Presença virtual: você tem?


Photo by NordWood Themes on Unsplash

Recentemente a Embratur noticiou que o termo “Turismo Brasil” é um dos mais pesquisados no Instagram. A rede que conta com mais de 1 bilhão de usuários ativos, tem 210 mil publicações sobre o turismo brasileiro. E somando a hashtag Turismo Brasil com outras também populares, como: Destinos Brasileiros, Turismo no Brasil e Jericoacoara o número ultrapassa 1,3 milhões de publicações relacionadas ao assunto.

Sendo o Brasil o quarto país do mundo com o maior número de usuários de internet e o maior da América Latina, é necessário que qualquer empresa ou destino turístico que queira se conectar com os brasileiros entenda a importância de uma “presença virtual” eficaz. Um exemplo de quem entendeu isso foi o Airbnb que, interessado em aumentar a visualização e conversão de seus anúncios ao redor do mundo, estabeleceu uma meta global de marketing para promover sua marca. Aqui no Brasil a estratégia foi digital, voltando-se para o YouTube e lançando uma campanha para captar os elementos que conversam com o estilo de vida do brasileiro.

Os resultados foram obtidos: as pesquisas de termos de marca do Airbnb cresceram 142% e as reservas aumentaram 14%; recompensas de um trabalho que considerou os espaços ocupados pelos clientes e seus modos de funcionamento, evidenciando a necessidade das empresas se manterem atuantes no meio digital. Os produtos turísticos que desejam alavancar espaço no mercado brasileiro, como em outros mercados no mundo, precisam ficar atentos a como se apresentam virtualmente. Quais redes ocupam, que tipo de conteúdo produzem, com quem querem falar, como e com que frequência se comunicam; uma boa performance virtual pode fazer toda a diferença.

Quais as tendências de viagens para o próximo ano?

 

 

 

Quais são as tendências de viagens para os espanhóis no próximo ano? Um estudo realizado pelo Booking.com, e comentado pelo Hosteltur, buscou revelar as preferências dos viajantes espanhóis, o que eles consideram no momento de escolha do destino e o que pode ser esperado das escolhas deles para o ano que vem.

Segundo a análise feita, mais da metade dos espanhóis consideram os problemas sociais do destino na hora de decidir para qual local viajar. E entre as principais motivações para as viagens está a aprendizagem que pode ser adquirida com a experiência, o que pode levar a um aumento na busca por intercâmbios culturais, viagens de voluntariado e experiência de trabalho em outros países.

Sobre a busca por novas tecnologias o relatório mostrou que os espanhóis seguem a “propensão mundial” de passageiros que buscam as inovações para melhorar a eficiência de suas viagens, fazendo uso de aplicativos que permitem rastrear a bagagem em tempo real ou que planejam detalhes das viagens e fazem reservas. Assunto já comentado por aqui.

Os viajantes também se mostram cada vez mais preocupados com o impacto das suas presenças nos destinos, procurando experiências sustentáveis e com compromisso social. Ao mesmo tempo em que priorizam autenticidade e personalização, valorizando recomendações individualizadas que se integrem às suas consultas diárias.

Pode-se dizer, então, que em 2019 espera-se mais personalização e sustentabilidade. E é importante que os agentes de atuação dentro do mercado turístico estejam atentos a isso. Ao se manterem informados, os autores de mercado aumentam a possibilidade de fidelização de seu cliente e contribuem para a evolução do setor turístico em diversos campos. E embora as considerações mencionadas sobre o estudo personalizado contemplem as tendências dos viajantes espanhóis é possível traçar uma conexão com as tendências de viajantes, de diversos países, que possuem o mesmo perfil. Há uma inclinação mundial que pode ser notada aqui.

 

30 dias, depende de que(m) ?

Há sete anos, parecia estar longe a data de início dos Jogos Rio 2016. Mas só faltam 30 dias.

Como no período que antecedeu a Copa do Mundo FIFA, em realidades diferentes, muita especulação e muitos problemas reais. No caso da Copa, a sensação que tenho é de que mexia mais com os brasileiros, afinal era futebol, tínhamos 12 cidades sede, com temas que pareciam mais perto de nossa gente. Agora, os cariocas parecem sentir mais de perto a pressão, no entanto, também me parece que a dimensão para nosso país é tão grande ou maior do que aquela de 2013 ou 2014.rio 30 dias

O cenário econômico e político estão mais deteriorados; os problemas, tais como segurança ou Zika virus, além de serem nossos, também afetam as pessoas que participam do evento. E a repercussão internacional para a imagem do Brasil é maior nos Jogos Olímpicos do que na Copa; além disso, os temas negativos se somam àqueles divulgados em 2013 e 2014, tornando mais complexa a percepção que o mundo tem de nosso país.

Como mencionei em seminário realizado pela CNC e pelo jornal O Globo antes do início da Copa, podemos dizer que teremos três tipos de repercussão do que vai ocorrer nos Jogos; e irá depender fundamentalmente da experiência de quem vier para cá. A primeira é aquela das pessoas que estarão longe, vendo pela TV, pela internet e acompanhando as notícias sobre o Brasil; essa será impactada pelo sucesso da cerimônia de abertura, dos fatos e acontecimentos no período dos jogos, assim como da forma como cada nacionalidade já vê o Brasil e irá receber as diversas mensagens. A segunda, aquela das pessoas que virão ao Brasil, como atletas, jornalistas, formadores de opinião, e depois vão contar suas histórias em seus lugares de origem; colaborando assim para falar (bem ou mal) de sua experiência, levando mensagens indiretas sobre suas experiências. E a terceira, aquela que me parece a mais promissora, tal qual na Copa, a experiência em si das pessoas no Rio e no Brasil que será vivida e compartilhada de forma instantânea nas redes sociais; essa última, irá retratar a emoção, a hospitalidade, a riqueza da cultura e da natureza do Brasil.

Os destinos turísticos brasileiros podem, ainda, por meio de suas estratégias digitais, aproveitar a visibilidade do Brasil e divulgar seus atrativos e produtos, utilizar o Media Center no Rio e tantas outras ferramentas para espalhar conteúdos de qualidade e positivos sobre o Brasil.

Vamos acompanhando e aproveitando o que resta de oportunidades.

Fórum, lideranças e necessidades

Amanhã começa o Fórum Panrotas 2015. Um encontro somente? Um fórum de debates sobre tendências ?

O evento tornou-se mais do que um momento de aprender, saber tendências do mercado e ouvir lideranças do Brasil e do mundo sobre a indústria de viagens e turismo. Tornou-se uma necessidade. Hoje é o grande momento dos profissionais do turismo brasileiro, que ouvem, opinam, trocam experiências, atualizam relacionamentos e passam dois dias pensando em como será o ano e o futuro de nossa indústria.

As rápidas mudanças por que passa o turismo mundial; as peculiaridades da conjuntura brasileira; o câmbio; a Copa que passou, os Jogos Rio 2016 que virão; a qualidade dos serviços; as tecnologias; o consumidor; os intermediários. Os principais temas do fórum, além de estarem ligados à inovação, tecnologias, tendências de mercado tem alguns pontos essenciais:

1. Vai nos atualizar sobre a atuação das companhias aéreas e como isso impacta nossos negócios e a chegada de viajantes nos destinos;

2. Os participantes vão conhecer mais sobre o que o Ministério do Turismo pensa e está fazendo sobre os principais desafios do país e do setor;

3. Os gestores de destinos e os operadores de mercado locais vão conhecer práticas e aproveitar idéias para lugares mais competentes, com qualidade de serviços e com mais competitividade;

4. Vamos entender mais um pouco como o que acontece no mundo digital chega à distribuição, à utilização dos telefones móveis, ao marketing dos destinos e influencia a tomada de decisão dos consumidores;

5. Quem estiver no evento vai entender mais sobre vendas, marketing, aquisições e distribuição online;

6. Finalmente, numa indústria em que as pessoas fazem a diferença, vamos saber como estão os talentos, a qualidade dos serviços e como isso pode transformar a experiência de nossos visitantes.

Até amanhã e um ótimo Fórum Panrotas a todos

Ao final quem é o vendedor e quem é o cliente?

A pergunta que eu gostaria de lançar hoje é: a comunicação e o marketing de nossas empresas e dos destinos brasileiros já entendeu quem é o agente de promoção turística na atualidade?  O fato é que ao lado dos amigos e parentes, existe uma “inteligência virtual coletiva” de milhões de pessoas que dizem o que o seu hotel, seu restaurante, seu museu, seu serviço e o seu destino representa enquanto experiência turística. Você fomenta a venda, coloca preço, facilita a vida do viajante, mas ao final quem experimenta e influencia de forma definitiva se outros virão ou se esses vão voltar é esse “consumidor garoto propaganda” que vai avaliar e espalhar fotos, vídeos e opiniões sobre sua empresa e seu destino.

Nosso papel? Prover conteúdo, informações, fazer com que nosso produto chegue aos milhares de mecanismos de venda e simplesmente encante o turista por algum motivo especial, por algum diferencial ou pelo atendimento de necessidades cada vez mais específicas, subjetivas e difíceis de identificar. Ao final do ciclo, o sucesso está na proximidade entre aquilo que prometemos e aquilo que entregamos.

Seu vendedor é seu cliente; seu promotor é o turista. A palavra é CONTEÚDO, a ferramenta é TECNOLOGIA, o segredo é um produto de qualidade que atende às expectativas do cliente/ vendedor/ cliente.

Plano de Marketing do Ceará

O Estado do Ceará está em fase de elaboração de seu Plano de Marketing Turístico Nacional e Internacional.

Com a realização de estudos, pesquisas e uma metodologia que irá estabelecer um plano de comunicação sobre quais os produtos serão promovidos em que mercados, o Ceará será reposiocionado como destino turístico.

O Plano de Marketing do Ceará tem dois aspectos muito importantes a saber:

O primeiro está ligado às mudanças e intervenções no desenvolvimento dos produtos turísticos do estado, como por exemplo o novo Centro de Eventos, estradas e macro-estruturas de urbanização dos destinos. Assim, o novo plano de comunicação irá mostrar um conjunto de novidades para os futuros visitantes do Ceará. Lembrando que os destinos que estão em desenvolvimento também estão em áreas não litorâneas, integrando diversos roteiros e opções de experiências para os turistas.

O segundo aspecto está ligado ao aproveitamento das oportunidades geradas pelo Mundial de Futebol de 2014. A partir de 2013, o novo plano de marketing estará sendo executado. Dessa forma, durante a realização da Copa, novas mensagens, estratégias e conteúdo sobre destinos e produtos turísticos estarão sendo levados à imprensa nacional e internacional, assim como às redes sociais.