Férias com preços incríveis

Um ditado francês diz “Pour vivre heureux, vivons cachés”, o que significa: Para vivermos felizes, vivamos escondidos. Nós brasileiros somos um povo de caráter menos discreto, e por essa razão traduzimos a questão em: “As pessoas vêem as pingas que bebemos, mas não sabem dos tombos que levamos”.

Talvez por essa razão, e também porque não é o foco deste blog, não divido com freqüência detalhes sobre minhas férias. Fiz oito cruzeiros e muitas vezes quis compartilhar com vocês maiores detalhes sobre esse produto. Mas não o fiz. Pode parecer estranho, num momento onde todos querem compartilhar tudo. Porém, eu aprendi a duras penas que o francês tem razão. Eu tinha um cliente, por exemplo, que sonhava em visitar as Ilhas Gregas. Quando ele soube que eu estava visitando pela terceira vez esse destino, coisa que seu salario não parecia permitir, concluiu que eu era muito rica e espalhou pela empresa onde trabalhava que, como comerciante, meus preços eram caros demais.  Ah, se ele soubesse…

O que ele não sabia é que a Grécia oferece para o mercado europeu preços comparáveis aos de Porto Seguro no Brasil. Não sabia também que tenho bons “truques” para viajar pagando bem menos que os preços habituais.  Sendo assim,  excepcionalmente neste post, não falaremos de Paris, mas sim desses truques que me permitiram conhecer um pouco mais da Europa nestes últimos 13 anos.

  1. Lei da oferta e demanda: assim que o Concórdia da Costa virou, imaginei que os preços cairiam. E foi tiro e queda. Iniciei com minha família uma nova prática que perdura até hoje.

Porém, nestes últimos anos a Costa se restabeleceu. Quem se lembra do Concórdia hoje? Mas nem por isso queríamos (eu e família) abandonar a nova prática. Um cruzeiro pode parecer caro, mas vai divertir criança à base de sorvetes, crepes e restaurantes em qualquer lugar do mundo para ver como a “nota fica alta”. Então buscamos novas soluções.

  1. Lei da oferta e demanda n° 2 : a procura por destinos praianos é bastante baixa no inicio de abril e a partir de outubro. Europeus preferem visitar a Grécia e a Península Ibérica durante os meses de verão para aproveitar do sol e ambiente festivo. Eu visitei a Grécia sempre em momentos de baixa estação, sem multidões, sem praia, sem calor. A Noruega, destino caríssimo, eu visitei em Agosto. A maioria dos Europeus evitam temperaturas baixas ( 5 graus) neste momento. Não é possível pagar 1/3 do preço sem fazer algumas concessões.
  2. Abrir mão de planejamento antecipado: o conceito implica certo risco, mas constitui a única maneira de seguirmos navegando mares afora. Não decidimos nada, poucos dias antes da partida buscamos cabines não vendidas. Algumas vezes fomos obrigados a abrir mão da cabine externa, por falta de disponibilidade. Mas em contrapartida já chegamos a pagar 750 euros por uma cabine tripla, doze dias de viagem atraves da Espanha, Portugal, Marrocos e Itália. A cabine interna não é legal, mas a relação custo benefício…
  3. Férias escolares ( ou quase): durante as férias escolares  européias a procura de cruzeiros pelas pessoas de terceira idade diminui. O espaço que mais parece um asilo navegante durante grande parte do ano é invadido por famílias e crianças correndo para todos os lados. Como boa parte da clientela alemã não curte o ambiente deserta essas temporadas. Então os barcos durante esse momento se enchem de famílias. O que fazer? Cruzeiros que partem durante esse período, mas não coincidem exatamente com as datas das férias escolares, tem menor procura. O que significa que se você tem a coragem de fazer com que seus filhos se ausentem dois ou três dias na escola: Bingo! A lei da oferta e da demanda vem ao nosso socorro mais uma vez!

E para terminar  ( the last, but not the least) vou deixar o link do site onde nos inscrevemos para as vendas “flash” destas cabines não vendidas. Para você que está ai no Brasil pode ser difícil aplicar essas regras, mas quem sabe, uma operadora qualquer  goste da idéia e as instaure aí também!

Rive Gauche Voyages

Dicas complementares

Se estiver com crianças, cuidado com a sala de jogos. Antes os cartões das crianças eram bloqueados, mas há algum tempo deixaram de ser e podem causar surpresas.

Além do valor do cruzeiro, uma taxa de bordo de 10 euros por dia para os adultos e 5 euros para crianças se adicionará a fatura final.

Cuidado com o Costa Diadema: barco experimental onde o número de clientes aumentou, o número de tentações pagantes também e o de pessoas do staff diminuiu.  Assim alguns detalhes são um pouco negligenciados, como a limpeza habitual de alguns setores.

Alguns destinos visitados nestes anos.

Published by

Silvia Helena

Após breves passagens pela Faculdade Metodista de São Bernardo e Belas Artes de São Paulo, aos 18 anos fui estudar no Canadá, onde vivi durante 23 anos. Lá me formei em História da Arte pela Universidade de Montréal, estudei turismo no Collège Lasalle de Montréal e no Institut de Tourisme et Hôtellerie du Québec. Comecei minha carreira na área trabalhando em Cuba. Durante os anos vividos no Canadá, entre outras coisas, fui guia de circuitos pela costa leste e abri minha primeira agência de receptivo para brasileiros. Há dez anos um vento forte bateu nas velas da minha vida me conduzindo até França. Atualmente escrevo de Paris, onde vivo e trabalho dirigindo a empresa de receptivo, a Holatour.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *