5 evidências que aprendi sobre turismo

Sempre é bastante inspirador participar de eventos que nos trazem novidades e aguçam nossas ideias. Assim foi com o WTTC Summit 2018 que acabou hoje em Buenos Aires.

falamos aqui sobre o tema do evento e abordamos as principais perguntas que o debate se propôs a responder. É claro que saímos com mais perguntas, e certamente com muitas reflexões válidas.

Compartilho com você alguns dos assuntos que me chamaram a atenção:

  1. Liderança na nova era é sobre ouvir seus colaboradores.  Fazer um tipo de “mentonia ao inverso” com pessoas mais jovens de nossa equipe nos ajuda a entender que o “novo” é uma ferramenta que os líderes podem usar. Desiree Bollier, Chair, Value Retail.
  2. Turismo é um antídoto ao protecionismo e ao extremismo nacionalista. Disse o ex-presidente Mexicano Felipe Claderón sobre as ondas de governos que colocam muitas barreiras às viagens internacionais, afirmando que a indústria de viagens e turismo pode abrir mais fronteiras e mentes.
  3. Mais turistas exigem mais infraestrutura para recebê-los. Essa reflexão de Glória Guevara, CEO do WTTC me fez pensar que estamos “quase” calados diante dos temas ligados à aeroportos, estradas, serviços públicos, segurança sanitária e tantos temas que demandam atenção e AÇÃO dos governos. Sempre que falamos queremos mais visitantes, que fiquem mais tempo e gastem mais em nossos destinos precisamos pedir mais estrutura pública e bons serviços privados para atende-los.
  4. Devemos falar menos de nós, indústria do turismo e falar mais sobre sua força no desenvolvimento econômico dos países. Com essa afirmação, Roger Dow, Presidente do USTravel (entidade privada de turismo dos EUA) disse que precisamos falar mais dos mantras ligadas aos impactos diretos e indiretos do turismo no desenvolvimento de cidades, sensibilizar lideranças e a sociedade para nossa importância.
  5. Quando as crises acontecem, o incidente em si é apenas parte do problema. Quando temos um acidente natural, ou uma crise causada por exemplo pela dengue ou febre amarela (para usar nossos exemplos e um tema que anda preocupando o turismo brasileiro), devemos, além da preocupação com um tema de saúde pública ou a perda de turistas, lembrar que o impacto disso sobre os empregos e a vida das pessoas é imenso. Foi essa a afirmação de Najib Balala, Secretário de Turismo (Ministro) do Kenya.

SalvarSalvar

SalvarSalvarSalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

Published by

Jeanine Pires

Professora e empresária, tem 19 anos de experiência em turismo e eventos. Diretora da Pires & Associados e da MATCHER Travel Business.Suas principais atividades são a realização de Planos de Marketing de Destinos Turísticos e palestras no Brasil e no exterior. Presidiu a EMBRATUR de 2006 a 2010, onde também foi Diretora de Turismo de Negócios e Eventos. Liderou o trabalho de promoção do Brasil como destino turístico no exterior, os programas de captação de eventos internacionais e a agenda de promoção do Brasil de 2003 a 2010. Participou da elaboração do Plano Aquarela - Marketing Turístico Internacional do Brasil em 2005 e também coordenou sua versão para 2020. Nos Convention & Visitors Bureaux de Maceió e Recife como diretora executiva, desenvolveu os programas de marketing de lazer e eventos para aquelas cidades entre 1997 a 2002. Esse blog reflete opiniões pessoais e não tem qualquer vínculo institucional

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *