OMT classifica 2017 com um dos melhores anos

A Organização Mundial do Turismo (OMT) aumentou o crescimento esperado no número de viagens de turistas internacionais no mundo para 6% para o final deste ano, enquanto as estimativas anteriores estavam em 4,5%. O aumento na previsão tem base nos resultados registrados nos primeiros dez meses desse ano, quando foram contabilizados 70 milhões de pessoas a mais viajando internacionalmente, de janeiro a outubro, um aumento de 7% em relação ao mesmo período do ano de 2016.

Geralmente, o turismo internacional experimenta um crescimento até o mês de agosto, enquanto os últimos meses do ano tendem a registrar um ritmo mais lento do que os anteriores, mas em 2017 a tendência ascendente foi mantida até outubro, impulsionada principalmente pela Europa do Sul e do Mediterrâneo, África do Norte e Oriente Médio.

Segundo a OMT, a melhora na economia global e a recuperação de destinos que sofreram declínios anteriormente são algumas das razões que refletem o bom resultado no Turismo.

Alguns dados do balanço da OMT

O crescimento mundial contribuiu para uma forte recuperação da demanda do Brasil e da Rússia, com aumentos de 33% e 27%, respectivamente.

A Europa liderou o crescimento das chegadas internacionais entre janeiro e outubro, com um aumento de 8%, graças a avanços de 13% na parte sul e mediterrânea.

Nas Américas houve um aumento de 3%, impulsionado pela América do Sul, com aumento de 7%, enquanto a América Central e o Caribe registraram aumentos de 4%. Observando apenas a América do Norte, a região teve um aumento de 2% graças aos resultados positivos do México e do Canadá, que contrastam com a queda nos EUA.

A África registrou aumento de 8% e foi a segunda região de crescimento mais rápido, graças a uma forte recuperação de seus destinos no norte e os sólidos resultados dos sub-saharianos.

Na Ásia e no Pacífico, o aumento foi de 5%, resultado que foi liderado pelo sul da Ásia, com uma recuperação de 10%; Sudeste Asiático (8% a mais) e Oceania (7% a mais).

No norte da África e no Oriente Médio, o Egito, a Tunísia e a Palestina recuperaram fortemente as quedas dos anos anteriores, enquanto Marrocos, Bahrein, Jordânia, Líbano, Omã e Dubai mantiveram um crescimento sustentado.

Seguimos acompanhando as últimas notícias do Turismo em 2017.

Fim do IVA leva brasileiros à Argentina

Em meio aos atrativos arquitetônicos, naturais, gastronômicos e da cultura latino-americana, o turismo na Argentina é muito mais do que Buenos Aires e Bariloche. Dentre os vários motivos que os brasileiros têm para visitar nosso país vizinho, um dos incentivos é a redução do IVA adotada nesse ano, que reduz os custos dos estrangeiros no país e motivam a visita.

Nos primeiros oito meses de 2017, mais de 650 mil brasileiros estiveram na Argentina (número que implica em um crescimento de 19,7% por via aérea e de 5,4% na rota terrestre) e a redução do imposto pode ser colocada como um fator motivador para esse aumento. A maior parte desses visitantes vai em busca de entretenimento e vida cultural, ou de atrativos naturais, como a neve presente na Cordilheira dos Andes.

O desconto é resultado de um decreto que determina a isenção do Imposto sobre Valor Agregado (IVA) da hotelaria para os turistas estrangeiros que pagarem a conta com cartão internacional. A alíquota do IVA, ao ser excluída, deixa a conta 17% mais barata. Entenda:

 

Como contratar os serviços com o benefício da devolução?

É possível contratar os serviços de maneira direta com o lugar de hospedagem ou por meio de agências de viagens. Não é necessário fazer trâmites nem há devoluções posteriores: a devolução é realizada de forma direta e automática no momento em que o serviço for faturado e cobrado. Caso você compre um pacote ou serviço turístico de hospedagem em uma agência de viagens do exterior, o preço já está livre de IVA. Não é necessário fazer nenhum pedido posterior.

O que inclui?

O IVA correspondente ao alojamento e ao café da manhã, se este estiver incluído no preço da hospedagem. Outros serviços, bens ou prestações comprados, serão faturados de forma separada e não estão sujeitos à devolução. Também não será feita a devolução se o serviço for cancelado ou não utilizado.

Que hospedagens estão incluídas?

