Banheiro La Réserve Paris

O que um roupão de hotel envolve (além do seu corpo)

O estrelado chef britânico Gordon Ramsay é famoso por seu nível de exigência na cozinha. Não parece ser muito diferente nos hotéis onde se hospeda mundo afora. Há um ano, li uma entrevista na revista de bordo da Qantas na qual ele falava sobre o que acha mais importante em um hotel: “A primeira coisa que faço quando entro em um quarto de hotel é conferir se o roupão é confortável. Se não é, já me aborreço” (você pode ler a entrevista completa aqui, em inglês). Para atender às expectativas de hóspedes como o chef e se diferenciarem em um mercado tão concorrido, redes de hotelaria de luxo estão investindo cada vez mais em roupões que fogem do tradicional branco e do tamanho único para gigantes.

Banheiro Nobu Marbella Costa do Sol Andaluzia Sul da Espanha
No banheiro do novo Nobu Marbella, no Sul da Espanha | Foto de Carla Lencastre

Fazer com que o roupão combine com a estética do hotel está se tornando cada vez mais importante nesta área. Hotéis de luxo na Ásia saíram na frente nos detalhes, como em vários outros setores da hotelaria, e há anos que quimonos de algodão, o yukata, estão em propriedades de grandes redes em cidades como Tóquio, entre elas a Mandarin Oriental e a Shangri-La. Não me esqueço a alegria de ver o delicado quimono, dobrado com perfeição em uma linda caixa laqueada, esperando por mim no quarto do MO Tokyo.

A rede Nobu Hotels ainda não chegou ao Japão, mas seus quimonos de inspiração japonesa estão nas propriedades do chef Nobu Matsushita em parceria com o ator Robert De Niro, como o novo Nobu Marbella, inaugurado há um ano, onde estivemos mês passado durante o evento The Essence of Luxury Travel, organizado pela Traveller Made.

Traveller Made: novos hotéis de luxo para ficar de olho

Traveller Made: tendências e novidades da hotelaria de luxo

Roupões com estampas de animais marcam uma mudança

Roupões infantis Macdonald Bear Hotel
Roupões infantis no inglês Bear Hotel | Foto de Carla Lencastre

O assombrado Macdonald Bear Hotel, em Woodstock, na Inglaterra, investe em modelos brancos tradicionais em tamanhos menores para crianças. Do outro lado mundo, o moderno QT Sydney inova com roupões pretos. Mas boa parte do crédito pela inovação nas vestimentas nos últimos anos é da Kimpton Hotels, hoje parte do IHG Group. Ainda hoje me lembro da divertida surpresa de encontrar zebra e leopardo no meu primeiro Kimpton (foto abaixo, seguida do roupão do QT Sydney e do yukata do MO Tokyo).

“Roupões de hotel eram brancos, de um tamanho e estilo que serve para todos. Nunca pensamos desta maneira. O design é importante para a nossa marca, precisamos que os hóspedes percebam isso nos detalhes”, disse Diana Martinez, diretora sênior de design da Kimpton, em uma entrevista mês passado ao site Skift, especializado na indústria de viagens.

No closet do La Réserve Paris | Foto de Carla Lencastre

Recentemente, me encantei com os modelos do La Réserve Paris, um hotel e tanto sobre o qual ainda escreverei aqui. Além dos modelos clássicos no banheiro (foto em destaque no alto do post), no closet você encontra dois lindos roupões leves e macios, em cores e tamanhos diferentes. Não por acaso, são as peças mais vendidas pelo hotel. Os do Nobu também costumam ser comprados pelos hóspedes. Ou seja, o esforço para investir em um bom roupão pode gerar lucro com a venda direta. E fazer com que a boa experiência do hóspede com a marca continue fora do hotel.

A inspector Mari Campos acabou de voltar de uma longa viagem pela Índia, onde se deparou com exemplares únicos. São delas as fotos abaixo, feitas nos hotéis Oberoi Amarvilas, em Agra; Ananda in the Himalayas, nos arredores de Rishikesh, e Suján Rajmahal Palace, em Jaipur.

Leia mais

A batalha das amenidades na hotelaria

Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel

Trump Hotel Chicago: da polêmica à hotelaria de alto nível

Não tem sido fácil para a hotelaria usar o nome Trump nos últimos tempos. Além da óbvia rejeição de boa parte dos viajantes internacionais e das fotos de turistas fazendo sinais de baixo calão em frente a eles, alguns dos hotéis Trump andaram enfrentando vários problemas ultimamente, como o polêmico Trump Hotel em DC e o o Trump Hotel de Toronto (finalmente colocado à venda).

Uma pesquisa da YouGov para o The Guardian mostrou que enquanto o mercado de luxo tem impressões majoritariamente positivas com marcas hoteleiras como Ritz-Carlton, JW Marriott ou Four Seasons, o mesmo não acontece com a marca Trump no setor. Os Trump Hotels até anunciaram no final de 2016 uma nova marca do grupo, a Scion, focada em millennials.

Em Chicago, assim como em qualquer outro canto dos EUA (e quiçá do planeta), o nome Trump é sinônimo de polêmica, seja política ou socialmente. Mas ali esse mesmo nome Trump é sinônimo também de um dos mais icônicos hotéis da cidade: o Trump International Hotel & Tower Chicago

O icônico edifício do Trump Chicago visto do Loop. Foto: Mari Campos

O gigantesco edifício de 92 andares (o segundo mais alto da cidade e 16º. mais alto do mundo) às margens do rio Chicago chama a atenção de qualquer ponto que se olhe. E, graças a seu desenho todo particular e muito reluzente, virou há muito tempo figurinha facilmente identificável no horizonte da cidade. Parte do prédio é hotel e parte residências. Como é meio de praxe a qualquer edifício de mr. Trump, o design é bastante masculino, misturando com maestria concreto, ferro e vidro na fachada e muita madeira escura e tons acinzentados no interior.

A localização excelente, à beira-rio, nos leva em poucos passos à deliciosa Riverwalk (uma das partes mais gostosas da atualidade em Chicago, cheia de espaços sociais, cafés, restaurantes etc), ao business district, às lojas da Magnificent Mile, ao clássico Loop e diversas opções de bares, cafés e restaurantes nas proximidades. 

Polêmicas à parte, é fato que o hotel tem um dos melhores serviços de hotelaria que já encontrei na cidade. Sou bem fã de outras propriedades em Chicago (como o irretocável Península Chicago, por exemplo), mas no Trump, das amenidades aos restaurantes, é difícil apontar qualquer inconsistência. E há muito conforto em todas as instalações.

São 339 quartos e suítes, mas a sensação que a gente tem na maior parte do tempo é que o hotel esteja vazio.  Os quartos são bastante grandes, sempre com imensas janelas do chão ao teto para contemplarmos o skyline da cidade e as linhas sinuosas do Chicago River da própria cama. Têm área separada de living, espaçosos banheiros com banheira e nespresso cortesia. A internet gratuita é de ótima qualidade e o serviço de quarto (pedi café da manhã assim em um dos dias) é simpático e eficiente. 

Há ainda um belo spa, academia (com empréstimo de tênis para quem viaja sem) e uma gostosa piscina aquecida com vista para Chicago. No quesito gastronomia, o estrelado Sixteen, que sempre foi um dos meus preferidos na cidade, infelizmente não existe mais. Foi substituído pelo mais casual Terrace at Sixteen, com o badalado rooftop bar The Terrace anexo. Para drinks em um ambiente mais discreto e low profile, o hotel tem o Rebar, no primeiro andar, também com vista para o rio. 

Foto: Mari Campos

O serviço de conciergerie do Trump International Hotel & Tower Chicago é mais sisudo mas extremamente eficiente e os processos de check in e check out são feitos de maneira muito rápida e descomplicada. Vale destacar também o ótimo serviço de house car sem custos, que leva os hóspedes (conforme disponibilidade, first come first served) a museus, restaurantes ou para fazer compras nos arredores.

Shangri-La Hotel, At The Shard, London, Royal High Tea With Tower Bridge View

Shangri-La Hotels aposta em restaurante de aeroporto e bares

O Aeroporto de Changi, em Singapura, está sempre no topo das listas de melhores do mundo. No ranking atual da prestigiosa consultora britânica Skytrax, de 2018-2019, ocupa o primeiro lugar. Oitenta companhias aéreas voam para 200 destinos a partida dali, com cinco mil chegadas e partidas em uma semana. E, já que vocês perguntaram, estamos falando de aeroporto no Hotel Inspectors porque Changi foi o endereço escolhido pela rede de luxo asiática Shangri-La Hotels and Resorts para abrir seu primeiro restaurante fora de um hotel.

Shang Social, restaurante Shangri-La Hotels, Aeroporto de Changi, Singapura
Uma representação do novo Shang Social, restaurante com a grife Shangri-La Hotels no Aeroporto de Changi, em Singapura | Imagem de divulgação

O Shang Social fica no Jewel Changi, novo empreendimento ao lado do premiado aeroporto que reúne lojas, restaurantes e até uma cachoeira com 40 metros de altura dentro de um estufa de vidro com plantas tropicais. Com três chef executivos do grupo hoteleiro, especializados em três diferentes cozinhas chinesas, o restaurante vem se juntar às cinco propriedades que a rede tem na ilha (duas com a bandeira Hotel Jen). Quem detalhou a novidade foi Judy Reeves, diretora de relações públicas para as Américas da Shangri-La, que esteve no Brasil esta semana com James Boyd, vice-presidente de relações pública para as Américas da Singapore Airlines.

Novidades nos bares dos hotéis Shangri-La em Londres, Toronto e Manila

The Back Room, speakeasy Shangri-la at The Fort, Manila
The Back Room, novo speakeasy no Shangri-la at The Fort, em Manila | Foto de divulgação

A Shangri-La também tem novidades na área de alimentos e bebidas dentro de seus hotéis. Dois bares, em cidades tão diferentes como Toronto e Manila, fazem drinques com gins preparados com ingredientes locais. No Shangri-La at The Fort (um dos seis do grupo nas Filipinas), o Bee’s Knees, destilado na propriedade, é servido em um novo speakeasy, The Back Room. A entrada para o bar comandado pelo francês Ulysse Jouanneaud, que serve 150 diferentes marcas de gim, fica escondida atrás de uma cadeira de engraxate.

Bee's Knees, gim destilado em Manila, Filipinas, Shangri-la Hotels
Bee’s Knees, o gim destilado em Manila, Filipinas, pela Shangri-la Hotels | Foto de divulgação

Já no Shangri-La Toronto, o gim Levenswater Spring 34, feito na região de Niagara, inspira, além de drinques únicos, o chá da tarde. Os botânicos usados no destilado estão em doces como a mousse de iogurte de zimbro e compota de ruibarbo, servidos do Botanical Afternoon Tea.

Chá da tarde Shangri-La Toronto, gim feito em Niagara
Chá da tarde do Shangri-La Toronto inspirado em gim feito em Niagara | Foto de divulgação

O chá da tarde também está no centro das atenções do Shangri-la London, instalado no Shard, o prédio mais alto do Reino Unido, na margem Sul do Rio Tâmisa. Uma das novidades do hotel é um recém-lançado chá inspirado no bebê do príncipe Harry e de Meghan Markle, que nasce nesta primavera. O Royal High Tea (foto em destaque no alto), disponível até meados de maio no Ting Lounge, parte de uma ideia simpática: chefs criaram doces inspirados nas suas memórias gastronômicas de infância. O resultado é um cardápio que reúne, por exemplo, o cheesecake de blueberry da mãe de um dos chefs da pâtisserie com a mousse de morango feita na casa de uma outra chef.

Gong Cola drinque Shangri-La London Coca-Cola
Gong Cola: drinque novo no Shangri-La London homenageia a Coca-Cola | Foto de divulgação

Os drinques servidos no chá em homenagem ao mais novo bebê real não contêm álcool. Mas o Gong, o bar mais alto de Londres, no 52º andar do Shard, também estreou carta nova, Miscellany of Inventions. Lançado no final do ano passado, o menu criado pelo head bartender Christian Maspes, que trabalhou no American Bar, no Savoy, considerado um dos melhores bares do mundo, é inspirado em grandes invenções, como penicilina, cinema e código de barras. O que homenageia a Coca-Cola, por exemplo, é feito com pisco e vermute e servido em uma garrafa de refrigerante. Mas o que me deu mesmo vontade de experimentar foi o Fields of Gold, que celebra a invenção do trator a gasolina. O drinque é feito com mezcal, pepino e… formigas peruanas. Next time em Londres, vocês já sabem onde me encontrar. 

Shangri-la Shard London Gong Bar
Drinque com formigas: vou experimentar e depois eu conto | Foto de divulgação

Leia mais

O melhor bar de hotel do mundo: American Bar, no Savoy, em Londres

Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel

Villa Padierna Palace Hotel

Traveller made: novos hotéis de luxo para ficar de olho

Semana passada foi realizado em Marbella, no Sul da Espanha, o Essence of Luxury Travel (EOL), da Traveller Made. Em sua quinta edição, o evento anual reuniu em 2019 cerca de mil pessoas. Criada a apenas cinco anos por Quentin Desurmont, a Traveller Made reúne hoje 386 agências em 65 países e mais de mil hotéis, hospedagens particulares, iates e jatos privativos, escritórios de turismo e DMCs, todos voltados para o mercado de luxo. Na América do Sul há 33 agências associadas, sendo 21 no Brasil, em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre e Curitiba. A maior quantidade fica na Europa: 173 agências. A lista completa das agências associadas a Traveller Made está neste link.

Agências associadas a Traveller Made em todo o mundo: números apresentados por Quentin Desurmont na conferência de abertura do EOL 2019
Agências associadas (com alguns números desatualizados) à Traveller Made em todo o mundo: dados foram apresentados por Quentin Desurmont na conferência de abertura do EOL 2019 | Foto de Carla Lencastre

O objetivo do EOL é promover networking (e negócios, claro) entre os travel designers associados e seus fornecedores. O evento também discute tendências do mercado de luxo em geral, e não apenas da indústria de viagens, e são apresentados novos produtos com o selo Traveller Made. Destaco aqui alguns hotéis recém-abertos que me chamaram a atenção durante a semana de início de primavera na ensolarada Andaluzia.

Salão de reuniões entre fornecedores e jornalistas, no hotel Grand Meliá Don Pepe, em Marbella, no Sul da Espanha
Salão de reuniões entre fornecedores e jornalistas, no hotel Grand Meliá Don Pepe, em Marbella, no Sul da Espanha | Foto de Carla Lencastre

Almanac Barcelona. Inaugurado oficialmente em fevereiro, tem 61 quartos e 30 suítes com décor contemporâneo na Gran Via de les Corts Catalanes, ao lado do Passeig de Gràcia. A Casa Batlló, uma das obras-primas de Antoni Gaudí, está a menos de dez minutos a pé. O novíssimo hotel de luxo de Barcelona tem um restaurante no térreo, Línia, de cozinha mediterrânea, com entrada independente. O bar Azimuth fica no terraço, ao lado da piscina, com vista panorâmica para a cidade. Sagrada Família incluída.

The Shore Club on Long Bay Beach, Turks & Caicos. O novo resort caribenho do Hartling Group, que tem outros dois hotéis em Turks & Caicos (The Palms e The Sands at Grace Bay), foi aberto em dezembro na linda praia de Long Bay, em Providenciales. São quatro piscinas (uma para adultos), três restaurantes e spa. No total, há 140 quartos, divididos em suítes de um, dois e três quartos, e seis villas na praia de areia branca e mar azul.

A entrada principal do EOL 2019, evento da Traveller Made
A entrada principal do EOL 2019 | Foto de Carla Lencastre

Caesars Bluewaters Dubai. Em uma nova ilha artificial em Dubai, na praia de Jumeirah, o Caesars reúne dois hotéis (Caesars Palace e Caesars Resort) e uma terceira propriedade de apartamentos com serviços (The Residences). Os três estão abertos desde novembro e somam 575 quartos, 12 restaurantes (incluindo a primeira filial do Hell’s Kitchen, de Gordon Ramsay), spa, três piscinas (uma para adultos), praia privativa e beach club com DJ. A propriedade é do grupo do Caesars Palace Las Vegas e tem uma casa de espetáculos, Rotunda, para cinco mil pessoas e shows Vegas style. A ilha terá ainda mais de cem lojas (serão abertas ao longo do ano) e é ligada à costa por uma ponte, que pode ser percorrida a pé.

Fregate Island Private, Seychelles. Esta ilha privativa nas Seychelles, a mais a Leste do arquipélago, não chega a ser uma novidade. Mas está começando uma nova fase depois de ter saído da Oetker Collection no final do ano passado. É um endereço único, onde se chega em grande estilo, de helicóptero, em um voo panorâmico de 15 minutos a partir do aeroporto de Mahé. A ilha tem apenas 17 villas com piscina, vista para o pôr do sol no Oceano Índico e políticas fortes de sustentabilidade. A propriedade é parte do National Geographic Lodges e celebridades de Hollywood convivem com milhares de tartarugas gigantes e centenas de aves.

Campo de golfe no Villa Padierna Palace Hotel
Campo de golfe no Villa Padierna Palace Hotel, em Marbella | Foto de Carla Lencastre

A inspector Mari Campos também participou do Essence of Luxury 2019 e neste post aqui ela conta outras novidades da hotelaria de luxo apresentadas pela Traveller Made. Durante todo o evento, realizado ao longo de quatro dias, ficamos hospedadas no belíssimo resort de golfe Villa Padierna Palace Hotel, membro da Preferred Hotels, a uns 30 minutos de carro do Centro Histórico de Marbella. É do resort a foto em destaque no alto deste post.

Leia mais sobre novidades na hotelaria apresentadas na ILTM Cannes

Leia mais sobre sobre outros novos hotéis de luxo recém-abertos

Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

Traveller Made antecipa tendências e novidades da hotelaria de luxo

Escrevo de Marbella, na Espanha, a cidade escolhida neste ano pela Traveller Made (a primeira rede internacional de networking para travel designers exclusivamente dedicada ao turismo de luxo) para reunir mais de 1000 profissionais do setor, entre operadores, hoteleiros, DMCs, agentes de viagem e jornalistas.

Durante o evento The Essence of Luxury 2019, Quentin Desurmont, o fundador da Traveller Made, reafirmou a ideia de que é essencial encarar as viagens de haute façon (para o mercado de ultra luxo dos UHNWIs) do mesmo jeito que as grandes marcas do mercado de luxo em geral e da alta moda o fazem – a Traveller Made lançou no ano passado o termo “haute villégiature” e dá pra ler mais sobre esse conceito aqui. A Traveller Made planeja criar agora uma Haute Villégiature Collection para incluir os melhores hotéis associados do mundo todo. “O cenário futuro é excelente: nossos travel designers associados aumentaram seus negócios em 26,4% em 2018, o mercado de viagens de altíssimo luxo dobrou nos últimos dez anos e, nos próximos 10, a quantidade de quartos disponíveis em hotéis de luxo aumentará mais de 50%”, reforçou Quentin.

Quentin Desurmont apresenta os dados de crescimento de negócios das agências afiliadas à Traveller Made. Foto: Mari Campos

O evento destacou também a importância dos players do turismo de luxo (hotéis incluídos, é claro!) construírem adequadamente sua identidade de marca, a exemplo dos maiores nomes do mercado de luxo na moda, como a Chanel. Na hotelaria ganharam destaque as redes Aman e Belmond, que são as únicas marcas hoteleiras a figurarem entre as “top of mind brands” do mercado de luxo em geral. 

Mas diversas outras novidades também foram anunciadas durante o The Essence of Luxury 2019, como a nova penthouse do Hotel Esencia, na Riviera Maya; a nova villa de 5 quartos do Singita no Zimbábue (a rede também abrirá novo lodge em Ruanda em agosto); o início das celebrações dos 50 anos do Pulitzer Amsterdam (comemorados no ano que vem) ou as novas villas do Goldeneye Resort, na Jamaica. 

O evento confirmou também a esperada abertura do The Lodge at Blue Sky, próximo a Park City, para 24 de maio próximo. O hotel de apenas 46 quartos passou nada menos que os últimos quatro anos pesquisando, criando e testando as melhores experiências locais possíveis em seus arredores (de cavalgadas a heliyoga) que agora serão oferecidas a seus hóspedes. Com arquitetura orgânica para completa integração dos quartos e espaços comuns com a natureza que o rodeia, o lodge tem localização conveniente para quem quer explorar os grandes parques (fica a 4h do Grand Canyon, por exemplo), uma destilaria de uísque dentro dos limites da propriedade e terá ski lounge exclusivo para hóspedes em Park City no inverno.

A tendência das mega villas de luxo também se confirmou com a inauguração da Maison Montespan, em Paris: trata-se de uma uma casa de 350 metros quadrados no 16ème parisiense, que deve ser alugada como uma villa, a exemplo dos melhores chalés de estações de esqui como Courchevel (com 5 quartos, serviço de mordomo e conciergerie exclusiva e um rooftop de 70 metros quadrados com vista para a cidade, além de infindáveis mimos). Ao custo de dez mil euros por noite de hospedagem, a super villa que acaba de ser inaugurada teve todos os móveis que ocupam seus cômodos desenhados exclusivamente para a casa.

Detalhe da maior e mais cara villa europeia, a Villa del Mar, no hotel Marbella Club.
Foto: Mari Campos

Durante o evento, o hotel Marbella Club, parte do portfólio da Leading Hotels of the World, nos apresentou sua suíte Villa del Mar, de impressionantes 6300 metros quadrados de área. A maior e mais cara villa de toda a Europa conta com arquitetura marroquina, de frente para o mar de Marbella, e é quase um hotel por si mesma, com direito a três andares, hammans, 9 banheiros e uma imensa piscina própria.

A Traveller Made conta hoje com 385 agências membro em 65 países (movimentando mais de 2,5 bilhões de euros anuais) e mais de mil hotéis, DMCs, Private villas, yacht, private jets e escritórios de turismo parceiros.  Ainda falaremos mais por aqui sobre outras novidades e tendências da hotelaria anunciadas no evento. 

Leia mais sobre novidades na hotelaria apresentadas na ILTM Cannes

Leia mais sobre sobre outros novos hotéis de luxo recém-abertos

Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

Maquete do novo TWA Hotel at JFK

Cinco razões para dormir no TWA, novo hotel do aeroporto JFK, em NYC

A NYC & Company, responsável pela promoção turística de Nova York, apresenta 2019 como um “ano monumental”. Estão previstas novas atrações culturais e gastronômicas, como o Hudson Yards; a cidade vai sediar a WorldPride, que marca os 50 anos de Stonewall, em junho, e há novos hotéis, afinal é de Nova York que estamos falando. Um deles mexe com a imaginação de fãs de hotelaria, de arquitetura e, principalmente, de aviação.

É o TWA Hotel at JFK, na área ocupada pela companhia americana Trans World Airlines no John F. Kennedy International Airport. O TWA Flight Center, projetado pelo arquiteto finlandês Eero Saarinen, estava vazio desde 2001, quando a empresa aérea interrompeu suas operações. O grupo americano MCR Morse Development começou as obras do hotel em 2016, prometendo recuperar o glamour da era dos jatos em um ambiente único.

TWA Flight Center TWA Hotel at JKF
As linhas arrojadas do TWA Flight Center (foto de divulgação/Max Touhey) | Na imagem em destaque no alto, o esboço do projeto com os dois prédios erguidos para abrigar o hotel

O TWA Hotel entrou na lista de inaugurações mais esperadas de 2019 de publicações tão diferentes como Forbes e Vogue. Mês passado, até o britânico The Guardian, jornal diário de grande prestígio, fez uma extensa reportagem para anunciar o início das reservas, três meses antes da abertura. O primeiro check-in será no dia 15 de maio.

Quarto com janelas à prova de som no novo TWA Hotel at JFK
Quarto com janelas à prova de som no novo TWA Hotel at JFK | Foto de divulgação

Listamos aqui cinco razões pelas quais vale a pena considerar o TWA como um hotel destino e abrir mão de uma noite em Manhattan ou no Brooklyn para dormir no aeroporto.

TWA Hotel at JFK

Todos os quartos tem bar em madeira feito por comunidades amish | Foto de divulgação

1 Obra-prima da arquitetura. O terminal da TWA, inaugurado em 1962, foi desenhado pelo arquiteto finlandês Eero Saarinen (1910-1961), considerado um dos pais da arquitetura moderna (quem gosta de design provavelmente conhece a mesa Saarinen, hoje comercializada no mundo todo). O prédio, de meados do século 20, abrigará o imenso lobby do novo hotel. Com 18,5 mil m², é sério concorrente ao título de maior lobby de hotel do mundo.

Womb Chair Saarinen TWA Hotel at JFK

Telefone da década de 1950 e a Womb Chair, desenhada por Saarinen | Foto de divulgação

2 Décor à la Mad Men. A decoração dos 512 quartos (os menores com 30 m²), distribuídos em dois novos prédios de seis andares cada, erguidos atrás do terminal, segue o estilo retrô, com paredes brancas e pisos em madeira escura. Quem assistiu à série de televisão Mad Men pode ter uma boa ideia. Algumas peças do mobiliário são clássicos assinados por Saarinen. A maioria dos quartos terá janelas envidraçadas de alto a baixo com vista para o terminal da TWA e o aeroporto. Sem barulho, garante o hotel. Os telefones serão de disco. Foram comprados modelos originais dos aparelhos, pela internet, e adaptados para a tecnologia atual. Talvez os mais jovens precisem de manual de instrução de como usar…

Amenities TWA Hotel at JFK

Amenities originais da TWA, que inspiraram os produtos do hotel | Foto de divulgação

Os minibares, com bebidas alcoólicas, foram feitos em nogueira por comunidades amish de Ohio com zero desperdício de material. Os copos de água serão iguais aos que eram usados nos voos da TWA. As amenities terão o logotipo da companhia e virão em nécessaire como as de bordo, em estilo vintage, que o hotel espera que os hóspedes levem para casa. As roupas dos funcionários seguem a temática e são inspiradas nos uniformes dos comissários. Cartazes antigos de propaganda da companhia estarão nos quartos e nas áreas comuns.

Lockheed Constellation  “Connie” TWA Hotel at JFK

“Connie” rumo ao JFK e a uma nova vida | Foto de divulgação/Aaron Flacke

3 Bons drinques. Do lado de fora, já está estacionado desde o final do ano passado um restaurado Lockheed Constellation. “Connie” pertenceu à frota da companhia e agora vai abrigar um bar de drinques, um dos oito do hotel. O avião estava aposentado no Maine, a 482 quilômetros de distância, e foi levado por terra até o JFK. Para quem saber mais sobre a movimentada vida pregressa de “Connie”, há muitas informações no site do TWA Hotel.

Sunken Lounge TWA Hotel at JFK

Sunken Lounge: cenário perfeito para um martini | Foto de divulgação/Max Touhey

Outro bar que tem tudo para chamar a atenção é o Sunken, no restaurado lounge do terminal, com assentos “encravados” no chão e carpete no tom de vermelho original. Com carta de drinques clássicos da década de 1960 e mexedores iguais aos que eram usados nas bebidas servidas a bordo, parece lugar perfeito para pedir um old fashioned ou um martini.

Sunken Lounge TWA Hotel at JFK
Queremos um destes misturadores de drinque: sim ou com certeza? | Foto de divulgação

4 Grife à mesa. Um dos seis restaurantes, o Paris Café, é uma versão do que existia no terminal. O design do café, que foi mantido, é assinado por Raymond Loewy, autor da contour bottle da Coca-Cola. O cardápio será assinado pelo estrelado celebrity chef Jean-Georges Vongerichten, do Palácio Tangará, em São Paulo, e de mais de três dezenas de outros restaurantes mundo afora. Os pratos serão inspirados nos menus servidos pela TWA (abaixo, as capas originais de alguns dos cardápios de bordo).

5 Voo de madrugada. Bem, neste caso nem precisava de todas as razões anteriores. É sempre melhor dormir perto do aeroporto. No TWA Hotel at JFK será possível transformar a noite geralmente estressante que antecede um voo de madrugada em uma experiência ímpar e divertida. O hotel, o único dentro do aeroporto que recebe quase 60 milhões de passageiros por ano, fica atrás do Terminal 5, usado atualmente pela JetBlue. Terá acesso a todos os outros terminais através do AirTrain. O TWA Hotel também parece uma boa opção para uma conexão longa, que deve justificar a função de sair do terminal e passar pela segurança.

Leia mais sobre o H Hotel, ao lado do aeroporto de Los Angeles.

Sunken Lounge TWA Hotel at JFK
O Sunken Lounge e o lobby do TWA Hotel at JFK | Foto de divulgação/Max Touhey

Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

O novo 9Confidentiel Paris e o peso de Philippe Starck na hotelaria

É inegável que Philippe Starck seja uma espécie de mago no design da hotelaria contemporânea. Foram os projetos de Starck que alçaram à fama imediata hotéis como o red&hot Faena de Buenos Aires ou mesmo o Fasano Rio com sua indefectível piscina. 

O nome mais intimamente ligado ao eclético mundo do design hoteleiro desde os anos 80, Starck agrega valor imediato a qualquer projeto do qual faça parte, de Nova York à Singapura. Craque em mesclar em seus ambientes conforto e excitação, espaços cheios de enigmas com surpresas emocionais, Starck sempre apostou na harmonia entre o funcional e o emocional. Aos 69 anos, o francês foi o responsável por duas das mais esperadas inaugurações hoteleiras de Paris do último ano: os geniais 9Confidentiel e Brach Paris.

Participei do soft opening do 9Confidentiel Paris dias antes de sua abertura oficial em dezembro útlimo. Apesar das opulentas portas do lado de fora, o ambiente interno é pequeno, discreto e extremamente aconchegante. Parte da coleção L.V.X da Preferred Hotels, o hotel fica localizado no artsy Marais, rodeado por galerias, boutiques e infinitas opções para comer e beber. 

São apenas 29 exclusivos quartos decorados com cores pastéis e os inconfundíveis jogos de espelhos de Starck por toda parte – muito rosa e bronze e oscilações entre o neoclassicismo e a modernidade. Segundo ele, cada quarto e suíte foi desenhado como uma “candy box para cortesãos”, inspirado na elegância dos anos 20, 30 e 40 e fazendo uma verdadeira ode ao charme parisiense e sua atmosfera romântica. Os quartos são pequenos, mas incluem belíssimas vistas para os inconfundíveis telhados de Paris – e os jogos de espelhos conferem ótimo senso de amplitude ao banheiro. 

Apesar de em uma das noites ter sido literalmente a única hóspede do hotel todo, pude constatar que a excelência em serviço foi uma constante durante toda minha hospedagem – incluindo staff que fala português fluentemente.  Vale ficar ao menos um dia para o simpático café da manhã à la carte do pequeno restaurante do hotel e para um drink no discreto (porém vibrante) bar com menu exclusivo do premiado mixologista Nico de Soto. 

O discreto bar com menu by Nico de Soto do 9Confidentiel. Foto: Divulgação

Mais Starck em Paris

Inaugurado alguns meses antes, o Brach Hotel fica no 16o arrondissement e, apesar de afastado do circuito turístico da cidade, tem em seu delicioso restaurante ao menos um indiscutível pretexto para se explorar seus arredores (aposte sem medo no brunch dominical da brasserie). 

Parte da Evok Hotels Collection, no Brach o design de Starck foi pontuado pelo romantismo modernista com influências multiculturais da África, da Ásia e da América do Sul. Com muito concreto e vidro, o edifício foi originalmente uma das sedes do serviço postal parisiense nos anos 70. Os 52 quartos trazem muita luz natural com impressões dadaístas misturadas a imagens em preto e branco, máscaras e cerâmicas de diferentes estilos.“É o encontro do modernismo Bahaus com as maravilhas africanas”, diz Starck. O hotel tem ainda um rooftop garden exclusivo de seu restaurante, com vista panorâmica para Paris.

Para 2020, Philippe Starck abre também em Paris a esperada Maison Heler Metz, parte da Curio Collection by Hilton, e o Rosewood São Paulo, que promete ser um verdadeiro “parque vertical” em sua fachada. A conferir.

Arcos da Lapa Selina Rio

Como é o Selina Rio, o primeiro hotel da rede no Brasil

A rede panamenha Selina chegou ao Brasil pelo Rio de Janeiro. Assumiu o hotel 55 Rio, na Lapa, bairro histórico e boêmio no Centro da cidade. Poderia ser apenas uma mudança de administração, mas chama a atenção o modelo de negócio da Selina. A plataforma de mídia americana Skift, voltada para viagens, disse no final de 2018 que esta é a rede na qual você deve ficar de olho se quiser entender um pouco mais sobre como os millennials viajam.

Um dos quartos do Selina Lapa Rio
Um dos quartos do Selina Lapa Rio, novidade na hotelaria carioca | Foto de Carla Lencastre

Criada em 2015, a marca geralmente aluga um hotel que já existe, como era o caso do 55, inaugurado às vésperas das Olimpíadas do Rio, e faz ajustes na decoração e na distribuição dos espaços e suas ocupações. As 39 propriedades administradas pela rede em 12 países da América Latina e em Portugal oferecem quartos privativos, camas avulsas em quartos compartilhados, áreas comuns abertas aos moradores da cidade, como bares e restaurantes, e espaço de coworking.

Mural no Selina Lapa Rio
Mural na área ao ar livre que separa os dois prédios do Selina | Foto de Carla Lencastre

Em 2018, o até agora bem-sucedido modelo multiuso da rede, tendência na hotelaria mundial, chamou a atenção de investidores e recebeu dois aportes milionários, um de US$ 95 milhões, no início do ano, e outro de US$ 150 milhões, em dezembro. Os planos de expansão são ambiciosos. Segundo a revista americana Forbes, a marca pretende alcançar 350 endereços e um total de cem mil camas nos próximos anos.

Ainda neste 2019, há uma unidade prevista para São Paulo, na Vila Madalena, e outra para Florianópolis, na Praia Mole, onde o bar já está funcionando. Os primeiros hotéis nos Estados Unidos também devem ser inaugurados este ano, com Miami (Little Havana) e Nova York (Lower Manhattan) liderando a lista. Já com data marcada de abertura, entre março e maio, e aceitando reservas, há o segundo e o terceiro hotel em Portugal e o quarto no Peru.

O novo Selina Rio fica ao lado dos Arcos da Lapa

Fundada em 2015, a rede Selina se promove como um hotel para nômades digitais, que teoricamente podem morar e trabalhar em qualquer lugar. Quando visitei o hotel carioca, mês passado, a convite da marca, ainda não existiam o espaço de coworking nem a cozinha comunitária (outra característica da rede). Ambos estavam previstos para breve.

Um dos quartos compartilhados do Selina Lapa Rio
Um dos quartos compartilhados do Selina carioca | Foto de Carla Lencastre

O Selina Lapa Rio ocupa dois prédios no Largo da Lapa, um histórico, onde no início do século passado funcionou o Grande Hotel Bragança, e outro de 2016, construído nos fundos do terreno para abrigar parte do 55 Rio. O hostel está concentrado nesta construção mais nova, de oito andares. O Selina aproveita toda a infraestrutura do 55, inclusive nas acomodações que foram transformadas em dormitórios, com banheiro dentro do quarto.

Banheiro do Selina Lapa Rio
O banheiro é sempre assim. Só muda o tamanho | Foto de Carla Lencastre

Os dormitórios têm quatro, seis ou oito camas, com decoração clean, bem simples. Os banheiros são iguais em todo o hotel, apenas com variação de tamanho. Todos são em preto, branco e cinza, inclusive nos quartos mais caprichados do prédio histórico. O prédio novo tem ainda quartos privativos, com decoração minimalista, alguns com vista para Santa Teresa.

Quarto para casal no prédio novo do Selina Lapa Rio
Um dos quartos para casal no prédio novo | Foto de Carla Lencastre

No edifício histórico de três andares e terraço, o tom é outro. Não há dois quartos iguais, nem em tamanho nem em decoração, já que todos se adaptam à estrutura original do prédio. Toda a cor que falta no hostel está nesta parte da propriedade (com exceção dos banheiros monocromáticos). Os quartos mantêm o design do 55 Rio, que preservou elementos da construção, como paredes em pedra, e têm pisos em madeira e cores fortes nas paredes. Portas e janelas em madeira do prédio original também foram aproveitados na decoração.

Quarto do Selina Lapa Rio
Porta do antigo Grande Hotel Bragança usada como biombo | Foto de Carla Lencastre

O Selina Lapa Rio tem capacidade para 406 pessoas. Nas áreas comuns, todo mundo se encontra. O terraço fica entre as duas cúpulas do topo do prédio. Tem vista para os Arcos, logo ao lado, e também para o Aterro do Flamengo, um pouco mais distante. A ideia é que, a partir de março, seja endereço de festas noturnas. No térreo ficam o restaurante e o bar, que já abriga happy hours com DJs. Alguns hotéis da rede têm piscina, mas não é o caso aqui.

As duas cúpulas no terraço. Ao fundo, o Aterro do Flamengo | Foto de Carla Lencastre

O hostel, com 100% de ocupação neste carnaval, atende ao jovem viajando sozinho, a grupos de amigos, jovens casais e até famílias com filhos adolescentes (há quartos com cama de casal e beliches). O hotel é bom para quem já conhece o Rio e quer investir em uma programação cultural pelo Centro e nas noites da Lapa com algum conforto. O Selina fica pertíssimo de todos os bares e restaurantes da região e do Circo Voador e da Fundição Progresso, dois dos principais endereços de shows no Rio. Além do Teatro Municipal, do Museu Nacional de Belas Artes, das ruas do Rio Antigo… A estação Cinelândia do metrô está perto e dali se vai para as praias de Copacabana, Ipanema e Leblon. O VLT leva até o Aeroporto Santos Dumont.

O Selina não é a única novidade na hotelaria carioca. Acabou de reabrir o Hotel Arpoador, em um dos endereços mais privilegiados do Rio, na Praia de Ipanema. Em abril, vem aí o Fairmont, na Praia de Copacabana, a grande abertura do Brasil este ano. E no final do ano passado, foi inaugurado o Janeiro, de Oskar Metsavaht, no prédio do antigo Marina All Suites, na Praia do Leblon. Já o Hotel Marina continua em obras. Dizem que o Four Seasons está de olho, mas, por enquanto, são apenas rumores.

Leia mais sobre bons restaurantes em hotéis do Rio de Janeiro

Leia mais sobre hotéis em Ipanema, no Rio de Janeiro

Leia mais sobre outros hotéis no Brasil resenhados pela equipe do Hotel Inspectors

Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

O bom uso do valentine’s day pela hotelaria internacional

Enquanto no Brasil a hotelaria ainda se mexe muito pouco para celebrar o Dia dos Namorados além de meramente oferecer espumante e chocolates no check in nos quartos, lá fora o mercado hoteleiro já entendeu, há tempos, que a data pode movimentar quantias substanciais para propriedades que souberem investir direitinho.

Capitalizar o Valentine’s Day – celebrado internacionalmente no próximo dia 14 de fevereiro – é possível, sim, sem cair necessariamente nos estereótipos. Acreditar na data como um pretexto para casais investirem em experiências românticas inesquecíveis e na qualidade do tempo que passam juntos está, felizmente, cada vez mais em moda no hemisfério norte. A estratégia do “creating memories” dá certo – tanto que algumas propriedades já estão vendo casais que celebraram um Valentine’s Day no hotel em um ano voltarem em outra data – ou mesmo repetindo a dose da celebração no ano seguinte. 

É o caso, por exemplo, do Acqualina Resort & Spa, em Miami, sobre o qual já falei aqui. O hotel, que tem uma das mais altas taxas de returning guests da cidade, investe em experiências diferentes a cada ano. Não cria experiências fora da caixinha, mas aposta na “criação de memórias” para convencer os hóspedes a repetirem o hotel em outro ano ou outras circunstâncias. Para este 2019, o Valentine’s Day “padrão” vai contar com um jantar exclusivo harmonizado com champagne no AQ Chop House by Il Mulino, mas o menu de possibilidades customizadas para o próprio hóspede é imenso. Vai de tratamentos a dois no ESPA spa da propriedade a românticos jantares à luz de vela, totalmente sob medida, tanto na praia quanto no próprio quarto. 

A hotelaria internacional já descobriu que, com criatividade, o Dia dos Namorados pode ser uma data altamente rentável para o mercado
Experiências exclusivas a dois é a proposta do Four Seasons New York Downtown. Foto: Divulgação

Também nos EUA, o Four Seasons Hotel New York Downtown vai além e está lançando para este Valentine’s Day o Soak Service for Two. Criado pela diretora do spa do hotel Tara Cruz, o serviço inclui um ritual de banho customizado na própria banheira do quarto, com sais do Himalaia, tuberosa e capim limão – com direito a espumante rosé e doces para acompanhar. O Soak Service vai passar a fazer parte do menu regular do hotel, mas no pacote de Valentine’s Day inclui, além da experiência de banho, a estadia por uma noite no hotel e um jantar de cinco passos no restaurante CUT by Wolfgang Puck – e custa desde USD599.

Também em Nova York, o hotel  The Mark , no Upper East Side, membro da coleção Legend da Preferred Hotels & Resorts, resolveu ousar mais esse ano e lançou um “Cardápio Afrodisíaco” como parte do programa do dia 14 de fevereiro.  Por US$290, o casal é brindado com coquetéis elaborados com ingredientes naturalmente afrodisíacos, uma dúzia de ostras frescas, salmão com molho picante de gengibre como prato principal e Red Velvet como sobremesa. Quem quiser, ainda pode customizar o pacote de Valentine’s Day, adicionando a ele itens como lingeries da marca inglesa Agent Provocateur.

Do outro lado do Atlântico o clima romântico também movimenta a hotelaria. O The One Barcelona, membro da coleção L.V.X. da Preferred Collection, preparou um pacote batizado de “Falling in Love”. Se a escolha do nome não foi das mais criativas (nada é perfeito), o conteúdo do pacote, sim. A ideia é que o casal seja recebido no aeroporto em um carro de luxo para o transfer ao hotel, se hospede em uma das exclusivas suítes da propriedade (como a Barcelona, a Sagrada Família ou a Penthouse), tenha uma garrafa de Perrier Jouet e 24 rosas Baccara esperando por eles no quarto, um tratamento exclusivo para os dois no spa com óleos 100% orgânicos e um jantar sob medida preparado pelo chef Miguel Muñoz do Somni Restaurant e servido no próprio restaurante ou na suíte – à escolha do casal. E não para por aí não: após o jantar, a ideia é que os hóspedes sejam levados até o Mood Rooftop Terrace (que tem vistas incríveis para Barcelona) para degustarem coquetéis criados especialmente para a data ao som de um saxofonista tocando ao vivo.  E, é claro, o café da manhã no quarto no dia seguinte também faz parte do pacote – que vale desde 1975 euros. 

E isso só para dar nome a alguns hotéis – basta rolar o dedo no feed do instagram por esses dias para ver como boa parte da hotelaria internacional investe pesado na data. Com criatividade, a hotelaria brasileira também poderia ir bem além da fórmula “garrafa de espumante e chocolates no check in” e transformar o próximo Dia dos Namorados em uma data altamente rentável para o mercado.

Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

O charme do Acqualina Resort em Miami

“Sra.Campos, bom dia! Guardei um lugar perfeito ao ar livre que tenho certeza que você adorará para seu primeiro café do dia”. Jaime me recebeu com um sorriso enorme assim que cheguei à entrada do restaurante e, enquanto falava, me levou a uma mesinha com vista para o mar, protegida por um imenso ombrelone vermelho. Pedi um capuccino e ele emendou, sorrindo: “Mas posso trazer também uma taça de mimosa? Hoje é sábado!”.

Jaime é meu funcionário predileto no Acqualina Resort & Spa, em Sunny Isles, Miami. Daqueles funcionários de hotelaria que nasceu mesmo para lidar com gente. Circula desenvolto no salão, brinca com as crianças, ajuda outros garçons que estão com a bandeja cheia, retira rapidamente um talher colocado de lado por alguém. Tem memória treinada: memoriza o nome dos hóspedes em um instante e guarda as preferências de cada um já no primeiro café da manhã que serve. E o mais importante: discreto que só ele, e sempre com um sorriso no rosto.

No ano passado escrevi aqui sobre hotéis-destino; aquele tipo de hotel que, por si só, vale a viagem. Pois o Acqualina é, sem dúvidas, um dos meus hotéis-destino favoritos. Fui convidada a me hospedar lá novamente neste janeiro e resolvi traze-lo aqui para o Hotel Inspectors porque acho que é um dos grandes bons exemplos da hotelaria hoje em dia.

O Acqualina é aquele tipo de hotel que consegue ter o máximo de luxo com o mínimo de frescuras. Ali, instalações, conforto e serviço são nota máxima, mas o hóspede é o tempo todo chamado a literalmente sentir-se em casa, do café da manhã ao jantar. 

Todos os quartos têm vista para o mar. Foto: Mari Campos

Apesar da pompa do arranha-céu de estilo mediterrâneo, tomado de Rolls-Royce em frente à entrada principal, o ambiente interno é sempre relax – afinal, seus hóspedes estão, em sua maioria, simplesmente desfrutando férias à beira-mar. O check in é sempre feito com o hóspede tomando seu champagne ou bellini geladinho, em um clima descontraído, quase informal, sem qualquer tipo de afetação – e rapidinho.  Ali, funcionários chamam a gente o tempo todo pelo nome, do concierge aos garçons, criando laços naturais de intimidade – nas minhas visitas por lá, sempre encontro casais e famílias inteirinhas que são habitués, e frequentam a propriedade há literalmente gerações. 

Membro do sofisticado portfólio da Leading Hotels of the World, o Acqualina fica localizado na ensolarada praia de Sunny Isles, ao norte de Miami, com 98 quartos impecáveis, todos de frente para o mar.  Não à toa, há vários anos ganha o título de melhor resort de frente para o mar dos EUA continental e melhor resort da Flórida em publicações especializadas e também sites tipo Trip Advisor.

Os quartos são muito espaçosos, todos com sala, quarto, enormes banheiros, cápsulas de café nos quartos sem custo (como todo hotel de luxo deve mesmo fazer), amenidades ESPA e convidativos balcões frente ao mar. Ainda tem três ótimos restaurantes, um bar novinho em folha super contemporâneo, um imenso e imperdível ESPA spa (que ganha novos tratamentos toda temporada), três piscinas de cara pro mar, jacuzzis ao ar livre e um serviço de praia de padrões raríssimos de se ver na região (e vai ganhar em breve luxuosíssimas torres de residências, The Estates of Acqualina, que já estão em franca construção logo ao lado do hotel). 

Um dos grandes trunfos do Acqualina é também saber ser um resort tanto para casais quanto para famílias – e tudo é tão bem bolado por ali que ninguém se sente invadido em momente nenhum, nem nas áreas de lazer nem nos restaurantes. Para os pequenos, o hotel conta com ampla infra, monitores e um novo programa de descobertas da vida marinha. Para os casais, oportunidades românticas e de sossego até dizer chega, de cabanas exclusivas pé na praia a jantares customizados.

Serviço de praia super caprichado incluído nas diárias. Foto: Mari Campos

Para quem não tem planos de se hospedar lá por enquanto, recomendo muito o brunch dominical, já que os restaurantes e o bar estão sempre abertos também para não-hóspedes. Por 85 dólares você tem direito a um amplo buffet de frutos do mar, saladas, pratos quentes, massas feitas na hora, itens de café da manhã e sobremesas, além de prosecco, bellinis e bloody marys à vontade – tudo de frente para o mar, com a excelência de serviços do hotel.

Neste 2019, o Acqualina acaba de ganhar uma nova categoria de quarto, a Grand Deluxe Three-Bedroom Oceanfront Suite (como já noticiamos no nosso instagram), que tem três quartos, cozinha gourmet, dois livings, três banheiros completos e balcões com vista para o mar e para o skyline de Miami – tudo com um decor ainda mais contemporâneo e clean, com peças de design dos lençóis aos objetos de décor.  Até abril, quem reservar pelo menos 3 noites em um das novas suítes ganha um dos Rolls-Royce da casa para dirigir sem custos por um dia inteirinho. 

Sendo hotel-destino, o Acqualina poderia estar em qualquer lugar que já seria um baita hotel. Mas ainda por cima está numa das praias mais gostosas da região de Miami, quase ao lado de um dos shopping centers prediletos dos brasileiros (o cada vez maior Aventura Mall, que não para de expandir e ganhar novas lojas e restaurantes), pertinho dos ótimos restaurantes de Bal Harbour e a 20 minutinhos de carro dos agitos de Wynwood Walls, Design District ou Brickell, em Miami. 

Minha única crítica ao hotel? Apesar de tão incrível, de incluir tantos mimos (inclusive prosecco, bellinis e mimosas no café da manhã), o Acqualina inexplicavelmente ainda cobra separado por bebidas quentes como capuccino e latte no buffet de café da manhã – algo imperdoável em um hotel deste porte.

Leia mais sobre o Acqualina Resort & Spa aqui.

Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.