Novos hotéis nos Estados Unidos em 2022: Swan Reserve, em Orlando

Novos hotéis nos Estados Unidos em 2022

Acabei de voltar dos Estados Unidos, onde participei da 53ª IPW, a maior e mais importante feira de turismo do país. O evento, realizado este ano na primeira semana de junho em Orlando, na Flórida, reuniu quase 4.800 pessoas, incluindo cerca de 500 jornalistas, de mais de 60 países que participaram de 77 mil encontros de trabalho. Apesar do dólar desfavorável, da escassez de voos entre Brasil e EUA e dos altos preços das passagens aéreas, os brasileiros que trabalham no setor de viagens e turismo veem com otimismo a retomada das viagens. Com 136 pessoas, entre operadores, agentes e jornalistas, a delegação brasileira foi a maior do país na história da IPW, e a segunda maior da feira em 2022. Foi minha 18ª vez no evento. Como em todos os anos anteriores, a IPW funciona como uma plataforma de lançamentos de atrações, hotéis etc. Faço aqui uma seleção das novidades da hotelaria nos EUA que mais me chamaram a atenção.

Orlando

Esqueça tudo o que você sabe sobre o Swan e seu parceiro Dolphin, ambos vistos à distância por conta das imensas esculturas de cisnes e golfinhos na fachada. A grande novidade de Orlando é o Walt Disney World Swan Reserve (a foto do quarto no início do texto é lá), em nada parecido com os vizinhos. O Reserve tem a bandeira Autograph Collection, da Marriott International, e fica em um prédio novo e elegante, de 14 andares e 349 quartos com janelas envidraçadas de alto a baixo e vistas panorâmicas.

Fui tomar um café da manhã no novo restaurante mediterrâneo, Amare, e estava uma delícia. As quase duas dezenas de opções gastronômicas do Swan & Dolphin estão logo ao lado, assim como a estação de barco que leva ao Boardwalk e aos parques Epcot e Hollywood Studios. O Reserve oferece também, claro, todos os benefícios de hospedagem em um hotel no WDW.

Em seus outros hotéis, a Disney continua apostando em suítes temáticas. Duas novidades são as acomodações inspiradas nos Incríveis, no Contemporary Resort, e em Moana, no Polynesian Village.

Leia também: Como é se hospedar no novo e econômico Endless Summer, no Universal Orlando

Já a International Drive está investindo US$ 2 bilhões para se renovar e tentar se tornar um destino tão atrativo quanto os parques temáticos. Claro que novos hotéis fazem parte deste pacote e em 2021 foram inaugurados na I-Drive South um Element e um Aloft, duas marcas da Marriott International que valorizam o design contemporâneo. Os dois hotéis dividem um prédio de sete andares a menos de dez minutos de carro do SeaWorld.

Não dá para falar sobre hospitalidade em Orlando em mencionar o aluguel de casas e apartamentos, que é a opção de muito brasileiros, principalmente para viagens em grupos de amigos ou multigeracionais. Kissimmee, perto do WDW, apresentou uma casa de luxo com seis suítes e piscina em um condomínio com campo de golfe. Mostrei os detalhes no Instagram Hotel Inspectors, é só clicar no destaque Orlando. As opções na região vão de apartamentos com dois ou três quartos até casas que podem ter 15 quartos e serviços.

Acompanhe o Instagram do Hotel Inspectors e fique por dentro das novidades da hotelaria

Miami

O destino destacou no IPW a estreia na cidade do grupo europeu citizenM, de “luxo acessível”, com duas propriedades de uma vez. Uma delas, na região da Brickell Avenue, com 252 quartos, abre em 21 de junho. A outra está prevista para o segundo semestre.

Novos hotéis nos Estados Unidos: Ritz-Carlton Nomad
A fachada do Ritz-Carlton NoMad, em Nova York, que será inaugurado em 19 de julho | Foto: Divulgação
Nova York

A cidade viu o número de 826 mil visitantes brasileiros em 2019 cair para 479 mil em 2021. Para este ano, a expectativa é fechar em 600 mil. Quando o assunto é hotelaria, a propriedade mais esperada é o Aman, com inauguração em 2 de agosto. Mas antes disso, em 19 de julho, será aberto o segundo Ritz-Carlton nova-iorquino, o NoMad, com 250 quartos em um prédio novo. O restaurante será o Zaytinya, do premiado chef José Andrés, que assinará também o bar no rooftop. Vale destacar também o Hard Rock Hotel, com 446 quartos, inaugurado oficialmente mês passado na Times Square.

Já o Park Lane, em frente ao Central Park, vizinho do ícone Plaza e do renovado Ritz-Carlton, teve todas as suas 610 acomodações (cerca de metade delas com vista para o parque) repaginadas pelo escritório de design de Yabu Pushelberg. Mas a grande novidade da nova fase do Park Lane é o novíssimo bar de drinques no rooftop no 47º andar, Darling. É a primeira vez, desde o início da década de 1970, que o rooftop recebe o público em geral.

Washington DC

The Wharf continua em expansão e com novos hotéis, como o luxuoso Pendry, do grupo Montage, com 131 quartos e 38 suítes, previsto para o segundo semestre. Outra novidade é que o Trump Hotel reabriu este mês, depois de um curto período fechado, como Waldorf Astoria. Por enquanto, não há grandes mudanças na propriedade. No segmento econômico, acaba de ser inaugurado um Selina, com 106 quartos.

Leia também: Como é se hospedar no Selina Copacabana

Los Angeles

A Costa Oeste também tem um novo Pendry, aberto em 2021 em West Hollywood, uma das regiões mais bacanas de L.A. Com 149 acomodações, fica na Sunset Strip. A gastronomia é assinada por Wolfgang Puck, chef sinônimo de Los Angeles.

Leia também: Como é se hospedar no Andaz, o hotel do rock no Sunset Boulevard, em West Hollywood

Acompanhe Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel

Dockside Inn, novo hotel econômico no Universal Orlando Resort

Novos (e bons) hotéis econômicos no Universal Orlando Resort

Hotel econômico bonito e confortável, com design bem pensado, boa relação custo x benefício e bem localizado é uma combinação que às vezes parece difícil de acontecer. O Universal Orlando Resort inaugurou durante a pandemia não apenas um, mas dois bons hotéis de perfil econômico. A novidade chega em boa hora para o mercado brasileiro, que vê o turista começa a voltar a Orlando, mas em uma retomada ainda lenta.

Em evento realizado durante a WTM Latin America, na primeira semana de abril em São Paulo, representantes do Visit Orlando se mostraram otimista com o retorno dos visitantes internacionais de um modo geral. A expectativa é que até o final de 2022 o número alcance 93% dos índices de 2019. A recuperação do Brasil ainda é gradual, já que as principais restrições de entrada de brasileiros nos Estados Unidos foram suspensas somente no final de 2021 e a emissão de vistos ainda não se normalizou. O dólar a quase R$ 5 também dificulta a viagem, principalmente quando a família é grande e o bolso, pequeno.

Dias antes da WTM, estive na Flórida, a convite do Universal Orlando, para visitar ou revisitar os atuais oito hotéis do portfólio. Todos são administrados pelo grupo americano Loews, coproprietário da rede hoteleira do resort. Fiquei hospedada justamente no mais novo hotel econômico, o Dockside Inn and Suites at Universal’s Endless Summer Resort, aberto em dezembro de 2020. Em frente fica o também recente Surfside Inn and Suites, menor do que o Dockside e mais tranquilo, mas bem parecido. Conversei com Russ Dagon, sênior vice-presidente de Resort Development do Universal Creative, área responsável pelo desenvolvimento dos hotéis. Ele destacou que “pesquisar e procurar entender as necessidades de cada família é fundamental para criar o conceito de cada hotel temático”.

Acompanhe as novidades da hotelaria no Instagram Hotel Inspectors

Leia também: O sucesso dos hotéis e parques aquáticos de Olímpia, no interior de São Paulo

.

Como é se hospedar no Dockside Inn, novo hotel do Universal Orlando Resort

O Dockside Inn and Suites no Endless Summer Resort tem 2.050 acomodações, de um ou dois quartos, divididas em duas torres. Os tons de laranja e azul predominam na decoração, e o piso não tem carpete. As camas queen são confortáveis, há gavetões e ganchos para roupas e acessórios, e espaço para malas. Todos os quartos têm mesa de jantar com duas cadeiras, um banco grande, dois pufes, forno de micro-ondas, geladeira e cafeteria elétrica com sachês de café e chá de cortesia. Há pratos em papel, talheres e copos descartáveis. Uma prancha de surfe em pé marca a separação entre a área de estar e a de dormir. Nas acomodações com dois quartos, para até seis pessoas, a terceira cama fica no segundo quarto, que tem ainda um pequeno armário com cortina em tecido. Há muitas tomadas e saídas USB, e o wi-fi funciona perfeitamente.

O banheiro, com um bom chuveiro dentro de banheira-que-não-é-banheira com cortina em plástico, tradicional dos hotéis americanos mais econômicos, é proporcionalmente pequeno. As duas pias estão em uma bancada em ambiente separado, o que facilita a organização. Há secador de cabelo e um espelho de corpo inteiro. Fiquei em uma silenciosa suíte de dois quartos no 11º andar, voltada para uma das piscinas, com o vulcão do parque aquático do Universal Orlando Resort, o Volcano Bay, despontando ao fundo.

Cada torre tem uma piscina, com respectivo bar. As duas áreas de lazer, abertas até as 23h, são bem parecidas, mas nada impede que os hóspedes frequentem os dois bares ou usem as duas piscinas. Em ambas há uma área com areia que diverte crianças menores. Para os adultos, uma curiosidade: os drinques têm nomes de atrações do antigo parque aquático Wet’n’Wild, que ficava no local onde foi erguido o Endless Summer Resort.

No lobby, entre as duas torres, estão o Pier 8, mercado com produtos variados e estações de sanduíches, pizzas e comidas rápidas em geral, para comer lá mesmo (há uma ampla e iluminada área com mesas e boa trilha sonora) ou no quarto; uma cafeteria Starbucks, parceira dos hotéis do Universal Orlando, e um terceiro bar, o Sunset Lounge. Nos horários de pico, espere movimentação intensa no lobby e filas no café e no mercado. Há também uma loja com produtos de conveniência e suvenires, como em todos os outros hotéis do Universal Orlando Resort. Ônibus frequentes fazem o transporte gratuito para a CityWalk, onde ficam os acessos aos parques Universal Studios Florida e Islands of Adventures, e para o Volcano Bay.

.

O novo Surfside e os outros hotéis do Universal Orlando Resort

Inaugurado um ano antes, em 2019, o Surfside Inn and Suites é bem parecido com o irmão mais novo, porém mais tranquilo. As 750 acomodações, também com um ou dois quartos para até seis pessoas e minicozinha, ficam em uma torre única, que tem piscina com bar e área de alimentação. É boa opção para famílias com crianças menores.

Os dois hotéis do Endless Summer Resort acrescentaram 2.800 quartos ao portfólio hoteleiro do Universal na Flórida, que soma nove mil acomodações divididas em quatro categorias: econômica (Dockside e Surfside), econômica plus (Cabana Bay Beach e Aventura), preferencial (Sapphire Falls) e premium (Royal Pacific, Hard Rock e Portofino Bay. Todos, independentemente da categoria, oferecem transfers gratuitos, permitem entrada mais cedo no parque Volcano Bay e em algumas atrações do The Wizarding World of Harry Potter, e fazem a entrega de compras feitas nos parques e na CityWalk. Há transporte gratuito entre os hotéis, e cada um tem um tema diferente, com bons bares e restaurantes, entre outros atrativos. Aos poucos estou mostrando os hotéis no meu Instagram @CarlaLencastre.

Na edição desta semana da revista Panrotas, detalho as novidades dos oito hotéis do Universal Orlando Resort.

Serviço

Endless Summer Resort: As diárias do Dockside e do Surfside, em quarto com duas camas, custam a partir de US$ 91, mais taxas, para um mínimo de quatro noites. As acomodações com três camas começam em US$ 136.

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectors, no Twitter @HotelInspectors e no LinkedIn @HotelInspectors