Não sabe o que vestir? Venha tirar a roupa!

Vestida de Eva*, Anne Hidalgo, prefeita de Paris, inaugurou no dia 3 de agosto o primeiro espaço nudista da cidade. No parque de Vincennes, em uma clareira de 7300 m2, nudistas podem relaxar tranqüilos diariamente das 8h00 da manhã às 19h30. Nesta área, que representa um milésimo da superfície do parque, liberdade de escolha é a máxima habitual. Mesmo para os reles caretas que ousam se vestir não existem contrariedades. Apenas algumas placas de sinalização indicam a prática da modalidade. O espaço não é exclusivo e portadores de “artefatos têxteis” são bem vindos. Nada de “guetorização”.

Até então, os 350 membros da Associação Naturista de Paris tinham  a possibilidade de praticar o nudismo somente na piscina municipal Roger Le Gall, lugar que dispõe de três faixas horárias naturistas por semana. Agora a “tchurma” vai poder socializar feliz, degustando um pique-nique ou pestanejando sobre a grama.

Apesar de parecer loucura, a paixão é compartilhada por um grande número de estrangeiros e franceses: aparentemente dois milhões de turistas ao ano vêm se desnudar na França, o país dispõe de 460 espaços dedicados, das quais 73 praias e 155 campings. Se você é daqueles que estressam se perguntando o que vestir, fica o convite para férias ( aparentemente) bem mais relaxantes.

 

Nota: a zona naturista do Bosque de Vincennes fica aberta até 15 de novembro de 2017 e volta o ano que vêm.

*Brincadeira, a Anne Hidalgo não se despiu no parque de Vincennes.

 

Published by

Silvia Helena

Após breves passagens pela Faculdade Metodista de São Bernardo e Belas Artes de São Paulo, aos 18 anos fui estudar no Canadá, onde vivi durante 23 anos. Lá me formei em História da Arte pela Universidade de Montréal, estudei turismo no Collège Lasalle de Montréal e no Institut de Tourisme et Hôtellerie du Québec. Comecei minha carreira na área trabalhando em Cuba. Durante os anos vividos no Canadá, entre outras coisas, fui guia de circuitos pela costa leste e abri minha primeira agência de receptivo para brasileiros. Há dez anos um vento forte bateu nas velas da minha vida me conduzindo até França. Atualmente escrevo de Paris, onde vivo e trabalho dirigindo a empresa de receptivo, a Holatour.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *