Como hotéis estão driblando a crise durante a pandemia

Já sabemos que o turismo é uma das indústrias mais atingidas nacional e globalmente pela pandemia do novo coronavírus. Também já sabemos que a reabertura completa dos hotéis hoje fechados virá cheia de modificações e novos investimentos para atender às novas exigências de saúde, limpeza e segurança que os novos textos exigem (dá para ver aqui como está sendo este processo de reabertura hoteleira nos destinos que já estão reabrindo para o turismo).

Mas nem só de espera ou investimentos em novos protocolos de limpeza vive a hotelaria de hoje, felizmente. A habilidade da indústria hoteleira em rapidamente se adaptar às necessidades e mudanças do mercado é notória, e não seria diferente neste momento. Algumas redes e propriedades estão investindo também em outras áreas, da alimentação à moda, para ampliar seu escopo de atuação – não somente agora, como também para o futuro. 

Foco na gastronomia

Nos últimos anos, o food tourism virou um componente chave na agenda dos viajantes. E diversas marcas do mercado de hospitalidade têm acompanhado com esmero e sucesso as inovações da cena culinária global, seja ao focar em oferecer sabores verdadeiramente regionais em seus restaurantes ou em fazer parcerias acertadas (ou colaborações) com chefs premiados. O grupo Hilton Hotels, por exemplo, tem quatro chefs estrelados no Michelin respondendo por alguns restaurantes do grupo, de Michael Mina a Gordon Ramsay. 

Algumas propriedades vão além, construindo relacionamentos verdadeiros com artesãos locais, pequenos agricultores do entorno, produtores de vinhos, destilados e azeites etc, dando ainda mais autenticidade e sabor local ao que oferecem em seus menus. 

Nestes tempos em que muitos dos hotéis reabertos – como já vimos neste texto aqui – estão trabalhando apenas com room service, nada mais importante que oferecer uma comida variada e verdadeiramente autêntica, que eleve a experiência do hóspede como um todo. Alguns hotéis ainda fechados devido à pandemia mantiveram seus restaurantes operando para delivery e take away como forma de manter a conexão com moradores e fornecedores locais justamente através da comida – e oportunidade de continuar gerando receita mesmo com o grosso das operações suspenso. E a máxima obviamente segue atual quando restaurantes estiverem livres para operar regularmente nos destinos nos quais estão inseridos – como já começa a acontecer em alguns países asiáticos e europeus -, servindo o melhor da produção local de maneira criativa, caprichada esteticamente e verdadeiramente engajada com a comunidade local. 

Acompanhe mais novidades também no nosso Instagram @HotelInspectors

Novos ambientes de trabalho

Numa situação sem precedentes como a pandemia da Covid-19, muitas propriedades e redes hoteleiras entenderam que a ideia de diversificar para multiplicar resultados é também saída para tempos de crise. A rede Accor, por exemplo, lançou nestes tempos pandêmicos para fazer uso dos quartos ociosos em seus hotéis – e o pioneirismo veio justamente das propriedades brasileiras. 

O conceito de room office da Accor faz uso dos quartos ociosos para gerar nova opção de espaços de trabalho para quem está tendo dificuldades para se adaptar aos novos tempos de home office, exigido pela quarentena.  Num momento em que a maioria dos escritórios e espaços de co-working estão fechados devido à quarentena, a iniciativa começa com alguns resultados positivos. 

Desde o último dia 15 de maio já é possível alugar um room-office em qualquer um dos 23 hotéis abertos das marcas econômicas, midscale e premium da Accor na cidade de São Paulo. O modelo escolhido promete oferecer um local de trabalho adequado, privativo, confortável, silencioso e seguro, seguindo todas as normas sanitárias em vigor em tempos de pandemia, segundo a Accor. As camas foram retiradas e substituídas por mesas, cadeiras e sofá com design bem contemporâneo.

É possível checar qual a opção disponível mais próxima da sua residência, com quarto remodelados e equipados com mesas, cadeiras, internet de alta velocidade, amenidades como café, chá e água e possibilidade de room service. Algumas propriedades específicas oferecerão também a possibilidade de alugar equipamentos para reuniões online e até alguns equipamentos esportivos. 

Crédito: Divulgação

A ideia principal foi permitir que os espaços físicos ociosos dos hotéis fossem utilizados para gerar algum tipo de receita. A criação do room office supre uma necessidade antes não imaginada por inúmeras pessoas que não estão conseguindo se adaptar ao home office em suas próprias casas. Não se sabe hoje se o modelo tradicional dos co-working com muitos participantes sobreviverá à Covid-19; por isso mesmo, o modelo proposto pela Accor é estrategicamente pensado para durar a longo prazo também. 

As reservas são diárias (período das 8 às 20h, por valores desde R$99, com check in, check out e pagamentos todos feitos virtualmente), mas há descontos para reservas semanais e mensais e membros do programa de fidelidade ALL seguem acumulando pontos e aproveitando os benefícios de seu status. Leia mais sobre a iniciativa aqui.

Em um tempo de home office com tantas restrições, e seguindo uma tendência em que várias redes hoteleiras já andavam transformando seus espaços públicos cada vez mais em espaços para socialização e co-working, a iniciativa tem mesmo tudo para dar certo. Em princípio, a iniciativa foi planejada para durar até julho e deve abranger pelo menos 100 hotéis no país (Curitiba deve ser a próxima cidade a ter modelo implementado nas propriedades da rede), mas já há rumores de que ela possa se estender parcial e indefinidamente se for mesmo bem sucedida. 

A medida vai de encontro com outras mudanças que a rede já tinha planejado para alguns de seus hotéis. Num cenário pós-pandêmico, todos os andares térreos dos hotéis da marca Ibis, por exemplo, também devem se tornar grandes áreas comuns integradas, oferecendo diferentes possibilidades de experiências de ócio ou trabalho não apenas para hóspedes, mas também para moradores e frequentadores da região, ampliando as possibilidades de uso dos espaços físicos de cada propriedade. 

Mergulho no mundo da moda

E se moda e hotelaria já vinham há muito tempo flertando – vide tantos lobbys, suítes e amenidades assinadas por grandes grifes em diferentes propriedades -, algumas marcas resolveram aproveitar as adversidades da pandemia para fazer um mergulho definitivo nesta fusão. 

É o caso, por exemplo, da nova iniciativa dos Pellicano Hotels que, enquanto mantêm seus hotéis fechados devido à pandemia, criaram a plataforma de e-commerce e lifestyle ISSIMO. A nova plataforma foi completamente inspirada na riqueza em cultura, design e estilo italiana e promete reunir as melhores opções de compras de produtos e experiências ligados à Itália, de roupas e objetos de décor a comida e viagem. 

É possível assinar a newsletter quinzenal da ISSIMO, que contará com dicas de decoração, culinária e, é claro, moda italiana, além de dicas de viagem de todo tipo. 

Alguns dos hotéis da Pellicano Hotels devem reabrir suas portas em breve, como o icônico Il Pellicano, em Porto Ercole, na Toscana (e parte do portfólio da Leading Hotels of the World), que tem reabertura marcada para o final de junho.

Clique aqui para ler todos os nossos textos sobre hotelaria em tempos de pandemia.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

Lobby do Four Seasons New York

Cinco inovações que vão mudar a hotelaria

Como não poderia ser diferente, neste momento de reabertura de hotéis na Europa e na Ásia a prioridade é a saúde de funcionários e hóspedes. Procedimentos na hotelaria em tempos de distanciamento social e segurança sanitária vão levar a inovações, sejam de design ou tecnologia. A seguir, listamos cinco mudanças, prováveis ou possíveis, no mundo com covid-19.

Leia mais: Como será a limpeza dos hotéis

1 Redesenho de áreas comuns

Lobby do Anaheim Marriott
Lobby do Anaheim Marriott pré-covid-19 | Foto de Carla Lencastre

Em muitos hotéis o lobby era um ponto de encontro, com espaços projetados para facilitar, e incentivar, a interação. Não mais. Várias propriedades estão rearrumando e redesenhando áreas levando em conta o novo coronavírus. Marriott International, a maior rede hoteleira do mundo, anunciou que vai remover móveis e reorganizar lobbies para permitir distanciamento social.

Quarto do Prince Hotel Hong Kong
Quarto do Prince Hotel Hong Kong | Foto de divulgação

Da Ásia, chega um exemplo significativo. O Prince Hong Kong, parte do grupo Marco Polo, já tinha uma renovação prevista para este ano que seria executada aos poucos, sem fechar. Com a crise, as atividades foram suspensas em fevereiro e a obra será feita de uma vez só. Mas, antes de começar, o hotel revisou todos os planos. Desenhos de espaços comuns como lobby e restaurante foram refeitos e revestimentos, repensados. No lounge executivo, a área será ampliada em 30%. Materiais mais fáceis de limpar e higienizar serão priorizados para pisos, balcões, mesas, cadeiras.

Clique aqui para seguir @HotelInspectors no Instagram

2 Novas tecnologias de limpeza

Pulverizadores eletroestáticos e luz ultravioleta podem vir a fazer parte dos protocolos hoteleiros. O grupo Hilton avalia seguir os dois procedimentos. A rede Marriott pretende, nos próximos meses, adotar os sprays eletrostáticos.

O Fórum Econômico Mundial diz que raios UV podem se tornar realidade na indústria da hospitalidade. A luz ultravioleta é a etapa final da limpeza; o efeito da descontaminação é reduzido se houver poeira, por exemplo. Usada em hospitais e transporte público, sua eficácia em relação ao novo coronavírus ainda está sendo estudada.

3 Experiências de baixo contato

Mesmo que o check-in seja no lobby, a tendência é o hóspede usar o próprio telefone e não tocar em nenhuma superfície. Hotéis de diferentes categorias já ofereciam check-in e check-out sem contato físico. Muitos outros vão seguir pelo mesmo caminho. A Marriott anunciou que check-in e pedidos de serviço de quarto por celular estarão disponíveis em mais de 3.200 de suas propriedades em todo o mundo (o grupo administra cerca de sete mil hotéis).

Suíte com vista para o Central Park no FS New York | Foto de divulgação/Peter Malinowski

O Four Seasons New York, que está recebendo profissionais da área de saúde durante a pandemia, adotou check-in e check-out virtuais. Vão crescer os aplicativos de redes hoteleiras, inclusive as luxo, como Four Seasons (a foto em destaque no alto do texto é do lobby do FSNY). O app oferece comunicação em tempo real, mantendo a qualidade do serviço.

Menus de room service estarão em tablets ou TVs. Os hotéis do grupo europeu La Réserve, que reabriram este mês, removeram os cardápios dos quartos e, também, de seus restaurantes na Suíça (onde já está permitido o funcionamento). O pagamento por aproximação será ampliado. Incentivo ao meio eletrônico é um dos protocolos para a hotelaria do Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC na sigla em inglês).

Elevadores touchless serão mais comuns. O Prince Hong Kong, com 394 quartos, incluiu painéis de controle de elevadores non-touch em seu projeto de renovação, por exemplo. Um mundo “beyond human” é a primeira das dez tendências de consumo apontadas pela Euromonitor International para 2020. No final de abril, a consultoria revisou a lista levando em conta a covid-19. Se no início do ano “além do humano” era um mundo onde a inteligência artificial poderia ser conveniente, agora é esperado rápido crescimento da automação no setor de serviços para evitar contato.

4 Chave do quarto (e muito mais) no celular

Quarto do Hilton Denver City Center
Quarto do Hilton Denver City Center: chave digital pré-pandemia | Foto de Carla Lencastre

O grupo Hilton, um dos pioneiros em check-in sem interação física, anunciou que a partir de junho vai ampliar seu programa Digital Key para mais de 4.700 propriedades em todo o mundo (o grupo tem cerca de 6.100 hotéis). A inciativa é parte dos novos protocolos globais de limpeza da rede. O app Hilton Honors, onde fica a chave digital, permitirá também controlar iluminação, temperatura e televisão. O MGM Resorts terá chave digital na reabertura de seus 13 hotéis em Las Vegas. Além da chave no celular, o app permitirá fazer ckeck-in e check-out no próprio telefone.

Cartões magnéticos continuarão a ser usados como chaves, mas terão que ser constantemente desinfetados como recomenda o WTTC em seus protocolos para o novo normal na hotelaria. Fico nervosa de pensar naquela situação nada rara em que o cartão não funciona. Você volta ao lobby, o cartão é limpo, reprogramado, desinfetado… Não era divertido antes (principalmente nos longos corredores dos hotéis em Vegas), imagina agora.

5 Robôs para serviço de quarto

Hannah, robô para serviço de quarto do H Hotel da Curio Collection by Hilton, em Los Angeles
Hannah, robô para serviço de quarto do H Hotel da Curio Collection by Hilton, em Los Angeles: na ativa desde muito antes da pandemia | Foto de Carla Lencastre

Em um mundo no qual o hóspede quer ter o mínimo possível de contato social e interação humana, pedidos de room service entregues por robôs podem se tornar mais comuns. Robôs para limpeza em hotéis não é usual, mas também pode vir a ser considerado. Um exemplo são os dispositivos que emitem raios ultravioleta, por enquanto usado em hospitais.

Clique para ler todos os textos sobre o impacto da covid-19 na hotelaria

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel

Como é a reabertura de um hotel em tempos de pandemia

Fazer check in e check out por email, ter suas malas desinfectadas tanto ao serem recolhidas do carro quanto ao serem entregues do lado de fora da porta do seu quarto, ser atendido por funcionários de máscaras até nos restaurantes eventualmente abertos, usar a academia somente com hora marcada. Para quem andava se perguntando como seria reabrir um hotel em plena pandemia de covid-19 em boa parte do planeta, estas medidas já entraram em vigor em destinos que começam neste mês de maio seus processos de gradual abertura após quarentenas e lockdown

Nos últimos dois meses, tenho conversado constantemente com diversos hoteleiros e especialistas no setor (no Brasil e no exterior) para tentar entender, acompanhar e antecipar aqui algumas das mudanças pelas quais a hotelaria está passando neste momento sem precedentes. Algumas das mudanças foram antecipadas em um texto que escrevi há algumas semanas

Nesta semana, conversei com alguns hoteleiros de países que começam a se reabrir para o turismo (apenas localmente, por enquanto) no continente europeu para entender como está sendo, na prática, este processo de reabrir de fato um hotel para hóspedes em plena pandemia do novo coronavírus. O melhor exemplo veio das propriedades do grupo La Réserve (todos parte do seleto portfólio da Leading Hotels of the World), que até o final deste mês de maio terá seus quatro hotéis – em dois países diferentes – reabertos. Com duas unidades na França (La Réserve Paris e La Réserve Ramatuelle) e duas na Suíça (La Réserve Genève e La Réserve Éden au Lac Zurich), o grupo La Réserve estabeleceu algumas normas gerais, mas está dançando conforme a música dos destinos nos quais está inserido: cada propriedade está reabrindo suas portas respeitando suas particularidades de estilo e, é claro, a legislação em vigor no destino. 

Confira como deixar a casa com jeitinho de hotel

Os quartos da nova propriedade La Réserve em Zurique passam agora por processo de bioclening. Crédito: divulgação

Todos os processos revistos

Para as reaberturas, todos os procedimentos internos de todas as propriedades foram revistos em detalhes. Na França, com leis mais rígidas e abertura mais lenta de serviços, os hotéis estão trabalhando com mais restrições. Os hotéis em Paris e Ramatuelle, na Côte D’azur, reabrem com apenas acomodação e serviço de quarto disponíveis – restaurantes e lazer seguem fechados até segunda ordem.  No La Réserve Paris, acesso ao fitness center e spa acontece somente mediante agendamento prévio, para garantir segurança e evitar contato com outros hóspedes. 

Hoje, há um intervalo de pelo menos 24h entre um check out e o próximo check in de um mesmo quarto (72h mínimo no caso de villas) e quartos e espaços públicos estão sendo higienizados com processos de biocleaning. A distância mínima de um metro e meio entre hóspedes e membros do staff é sempre respeitada nas áreas comuns e não há mais rooming (a apresentação do quarto feita por alguém do staff) no momento do check in. Há equipamentos de proteção pessoal (como máscaras, luvas, álcool gel etc) à disposição dos hóspedes logo na entrada do hotel e também nos quartos durante toda a estadia. No La Réserve Paris, as camareiras agora fazem a desinfecção dos quartos após check out com equipamentos de ponta como Powerzone e Vapodil, equipadas com luvas, máscaras, óculos de proteção e proteção descartável para sapatos. 

No La Réserve Paris, acesso a academia e spa somente com hora marcada. Crédito: divulgação.

Os funcionários dos hotéis usam máscaras e processos de auto check in por email (com o hóspede sendo levado diretamente da porta de entrada para seu quarto) e check out automático (com autorização de débito enviada por email) estão sendo encorajados em todas as propriedades. Os dados e informações sobre o cliente são todos coletados previamente para evitar qualquer contato ou “parada” na recepção. Ainda assim,  se um cliente quiser pagar com cartão de crédito no check out, o funcionário desinfecta a máquina na frente do hóspede e repete o procedimento após o mesmo ter digitado seu pin. 

Nas propriedades francesas, room service ainda é a única opção gastronômica possível. Nada mal com esta vista, certo? Crédito: divulgação

Room service com o mínimo de contato

Para continuar fornecendo experiências de primeira linha para seus hóspedes (afinal, todos os hotéis do grupo são reconhecidos e premiados justamente pela alta qualidade de seus serviços), as propriedades todas criaram um programa chamado “Dreams and Delights” para estes meses de reabertura, que inclui diárias com café da manhã, jantar e boas-vindas com champagne, entre outros benefícios customizados por cada uma delas.

O menu físico de room service foi removido e está agora disponível na TV do quarto ou em tablets. Na entrega das refeições nos quartos, o próprio carrinho teve sua apresentação ajustada para garantir o máximo de segurança e evitar qualquer tipo de contaminação dos itens (utilizando o máximo possível de itens selados). O carrinho é entregue à porta e o próprio hóspede deve leva-lo para dentro do quarto – e mesma coisa no procedimento de retirada do mesmo, que deve ser deixado do lado de fora do quarto. Nas propriedades francesas, onde o room service é por enquanto a única opção disponível, foram criados novos menus semanais e à la carte para continuar fornecendo variedade de escolhas para os hóspedes.

A bela piscina do La Réserve Genève ainda permanece com acesso fechado. Crédito: divulgação

Particularidades para a reabertura de restaurantes

Na Suíça, onde restaurantes já podem voltar a funcionar a partir desta semana, as propriedades em Zurique e Genebra reabrem também os serviços gastronômicos. Assim, nas propriedades do grupo na Suíça os hóspedes podem fazer as refeições no quarto ou nos restaurantes. Mas os restaurantes passaram por adaptações, é claro. 

Para começar, os estabelecimentos tiveram capacidade reduzida pela metade para garantir segurança dos comensais e distância mínima de dois metros entre as mesas. Os menus também foram todos adaptados para os novos tempos. Na propriedade em Zurique (a mais nova do grupo), por exemplo, pratos antes criados para serem compartilhados (como o elogiado tiramisú da casa) foram ajustados em preço e tamanho para serem saboreados individualmente. 

Novos procedimentos de limpeza e desinfecção frequente foram introduzidos e o staff todo porta máscaras. Além disso, o menu está agora disponível em ipads/tablets, para facilitar os processos de desinfecção dos mesmos.  Álcool gel está disponível nas estações de serviço dos restaurantes (para desinfectar com frequência menus e terminais de cartão de crédito) e também à mesa.  E, é claro, as mesas têm capacidade para no máximo quatro pessoas, seguindo as recomendações sanitárias em vigor no momento na Suíça. 

Intervalos de pelo menos 72h entre check out e o próximo check in nas villas no La Réserve Ramatuelle. Crédito: divulgação

Vale lembrar que todas estas adaptações dos hotéis La Réserve são provisórias e devem ser alteradas a cada novo parecer/protocolo/lei que entrar em vigor em cada um dos destinos durante a pandemia. Enquanto isso, as renomadas equipes de concierges do grupo La Resérve seguem assistindo os hóspedes com qualquer demanda de serviço (reservas, passeios privativos, aluguel de bicicletas, transporte para o aeroporto etc) e incluíram em suas recomendações sugestões de itinerários de caminhadas nas redondezas das propriedades e estão à par dos ajustes de segurança regulamentar de cada tipo de negócio.  

Confira como deixar a casa com jeitinho de hotel

Novos protocolos também nas propriedades Nobu e Four Seasons

O grupo Four Seasons também anunciou o desenvolvimento de um novo programa de saúde e segurança, Lead With Care, com orientação contínua dos especialistas do Johns Hopkins Medicine. As medidas do programa valem para todas as propriedades do grupo, inclusive o Four Seasons São Paulo, no Brasil.

Dentre as medidas já adotadas, há check in e check out virtuais, capacidade reduzida e cardápios digitais em bares e restaurantes (nos destinos que permitem sua abertura); serviço de quarto sem contato; quartos são desinfetados diariamente com produtos aprovados pela EPA (Environmental Protection Agency – Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos) e inspecionados com luz negra;  há novos programas de reciclagem para as equipes com foco nos novos protocolos de limpeza; as áreas comuns são limpas a cada hora e kits Lead With Care são colocados em todos os quartos com máscaras, desinfetante para as mãos e lenços umedecidos antissépticos descartáveis.

A implementação do programa inclui melhorias nas estruturas dos hotéis e atualização da função de chat do seu premiado aplicativo, Four Seasons App, que permite que hóspedes se comuniquem com o hotel em tempo real, limitando a interação pessoal sem perder a qualidade do atendimento.

Os hotéis do grupo Nobu Hotels iniciam o processo de reabertura de algumas propriedades no próximo dia primeiro de junho. Todos seus protocolos operacionais também foram revistos para tal, com intensos treinamentos para o staff. Todos os funcionários passam a usar equipamentos de proteção compatíveis com suas funções, de acordo com a legislação local de cada destino onde o hotel estiver inserido.

Além dos novos protocolos de limpeza e desinfecção, diversas estações de álcool gel e lenços de limpeza foram instaladas nas propriedades, sinalizações foram colocadas em pontos-chave dos hotéis com lembretes sanitários e propriedades all inclusive, como o novo Nobu Los Cabos, que também é parte da Leading Hotels of the World, passam a contar com médico de plantão 24 horas por dia no local.

Todas as áreas dos hotéis tiveram capacidade máxima bastante reduzida e estão sendo marcadas fisicamente no solo para garantir que todos respeitem o distanciamento social mínimo, da entrada do hotel às áreas de refeições e lazer. Bagagens passarão por diferentes processos de desinfecção e todos os hóspedes passarão por checagem de temperatura no check in (hóspedes com temperaturas muito elevadas não serão admitidos nos hotéis do grupo). Atividades de kids club acontecerão somente em áreas externas e qualquer atividade na piscina está suspensa por enquanto. Todo tipo de serviço de bufê foi suspenso e materiais impressos de todo tipo também estão sendo eliminados nesta fase.

Medidas semelhantes foram anunciadas também pelo Groupe Floirat, do qual faz parte o premiado Hotel Byblos, na Riviera Francesa, também parte do portfólio da Leading Hotels of the World e que reabre agora em junho. Dá para conferir todas as mudanças implementadas pelo grupo aqui.

Etapa da desinfecção dos quartos do Vivenzo Savassi, em Belo Horizonte.
(imagem divulgação)

Mudanças nas reaberturas no Brasil também

No Brasil, embora a maior parte das cidades não tenha passado ainda por processo de lockdown, a maioria dos estabelecimentos hoteleiros do país segue fechada. Mas vários deles já se anteciparam e já alteraram protocolos de higiene, serviço de café da manhã (sai o buffet, entra o à la carte) e formalidades de check in e check out. 

Mas vale mencionar o case do Vivenzo Savassi, inaugurado no ano passado em Belo Horizonte, o primeiro hotel do país a adotar um protocolo inédito de biossegurança desde o dia 25 de março – e que segue funcionando ininterruptamente desde então, com média de 50% de ocupação no período (em geral, pessoas que aguardam resultados de testes para Covid-19 e profissionais da saúde).

O hotel tem check in e check out virtuais, desinfecção de sapatos antes de entrar no hotel, kits com luvas e máscaras descartáveis para todos, intervalo de pelo menos 72 horas entre check out e check in em um mesmo quarto e serviço de arrumação dos quartos suspenso dentre as principais medidas. O dado mais curioso é que todos os colaboradores estão confinados (!) no hotel desde março, trabalham paramentados com EPI (equipamento de proteção individual) e foram testados negativamente para Covid-19 ao aderirem ao programa.

Clique aqui para ler todos os nossos textos sobre hotelaria e coronavírus.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

Mandarin Oriental Hong Kong

Como estão as reaberturas de hotéis na Europa e na Ásia

Hotéis na Europa começaram a reabrir este mês. Na China, onde as operações foram retomadas há algumas semanas, algumas propriedades apresentam boas taxas de ocupação. Tanto no continente europeu quanto no asiático, esta primeira fase de reabertura da hotelaria é voltada para o público regional. Ainda que os cenários locais sejam muito diferentes do Brasil, por enquanto é o que temos de referência para nos preparar. Algumas modificações parecem temporárias, como restaurantes fechados. Outras provavelmente chegaram para ficar, como protocolos de limpeza mais rígidos, já anunciados por diversos grupos hoteleiros, inclusive brasileiros, e check-in touchless.

Atualização: Em 12 de maio, o Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC na sigla em inglês) anunciou protocolos globais para a segurança sanitária na hotelaria, entre outros setores. As medidas (em inglês) estão neste link.

Sala de uma das suítes do La Réserve Paris | Foto de Carla Lencastre

La Réserve Paris foi o primeiro hotel palácio da capital francesa a reabrir, seguindo novos procedimentos de higienização e de distanciamento social. Neste primeiro momento, o hotel está recebendo apenas moradores da cidade ou dos arredores. Seus dois restaurantes e o bar permanecem fechados. Mas a cozinha também voltou a funcionar e as diárias incluem café da manhã e jantar, servidos nas acomodações (são 25 suítes e 15 quartos). O restaurante Le Gabriel, com duas estrelas Michelin, agora entrega em casa. Na Suíça, o La Réserve Genève reabriu e o La Réserve Eden au Lac Zürich está previsto para 11 de maio.

Clique aqui para seguir @HotelInspectors no Instagram

Leia mais: Como é se hospedar no La Réserve Paris (antes da covid-19)

Um dos quartos do novo Club Med Alpe d’Huez, na França | Foto de divulgação

Ainda na França, e na Itália, o Club Med pretende reabrir seus resorts de neve em julho para receber moradores dos dois países, que geralmente viajariam para outros lugares no verão. Tiago Varalli, diretor do Club Med Brasil, contou em uma live Check Point, na Panrotas, que os resorts de inverno do grupo na França e na Itália, em princípio, funcionarão nos meses de julho e agosto.

Em seu site, o Club Med listou oito novas medidas de segurança sanitária, como medição diária de temperatura de todos os hóspedes, funcionários (serão todos testados antes de retornar ao trabalho) e fornecedores. Um bloco de quartos será reservado para isolamento, caso apareça alguma suspeita de covid-19. Já os bufês de refeições self-service, tão amados pelos brasileiros no Club Med e em outros resorts, ficarão no verão passado. Os resorts do grupo francês continuarão com bufês e o hóspede pode escolher o que quiser, mas agora funcionários montarão os pratos. No Brasil, por enquanto os planos do Club Med são reabrir seus três resorts (nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia) em julho.

Leia mais: O que muda na limpeza dos hotéis com o coronavírus

Na China, onde o grupo reabriu dois de seus quatro resorts, Varalli diz que a taxa de ocupação tem chegado perto de 100%, apenas com o turismo regional. Mais uma vez, vale lembrar que a China vem de uma situação econômica antes da pandemia bem diferente da brasileira.

O novo Regent Shanghai Pudong | Foto de Ken Seet

Uma ação da hotelaria em Hong Kong deixa claro como os cenários são diversos, mas ainda assim é inspiradora. Hotéis de luxo uniram forças e criaram uma aliança que seria impensável em tempos pré-covid-19. Oito grupos hoteleiros, entre eles Mandarin Oriental (foto no alto do texto), Peninsula, Rosewood e Shangri-La, formaram a aliança Heritage Tourism Brands. Hong Kong já sofria com a queda de visitantes antes do coronavírus, por conta dos protestos políticos. A ideia da aliança é defender de maneira unificada junto a órgãos como o Hong Kong Tourism Board e a Hong Kong Hotel Association a posição da hotelaria de luxo nos planos de reconstrução do turismo. Segundo a plataforma especializada na indústria de viagens Skift, o escritório de turismo local planeja investir US$ 52 milhões agora em junho para ajudar a recuperação do setor de viagens. Formado por alguns dos empresários mais ricos de Hong Kong, o objetivo vai além de fazer lobby. O grupo pretende também criar um fundo próprio para financiar a promoção de seus hotéis na própria Hong Kong, fazendo parcerias com atrações turísticas da cidade para criar experiências voltadas para os moradores.

Da China veio também a primeira notícia de um novo hotel em tempos de crise. O InterContinental Hotel Group (IHG) inaugura em 16 de maio o Regent Shanghai Pudong, e continua com planos de expansão da marca de luxo na Ásia. Vietnã seria o próximo país. Na realidade, o hotel de Xangai não chega a ser inteiramente novo. É uma troca de bandeira: a propriedade hoje é o Four Seasons Pudong. Vale o registro de que há vida pós-pandemia.

Clique aqui para ler todos os nossos textos sobre hotelaria e coranavírus

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel

Piscina do hotel de luxo Fairmont Rio de Janeiro, com vista para a Praia de Copacabana e o Pão de Açúcar | Foto de Carla Lencastre

O que vai mudar na limpeza dos hotéis com o coronavírus

Location, location, location perdeu a primazia entre os itens mais importantes na hora de escolher um hotel, avisou a Skift, plataforma americana de mídia voltada para o setor de viagens. Limpeza comprovada, porque até outro dia mesmo hóspedes apenas confiávamos, contará mais pontos no momento de decidir onde ficar na era pós-pandemia. Restaurar esta confiança deve ser um dos novos objetivos da indústria da hospitalidade. Hotéis terão que passar por uma enorme readequação.

Um dos primeiros exemplos veio da Ásia, à frente em relação à epidemia. Singapura criou uma certificação de limpeza para a hotelaria, com novos protocolos como medir a temperatura dos funcionários e higienizar as áreas comuns com frequência maior. O primeiro hotel com o selo SG Clean, concedido depois de uma auditoria, foi o Grand Hyatt Singapore, perto da Orchard Road, principal avenida comercial da cidade. O plano do Singapore Tourism Board, órgão do governo, é certificar 570 hotéis e atrações nos próximos dois meses, chegando a milhares mais adiante. O que não quer dizer que Singapura esteja livre da covid-19. Há atualmente uma segunda onda do vírus e o confinamento foi prolongado até o início de junho.

A Associación Empresarial Hotelera de Madrid (AEHM) lançou projeto parecido, o selo Hoteles Covid Free. O nome é ruim, o vírus ainda não foi estudado o suficiente para se afirmar que um local é “covid-19 free”, mas a ideia é a mesma de Singapura: seguir procedimentos de limpeza de quartos, áreas comuns e de reuniões que dê segurança a funcionários, hóspedes e clientes no que resta deste ano e ao longo de 2021.

Clique aqui para seguir @HotelInspectors no Instagram

Atualização: No final de abril, Portugal também criou um selo de limpeza para empresas do setor turístico. O certificado Clean & Safe (o nome é em inglês mesmo) será concedido a hotéis que atenderem a novos padrões de segurança sanitária e higiene, e terá validade de um ano. Durante este período, o governo fará vistorias aleatórias nos hotéis certificados.

Grupos hoteleiros apresentam seus novos protocolos de limpeza

Uma das primeiras grandes redes a anunciar mudanças na limpeza de seus hotéis foi a francesa AccorHotels. A empresa pretende lançar um selo de qualidade de higienização em parceria com o prestigioso Bureau Veritas organização internacional especializada em certificações. O projeto será apresentado à Alliance France Tourisme, ao governo francês e aos de outros países europeus. Uma vez validado, o selo poderá ser usado por outras redes e por hotéis independentes na Europa, além das propriedades do grupo Accor mundo afora, inclusive no Brasil. Como o Fairmont Rio Copacabana, o único da marca de luxo na América do Sul, inaugurado há menos de um ano e hoje fechado (foto no alto do texto).

Leia mais: Cinco inovações que vão mudar a hotelaria

A Marriott International anunciou a criação de um Conselho de Limpeza Global, o Marriott Global Cleanliness Council. As regras determinam, por exemplo, o uso de desinfetante hospitalar para limpeza de superfícies e de sinalização no lobby lembrando da importância do distanciamento social.

Quarto do JW Marriot Rio, em Copacabana, antes da crise | Foto @JWMarriottRio
Quarto do JW Marriot Rio, em Copacabana, antes da crise | Foto @JWMarriottRio

Enquanto a maioria de seus hotéis permanece fechada, a Marriott adotou tarifa solidária para hospitais particulares hospedarem funcionários e prestadores de serviço; órgãos do governo e pessoas em grupo de risco que precisem de um local de isolamento. A tarifa está disponível em quase 2.500 propriedades nas Américas, entre eles o JW Marriott Rio de Janeiro; o Marriott Executive Apartments São Paulo, e o Sheraton Porto Alegre. Nos Estados Unidos, a Marriott e o grupo Hilton, outro gigante da hotelaria, fizeram parceria com o cartão de crédito American Express e cederam quartos gratuitamente aos profissionais de saúde em Nova York, Nova Orleans e outras das cidades americanas mais atingidas pela epidemia.

Atualização: No final de abril, o grupo Hilton anunciou o CleanStay, com novas medidas para garantir a limpeza e a segurança de seus hotéis. O programa ainda está sendo desenvolvido e deve ficar pronto em junho.

Novos protocolos de limpeza estão sendo adotados desde já por hotéis que permanecem abertos, inclusive os independentes. Um exemplo é o Vivenzo, inaugurado há um ano na Savassi, em Belo Horizonte. O hotel funciona com 33% da sua capacidade para receber pessoas que precisam se isolar e profissionais da área de saúde. O check-in, por exemplo, é realizado por vídeo; a arrumação diária do quarto está suspensa. Quando a acomodação é desocupada, há um intervalo de 72 horas antes da limpeza, que segue padrão hospitalar, para receber um novo hóspede. Os funcionários estão no hotel, mas é apenas virtual a interação entre eles e os hóspedes.

Atualização: Em 12 de maio, o Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC na sigla em inglês) anunciou protocolos globais para a segurança sanitária na hotelaria, entre outros setores. As medidas (em inglês) estão neste link.

Desde o início da pandemia estamos tentando acompanhar a crise o mais de perto possível no momento: lendo artigos e estudos, assistindo lives de fontes confiáveis, consultando pesquisas e conversando com especialistas para trazer análises e resumos atualizados de como o setor hoteleiro passa por este momento e do que podemos esperar. Os links para textos e notícias em primeira mão estão no Instagram @HotelInspectors.

Seguimos otimistas, sem negar a seriedade da situação. Esta semana estamos também felizes por conta de você, leitor. A oito dias do final do mês, batemos mais uma vez o recorde de audiência mensal nos dois anos de Hotel Inspectors. O crescimento (neste momento em que escrevo) é de quase 45% em relação ao mês de março, que já tinha batido recorde e registrado um aumento de 22% em relação a fevereiro. Muito obrigada pela confiança!

Clique aqui para ler todos os nossos textos sobre hotelaria e coranavírus

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel