Pousadas brasileiras se preparam para a reabertura

Na semana passada, mostramos nas nossas redes sociais que, contrariando recomendações e protocolos do setor, o hotel Laguna Plaza, em Brasília, vergonhosamente servia café da manhã, almoço e jantar unicamente em sistema buffet, sem nem sequer oferecer talheres esterilizados individualmente, como única opção para um grupo de passageiros e funcionários da Gol, preso na cidade devido a cancelamento de voos. Mas enquanto algumas propriedades envergonham o setor hoteleiro (incluindo proprietários que acham que basta espalhar displays de álcool-gel pelo hotel que está tudo bem), diversas pousadas brasileiras se preparam com cuidados meticulosos para a esperada reabertura em tempos de pandemia e servem de exemplo para o mercado (e alívio para os viajantes). 

Muitas delas continuam primando pela qualidade de serviços e estão fazendo tudo direitinho neste processo, preocupando-se verdadeiramente com hóspedes e colaboradores, e indo muito além das sugestões do vergonhoso selo de “turismo seguro” criado pelo governo – que, além de superficial e nada conclusivo, pode ser baixado e utilizado por qualquer estabelecimento, sem absolutamente nenhum tipo de fiscalização (shame, shame, shame). 

Clique aqui para ler sete ideias para tornar suas viagens mais sustentáveis a partir de agora.

Uma das pousadas brasileiras com reabertura já agendada é a linda Provence Cottage, em Monte Verde (MG), uma das melhores e mais românticas pousadas do país. Em termos de estrutura, não precisaram fazer grandes mudanças, já que espaço ali nunca foi o problema: são apenas oito chalés para duas pessoas distribuídos em dois hectares.  Ainda assim, os proprietários Ari Kespers e Whitman Colerato optaram por receber nesta fase de reabertura apenas metade da capacidade da pousada, além de fazer rodízio dos chalés utilizados, para minimizar mesmo qualquer possibilidade de contaminação. 

Como propriedade que sempre levou a personalização de serviços como bandeira, os serviços de café da manhã e chá da tarde já eram à la carte em mesas que também já contavam com distanciamento adequado. Ari e sua equipe também sempre estiveram à disposição dos hóspedes via Whatsapp e isso não mudará. Vale lembrar que a Provence Cottage tem também um dos melhores restaurantes de Monte Verde. E mais importante ainda: os funcionários estão sendo devidamente protegidos e cuidados desde o começo da pandemia. 

LEIA MAIS detalhes sobre a Provence Cottage aqui.

Clique aqui para ler mais sobre o que está mudando na hotelaria em geral neste processo de reabertura.

Outro belo exemplo de pousadas que se preparam de fato para a reabertura segura também vem de Minas Gerais: é a deliciosa Aromas da Montanha, em Tiradentes. Sempre engajados e solidários, os proprietários participaram ativamente de reuniões com Associação Brasileira de Governança para validar os novos protocolos que serão utilizados na reabertura, em um trabalho super minucioso coordenado por Maria José Dantas, presidente da ABG, especialista em governança hoteleira. 

Sempre conscientes, entraram firme na queda de braço quando alguns empresários da cidade quiseram a todo custo reabrir Tiradentes prematuramente para o turismo, em plena acensão da curva da Covid-19 na região. E seguem firmes e solidários, para a felicidade e segurança de nós, viajantes:  “Sabemos que muitos negócios não conseguirão sobreviver se a ajuda do governo federal não chegar. Mas acreditamos que, se conseguirmos sobreviver a essa fase da crise de saúde, o turismo nacional será muito mais valorizado, também em função do cenário econômico e da saúde internacional”, diz a proprietária Rosana Negreiros. Clique aqui para ler mais sobre a Aromas da Montanha.

LEIA MAIS: Quando será seguro viajar pelo Brasil?

Ainda no Sudeste, a deliciosamente romântica pousada Casa Turquesa, em Paraty, RJ, parte do portfólio da BLTA, também se prepara para a esperada reabertura para o público. Apesar de seguir todos os novos protocolos de higiene e segurança adotados internacionalmente, a propriedade também não precisará de grandes mudanças estruturais. Como sempre foi composta de poucos quartos e sempre prezou a privacidade e exclusividade nos serviços, suas mesas para o café da manhã já têm espaçamento necessário naturalmente, e hóspede também poderá optar pelo café no quarto. Será o próprio hóspede que decidirá se a equipe do room service entra ou não no quarto, se haverá arrumação do quarto ou não etc. 

O único serviço que passará por mudanças será o delicioso chá da tarde da casa, que antes era servido em um pequeno buffet e agora passará a ser servido individualmente. Haverá teste de temperatura para staff e hóspedes, malas esterilizadas, funcionários estarão sempre devidamente paramentados com equipamentos de proteção e serão colocadas menos espreguiçadeiras na piscina. Outra vantagem da Casa Turquesa é que a propriedade já possuía um aplicativo através do qual check in e check out serão obrigatoriamente feitos na reabertura – e a proprietária Tetê Etrusco e sua equipe também estão sempre à disposição dos hóspedes através do Whatsapp. 

Clique aqui para ver como dar toques de hotelaria à sua própria casa.

A Pousada Mata N’ativa, em Trancoso, na Bahia, é outro exemplo inspirador de pousadas brasileiras que se preparam adequadamente para uma reabertura segura e consciente. A pousada tem um belíssimo histórico de sustentabilidade em um dos mais disputados destinos do litoral brasileiro – leia mais aqui. Ali o check in passará a ser virtual, incluindo fornecimento de informações sobre preferências para o café da manhã (agora à la carte e que pode ser servido tanto na casa principal quanto no quarto) e o frigobar, que passa a ser on demand. Todos os novos procedimentos internos da pousada já estão sendo colocados no site, para que o futuro hóspede possa sanar todas as suas dúvidas e se sinta seguro em todas as etapas da reserva e estadia.

A Mata N’ativa adquiriu também ozonizador e lâmpada germicida UV-C, para dar mais segurança aos protocolos de limpeza – que agora incluem também desinfecção de malas e outros objetos, limpeza das suítes à base de peróxido de hidrogênio e funcionários trajando EPI’s. As suítes, aliás, serão lacradas após limpeza e desinfecção. Cardápios passam a ser virtuais, as espreguiçadeiras da piscina foram espalhadas para garantir maior distanciamento entre elas, e novos ambientes foram criados no amplo terreno da propriedade, incluindo um novo quiosque para mais privacidade dos hóspedes.

Clique aqui para ler mais sobre a excelências das pousadas brasileiras.

Vale lembrar que, como ainda estamos em plena ascensão da curva de contaminações e mortes pela Covid-19, e como a legislação sobre quarentena muda municipal e estadualmente, cada uma destas pousadas tem data diferente para reabertura. De qualquer maneira, é um alento, dentre tantos equívocos no setor (mesmo em grandes redes hoteleiras), ver pequenas pousadas brasileiras que se preparam de maneira tão correta, segura e eficiente para este processo de reabertura. Tomara que mais propriedades brasileiras levem a sério as medidas que estes tempos sem precedentes exigem. Ainda estou em quarentena mas, como viajante, seguramente privilegiarei propriedades com tais comportamentos quando for seguro viajar novamente.

Clique aqui para ler tudo que já publicamos sobre hotelaria em tempos de pandemia da Covid-19.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

O patrimônio das pousadas brasileiras

Como alguém que viaja o Brasil e o mundo desde sempre e que presta muita, mas muita atenção em hotelaria desde muito antes de escrever sobre isso, se tem uma coisa que me faz feliz é encontrar bom serviço em meios de hospedagem brasileiros. Qualidade de serviço em hotelaria brasileira, felizmente, é algo que tem evoluído bastante e temos inclusive propriedades que figuram todo ano em diversos rankings especializados entre as melhores do mundo neste quesito, como o Ponta dos Ganchos, em Santa Catarina.

Hoje temos também grandes hotéis no país, de distintos perfis, incluindo também novas redes internacionais famosas pelo serviço primoroso que acabam de chegar ao país, como a canadense Four Seasons. Mas qualidade em serviço não é, nem nunca foi, diretamente associada ao tamanho de uma propriedade. Porque se tem um setor da hotelaria em que realmente caprichamos em serviço de um jeitinho só nosso é nas pousadas.

Pousada no Brasil é algo sem comparação em nenhum outro país. Claro que há pousadas e pousadas, e a gente não pode de jeito nenhum meter todas no mesmo balaio; mas as pousadas de charme brasileiras são mesmo um ponto fora da curva – positivamente. O atendimento cálido, super personalizado, chamando hóspede pelo nome, aprendendo rapidinho suas preferências… tudo isso faz uma diferença imensa numa experiência de viagem.

Vista para o mar imbatível na Villa D’Este, em Búzios. Foto: Mari Campos

Somem-se a isso ambientes charmosos, poucos quartos/hóspedes, roupa de cama e banho caprichada, camas e travesseiros super confortáveis, amenidades de qualidade, equipes sempre afinadas e solícitas e aquele café da manhã “de rei” são alguns dos atrativos facilmente encontrados em pousadas deste tipo. Gosto de muitas, e de perfis bem diferentes entre si, como as deliciosas Casa Turquesa (Paraty), L.A.H (Campos do Jordão), Provence Cottage (Monte Verde), Barra do Bié (Cunha), Villa d’Este (Búzios), Quinta dos Pinhais (Santo Antonio do Pinhal), Maui (Maresias) e tantas outras.

Algumas perfeitas para escapadas românticas, outras na medida para passar dias bem felizes em famiília; o denominador comum nestas pousadas incríveis costuma ser o mesmo: ter ali, in loco, os próprios donos se encarregando de ajudar o hóspede se sentir realmente em casa, mimado e satisfeito. O olho do dono, dizem, é que engorda o gado – e nas pousadas brasileiras isso parece ser mesmo verdade. Das minhas hospedagens favoritas no Brasil, boa parte é composta justamente por pousadas charmosas para as quais sinto um prazer imenso em voltar – justamente pelo serviço tão caprichado e, ao mesmo tempo, tão pessoal e cálido.

A fartura de boas pousadas em Tiradentes, Minas Gerais, realmente impressiona – inclusive pela diversidade da oferta, tanto em termos de budget como em variedade de estilos.

Da minha estadia em Tiradentes em julho passada, voltei bem feliz com a Pousada Solar da Serra. Localizada no alto de uma das colinas de Tiradentes, já na estrada para o município vizinho de Bichinho, ela tem a vista mais bonita da cidade, com Tiradentes e o incrível paredão da Serra de São José no horizonte, de cabo a rabo – inclusive da piscina de borda infinita.

Espere encontrar ali quartos espaçosos e confortáveis todos com varandas privativas, novas suítes com direito até a jacuzzi com vista, fartíssimo café da manhã (com os pratos quentes preparados na hora) e chá da tarde completo incluídos nas diárias (que começam em, acredite, 300 reais por quarto). E, claro, as irmãs proprietárias e sua afinada equipe estão sempre por ali garantindo que os hóspedes estejam satisfeitos – com direito a mimos até na hora de ir embora. Tem review completinha da Solar da Serra aqui.

E se você estiver pensando em aproveitar um dos próximos finais de semana ou feriados para escapar para destinos no Sudeste brasileiro, vale a pena ler este post meu com dica de sete pousadas imperdíveis em destinos deliciosos de São Paulo, Minas e Rio de Janeiro. Todas testadas e aprovadas, cheias de charme e conforto, no melhor estilo das pousadas brasileiras – vale espiar.

Siga também nossas redes sociais para ficar por dentro de todas elas: Instagram @ HotelInspectors,facebook @HotelInspectors e  Twitter @HotelInspectors.
.

Fachada da pousada Solar da Ponte, em Tiradentes, Minas Gerais

Onde ficar em Tiradentes, Minas Gerais

A mais charmosa das cidades históricas mineiras é também uma das mais cuidadas e preservadas. Há muitas boas opções de onde ficar em Tiradentes. Foi uma alegria reencontrar a cidade tão bem depois de alguns anos sem visitá-la. Com fiação subterrânea e emoldurada pelo paredão da Serra de São José, o encantador Centro Histórico tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) proporciona uma viagem a um passado bucólico combinada com a infraestrutura do presente. A sete horas de carro de São Paulo, cinco do Rio de Janeiro e três de Belo Horizonte, é programa para mínimo de três ou quatro dias.

Por mais fascinante que seja Tiradentes, a cidade de 300 anos e com pouco mais de sete mil habitantes sofre com a queda de demanda no quente verão. Como o turismo é sua principal fonte de renda, empresários e artistas locais à frente de mais de 50 empreendimentos locais organizaram o grupo Tiradentes Mais para promover a cidade, garantir a qualidade do serviço e criar festivais durante a baixa temporada.

A convite do Tiradentes Mais, me hospedei no pioneiro Solar da Ponte, membro do Roteiros de Charme, e aproveitei para visitar outras pousadas mais novas que não conhecia. Não há um número oficial, mas o grupo estima que Tiradentes e arredores reúnam mais de 200 tipos de hospedagens, de casa de família a resort. Quinze delas fazem parte do Tiradentes Mais.

Inspiração & informação: clique aqui para seguir o nosso Instagram

Leia mais: Como é se hospedar em um resort urbano no Rio de Janeiro

Onde ficar em Tiradentes: Novas pousadas

Gostei muito da Armazém 26, comandada por três irmãs da vizinha São João del-Rei, que se revezam na administração com muita simpatia. Na entrada da cidade, a pousada tem 26 quartos e decoração “Minas chic” que combina objetos contemporâneos e peças que vieram da antiga tecelagem da família.

Outro endereço que me chamou a atenção de onde ficar em Tiradentes foi o Solar da Serra. Fica um pouco mais afastado do Centro, mas tem a melhor vista da cidade para a belíssima Serra de São José. Contamos mais aqui.

Leia mais: O que mudou nos hotéis na pandemia

Onde ficar em Tiradentes: vista da piscina da pousada Solar da Serra, em Tiradentes, Minas Gerais
Solar da Serra: a vista compensa a distância do Centro | Foto de Carla Lencastre

Na categoria low profile, achei interessante a Pousada do Largo, com localização central. Com apenas sete quartos, é da mesma família da Pequena Tiradentes, na entrada da cidade, que tem uma grande loja de móveis e objetos de decoração, 61 quartos, piscina ao ar livre, piscina aquecida e jacuzzi cobertas, sauna e as autoproclamadas melhores balas de coco de Tiradentes (são mesmo boas). Os hóspedes da Pousada do Largo podem ser levados de carro até a Pequena Tiradentes para tomar café da manhã, um dos mais fartos da região.

Leia mais: Hotéis para respirar ar puro no Rio de Janeiro

Onde ficar em Tiradentes: Um endereço clássico

O pioneiro Solar da Ponte, aberto em 1972, época em que Tiradentes carecia de infraestrutura turística, é um dos fundadores da associação brasileira Roteiros de Charme. Fica na melhor localização da cidade para quem prefere dispensar o carro e gosta de estar perto das principais atrações. Tiradentes é segura inclusive à noite, quando luzes amareladas iluminam as ruas com calçamento pé-de-moleque. Uma pequena ponte sobre um córrego separa o belíssimo e silencioso casarão do século 18 do movimento de lojas, cafés, bares e restaurantes do Centro.

