Sustentabilidade é discurso ou prática para sobreviver no mercado de viagens?

A European Travel Commission – ETC, entidade que congrega dos destinos turístico da Europa está sempre trazendo análises interessantes sobre inovação, competitividade e tendências no turismo. Nessa linha, divulgou hoje (15/09/2021) o documento “RECOMENDAÇÕES-CHAVE PARA INCENTIVAR PRÁTICAS DE TURISMO SUSTENTÁVEL“. O organismo destaca que os órgãos nacionais de turismo e também os locais devem pensar seriamente em criar condições para que os destinos, empresas e visitantes adotem mais práticas sustentáveis no turismo, atuando nas seguintes áreas:

  • Visão, planejamento estratégico e gerenciamento: Identificar as formas com as quais o turismo pode contribuir
    para um destino bem-sucedido, direcionando o desenvolvimento e a gestão do turismo no caminho adequado
  • Dados, pesquisa e inteligência: Geração e compartilhamento de dados sobre o comportamento do mercado, fluxos de visitantes, a pegada de carbono do turismo no destino, o ambiente de operação dos negócios, o sentimento dos residentes e o valor da contribuição do turismo para a conservação do patrimônio natural e cultural patrimônio
  • Defesa do setor e parcerias: Uso de influência e representação para encorajar as partes interessadas em todos os níveis a reconhecer o valor do turismo e a importância de uma abordagem sustentável
  • Apoio empresarial e desenvolvimento de habilidades: Desenvolver estruturas nacionais em conexão com as regionais e locais para apoiar e incentivar o desenvolvimento de habilidades, melhorar os padrões de sustentabilidade e incentivar boas práticas comerciais
  • Comunicação e marketing: Influenciar o comportamento das partes interessadas (por exemplo, fornecendo informações claras, informações e ferramentas acessíveis para orientar os consumidores a fazer escolhas sustentáveis ou ajudando
    os visitantes a entendem como reduzir os impactos de suas próprias viagens)
  • Finanças e investimento de capital: Trabalhar com governos locais e nacionais para pressionar e facilitar o acesso a financiamentos e investimentos que apóiem a implementação de um turismo sustentável.

Veja também: Motivos para viajar e se tornar uma pessoa melhor

Todas essas sugestões podem parecer longe de nossa realidade, ou ainda, parecer que não são nossa prioridade nesse momento, mas me pergunto:

  • o destino depende de recursos naturais para atrair os visitantes?
  • queremos que os turistas conheçam nossa história e cultura?
  • a experiência autêntica é um diferencial para que nosso destino ou nosso hotel não seja mais um dentre milhares?
  • nosso destino conhece os 17 objetivos do desenvolvimento sustentável?
  • estamos orientando nossos clientes a colaborar com nossas ações de práticas sustentáveis?

Vou adorar se você compartilhar aqui as práticas de sua empresa ou destino na área de sustentabilidade.

a viagem quarentena

O México, porta de entrada para viagens de quarentena, inaugura uma nova tendência de viagem. Dados da Forwardkeys, empresa espanhola que trabalha com big data e inteligência comercial, divulgados hoje (31 de agosto 2021) comprovam esse movimento.

Os últimos dados de emissão de passagens aéreas divulgados pela ForwardKeys revelam que os viajantes experientes do Brasil estão entrando em outros destinos de longo curso após passarem duas semanas em quarentena no México. Os destinos finais mais desejados são os Estados Unidos (82%), o Peru (8%) e o Panamá (6%). “Este é um caso interessante de como a demanda reprimida está encontrando novas maneiras de superar as atuais restrições de viagem nos países. Estaremos atentos para ver onde mais no mundo esta tendência está acontecendo”, diz Juan Gomez, Analista da ForwardKeys. As incertezas do atual cenário com as novas variantes, a vacinação em diferentes níveis e a expectativa de que as pessoas estejam totalmente vacinadas para voltarem às viagens internacionais nem sempre são barreiras.

Fonte: ForwardKeys, 31 de agosto de 2021.

Dados da Amadeus também indicam a continuação das viagens de brasileiros ao México. Relatório do GDS mostra Cancún e Cidade do México como o terceiro e sexto destinos nas reservas aéreas em julho e agosto. A Amadeus também indica que Cancún é o destino que mais cresceu em novas reservas à partir de setembro/21, perdurando essa tendência até o início de 2022. Outros destinos internacionais que já apresentam reservas de viagens dos brasileiros à partir de setembro até o primeiro semestre de 2022 são: Dubai, Paris, Lisboa, República Dominicana, Zurich, Maldivas, Miami e Nova Iorque.

A certeza da predominância do mercado doméstico no Brasil e no mundo mostra também os primeiros sinais de que a necessidade ou o desejo de viajar tem trazido interessantes movimentos entre países, e ao mesmo tempo alterações importantes em mercado emissores, como falamos nesse post. A abertura de algumas fronteiras para os brasileiros, como é o caso da França e da Suiça, assim como as fronteiras fechadas com os países da América do Sul tem trazido surpresas e a necessidade de monitoramento permanente para que empresas e destinos possam tomar decisões de investimentos. Cada vez mais as decisões das empresas serão direcionadas pelos movimentos de lazer e pela demanda flutuante que dança junto com os mercados e a situação da CONVID. É acompanhar.

Internacional instável e flutuante

Todos nós sabemos que, lentamente, o avanço da vacinação, os passaportes sanitários e outras ações podem começar ajudar a volta do mercado internacional. Mesmo com perspectivas ainda de médio e longo prazos ou novas variantes é importante monitorar e entender os movimentos domésticos, intra-regionais e de longo curso dos mercados emissores para o Brasil. Trago hoje os dados da ForwardKeys sobre a demanda internacional futura de viagens aéreas para o Brasil entre 16 de agosto e 26 de setembro desse ano de 2021 em comparação com 2020 e 2019 (bilhetes aéreos com reservas feitas).

A comparação correta que devemos fazer de 2021 é como 2019, basicamente por que é um ano em que não havia ainda a crise da pandemia e nos permite fazer comparações reais. O período de 16 de agosto a 26 de setembro de 2021 na comparação com o mesmo período pré-crise (2019) mostra uma queda de 83,4% no total de chegadas aéreas internacionais para o Brasil. Todas as semanas recebemos dados da ForwardKeys que nos permitem avaliar esses cenários.

Alguns mercados chamam a atenção. O primeiro deles é a Argentina, que tem hoje um share de 6% do total das chegadas aéreas internacionais ao Brasil (2021). Historicamente é o principal emissor para o Brasil, com cerca de 29% das chegadas totais de estrangeiros (cerca da metade chega por via aérea); já apresentou uma diminuição acentuada em 2019 (-22%) e ainda maior em 2020 e 2021. Estamos com fronteiras fechadas, pouquíssimos voos e restrições de viagens ainda severas; sem considerar a crise econômica que aquele país vive há alguns anos. Uma situação similar ocorre com o Uruguai, que além de ser nosso vizinho e ter uma série histórica de chegadas (cerca de 364 mil turistas por ano) também tem fronteiras fechadas e muitas restrições. O terceiro mercado também com grande queda é o Reino Unido, que temos acompanho as restrições severas até mesmo dentro da Europa. Esses três países registram uma variação negativa de 95,5% nas chegadas passadas e futuras ao Brasil na comparação com 2019 e também com 2020.

Quando olhamos para os mercados emissores para o Brasil que podemos considerar mais resilientes, ou menos piores nas chegadas aéreas, destaca-se o mercado português, aonde estamos na metade do patamar de 2019; a Espanha, que aumentou seu share de mercado em 2021 (4,5%), mas ainda com chegadas futuras até setembro no patamar de -73,4% em relação a 2019. Destaco ainda a Itália, que está a -78% de chegadas em 2021 na comparação com o período pré-crise com 4,7% de share internacional esse ano.

Esses movimentos de cada país, relacionados com diversos fatores, são essenciais para entender como o futuro do turismo receptivo internacional para o Brasil pode ser novos mercados prioritários. Também ajuda a entender o comportamento de viagens no médio e longo prazos, buscando orientar ações de marketing e vendas a um cenário bastante instável e flutuante. Acertar em políticas de atração de estrangeiros ao Brasil é hoje um desafio ainda mais complexo, que exige decisões com base em dados, fatos e evidências profissionais.

Ouça abaixo o HUB 37: episódio do podcast que fiz com Mariana Aldrigui sobre para que servem dados e informações na análise de cenários e na tomada de decisão nos negócios em turismo.

3 fatores críticos de sucesso no turismo de um país

Para entender melhor as mudanças no ambiente do turismo global e apoiar os países em suas políticas nacionais de turismo, a European Travel Commission (ETC) lançou um relatório mostrando quais são os impactos que esse tema tem no trabalho das organizações nacionais de turismo (NTOs). O estudo, que analisou várias organizações da Europa mostra grandes mudanças nos objetivos estratégicos dessas organizações, na maioria das vezes aumentando a ênfase no tema da sustentabilidade, um foco ainda maior nos interesses dos residentes dos destinos e uma atenção maior aos mercados domésticos e regionais.

As conclusões do documento mostram 7 fatores críticos para o sucesso das políticas das organizações nacionais de turismo. Exploramos 3 desses aspectos nessa coluna:

1. Direcionamento estratégico e liderança

Para que um organismo nacional de turismo possa estabelecer um direcionamento estratégico e liderar a política pública do seu país é necessária uma estratégia integrada de longo prazo, que inclua a sustentabilidade, o gerenciamento do destino e a transformação digital em suas prioridades. Essa estratégia nacional de turismo precisa ter propostas efetivas para implementar estratégias de mercados; desenvolver produtos e experiências, incluindo eventos; trabalhar com inovação e empreendedorismo; realizar a gestão dos destinos; conservar os recursos naturais e preservar seu patrimônio; priorizar aspectos locais e regionais de desenvolvimento do turismo; cuidar do acesso para e dentro do destino; lidar com a transformação digital e implementar estruturas e políticas de responsabilidades. 

Para atingir todos esses aspectos é fundamental uma clara e objetiva definição de responsabilidades e papéis para a implementação de uma estratégia nacional envolvendo todos os parceiros públicos e privados. E para que esse processo seja vitorioso é indispensável a participação de todos os envolvidos na preparação e na implementação dessa estratégia, onde todos usam seu conhecimento e ideias, maximizam o seu compromisso e facilitam a coordenação de esforços entre todos.

Leia também: 5 novas ideias do que pode mudar no turismo

2. Construção efetiva de parcerias

Esse tema fundamental aborda a importância do trabalho de cooperação e parceria com outras organizações dentro do país em nível nacional, regional e internacional. Os requisitos básicos para que as organizações nacionais de turismo consigam estabelecer e manter essa cooperação é ter uma equipe e uma liderança com talentos e perfil profissionais adequados esse processo. Essa cooperação passa por parcerias públicas e privadas em todos os níveis de forma a estabelecer e coordenar a transformação e a implementação de políticas únicas, com capacidade de operar a gestão unificada.

Para transformar parcerias em realidade são necessárias ferramentas eficientes que possibilitem o acesso a informações e dados de mercados que tragam os verdadeiros insights para a tomada de decisões; também são necessários provedores de soluções digitais inovadoras; a participação da academia; a realização de campanhas de marketing e a realização de capacitação e treinamento.

3. Transformação digital

Para que a transformação digital tenha sucesso é necessário que ela esteja em todos os aspectos e níveis da organização, já que diz respeito ao trabalho, às pessoas, aos clientes, aos serviços e produtos. Essas ferramentas devem prover sistemas e aplicativos que ajudem a organização a cumprir sua visão e seus objetivos estratégicos da forma mais eficiente possível. Devem ainda considerar todas as implicações que tem na estrutura cultura e no organograma da organização. As soluções digitais têm que ter o potencial de melhorar o custo e a efetividade das operações da entidade, particularmente no marketing e nos serviços aos visitantes.