Hotéis, albergues, pensões, hospedagens, motéis, campings, apart hotéis e similares, que forem responsáveis inscritos no IVA perante a AFIP como alojamento.

O que é necessário:

Ter passaporte ou documento de identidade que comprove sua residência fora da Argentina. Caso o pagamento seja realizado de forma direta a um hotel ou a uma agência de viagens da Argentina, o mesmo deve ser feito por meio de um cartão de crédito/débito emitido no exterior ou por transferência bancária originada fora dos limites da Argentina. Além disso, você deve exigir sua nota fiscal com tal devolução. Tendo cumprido estes requisitos, é seu direito ter a devolução do IVA.

A redução no imposto é um diferencial que pode ser tomado como exemplo para o Brasil, já que há um interesse dos profissionais da indústria em manter os turistas informados a respeito de vantagens do setor e medidas que aumentam a competitividade junto aos operadores de turismo. Seguimos acompanhando.

 

*Conteúdo com contribuição de Argentina.travel

5 razões para observar de perto o turismo gastronômico

Falei recentemente aqui no blog, no post Conquistando o turista pelo estômago, da inegável importância da comida na experiência da viagem e em como essa vem sendo uma tendência crescente nos últimos tempos.

A gastronomia acaba por se relacionar com diversas esferas econômicas e sociais de um lugar: agricultura, turismo rural, produção de alimentos, cultura, exportação etc. É interessante que o Turismo aborde o tema com estudos e estratégia. Retomando o assunto, que agora está sendo observado com mais foco do que antes, mas ainda sem o entusiasmo e empenho necessários, trago aqui alguns dados do setor que reforçam a indispensabilidade de atenção a esse segmento:

1. A gastronomia ocupa a terceira posição entre as principais motivações que levam turistas a viajar: seguida das razões “compras” e “lazer”,  foi o que afirmou o Informe Mundial de Turismo Gastronômico, apresentado pela Organização Mundial de Turismo (OMT). 

2. 80% dos viajantes acreditam que comer e beber ajudam na compreensão da cultura local de um destino: o dado é da World Food Travel Association (WFTA), em seu relatório Food Travel Monitor.

3. 93% dos viajantes podem ser considerados “food travellers”:  outra consideração da World Food Travel Association (WFTA) que tem por participantes do grupo todos os viajantes que participaram de uma experiência de consumo de alimentos e bebidas em estabelecimentos durante uma viagem.

4. Cerca de 70% dos viajantes que tiveram experiências gastronômicas em viagens, compram os produtos para levar pra casa: outro dado da WFTA. Para rememorar a experiência gastronômica, turistas compram itens de comida ou bebida pra levar pra casa. Mais de 60% compra com intenção de dar de presente a parentes ou amigos.

5. Um turista gasta, em média, 25% do seu orçamento em alimentação e bebida: estimar o impacto econômico do turismo de alimentos e bebidas é, sem dúvidas, uma tarefa difícil. Entretanto, de acordo com pesquisas da WFTA, um turista gasta, em média 25% do seu orçamento em alimentação e bebida (porcentagem que pode variar entre 35% em destinos onde esses itens são mais caros e 15% onde são mais baratos).

Com essa amplitude, estando relacionado a tantos outros mecanismos e diante de uma força motivadora nesse nível, por que o turismo gastronômico recebe um incentivo que não condiz à sua importância? O food travel foi bastante discutido na WTM London e o assunto carece de mais repercussão aqui no Brasil. Temos um potencial incrível de autenticidade e variedade capaz de desenvolver bastante o setor através da gastronomia.

Seguimos acompanhando.

Turismo internacional caminha para ano recorde

A demanda do Turismo tem permanecido forte ao longo de 2017, que provavelmente será um ano de recorde no turismo internacional, é o que prevê a UNWTO (OMT) com a mais recente edição do Word Tourism Barometer, o barômetro do Turismo.

Entre janeiro e agosto deste ano, destinos do mundo inteiro receberam 901 milhões de chegadas de turistas internacionais, 56 milhões a mais do que no mesmo período em 2016. A alta corresponde a um aumento de 7%, porcentagem bem maior do que a obtida em anos anteriores.

Os números dos primeiros oito meses de 2017 nos deixa otimistas em relação ao crescimento do setor no restante do ano que, segundo a OMT, deverá ser o oitavo ano consecutivo de crescimento contínuo e sólido para o turismo internacional.

O forte desempenho é confirmado pelos especialistas do mundo inteiro consultados pela Organização para firmar o Índice de Confiança, que também possui perspectivas positivas para os últimos meses do ano.

As chegadas de turistas internacionais no meses de julho e agosto, temporada de verão no hemisfério norte, totalizaram mais de 300 milhões pela primeira vez, de acordo com o relatório. Além disso, muitos destinos registraram crescimento de dois dígitos, principalmente no Mediterrâneo.

Brasil

O relatório destaca a participação do Brasil como um dos países que apresentou forte recuperação de demanda de saída com aumento de 35% nas despesas de turismo em terras internacionais.

América do Sul

De acordo com o Barômetro, a América do Sul obteve crescimento de 7%, com o Uruguay liderando a lista: o país apresentou o notável aumento de 24% nas chegadas internacionais até o mês de setembro, impulsionado pela demanda de turistas argentinos e brasileiros. A Colombia vem em seguida, com aumento de 22%. A OMT comunicou que não há dados a respeito das chegadas internacionais no Brasil para o período necessário a constar o barômetro.

Ano do Turismo Sustentável

A ONU proclamou o ano de 2017 como sendo o Ano Internacional do Turismo Sustentável para o Desenvolvimento, atraindo o tema para as discussões e definições de estratégias do setor, com objetivo de firmar o gerenciamento do Turismo responsável e sustentável durante os próximos anos.

O Barómetro Mundial de Turismo da OMT é uma publicação regular que visa monitorar a evolução do setor. Contém três elementos permanentes: uma visão geral dos dados turísticos de curto prazo dos países de destino e do transporte aéreo, avaliação retrospectiva e prospectiva do desempenho do turismo por especialistas de todo o mundo e dados econômicos. Seguimos acompanhando.

Divulgado ranking das 100 cidades mais visitadas do mundo

A Euromonitor International revelou nesta terça, aqui na WTM London, a edição de 2017 do Top 100 City Destinations Ranking, um relatório que aborda as 100 principais cidades do mundo em *chegada de turistas internacionais*. O relatório deste ano inclui dados de previsão até 2025 e incorpora futuras tendências de viagens, dando uma visão mais aprofundada sobre como as tendências de viagens são apoiadas pelas oportunidades e quais desafios as cidades enfrentam no setor.

O Top 10 da lista:

1. HONG KONG: 26.6 milhões de visitantes

2. BANGKOK: 21.2 milhões de visitantes

3. LONDON: 19.2 milhões de visitantes

4. SINGAPORE: 16.6 milhões de visitantes

5. MACAU: 15.4 milhões de visitantes

6. DUBAI: 14.9 milhões de visitantes

7. PARIS: 14.4 milhões de visitantes

8. NEW YORK: 12.7 milhões de visitantes

9. SHENZHEN: 12.6 milhões de visitantes

10. KUALA LUMPUR: 12.3 milhões de visitantes

 

Brasil

A cidade do Rio de Janeiro é a única brasileira da lista. O Brasil é citado no relatório como um dos maiores mercados da América Latina. Anfitrião da Copa em 2014 e dos Jogos Olímpicos em 2016, obteve um desenvolvimento significativo graças aos dois grandes eventos, entretanto, recentemente, vem enfrentando “tempos turbulentos” na política e na economia do país, que está se recuperando paulatinamente. Possivelmente, Rio de Janeiro cairá algumas posições na próxima edição do ranking, já que este é feito de acordo com o número de turistas recebidos (no caso do Rio, este número teve alta graças às Olimpíadas).

Crescimento do Turismo na Ásia-Pacífico

Hong Kong, a cidade mais visitada do mundo de acordo com o relatório, é beneficiada pela sua localização estratégica e relacionamento com a China; seguida de Bangkok, que ultrapassou Londres em 2015. As cidades asiáticas dominam os rankings de destino global, graças ao aumento de Turismo de saída chinês. Em 2010, 34 cidades da Ásia-Pacífico estavam presentes no ranking da Euromonitor International, número que saltou para 41 cidades em 2017 e deverá crescer para 47 cidades em 2025. A Ásia-Pacífico é uma região de destaque por ter impulsionado mudanças importantes no setor de viagens, de acordo com relatório. A previsão é que Singapura ultrapasse Londres como a terceira a cidade mais visitada do mundo até 2025, tornando o pódio totalmente asiático.

Europa

Já o desempenho das cidades europeias tem sido dificultado por vários eventos nos últimos anos, incluindo a crise da zona do euro e dos migrantes, bem como a Brexit e ataques terroristas. Apesar da incerteza, alguns destinos europeus, em particular a Grécia, a Itália e a Espanha tem se beneficiado por oferecerem clima semelhante a países do Oriente Médio afetados por percalços políticos.

América do Norte

Os controles de fronteira mais fortes podem pesar no desempenho do Turismo da América. Apesar de terem crescido positivamente, as chegadas dos EUA testemunharam uma desaceleração em 2016 devido a uma forte incerteza dólar e política em torno das eleições dos EUA.

Sobre o provedor

A Euromonitor International é o principal fornecedor mundial de inteligência de negócios global e análise estratégica de mercado.

Para saber mais informações do Turismo em outras regiões, você pode solicitar o download do relatório completo.

Brasileiros gastam 32% a mais em Setembro

De acordo com dados divulgados pelo Banco Central nesta quinta-feira (26), os brasileiros gastaram a quantia de US$ 1,7 bilhão em viagens ao exterior no último mês de setembro, o que representa uma aumento de 32% em relação a setembro do ano passado. A despesa cambial do mês que passou foi a maior para o mesmo período desde 2014.

A taxa de câmbio tem sido o fator determinante para o aumento dos gastos dos brasileiros em terras internacionais. O aumento dos gastos brasileiros tem sido observado nos últimos meses e se justifica também pelo período favorável de viagens (julho e agosto), embora a cotação do dólar ,que tem se mantido relativamente estável (no fim de setembro estava na casa dos R$ 3,16), seja decisiva nesse quesito.

No acumulado do ano, as despesas estão em US$ 14,145 bilhões, 15% a mais do que nos primeiros 9 meses de 2016.

Receita

Já os estrangeiros injetaram US$ 407 milhões, em setembro, no Brasil, registrando queda, visto que o patamar registrado no mesmo mês de 2016 foi de US$ 443 milhões. Já no acumulado dos nove primeiros meses deste ano, os gastos de estrangeiros no Brasil totalizaram US$ 4,36 bilhões – também com recuo frente ao mesmo período do ano passado, quandos somaram US$ 4,66 bilhões.

Colocando a conta na balança, com os gastos dos turistas brasileiros no exterior maiores do que a receita deixada por aqui pelos turistas estrangeiros, a conta de viagens internacionais fica negativa em US$ 1,309 bilhão, no mês de setembro deste ano e em US$ 9,870 bilhões no acumulado do ano;

O Banco Central informou que a taxa de câmbio não deverá sofrer grandes alterações nos próximos meses. Vamos acompanhar.

Vamos falar sobre economia?

A economia não é nem de longe um dos temas favoritos dos profissionais do Turismo e também não é, talvez, o assunto que todos almejam ler numa segunda-feira de manhã, mas o assunto surge frequentemente devido à predisposição do setor às diversas variáveis, incluindo, obviamente, as alterações econômicas.

A Euromonitor International publicou na última semana um estudo de previsões econômicas ao redor do mundo e, estando o Brasil numa posição instável diante do tema, nosso país foi alvo também do estudo, incluídos dados macro como PIB, inflação, taxa de desemprego, taxa de juros etc.

De acordo com o estudo, nosso mercado emergente possui previsões otimistas de recuperação da economia. Para as taxas de juros, a probabilidade é que haja redução anual.  Com o consumo já se recuperando paulatinamente, a produção industrial também está voltando aos trilhos, apoiada pela produção automobilística, eletrônica e máquinas.

Como resultado, a previsão da Euromonitor de crescimento do nosso PIB fica em 0,5% em 2017 e em 2,1% em 2018.

Relação com o Turismo

Sendo um grande influenciador do setor, o quadro econômico geral conduz algumas esferas e interfere em outras, como o número de viagens para o exterior, o gasto de turistas brasileiros em viagens internacionais, o número de turistas estrangeiros por aqui, compra de serviços de turismo e passagens aéreas, intenção de consumo etc.

Ainda de acordo com a Euromonitor, a estimativa é de que 9,2 milhões de brasileiros realizem viagens internacionais  até o fim de 2017. Nos gastos no exterior, até o mês de agosto, este ano ultrapassou em 35% (em relação ao mesmo período do ano passado) o valor das despesas de brasileiros em viagens para fora do país, de acordo com o Banco Central.

O fato é que, estudos podem prever recuperação e prognosticar riscos, mas a influência do quadro econômico brasileiro no Turismo pode apenas ser sentido no desenrolar dos fatos. Trabalhamos em prol de um setor que é altamente influenciado pela economia e dependente dela, não tem pra onde correr (a solução é permanecer acompanhando!).

Bem-vindo à Miami

Não raro, quando destinos são acometidos por circunstâncias imprevisíveis e das quais não se pode ter controle, o Turismo possui o desafio de se reerguer atravessando algumas consequências. Conforme acompanhamos, Miami foi recentemente visitada pela força do furacão Irma, que abalou edificações, derrubou árvores e guindastes e inundou ruas da cidade.

A indústria de Turismo local foi uma das primeiras a se movimentar a fim de manter a comunidade em andamento: após o restabelecimento da ordem e em busca de uma rápida recuperação, Miami e suas praias já estão abertas para negócios de Turismo e dão as boas vindas aos visitantes.

O setor é uma das principais indústrias da cidade, que recebe visitantes nacionais e estrangeiros em todas as épocas do ano.

Para incentivar os visitantes a visitarem Miami, o Greater Miami Convention & Visitors Bureau (GMCVB) lançou uma nova campanha, a #MiamiNow que conta com uma variedade de pacotes promocionais para atrair turistas ao destino. A promoção apresenta uma série de ofertas em que os visitantes se beneficiam de descontos em acomodações, restaurantes, spas, museus atrações e compras.

O principal objetivo do incentivo é dar suporte aos diversos componentes e empresas da indústria do Turismo local e trabalhar na manutenção dos empregos ligados ao setor. De modo que, praticamente, toda a cadeia envolvida na indústria tem se empenhado a atrair visitantes e minimizar ao máximo os efeitos do furacão Irma no Turismo de Miami.

Não é de hoje que afirmamos que o Turismo é uma força em prol de desenvolvimento. O setor tem, cada vez mais, se mostrado um apoio econômico-social indispensável nos destinos que o priorizam. Seguimos acompanhando.

Vídeos imersivos: grande tendência digital

Visit Philadelphia

Os serviços de assessoria e consultoria para o Turismo têm mudado expressivamente ao longo dos anos e as formas de tornar destinos atrativos e alcançar turistas também têm acompanhado essas transformações.

Há, cada vez mais, uma busca pela aproximação na comunicação com os viajantes e os recursos online são a principal ferramenta para motivar pessoas a viajar.

Como consultora há mais de 15 anos no mercado, entendo que. assim como o Turismo, nós que fazemos o setor também não podemos parar. Na busca por novos aprendizados, encontrei no site da Econsultancy (plataforma de pesquisa, aprimoramento e treinamento em Marketing Digital) uma tendência que tem ganhado força no Turismo, no mundo inteiro: o vídeo imersivo.

O que são vídeos imersivos? São os vídeos de 360 ​​graus, apresentados em 2015 pelo Facebook e pelo YouTube e já experimentado por muitos destinos turísticos. Os benefícios são visíveis: se bem feito, o vídeo de 360 ​​graus permite que os espectadores “mergulhem” em um destino, bem como atividades ou eventos específicos, gerando um engajamento muito maior do que o vídeo padrão.

Alguns dos melhores exemplos de marcas de Turismo que usaram a ferramenta:

Excursão virtual da Filadélfia

Visit Philadelphia permite aos espectadores saltar para as vistas e sons da Filadélfia com uma série de vídeos imersivos dos pontos mais reconhecidos da cidade.

Os espectadores podem andar de skate ao longo da Ponte Benjamin Franklin, olhar ao redor de Elfreth’s Alley e experimentar o que é estar no meio da Washington Square. Com um formato de tela cheia, ele oferece uma ótima maneira de ter um vislumbre do que é realmente estar lá.

VisitLEX Horses

Lexington em Kentucky é conhecida como ‘país do cavalo’. O conselho de turismo da cidade, VisitLex, escolheu aprimorar esse atrativo nicho com um vídeo de 360 ​​graus, Horses.

O vídeo conduz os espectadores ao mundo dos cavalos, permitindo que eles tenham uma visão 360 ​​graus de um dia de corrida, a preparação dos animais e os campos em que eles vagam. Ao se concentrar nisso e não na localização geral, o VisitLex pode segmenta o alvo, atingindo um público muito mais específico.

https://www.youtube.com/watch?v=4bx-RXegHus

British Columbia: Whistler Within

A Columbia Britânica, província canadense, usa muita ação para no roteiro do seu vídeo de 360 ​​graus, Winter Within, mostrando aos espectadores exatamente como é esquiar na área. De fato, ao permitir que os espectadores naveguem onde quer que escolham, acaba oferecendo uma visão do que os próprios esquiadores desfrutam.

https://www.youtube.com/watch?v=VVRAB4eoPbk

Os vídeos tour de 360 ​​graus pode servir para um propósito funcional, de inserir o futuro visitante no destino e fazê-lo conhecer a paisagem, a fim de torná-la ainda mais atrativa. Essa tecnologia, quando aplicada aos vídeos de aventura, transmite uma emoção diferente da simples observação, passando um pouco da adrenalina ao turista. Em ambos os casos, os vídeos 360º são uma tendência de marketing de destinos para os próximos anos.

Em breve trarei mais tendências digitais para a indústria de viagens e Turismo. Continuamos atentos ao setor.

 

O efeito “Trump slump”

Enquanto mais pessoas estão viajando no mundo todo (de acordo com a UNWTO), cada vez menos turistas estão escolhendo os Estados Unidos como destino. É o que informam os dados da U.S. Travel Association (Associação de Viagens dos EUA): as chegadas de turistas internacionais caíram abruptamente na terra do Tio Sam desde o começo de 2017.

No primeiro trimestre desse ano, a associação informou o número de 7,3 milhões de chegadas de visitantes internacionais (excluindo Canadá e México), ou seja, uma queda de 7,8% em relação ao mesmo período do ano passado. O decréscimo foi notado em quatro dos primeiros sete meses do ano, mas foi mais percebido nos meses de fevereiro e março, que apresentaram queda de 6,8% e 8,2%, respectivamente.

A queda de desembarques internacionais nos EUA alimenta o receio de que a política vigente esteja afastando os turistas, sendo um dos efeitos “Trump slump”. Principalmente porque as quedas foram mais observadas nos meses seguidos à posse do presidente norte-americano.

A queda mais acentuada veio dos turistas do Oriente Médio; a já esperada diminuição é resultado da chamada “proibição muçulmana”, norma da administração Trump que afeta viajantes do Iraque, Irã, Síria, Iêmen, Sudão, Líbia e Somália e entrou em vigor ainda em janeiro, logo após Trump assumir a presidência.

Os países do Oriente Médio estão longe de ser os principais emissores de turistas para os EUA, mas ainda assim, prevê-se que o país americano irá perder, até o final do ano, a receita de mais de $350 milhões de dólares de turistas de países muçulmanos.

Ainda, as visitas aos EUA dos viajantes mexicanos  (cujo país de origem é o principal alvo do sistema anti-imigratório da atual Casa Branca) diminuíram também este ano, apresentando queda de 7% no primeiro semestre.

Além disso, o Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC) também acredita (declaradamente!) que as políticas do presidente estão tendo um efeito resfriador no turismo vinculado aos EUA,  não apenas por parte dos países afetados pela proibição muçulmana, mas também de outras partes do mundo.

De acordo com UNWTO, foi registrado no Barômetro do Turismo de 2017 uma alta de 4% no número total de desembarques internacionais nos Estados Unidos. Mesmo assim, as organizações do Turismo americano preveem uma leve queda no fechamento deste ano.

Força do dólar

Em contrapartida, subjacente ao declínio no turismo vinculado aos EUA, tem sido o dólar forte, o que torna os EUA mais caro para os estrangeiros visitarem. A queda dos visitantes nos EUA pode ser produto da combinação do reflexo da política Trump com a força da moeda americana.

Brasileiros nos EUA

Em 2016, os Estados Unidos receberam 1,69 milhão de turistas brasileiros. O número é o menor desde 2011 e 24% abaixo do que o registrado em 2016, mas ainda assim expressa 2,2% do total de turistas no país durante o ano passado.

Para 2017, a previsão é de que esse número caia ainda mais: a Associação de Viagens dos EUA prevê uma queda de 23% na chegada de visitantes brasileiros. Entretanto, como não é tão difícil observar, é provável que esta queda seja consequência não da política Trump, mas resultado de nossas próprias políticas.

Seguimos acompanhando.