Dividi minha hospedagem em dois dos 18 quartos. Ambos ficavam no térreo, eram decorados com móveis em madeira, tinham amenidades Natura e um hall de entrada com minibar abastecido com águas, cervejas e refrigerantes. Um dos quartos era perfeito para uma pequena família, com uma cama extra, mesa redonda com cadeiras, duas poltronas, e espaçoso banheiro com uma linda banheira em pedra-sabão. O outro quarto era mais romântico, com delicada pintura no forro. Os dois eram voltados para áreas diferentes do jardim interno, ambos silenciosos e indevassáveis graças à vegetação. O Wi-Fi funcionou bem nos quartos, mas não nas áreas comuns.

Leia mais: Cinco inovações que vão mudar a hotelaria

Onde ficar em Tiradentes: Solar da Ponte
Piscina do Solar da Ponte e um dos muitos ipês-amarelos da cidade | Foto de Carla Lencastre

No jardim, o Solar da Ponte tem uma piscina ao ar livre e sem aquecimento, sauna e um salão com cozinha gourmet para pequenos eventos. Na casa principal, além dos quartos, há salas bonitas e confortáveis para uso dos hóspedes e um triste bar desativado. De um modo geral, a elegante decoração mostra sinais do tempo e está um pouco envelhecida aqui e ali.

O café da manhã é servido em um amplo salão no segundo andar com janelas voltadas para o verde. O bufê tem sucos, frutas, cereais, queijos, frios e vários itens feitos na casa, como pão de queijo, iogurte, geleias, broas e bolos variados, incluindo um inesquecível de gengibre. Os utensílios são da grife mineira de objetos em estanho John Somers, de São João del-Rei. Há máquina de café expresso e alguns itens são preparados na hora, como ovos e café coado. No mesmo salão, é servido um chá no final da tarde, incluído em todas as diárias.

Leia mais: Como estão funcionando os restaurantes de hotéis no Rio

Comes, bebes e boas compras

O assunto é onde ficar em Tiradentes, mas vale registrar que a cidade está repleta de novidades na área de gastronomia. Anote os nomes do mineiro-chique Angatu, com menu degustação harmonizado com vinhos mineiros; do mineiro-tailandês Uathai, do mineiro-caseiro Empório Santo Antônio, do mineiro-contemporâneo Pacco & Bacco, e do ítalo-mineiro Gourmeco. Cervejas e chope artesanal estão no LuTh Bistrô e no Barouk.

Para compras, destaco os queijos divinos da Ouro Canastra Q’jaria; as maçãs carameladas e os objetos de decoração do café e loja Jane’s Apple; as almofadas e os colares de Daniela Karam; as fragrâncias da Ligno Vitaee, e, um pouco fora do Centro, as peças em cerâmica do RM, ateliê do simpático e talentoso casal Rose Valderde e Maurilio Souza.

A Marcas Mineiras, em frente ao Solar da Ponte, tem um café lindo e gostoso em meio a um jardim e um pouco de tudo nas prateleiras, incluindo os incríveis cristais de Poços de Caldas Cá d’Oro (que também podem ser encontrados, em menor variedade, na nova loja conceito da H Stern no Fairmont Rio de Janeiro Copacabana).

Tudo testado e aprovado durante uma deliciosa semana mineira.

No meu Instagram e, também, no do @HotelInspectors, no destaque Tiradentes, há outras imagens de Tiradentes, incluindo vídeos.

Atualização

Durante a quarentena, para diminuir as saudades de Tiradentes, fiz compras na loja online de Daniela Karam. O e-commerce funcionou bem. Os produtos chegaram lindamente embalados e perfumados, antes do prazo.

Leia mais: A reabertura para o turismo de Búzios, Angra e Paraty

Clique aqui para ler tudo que publicamos sobre hotelaria na pandemia

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog, no Twitter @InspectorsHotel e no LinkedIn @Hotel Inspectors