Para atingir esse nível de excelência trazendo novas expertises e talentos é preciso que exista um desenvolvimento da equipe, que sejam recrutados novos colaboradores e que feitas parcerias com outras organizações e fornecedores. Destacam-se aqui programas de informação, educação, treinamento e suporte necessários para que a estratégia da entidade seja implementada de forma vitoriosa.

PIB turismo do brasileiro cai 32,6% em 2020

Cenário global

O novo relatório do World Travel & Tourism Council, WTTC, mostra os profundos impactos sofridos pela indústria de viagens e turismo no mundo e no Brasil em 2020. Ao contrário do que ocorreu nos últimos 9 anos consecutivos, o PIB do turismo global caiu mais do que a economia em geral. A pandemia da COVID-19, em seu primeiro ano, impôs à economia global uma queda de -3.7%, enquanto o setor de turismo caiu 49,1% em 2020. Os gastos impactaram mais o setor de negócios do que o de lazer, com uma receita inferior à 2019 de -61% e -49% respectivamente. Também os gastos em viagens internacionais foram ainda menores (-69,4%) do que os realizados em viagens a lazer (-45%).

Os empregos no setor também foram amplamente afetados, com uma queda de 18,5%, o que representou a perda de 62 milhões de postos de trabalho em todo o mundo, desde pequenas até grandes empresas em vários segmentos. Esse segue sendo um tema muito sensível, já que 80% das empresas de turismo não pequenas e médias, e os auxílios dos governos nem sempre conseguem suportar a manutenção de empregos até que o setor se recupere totalmente.

O Brasil

“Menos” impactada pela crise em 2020 em seu PIB que o restante do mundo, a região das Américas sofreu mais, percentualmente, nas perdas de empregos no ano passado do que a maioria dos demais continentes (somente a África perdeu mais). Na América Latina foram 4 milhões de empregos perdidos e uma queda no PIB de -41,1% (- USD 110 bilhões).

No cenário específico do Brasil, também, o PIB do turismo mostra uma diminuição considerável, assim como a perda de postos de trabalho e a diminuição dos gastos realizados pelos viajantes na comparação com 2019. Veja os principais resultados:

  • o PIB total do turismo caiu de US$ 115,7 bilhões em 2019 para USD$ 78 bilhões em 2020 (-32,6%)
  • o PIB total do turismo representava 7,7% do PIB do Brasil em 2019 e passou a representar 5,5%
  • os gastos do turismo doméstico no Brasil caíram -35.6% em 2020
  • os gastos do turismo internacional caíram -39.1% em 2020
  • em 2020, 94,4% dos gastos realizados com a atividade de viagens em turismo vieram do turismo doméstico e 5,6% do internacional

2021 e perspectivas

Um outro estudo feito pela UNCTAD ainda existe muita diferença nos níveis de vacinação nos diversos países, com alguns já com mais de 60% da população imunizada e outros que ainda nem chegaram a 1%. Isso leva à pouca confiança nas viagens, numa maior lentidão na contenção do vírus e um cenário econômico muito deficiente. As perdas piores do que se esperava em 2021, estas devem chegar no patamar entre 1.7 a 2,4 bilhões de dólares na comparação com 2019. Segundo o estudo, as perdas no PIB do Brasil pela redução da atividade turística devem fazer o indicador cair entre 0,5 e 0,6% em 2021.

Qual o caminho ?

Olhando para esse cenário, e tendo a certeza de que o turismo é um dos grandes aliados da recuperação da economia e dos postos de trabalho no Brasil, seguimos observando a tendência de termos no turismo doméstico nossa grande fortaleza. Os menores riscos para o setor no curto e médio prazos estão na aposta das viagens dos brasileiros dentro do país e na supremacia das medidas de segurança e saúde. Empresas e governos só poderão acertar se fizerem diferente, melhor e de forma inovadora. Cooperação e coordenação são as saídas para recuperar a confiança nas viagens e trabalhar para a sobrevivência da indústria de forma sustentável. Qual o caminho para nosso setor na sua opinião ?

O negócio de viagens é agora um negócio de lazer?

O mercado de turismo vive transformações profundas e a aceleração de tendências. E uma das coisas que mudou radicalmente foi o turismo de negócios, trazendo o lazer para o foco do setor pelo menos no médio prazo. A Accenture elaborou o relatório Negócios ou Lazer? Esse texto mostra porque inspirar e capturar o viajante de lazer é uma nova prioridade para as empresas de viagens. Com base nesse estudo, escrito por Miguel Flecha, Managing Director de Turismo da Accenture na Europa, trago algumas reflexões importantes.

A afirmação o “negócio de viagens é agora um negócio de lazer e um negócio menor” pode parecer exagerada e até assustadora, já que o foco no turismo de lazer sempre foi secundário em grande parte da indústria de viagens. De acordo com o autor existe uma mudança muito forte e imediata que é necessária para garantir a sobrevivência dos negócios. Se antes as estratégias das empresas estavam acostumadas a atender um cliente frequente, com reservas em cima da hora, e um perfil conhecido, a partir de agora muita coisa muda na captura do cliente de lazer. Penso também que aqueles com histórico de foco no lazer terão que buscar entender um novo tipo de viajante, com desejos e necessidades diferentes.

Foco no cliente de lazer

Tudo, ou a maioria dos serviços, estava preparado e pensado para o cliente de negócios, e agora? Na verdade, o marketing das empresas terá que começar numa etapa bem anterior da jornada de compra para chegar ao viajante de lazer. Com a motivação da viagem radicalmente diferente, inspirar as pessoas virou questão de sobrevivência. Além de serem comportamentos e formas de compra totalmente diferentes, de precisar alcançar o viajante bem antes do período da viagem, temos que considerar que os próprios clientes a lazer também mudaram seus hábitos e vão exigir um processo de conhecimento mais personalizado para chegarmos até eles.

Voltando então às empresas, existem ainda outros temas para a adaptação além dos protocolos. Começando por entregar a própria promessa do protocolo, da experiência “sem toque” em todas as etapas das viagens. Recentemente tive uma experiência num hotel de cidade em que existe mais papel e mais demora no check-in do que antes. Menos pessoal e demanda imprevisível, como atender bem? Quais são as tecnologias que podem ajudar as empresas a serem mais rápidas e ajudarem o cliente? Vamos lembrar que os hábitos de compra on-line nos últimos dois anos foram acelerados, e as pessoas estão habituadas a sistemas rápidos e atendimento personalizado.

Todas as decisões terão que girar em torno de dados para possibilitar uma personalização e maior conhecimento do potencial cliente. Os bancos de dados das empresas, as análises de todo tipo de informação em tempo real são condições para direcionar recursos e ganhar clientes. A produção de conteúdo, além de ser chave, deverá incluir mídia digital personalizada e em escala para ganhar clientes num mercado de demanda menor. Junta-se aqui o tema da credibilidade, dos compromissos que a marca assumiu com seus clientes. Por exemplo, a flexibilidade de cancelamentos e alterações será mantida depois que os fluxos de clientes voltarem a melhorar? Ou por acaso, já imaginou o estrago que um comentário negativo pode trazer para sua marca em segundos, nas redes sociais?

Destinos e empresas de turismo que já tinham foco no lazer podem estar mais aptas a esse novo cenário, mesmo que com muitos desafios pela frente. Outras empresas encontram no novo cenário uma grande mudança no modelo de negócios, e essa adaptação necessita ser rápida e profunda em muitos setores. A volta das viagens a negócios e eventos apontam no cenário, provavelmente em moldes que ainda imaginamos e precisaremos viver para compreender como serão. Por enquanto, foco no lazer, foco no doméstico e muita inspiração para que as pessoas viajem. Qual tem sido a experiência em seu negócio?

5 motivos que ainda restrigem a abertura das viagens aos brasileiros (jun 2021)

Os desafios ao enfrentamento da pandemia do novo coronavírus no mundo e, especialmente, no Brasil, ainda são imensos. Quando analisamos a indústria de viagens e turismo vemos alguns movimentos de viagens domésticas e intra-regionais em alguns lugares do mundo, e grande parte dos estudos de demanda futura indicam um grande desejo reprimido para viajar. E que que falta no cenário atual para trazer confiança para viajar aqui no Brasil ?

O desejo dos brasileiros de viajar dentro do país e, também, ao exterior é citado por diversos estudos. Buscamos aqui uma análise de quais são os fatores podem impactar a ida de brasileiros ao exterior, e a chegada de estrangeiros ao Brasil. Selecionamos aqui os principais países emissores de turistas ao Brasil e aqueles para os quais os brasileiros mais viajam.

1. CASOS POR MILHÃO DE PESSOAS

Ainda temos muitos casos de pessoas sendo contaminadas. Abaixo verificamos nos dados de 1o. de maio até 20 de junho de 2021 o número de casos confirmados a cada duas semanas por milhão de pessoas. O Brasil e os principais emissores de turistas ao nosso país ou destinos que os brasileiros viajam estão em patamares de contaminação bastante diferentes, e a situação da América do Sul é bastante negativa em relação à Europa e América do Norte. Vamos lembrar que além do Brasil, todo o continente precisa apresentar números melhores.

2. VACINAÇÃO

Dados do Our World in Data mostram que o Brasil tem hoje somente 11% da população totalmente vacinada. Com as informações que temos hoje sabemos que a vacinação, seu ritmo e o percentual da população vacinada por milhão de habitantes é um dos critérios para que os países decidam ou não abrir as fronteiras para receber viajantes. Alguns de nossos vizinhos, como o Chile e o Uruguai já apresentam um percentual maior da população com 2 doses de vacina.

3. VARIANTES DA COVID-19

O alto número de contágios e o pouco percentual da população vacinada ainda trazem o surgimento de novas variantes no Brasil. As incertezas sobre a imunização e o nível de contágio das novas variantes fazem com que os países olhem com cautela para o surgimento de novas cepas do vírus. Um dos motivos para que a União Européia não tenha autorizado até agora a viagem de brasileiros já vacinados é a variante chamada de gamma pela OMS. Esta circula em todo o Brasil, é mais contagiante e pode reinfectar quem já teve a doença.

4. FRONTEIRAS

O mundo ainda olha para o Brasil como fonte de contágios e muitas mortes. Os temas ligados às variantes, vacinação, novos números de casos e a forma como o país “administra” a pandemia resultam em medidas de proibição de entrada de brasileiros em outros países por via terrestre, aérea e marítima. O mapa abaixo, ilustrado pelo KAYAK, mostra fronteiras abertas para 6 países, com restrições para outros 99 e 115 com fronteiras totalmente fechadas.

5. VOOS INTERNACIONAIS

A oferta de voos internacionais ainda é pequena, tornando as viagens mais longas e mais difíceis para o Brasil. A recuperação da oferta de voos internacionais ao patamar de 2019 ainda está longe no Brasil, e, dificilmente, ocorrerá antes de 2024. Todas as restrições mencionadas acima apontam a diminuição de voos internacionais de/para o Brasil, que, segundo os dados da Forwardkeys, encontram-se no patamar de -94,5% entre 1 de janeiro a 13 de junho de 2021 em relação ao mesmo período de 2019. As chegadas futuras, baseadas em bilhetes aéreos já comprados entre 13 de junho e 25 de julho encontram-se negativos em 90,5% em relação ao mesmo período de 2019.

O QUE PRECISAMOS URGENTE?

Além do controle da pandemia, da realização de testagens, do avanço mais rápido da vacinação, algumas medidas se tornam essenciais para que, quando o cenário atual melhorar, as pessoas tenham acesso às viagens internacionais. Dentre elas destaco a CERTIFICAÇÃO DE VACINAÇÃO. Os acordos multilaterais estabelecidos entre vários países como por exemplo na União Europeia ou o IATA TRAVEL PASS, são exemplos de procedimentos que serão aceitos de forma coordenada e universal em diversos países. Até agora a iniciativa que temos no Brasil é o Passaporte Sanitário que nasceu no Congresso já cheio de dúvidas. Mas destaco, para viajar ao exterior é preciso que a ANVISA e as autoridades diplomáticas brasileiras integrem acordos multilaterais para aceitar o certificado de vacinação do Brasil.

Estamos completamente DESAPARECIDOS do mercado mundial de turismo. Não tivemos nenhuma ação de viagens virtuais ou ações para mostrar o que as pessoas podem fazer aqui depois que as viagens se normalizarem. Desde agosto de 2019 que o número de passageiros pagos em viagens internacionais de/para o Brasil só diminuem. Entramos na pandemia em desvantagem ao resto do mundo no turismo quando a média mundial de chegadas internacionais de turistas foi de +3,4% e o Brasil teve queda de 4,7%. PRECISAMOS CUIDAR DA IMAGEM DE NOSSO PAÍS NUM CENÁRIO DE DEMANDA ESCASSA E MUITA COMPETITIVIDADE.

Qual é seu líder?

A mudança sempre é certa, e quando se trata de períodos de crise a rapidez e visão estratégica precisam acompanhar as transformações na sociedade e nos negócios.

Fizemos um bate-papo super proveitoso com três lideranças de Conventions & Visitors Bureaux para identificar as estratégias e desafios deles no atual cenário. Ivana Bezerra, Humberto Freccia e Toni Sando mostram sua percepção sobre o futuro dos CVBs, a relação com governos, os desafios da cooperação e os próximos passos do turismo de lazer e de eventos.

Você pode conferir em nosso podcast ou no YouTube

CORPUS CHRISTI tem -56.6% de chegadas em relação a 2019

Entre os dias 3 e 6 de junho, feriado de Corpus Christi, temos alguns dados de chegadas de viajantes por via aérea no Brasil para compartilhar. As informações são são coletadas pela Forwardkeys, empresa espanhola que trabalha com dados de demanda aérea global para auxiliar destinos e empresas em sua inteligência comercial. Destaco que a comparação é feita com dados de 2021 (3 a 6 de junho) com o mesmo período de Corpus Christi de 2019 (20 a 23 de junho). De acordo com Juan Gómez, Insight Expert da Forwardkeys, “essa comparação quer identificar a recuperação das viagens aéreas domésticas no Brasil em relação à níveis pré-crise, o que pode ajudar numa análise mais realista de 2021”. Para o período mencionado, estamos a níveis de -56,6% de chegadas aéreas de viajantes domésticos no Brasil.

As informações nos ajudam a entender, se, e como, está a recuperação das viagens aéreas domésticas no Brasil. Alguns destinos se mostram mais resilientes, ou, menos impactados no feriado de Corpus Christi de 2021 em relação a 2019. Todos ainda com números negativos, conforme abaixo. Importante destacar que esse não é um ranking de cidades, e sim o desempenho de cada cidade em relação a si mesma no período analisado. Por exemplo, o Recife, em relação ao número de chegadas aéreas que terá no Corpus Christi desse ano, tem uma diminuição de 5.9% em relação às chegadas na cidade no Corpus Christi de 2019. Os dados apresentados foram coletados no dia de hoje (02 de junho de 2021).

O mês de junho de 2021, conforme dados apresentados pela ABEAR, apresenta uma média diária de 1.319 partidas domésticas diárias, o que representa 55% do que tínhamos no período pré-crise, em março de 2020. Podemos indicar que as cidades com desempenho melhor do que 55% de chegadas domésticas em junho, em comparação com os níveis pré-crise, estão apontando uma recuperação melhor em 2021.

Acompanhe aqui a análise desses dados também nosso podcast HUB TURISMO.