (EPIs incluídos), a agilidade na tomada de decisão é imbatível.  Suas decisões são baseadas nas demandas e necessidades locais e específicas, e acabam sendo mais rapidamente decididas e implementadas (mesmo que experimentalmente). Até porque, em geral, são específicas para uma única propriedade e destino. 

LEIA TAMBÉM: A evolução dos hotéis durante a pandemia.

.

Foco na sustentabilidade

Em geral, os pequenos hotéis focam melhor também em sustentabilidade, cuidando verdadeira e constantemente de suas comunidades. São orientados para a comunidade na qual se inserem também porque muitas vezes dependem diretamente dela para compor seu staff e para agregar experiências autênticas aos hóspedes. 

Além disso, hotéis independentes ligados a grupos e associações, como Leading Hotels of the World, Preferred Hotels, Small Luxury Hotels ou mesmo à brasileiríssima BLTA (Brazilian Luxury Travel Association), podem contar ainda com os valiosos suporte, orientação e amparo que estas organizações propiciam. 

A BLTA, por exemplo, lançou durante a pandemia seu manifesto estabelecendo a sustentabilidade como um dos pilares de seu trabalho junto a seus associados. A Leading Hotels of the World criou globalmente os certificados/vouchers Stay It Forward para apoiar colaboradores dos hotéis de seu portfólio e as comunidades onde os mesmos estão inseridos, apoiando famílias afetadas pela crise gerada pela pandemia. Cada voucher dá direito a duas noites de hospedagem em um dos hotéis associados com uma série de benefícios e pode ser resgatado até 2022 – com 100% dos rendimentos doados aos funcionários que enfrentam dificuldades financeiras ou às suas comunidades. 

LEIA TAMBÉM: O patrimônio das pousadas brasileiras.

.

Gente é pra brilhar

Seja um lodge na Amazônia ou uma pousada de charme no Nordeste, um lodge na savana africana ou uma propriedade no deserto do Atacama, os pequenos hotéis sempre primaram pelo cuidado contínuo de suas comunidades. Não quem as grandes redes não o façam. Há muitas que fazem, e o fazem muito bem. Mas pequenas propriedades são geralmente muito ativas neste quesito. E, também como efeito da pandemia, o viajante está cada vez mais atento a essas posturas. 

Afinal, sustentabilidade nunca esteve tanto em evidência na cadeia turística, e sabemos a importância das comunidades locais em um negócio verdadeiramente sustentável. Além disso, em tempos de tanto distanciamento social, ainda queremos muito (talvez mais do que nunca) explorar as conexões com as pessoas do lugar que visitamos, certo?

LEIA MAIS sobre sustentabilidade na hotelaria aqui.

.

.

.

Leia tudo que já publicamos sobre hotelaria em tempos de pandemia.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.