Retorno emaranhado na Espanha

Photo by marianne bos on Unsplash

Estamos na última semana de julho de 2020, e nosso calendário ainda sofre com incertezas trazidas pelo cenário da pandemia. Aquele retorno linear, que funciona no gráfico ideal já não retrata a realidade que vivenciamos. A afirmação da Organização Mundial da Saúde – OMS de que a pandemia é uma onda única exige novos comportamentos. O alerta da organização também destacou que os países precisam controlar melhor a doença internamente, e que as fronteiras precisam ser abertas entre países.

Prejuízos à Espanha

As recentes medidas de viagens do Reino Unido para com a Espanha (de impor quarentena de 14 dias) acabaram com as férias de muitos espanhóis. Isso também prejudica demais a imagem da Espanha e diminui sensivelmente futuras reservas de viagens durante o verão. França, Bélgica e Alemanha também desaconselham viagens a algumas regiões da Espanha. Para piorar, uma declaração polêmica de um porta-voz do governo espanhol que agradeceu aos belgas por não virem à Espanha gerou indignação nas lideranças do turismo.

Tudo isso depois de um grande esforço do país em campanha para atrair visitantes europeus (veja aqui sobre essa campanha) e da organização em torno de medidas sanitárias. É claro que governo e empresários desaprovaram as medidas, que segundo eles não foram baseadas em fatores sanitários, já que muitas regiões da Espanha não estão com aumento de casos. Ações de empresas de turismo e da aérea AIG despencaram com os fatos.

Balde de água na confiança

Eu fiz esse histórico aqui para refletirmos sobre como uma única medida, unilateral, colocada em vigor imediato, acaba impactando de forma mais ampla uma importante atividade como o turismo. Também, para lembrarmos da importância da preparação de porta-vozes e da comunicação unificada para a imagem de um destino. Essas ações minam diretamente a confiança nas viagens, não somente daqueles que viram frustradas suas férias, mas de todos aqueles que voltam a se planejar para futuras escapadas. Já falamos aqui o quanto a volta da confiança nas viagens é importante, e também na imensa importância que a cooperação e coordenação entre países pode significar. Na verdade o mundo precisaria cooperar muito mais em todo o cenário da pandemia, em diversos aspectos.

Imagina por outro lado, como ficam empresas e colaboradores que se preparam há meses com protocolos e divulgação de seus cuidados para receber os hóspedes. Os destinos e autoridades sanitárias também fizeram mudanças substanciais e investiram em medidas para prevenir o contágio e garantir uma experiência mais segura aos visitantes. E se isso tiver um efeito dominó para outros países ? Ficam a frustração e os enormes prejuízos, somados à justa preocupação com a segurança das pessoas, e mais ainda a necessidade urgente de diálogo e cooperação entre países. Os cuidados com a vida em primeiro lugar e a cooperação como forma de enfrentamento conjunto do vírus que não tem nacionalidade.

3 papos imperdíveis

Já experimentou ouvir as lideranças de turismo no nosso podcast HUB TURISMO? Estamos com mais de 2 mil ouvintes, passa por lá, segue a gente e compartilha com seus amigos e colegas. A seleção que fiz para você traz 3 conversas super antenadas e atuais:

1- Dados da Amadeus mostram impactos nas viagens, cenários de recuperação do turismo e tecnologias que serão grandes aliadas do setor. Paulo Rezende analisa ainda a confiança e a humanização das viagens, comportamento do consumidor e nos fala sobre a diversidade na atuação da Amadeus em diversos segmentos da indústria. Aqui você encontra mais insights e estudos da Amadeus.

2- Como empresários estão vendo o atual cenário do Brasil e encontrando formas de cooperação para seguir adiante em suas empresas; Aldo Leone Filho, CEO da AGAXTUR, fala sobre o tema, sobre o MOVIMENTO SUPERA TURISMO, a confiança nas viagens e o papel das agências de viagens.

3- Já pensou em como redefinir sua estratégia de marketing digital? Você não tem uma estratégia? Como alinhar seu digital se você tem empresa de turismo ou é profissional de destinos? Como ficam os influenciadores digitais, o planejamento e a importância de estar no on-line de forma multicanais. Jaderson de Alencar é Diretor de Comunicação Digital Estratégica da FSB COMUNICAÇÃO e bate um papo sobre todos esses temas e muito mais.

2 lições da pandemia para o turismo

Photo by Joanna Kosinska on Unsplash

A experiência me ensinou que mesmo para as maiores tragédias ou sofrimentos em nossa vida sempre há uma lição a aprender, algum aspecto que podemos melhorar. Nesse momento sem precedentes para a humanidade, e especialmente para a indústria de viagens e turismo, tenho me perguntado: quais os grandes ensinamentos eu posso tirar? Essa reflexão já me despertou dois temas que não são nenhuma novidade, e sim cada vez mais essenciais para a sobrevivência e avanços do nosso setor.

Sobre a persistência

Um primeiro aspecto, ligado às incertezas temporais da pandemia, nos obriga a pensar mais no longo prazo, a entender fases distintas e planejar etapas para o futuro. Falo de planejamento de longo prazo, de continuidade e evolução renovadora em nossas empresas e, sobretudo, nas políticas púbicas do setor. Entendendo a necessidade de pensarmos no agora, em termos que pagar a conta no final do mês, não consigo conceber que nosso país não desenvolva a capacidade de cooperação publico-privada para o desenvolvimento do turismo no longo prazo. Ao assumirmos uma posição de liderança em nosso setor podemos cada vez mais garantir a salvaguarda de avanços e dirigir o setor com confiança.

É certo que aprendemos que planejar e cooperar para melhorar sempre é mais do que uma necessidade, é imperativo para o avanço e sobrevivência no cenário mega competitivo“.

O aprendizado também me remete à necessidade viva e real de pensar e agir o turismo de forma sustentável. Me refiro não somente ao meio ambiente natural, matéria prima do turismo; mas, certamente, aos aspectos de valorização cultural, de sobrevivência econômica equilibrada e de valorização dos aspectos sociais de cada destino. Mais do que uma bandeira, a sustentabilidade em todos os seus âmbitos é a garantia da existência do turismo daqui frente, aliás, de nossa sobrevivência como espécie aqui pelo planeta.

A pandemia é, segundo estudos diversos, um reflexo do desequilíbrio ambiental que vem de desmatamento, de queimadas, de lixo, dos impactos de nossa vida cotidiana que desestabiliza o habitat e contribui para a proliferação de vírus, bactérias e outros seres invisíveis que trazem contágio de animais para seres humanos (exatamente o que estamos vivendo). E isso pode se repetir, possivelmente de formas que não esperamos e que não estamos preparados.

Turismo e sustentabilidade são conceitos e vivências já inseparáveis, como estamos praticando em nossas empresas e destinos? Será que os viajantes irão aceitar paisagens sujas, águas contaminadas, culturas destroçadas e sociedades tão díspares e inconstantes? Quando essa será, de fato, a principal bandeira do turismo brasileiro na prática?

Estamos vivendo nesse planeta como se nós tivéssemos algum outro para ir”. Terry Swearingen, enfermeira e ganhadora do Goldman Environmental Prize em 1997

Bate-papo com líderes

No HUB TURISMO temos conversado com líderes públicos de turismo sobre medidas de movimentação do turismo, preparação de medidas sanitárias, o cenário do setor em seus estados e sobre como será a promoção e o marketing nesse novo cenário. Confira aqui o que dizem Arialdo Pinho (CE), Bruno Wendling (MS) e Fausto Franco (BA).

Você pode ouvir e seguir o HUB TURISMO no Spotify, Google Podcasts, Apple Podcasts ou em qualquer plataforma de sua preferência. Já temos 2 mil profissionais de turismo no HUB TURISMO, vem pra cá você também.

Por que a grama do outro é mais verde?

Photo by Yuriy Bogdanov on Unsplash

Como um país recebe tantos visitantes internacionais? Quais são os fatores que o levam a sempre melhorar, evoluir, inovar? Na minha visão um dos principais “segredos”, é ter um caminho traçado de longo prazo, saber aonde se quer chegar, o que fazer, como, em que mercados; ter um mercado atuante e líderes comprometidos. Não se pode parar, nem mesmo diante de uma pandemia. Não parece ser segredo, e sim profissionalismo e continuidade inovadora.

Uma das formas de aprender é observar os caminhos encontrados pelos outros, algo que faço sempre em minhas pesquisas e análises no setor de turismo. Acabei de ver um desses exemplos com as ações de marketing anunciadas essa semana pela Espanha para a indústria de viagens. Eles não lançaram somente uma nova plataforma (veja aqui mais detalhes do conceito técnico) e uma nova campanha de marketing, eles seguem no rumo adotado há dezenas de anos para se posicionar como destino turístico e fazem as devidas adaptações ao atual cenário. A marca turística deles não é só uma logo, a mesma logo há décadas, é um posicionamento de mercado que está sempre sendo aprimorado.

Marca turística da Espanha

Desde o início da pandemia venho acompanhando os estudos da Turespaña sobre os mercados emissores de turistas internacionais para aquele país, sempre analisando diversos aspectos tais como situação da pandemia, tendências de comportamento, medidas sanitárias, imagem da Espanha no mercado, restrições de mobilidade, cenário econômico, dentre outros fatores. São 32 mercados monitorados; isso se chama inteligência de mercado.

a nova mensagem

Com esses dados, estudos e planejamento em cada etapa da pandemia, restabeleceram a estratégia para atrair turistas europeus tendo a Espanha como sua segunda casa, já que estes retornam diversas vezes ao país. Sabem quem são seus atuais clientes, como se comportam, o que desejam e traçam uma comunicação assertiva. A mensagem é de um destino seguro e que já chegou o momento de voltar a visitar o país; a campanha se chama “back to Spain” (de volta à Espanha). Os diversos vídeos e conteúdo falam em voltar à história, voltar aos sabores, voltar à natureza, dentre outros. Você pode ver aqui no canal da Turespaña.

Durante o período da pandemia, o país não desapareceu da mente dos consumidores, já havia lançado a campanha com mensagem de que quando tudo passasse, a Espanha estaria esperando pelas pessoas: Espanha de Espera (vídeo). E no Brasil? O que estamos fazendo ?

Ouça aqui O HUB TURISMO

Trazemos aqui alguns de nossos podcasts do HUB TURISMO sobre cenários e avaliações do mercado de turismo. São conversas com Jaderson Alencar (FSB Comunicação) sobre marketing digital; Bruno Wendling (Presidente do FORNATUR e da Fundação de Turismo do MS) sobre destinos e promoção; com Rodrigo Cordeiro sobre o futuro dos eventos (consultor em eventos); além de nossas análises sobre o turismo internacional e os impactos da Covid-19.

Bruno Wendling fala sobre destinos, parcerias e promoção turística do Brasil

Viagens internacionais e os impactos da pandemia, Jeanine Pires

Marketing digital em turismo com Jaderson Alencar

5 ideias do que pode mudar no turismo pós pandemia, Jeanine Pires 

O futuro dos eventos com Rodrigo Cordeiro

Reservas passadas e futuras para o internacional

Photo by Isaac Smith on Unsplash

Temos todos acompanhado o retrocesso do mercado internacional de turismo para o Brasil, diante desse cenário, fica a pergunta: e então como preparar o futuro? Acredito que termos dados é a chave para combinarmos com nossa experiência, especialmente quando vemos cerca de 94% de nossas chegadas aéreas menores do que 2019 (junho 2020). Trago para você números que nos permitem aprofundar os movimentos de chegadas aéreas que tivemos entre janeiro e junho de 2020 em cada um dos mercados emissores para o Brasil, assim como olhar para as futuras reservas.

Chegadas aéreas passadas

Segundo dados da FowardKeys (empresa de big data que mapeia reservas aéreas passadas e futuras com fonte nos GDSs e empresas aéreas), exclusivos para a Pires Inteligência em Destinos e Eventos, o Brasil registrou entre janeiro e junho de 2020 uma diminuição de 58 % nas chegadas aéreas internacionais. Dados da Argentina, que respondeu por 29,3% do total, mostram que perdemos 59,4 % de viajantes; no segundo mercado emissor nesse período, o Chile, a diminuição foi de 53,1%; e o Uruguay registrou -55,2% de chegadas. Quando olhamos para a Europa as maiores quedas vieram da Espanha (-59,9%) e da Itália (-59,6%); e as “menores” vieram da França (-52,2%) e de Portugal (-52,1%). Vemos claramente como os países mais impactados pela pandemia fizeram menos viagens para o Brasil, será que essa tendência pode ocorrer para as futuras reservas?

RESERVAS FUTURAS

Falando nas reservas futuras de curto prazo, os dados da FowardKeys demonstram que entre 29 de junho até 9 de agosto de 2020 comparado ao mesmo período de 2019, temos uma diminuição de 90% de chegadas internacionais programadas para o Brasil. Muito interessante notar aqui, que mesmo sendo um volume muito baixo de passageiros, países como a Argentina, Chile e Uruguai têm mais de 92% de diminuição de reservas futuras, e alguns países europeus refletem de forma lenta uma pequena retomada inicial, com cerca de até 81%, 84% de diminuição em relação a 2019. Esse fator, nesse momento, indica um aumento do share de chegadas da Europa para o Brasil, principalmente da Alemanha, Reino Unido, Itália e Portugal.

Não obstante as restrições atuais para passageiros entre o Brasil e América do Sul, Europa e outros destinos; além das incertezas do futuro próximo, é importante planejar desde agora 2021. Ficar ausente na mente dos possíveis consumidores no cenário de alta competitividade internacional é a pior estratégia, já que para recuperar o mercado de turistas estrangeiros teremos outros desafios além da própria pandemia em si. A grande oferta mundial estará toda focada em conquistar pequena demanda existente.

Vamos ficar de olho e trazer para você informações sempre atualizadas, lembrando que a volta da confiança nas viagens, a vacina, as restrições entre fronteiras e o cenário econômico podem impactar tendências em qualquer sentido. Leia aqui o que falamos sobre confiança nas viagens como fator decisivo para a retomada.

Para saber mais sobre esse tema:

Como sair perdendo no turismo internacional

Recentemente conversamos aqui sobre o desempenho do Brasil na chegada de estrangeiros em 2019 e as difíceis perspectivas para 2020 em diante. Além de estarmos juntos enfrentando a pandemia com o restante dos destinos mundiais, já entramos nessa disputa em desvantagem pelo péssimo desempenho de -4,1% no ano passado, de acordo com a OMT. A média de crescimento mundial em 2019 foi de 3,6% e nossos vizinhos como a Argentina cresceram bastante: 6,6%.

Já fiz aqui uma análise da série histórica de chegadas de turistas e da entrada de divisas com os gastos dos estrangeiros do Brasil, e hoje trago uma atualização desse cenário. Certamente o mundo irá contar suas perdas à partir de 2020, mas nós já começamos derrotados desde 2019. Na tabela abaixo podemos ver a evolução de chegadas de estrangeiros ao Brasil com 2 momentos de queda: 2006 com a saída da VARIG do mercado, que levou anos para se recuperar até que a TAM iniciou sua atuação no internacional; e 2009, que foi uma crise econômica global. Observamos também 2 momentos de aumento com a Copa do Mundo FIFA em 2014 e depois, de forma menos acentuada, com a realização dos Jogos Olímpicos Rio 2016. À partir de 2016 ficamos estáveis na casa de 6,5 milhões de turistas estrangeiros.

Nosso cenário atual, agravado pela pandemia da COVID-19, é muito pior do que a média global, já que o super competitivo mundo do turismo, com transformações rápidas e profundas nos deixa a ver navios desde 2019. Fizemos uma projeção (que vale hoje!), para o desempenho do Brasil em 2020 com base em diversos dados de chegadas aéreas até junho (1 de janeiro a 21 de junho com dados da FowardKeys), o percentual de chegadas terrestres de estrangeiros e o cenário intermediário de viagens internacionais do WTTC. Bem, posso dizer que é uma aposta bastante otimista e ao mesmo tempo com muitos questionamentos pelo fato de não sabermos como será o segundo semestre. Voltaremos a esse dado em breve para atualizar, já que o pior cenário pode os leva a uma queda de mais de 70% na chegada de estrageiros.

Outro dado ainda mais relevante é o gasto dos estrangeiros no Brasil, que tem também um desempenho péssimo, nos colocando na 46a. posição mundial na entrada de divisas com viagens internacionais. A curva de receitas cai à partir de 2014 e se mantém no mesmo patamar até 2019 (na casa dos USD$ 6 bilhões), veja o gráfico comparativo de chegadas de turistas e receitas abaixo:

É o que trago hoje para nos ajudar a ver os cenários passados e, sobretudo, nos iluminar da melhor forma para pensarmos o turismo internacional do Brasil. Você gostaria de compartilhar mais informações e análises? Comenta aqui, obrigada.

Em 2019 Brasil já registrou queda de 4,1% de estrangeiros

Photo by Ussama Azam on Unsplash

Hoje a Organização Mundial de Turismo, OMT divulgou o Barômetro de junho sobre o desempenho do turismo mundial, e pela primeira vez tivemos acesso aos dados que mostram o desempenho do Brasil em 2019. Recebemos 6.353 turistas estrangeiros, uma queda de 4,1% em relação a 2018 quando chegaram 6.621 visitantes. Lamentável que no ano passado nosso país já tivesse uma diminuição tão significativa de estrangeiros, quando o mundo registrou aumento de 3,6%, as Américas de 2% e países como a Argentina um aumento de 6,6% (7,4 milhões de turistas), Colômbia + 3,4% e Paraguai +2,9%.

Impactos da pandemia

Os dados da OMT apresentam também com mais clareza os impactos da pandemia no turismo global, mostrando que entre janeiro e abril foram -44% de chegadas internacionais; somente o mês de abril registrou queda de 97%, quando o turismo global ficou totalmente parado. Veja no quadro abaixo a evolução das chegadas nos quatro primeiros meses de 2020 (mundo) comparados com 2019:

JANEIRO 20/191.8 %
FEVEREIRO 20/19-11.7 %
MARÇO 20/19-54.6 %
ABRIL 20/19-97 %

As perdas do turismo global nesses primeiros meses de 2020 foram igualmente estratosféricas, os destinos turísticos e a economia do planeta deixaram de arrecadar US$ 195 bilhões, uma queda de quase 33% em relação ao mesmo período de 2019. O Brasil, que ocupa a 46a. posição entre os países que mais recebem divisas com o turismo, mostrou uma perda de receitas com divisas nesse mesmo período de 31,8%. Já quando se trata dos gastos dos brasileiros no exterior, ocupamos a 20a. posição; gastos estes que caíram 46,1% entre janeiro e abril desse ano em comparação com 2019.

Não posso deixar de apontar aqui minha reflexão: com nosso desempenho no turismo internacional em 2019, somados à pandemia que terá, provavelmente, reflexos pelos próximos 2 ou 3 anos em todo o planeta, como fica o trabalho de promoção internacional de nosso país no médio e longo prazos? O que você acha sobre isso ?

Você pode ouvir mais análises em nosso podcast HUB TURISMO. Se quiser saber mais sobre a série histórica das chegadas de estrangeiros você pode ler nosso post aqui.

2 FATORES QUE DEVEM FAZER A DIFERENÇA PARA SEU CLIENTE

Imagino que sua empresa esteja preparando os devidos protocolos para se preparar para a volta às atividades em breve, correto ? Ter os protocolos conforme orientações de diversos órgãos, treinar as equipes e divulgar de forma clara como será a experiência do visitante será fundamental agora e ainda por um bom tempo. Entendo, que assim que as viagens começarem a retornar (aos poucos), os protocolos, além de mandatórios, vão virar uma commoditie, ou seja, todos terão que ter. Mas e daí? Como me diferencio?

Tenho avaliado que existem 2 fatores que podem fazer a diferença com o cliente desde já: a flexibilidade e o valor adicional.

  1. FLEXIBILIDADE: A confiança nas viagens será um fator fundamental para que a demanda volte a se aquecer, já falamos sobre isso aqui e você pode ver mais detalhes. Precisamos então eliminar as demais barreiras do meio do caminho, e uma destas pode ser a incerteza sobre a situação da pandemia nos próximos 6 meses ou 1 ano (ou até mais). Nesse cenário, ser flexível com remarcação, adiamento, multas e qualquer custo ou problema futuro para o cliente pode ajudar muito na decisão de uma viagem. Não é fácil tanta flexibilidade para os fornecedores, no entanto quanto mais incertezas ou falta de clareza um cliente tiver sobre o futuro de uma viagem, mais difícil será ele tomar uma decisão. Lembre-se: ainda temos a grande incerteza no ar, a possibilidade de contaminação.
  2. VALOR ADICIONAL: Você está oferecendo os protocolos e buscando a segurança de seus colaboradores e clientes, ok. O que mais você está oferecendo ao visitante para aumentar sua vontade de viajar e trazer mais algum valor e propósito à viagem? Como você está se diferenciando de seu competidor, somente pelo preço? Cuidado, isso pode ser uma armadilha, já que ainda podemos ter mais alguns anos pela frente com a pandemia. Se você conhece seu público então saberá como oferecer um jantar romântico, gratuidade para crianças, uma massagem no spa, ou bem melhor do que isso, surpreender seu cliente de diversas formas. Ele quer ser tratado como especial, personalização é a palavra.

Mãos à obra! Nesse momento em que existem muitas incertezas ainda, a tarefa de atrair a demanda será um desafio, e aos poucos vamos sentindo aquilo que funciona, olhando o que outros estão fazendo e construindo uma experiência inesquecível para os nossos clientes. Sim, mais uma tendência que devemos ficar de olho: os comentários, avaliações e compartilhamentos de experiências devem aumentar bastante.