Reabertura turismo Búzios, Angra e Paratay: praia do Fasano Angra

A reabertura para o turismo de Búzios, Angra e Paraty

Atualização em “A reabertura para o turismo de Búzios, Angra e Paraty”

Em 17 de dezembro de 2020 o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro determinou o fechamento de Búzios por tempo indeterminado por conta do aumento dos novos casos de Covid-19 no município e da escassez de leitos hospitalares. No dia 18 de dezembro, a liminar foi revertida.

Leia também: Hotéis de Búzios voltam a funcionar.

Tem viagem planejada para Búzios? Confira neste link do jornal O Globo os direitos do consumidor.

Clique aqui para acompanhar o Instagram @HotelInspectors

A seguir, o texto original sobre hotelaria em Búzios, Angra dos Reis e Paraty publicado em 10 agosto de 2020.

A reabertura para o turismo de Búzios, Angra dos Reis (incluindo Ilha Grande) e Paraty, cidades no litoral do Estado do Rio. Com o trágico número de cem mil mortos no Brasil pela Covid-19 alcançado no início de agosto e com média de mais de mil pessoas morrendo por dia no país, a pandemia ainda parece longe do fim. Mas para quem se sentir confiante em mudar de ares e de cenário de distanciamento social, há hotéis, pousadas e resorts começando a reabertura para o turismo em Búzios, Angra e Paraty.

Leia também: Os desafios da retomada do turismo no Estado do Rio

Em um texto anterior, escrevi sobre o cenário da hotelaria na cidade do Rio de Janeiro. Pesquisa Fohb (Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil) apresentada semana passada mostra que mais de 50% dos hotéis cariocas de rede ainda não reabriram. Você pode ver as datas previstas para a reabertura de alguns dos principais hotéis (e atrações turísticas) do Rio na orla de Ipanema e Copacabana, de rede ou não, clicando aqui.

Leia também: Como estão funcionando os restaurantes de hotéis no Rio

a reabertura para o turismo de Búzios

O concorrido balneário no litoral norte fluminense reabriu para o turismo em 1º de agosto, mantendo barreiras sanitárias nos acessos rodoviários. Para entrar na cidade, o visitante deve apresentar um QR code emitido pelo hotel ou pousada. Bares e restaurantes podem funcionar com 50% da capacidade.

É permitida a prática de esportes individuais, ainda sem banho de sol na areia, em algumas das principais praias, como Geribá, Manguinhos, João Fernandes, Ferradura, Brava, Canto, Azeda, Ossos e Forno.

Atualização: Em meados de setembro de 2020, a prefeitura de Búzios liberou a areia das praias para banho de sol de segunda a sexta-feira. Nos fins de semana continuam permitidas apenas atividades físicas individuais.

Leia mais: Hotéis para respirar ar puro na serra do Rio de Janeiro

.

Hotéis em Búzios

O adorável Casas Brancas Boutique Hotel & Spa, com o selo Virtuoso, voltou a funcionar com novos procedimentos de biossegurança. Entre eles está o uso na limpeza de quartos e áreas comuns de desinfetante a base de peróxido de hidrogênio (H2O2, o mesmo princípio ativo da água oxigenada), que vem sendo testado em hospitais no combate ao novo coronavírus. O ótimo restaurante 74, sob o comando do chef Gonzalo Vidal, está aberto ao público de quinta-feira a domingo, com distanciamento entre as mesas e menu por QR code. Na piscina com vista para o mar e o pôr do sol foi inaugurado um novo bar de drinques apenas para hóspedes. O spa permanece fechado.

Vizinha da Casas Brancas no Alto do Humaitá, e membro da Roteiros de Charme, a Vila d’este também adotou novas medidas de biossegurança para a sua reabertura em 1º de agosto. A associação Roteiros de Charme fez uma parceria com a empresa de produtos de limpeza TerpenOil Química Verde, de São Paulo. A fábrica usa matérias-primas naturais de fontes renováveis e produz um desinfetante contra o novo coronavírus com o aval da Unicamp.

Leia mais: Plástico, a nova obsessão dos resorts brasileiros na era covid-19

Reabertura turismo Búzios Angra Paraty: Fasano Angra
Fasano Angra, na Costa Verde do litoral fluminense | Foto de divulgação/Daniel Pinheiro

A REABERTURA PARA O TURISMO DA Costa Verde

Angra dos Reis e arredores

Angra dos Reis e Ilha Grande estarão abertas para o turismo a partir de 14 de agosto. Meios de hospedagem e embarcações turísticas poderão funcionar com até 50% de ocupação. Nos hotéis da região, os quartos de hotéis e pousadas devem ficar vazios por 24 horas entre um hóspede e outro.

Leia mais: O que realmente mudou nos hotéis em sete meses de pandemia

.

Em 15 de agosto o Fasano Angra volta a receber hóspedes (o Fasano Rio reabriu mês passado) com a certificação SafeGuard, do Bureau Veritas, referência em biossegurança. O hotel terá ocupação máxima de 50% e os quartos ficarão 24 horas vazios e com as janelas abertas entre um check-in e outro. O café da manhã será somente à la carte e o restaurante abrirá para jantar com reserva. Spa, academia e atividades ao ar livre, como aulas de tênis, terão hora marcada. Piscinas (inclusive no spa), saunas e o bar do hotel não estarão abertos neste primeiro momento.

Atualização: As piscinas do spa do Fasano Angra reabriram em setembro e podem ser usadas mediante agendamento.

Leia mais: É seguro usar piscina de hotel durante a pandemia?

Já o Club Med Rio das Pedras, em Magaratiba, volta a operar em 27 de agosto. O clube infantil vai funcionar, mas recebendo uma quantidade menor de crianças. A dez minutos de distância, o Portobello Resort já reabriu. Assim como o Club Med, o hotel manteve o bufê, mas servido por funcionários.

Leia mais: Como fica o bufê de café da manhã de hotel na pandemia

Reabertura turismo Búzios Angra Paraty: piscina da Casa Turquesa, em Paraty
Piscina da Casa Turquesa, em Paraty: reabertura em 15 de agosto| Foto de divulgação
Paraty

Em Paraty já são permitidas pousadas abertas com até 50% de ocupação, sem bufê de café da manhã e com quartos vazios por 24 horas entre um hóspede e outro. Os restaurantes também podem funcionar com 50% da lotação, assim como os barcos de passeio. Praias fora do Centro Histórico como as de Trindade e a do Sono permanecem fechadas, com barreiras em seus acessos, por decisão das comunidades locais respeitada pela prefeitura.

Leia mais: Hotel carbono neutro, quando a hospedagem não deixa pegadas

O novo Selina Paraty | Foto de divulgação

O Selina Paraty, inaugurado no início deste ano, está aberto e oferecendo quartos compartilhados, com até 50% da ocupação. Para uma experiência bem mais exclusiva, a Casa Turquesa reabre em 15 de agosto. Membro do Circuito Elegante, recebeu o selo Safe&Clean, criado por hoteleiros e auditado pelo Bureau Veritas.

Leia mais: Como é o Selina Rio, na Lapa

Clique aqui para ler tudo que publicamos sobre hotelaria e Covid-19

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog, no Twitter @InspectorsHotel e no LinkedIn @HotelInspectors

Alimentos e bebidas na recuperação da hotelaria

Na minha coluna anterior, falei que hotéis que tinham deixado de ver a receita unicamente em termos de ocupação de quartos e diárias vendidas teriam alento nestes tempos de pandemia. Pois hoje eu quero falar especificamente sobre como os investimentos no setor de alimentos e bebidas (F&B) contribuem enormemente na recuperação da hotelaria. 

Nestes tempos de baixa ocupação, embora F&B tenha margens bem diferentes de lucro, seus custos também são bem diferentes. Assim, o setor pode representar um percentual realmente importante da receita durante a pandemia. Com sorte, pode também criar hábitos no consumidor que perdurem também depois dela.

Um dos espaços externos para refeições do The Dylan Amsterdam. Foto: Divulgação

Hotéis na europa já começam a perceber diferença na receita

Em Amsterdã, por exemplo, a ocupação nos hotéis está aquém do esperado, já que o principal público da hotelaria da cidade sempre foi estrangeiro. Entretanto, hotéis de luxo que reabriram já vêem um aumento considerável de receita neste setor nesta fase em comparação ao mesmo período do ano passado.

“O hotel The Dylan, por exemplo, foi um dos primeiros a reabrir e tem um restaurante estrelado no Michelin. O gasto médio no restaurante já está maior nesta fase de reabertura do que era antes da pandemia”, conta Erik Sadao, da Sapiens Travel. “Quem está consumindo em bares e restaurantes dos hotéis neste momento ainda é um público muito local, mas que está realmente consumindo mais e melhor”, conclui. 

Sadao conta também sobre outras mudanças interessantes em curso por lá, como o fato de alguns alimentos antes muito disputados e caros estarem mais acessíveis atualmente. “Como não está havendo demanda suficiente, conseguimos encontrar ostras de boa procedência por um euro. Queijos consumidos majoritariamente por turistas também tiveram queda significativa nos preços”, conta. No Brasil, isso está acontecendo também com o camarão em alguns destinos muito turísticos do litoral. 

Leia mais: Como hotéis estão driblando a crise na pandemia.

Gastronomia ítalo-brasileira no restaurante Neto, no Four Seasons São Paulo. Foto: Mari Campos

Novas oportunidades no setor também no brasil

Em terras brasileiras, muitas propriedades de diferentes nichos também entendem o quanto a receita proveniente do setor de alimentos e bebidas pode contribuir para a recuperação da hotelaria.”Acreditamos que setores como lazer e alimentos e bebidas são eixo essenciais e não negócios de oportunidade, ou negócios que possam ser terceirizados”, diz Alexandre Zubaran, CEO da Enjoy Hotéis e Resorts.

E a pandemia reforçou a ideia na empresa. “No primeiro trimestre tinhamos um orçamento ousado para a área de F&B e realizamos algo como 40% da receita total. Para a retomada, teremos que aprender como ser rentáveis com 20% a 30% de ocupação, e em F&B não será diferente. Mas acreditamos que em nosso caso o percentual de participação na receita total deverá se manter”, afirma.   

As restrições impostas pela pandemia de Covid-19 acabaram trazendo ainda mais oportunidades para este setor na Enjoy. “Em nossos hotéis atendemos tanto hóspedes quanto proprietários e buscamos entender também seus desejos e interesses. Além de preços especiais, criamos combos de refeição e parcelamento das despesas de alimentos e bebidas. E montamos também um empório que oferece desde itens de conveniência, como fralda descartável ou protetor solar, até itens de F&B com embalagem familiar, para consumo no próprio apartamento”, explica Zubaran. 

Em um período de tantas mudanças e tanta necessidade de proatividade, inúmeras novas medidas protetivas foram implantadas para garantir segurança de hóspedes e colaboradores. Tudo isso gera custos e, obviamente, pode e deve gerar também receita. “Mudamos procedimentos no recebimento de mercadorias, na armazenagem, na produção e principalmente na forma de servir nos nossos bares e restaurantes”, conta Zubaran.

Mas a confiança no papel do setor de alimentos e bebidas na recuperação da hotelaria segue. “O setor de F&B seguirá sendo essencial para nosso modelo de negócio. Mas entendemos que o nível de confiança em relação à marca fará cada vez mais diferença. Caberá à empresa implantar e comunicar protocolos rígidos e sobretudo, garantir sua aplicação adequada”. 

Entenda melhor o que é turismo de isolamento.

Charme e excelência em qualquer refeição na Provence Cottage.
Foto: Divulgação

Excelência na serra mineira

O setor de F&B também teve sempre papel importantíssimo na adorável Provence Cottage, em Monte Verde, MG, que tem indiscutivelmente um dos melhores restaurantes da região. “Por ser chef, alimentação e hospedagem sempre andaram de mãos dadas, como personagens principais dos meus negócios. Sempre tive cuidado extra na manipulação e na escolha dos ingredientes”, conta Ari Kespers, um dos proprietários da pousada.

Nesta fase de retomada, a gastronomia segue protagonista e gerou também novas oportunidades. “Recebemos forte demanda também por atender hóspedes de outras pousadas da região, com refeições que estas pousadas não oferecem. E que Monte Verde, com o comércio fechado, também não atende neste momento. Isso tem incrementado de 10% a 20% nosso faturamento, o que compensa as restrições governamentais de ocupação máxima de 40% em estadias”. Falo mais sobre pousadas brasileiras neste processo de reabertura para o turismo aqui.

LEIA MAIS detalhes sobre a Provence Cottage aqui.

Leia mais: Quando será seguro viajar pelo Brasil?

Bons drinks no Fasano Angra. Foto: Mari Campos

Oportunidade de novos hábitos para os brasileiros

Tradicionalmente, salvo raras exceções, no Brasil não existe a cultura de frequentar hotéis para consumo de alimentos e bebidas em seus bares e restaurantes. Cenário bem diferente em destinos da Europa, por exemplo, nos quais bares e restaurantes de hotéis são frequentemente incluídos no lazer de alguns moradores.

Mas a pandemia (associada à necessidade de “domesticação” do lazer) pode ser também a oportunidade de incutir estes novos hábitos no consumidor. “Brasileiros em geral gastam muito menos que estrangeiros (sobretudo americanos) durante sua hospedagem. Normalmente pagam pelos pernoites, mas acabam saindo para comer e beber fora. Já outras nacionalidades consomem muito mais alimentos e bebidas no próprio hotel, e também mais serviços de bem-estar”, explica Erik Sadao.   

Como valores de diárias levam cada vez mais em consideração esse mix de gastos/consumo dos hóspedes e hotéis precisam, obviamente, de rentabilidade, sabemos que com baixa ocupação as tarifas nacionais podem subir. Por isso, urge que as propriedades busquem também uma rentabilidade cada vez maior do setor de alimentos de bebidas nesta fase de recuperação da hotelaria. E, preferencialmente, que isso se estenda também para o pós-pandemia. 

Gerar nova consciência e novos hábitos no consumidor – inclusive na busca por lazer dentro de sua própria cidade – é fundamental.  “Hotéis no Brasil, sobretudo nesta fase em que viajaremos unicamente de maneira doméstica, precisam criar cada vez mais alternativas para que o viajante brasileiro se sinta de fato à vontade e inspirado para consumir mais dentro do próprio hotel – seja por segurança, solidariedade ou mesmo por apelo e prazer”, afirma Sadao. 

Leia tudo que já publicamos sobre hotelaria em tempos de coronavírus.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

Vista do Zabriskie Point, no Vale da Morte, deserto na Califórnia | Foto de Carla Lencastre

O que fazem os hotéis nas redes sociais durante a crise

No Rio de Janeiro, onde moro, pelo menos 60 hotéis estão fechados, segundo levantamento da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH) divulgado neste início de abril. Os que estão abertos, com uma oferta total de cerca de 20 mil quartos, apresentam taxa de ocupação em torno de 5%. Não é um panorama muito diferente de outras cidades do país e do mundo. Vários hotéis informaram o fechamento temporário em suas contas no Instagram. Há quem consiga ir além e inovar. E, como mencionei em meu texto anterior sobre as ações dos hotéis em tempos de novo coranavírus, reforçar a marca para o futuro. O que fazem os hotéis nas redes sociais durante a crise?

O Fairmont Rio Copacabana, por exemplo, inaugurado há menos de um ano e temporariamente com as atividades suspensas, optou por manter sua programação de shows nos fins de semana. As apresentações no Instagram @FairmontRio são às sextas-feiras e aos sábados, às 20h, e aos domingos, às 17h. No Stories, o hotel está compartilhando algumas receitas do chef Carlos Cordeiro, do Marine Restô, no destaque Na sua Casa.

Leia mais: Como estão funcionando os hotéis do Rio durante a pandemia

Clique aqui para seguir @HotelInspectors no Instagram

Nos EUA, bons drinques e belas paisagens

A revista americana Forbes chamou a atenção semana passada para o premiado Deer Path Inn em uma reportagem sobre o que fazem os hotéis nas redes sociais durante a crise. Membro da Historic Hotels of America, a cerca de uma hora de carro ao norte de Chicago, o hotel está fechado, com o restaurante funcionando em esquema de drive-thru. Além da cozinha, o inn manteve o ritmo nas postagens no Instagram @DeerPathInn. São umas três ao longo do dia, de pelo menos três diferentes (e inspiradores) projetos.

O que fazem os hotéis nas redes sociais durante a crise? Fachada do Deer Path Inn, hotel em estilo inglês nos arredores de Chicago | Foto de vidulgação
O Deer Path Inn, uma hora ao norte de Chicago | Foto de divulgação

O primeiro projeto estreou em 20 de março, dias depois de o hotel fechar. Chama-se Cocktails with Jorge e é estrelado pelo chief spirits officer, como se autointitula Jorge Centeno. O bar do Deer Path é famoso na região. No início deste ano, por exemplo, seus martinis criativos apareceram entre os melhores de Chicago em uma lista da Eater, publicação on-line especializada em gastronomia. Em tempos de quarentena, Jorge está no canal do hotel na IGTV. Sozinho no bar, de luvas, ensina drinques clássicos fáceis de fazer.

Outros funcionários, que apareciam aqui e ali em publicações anteriores, estão em novos posts, em ambientes vazios e situações bem-humoradas, como lavando as mãos ao som de Despacito. Semana passada, um deles estreou em uma espécie de spin-off. Héctor Barranco é o astro da divertida novela sobre um casamento celebrado em tempos de coronavírus (o Deer Path é wedding destination). A instanovela As The Inn Turns é um sucesso. Os capítulos são curtinhos e alguns já tiveram mais de três mil visualizações.

.

Entre as aulas caprichadas de Jorge e as desventuras amorosas de Héctor, o Deer Path começou o projeto If These Walls Could Talk, algo como “se as paredes falassem”. Nos vídeos, também bem curtos, personagens de obras de arte ganham voz. Os protagonistas são esculturas, fotografias e pinturas das áreas comuns do hotel de 57 quartos. Aberto em 1929, durante a Grande Depressão, e renovado há três anos, o inn é decorado em estilo inglês.

Leia mais: Cinco inovações que vão mudar a hotelaria

Difícil não rir um pouco com a criatividade e as mensagens positivas, que respeitam o distanciamento social e a orientação de ficar em casa, e em momento algum minimizam a gravidade da crise. Há lugar também para falar sério. O gerente-geral Matt Barba, que estrela alguns posts e administra a conta do hotel no Instagram, anunciou um leilão on-line de experiências no inn, como aulas com Jorge ou um jantar privado na adega. O dinheiro irá para negócios locais na vizinhança de Lake Forest que estão de portas fechadas.

.

no oásis do vale da morte, na califórnia

Já anotei o nome do Deer Path para ir até lá na minha próxima vez em Chicago. Enquanto a gente não viaja novamente, fui conferir o que fazem os hotéis nas redes sociais durante a crise em propriedades nas quais me hospedei nos últimos tempos. A maioria se limitou a comunicar o fechamento e desaparecer; algumas poucas estão em negação, postando fotos com legendas que parecem ter sido feitas antes de o mundo mudar para sempre; outras fizeram ações pontuais, como uma receita de drinque aqui; uma live com um DJ ali, mas prometem mais. A acompanhar.  

.

A melhor surpresa foi o Oasis at Death Valley, na Califórnia (a minha foto no topo deste texto mostra a vista diurna do Zabriskie Point). Diferentemente do que sugere o nome, é repleto de vida o Vale da Morte. Em sua conta no Instagram, o hotel acabou de mostrar uma série de imagens dos animais do deserto, em uma postagem por dia com a hashtag #OneWeekofWildlife. Na semana anterior, o projeto reuniu algumas das paisagens estonteantes do vale em #OneWeekofWonder. Esta semana é a #OneWeekOfIcons, que começa com a emblemática piscina de água natural do Oasis at Death Valley . Esta parte do nome corresponde à realidade: o Oasis é mesmo um oásis.

Leia mais: É seguro usar a piscina do hotel durante a pandemia de covid-19?

Clique aqui para ler todos os nossos textos sobre hotelaria e coronavírus

Leia mais

Como é se hospedar no Oasis at Death Valley, a duas horas de Las Vegas

Como é o Park MGM, o mais novo hotel na Strip

A renovação dos hotéis Marriott na Califórnia e em Chicago

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel

Fachada do Kimpton Fitzroy, hotel em Londres

Como é se hospedar no Kimpton Fitzroy, em Londres

Erguido há 120 anos para abrigar um dos primeiros hotéis de Londres com banheiro em todos os quartos, o impressionante prédio com fachada em terracota na Russell Square, em Bloomsbury, acaba de completar um ano como Kimpton Fitzroy. O nome homenageia o arquiteto Charles Fitzroy Doll, também autor da sala de jantar do Titanic. Fitzroy Doll encomendou duas esculturas idênticas de um dragão em bronze. Uma está na escadaria que começa no exuberante lobby em mármore do hotel. A outra foi para o Titanic. Um dos dragões se chama Lucky George (George o Sortudo). Fácil saber qual deles, não?

Leia também: Como é dormir em uma locação da série Bridgerton

O Fitzroy é o primeiro Kimpton no Reino Unido e o segundo na Europa com a marca americana, agora propriedade do gigante britânico da hotelaria InterContinental Hotels Group (IHG). Em abril de 2018, depois de reforma de 85 milhões de libras (cerca de R$ 440 milhões), o hotel reabriu como Principal. No mês seguinte, o IHG assumiu a administração da marca britânica e decidiu pelo rebranding, concluído em outubro do mesmo ano. Fiquei hospedada no Kimpton Fitzroy em maio deste ano, a convite do VisitBritain, órgão de promoção do turismo britânico.

O IHG comprou a Kimpton no final de 2014. O primeiro hotel europeu com a bandeira foi aberto em 2017, o De Witt, em Amsterdã. Este ano a marca chegou à Escócia, em Edimburgo e Glasgow. Manchester, na Inglaterra, terá o próximo. Todos estes quatro hotéis no Reino Unido eram Principal.

Inspiração & informação: clique para seguir o Instagram @HotelInspectors

Hospedagem no Kimpton Fitzroy, em Londres

Localização

O Kimpton Fitzroy fica em Bloomsbury, uma área mais tranquila de Londres. A estação de metrô de Russell Square encontra-se na esquina, a 150 metros. O Museu Britânico está do outro lado da praça, a cinco minutos de caminhada. Na mesma direção, mais 15 minutos levam à área de compras da Oxford Street. Do lado oposto fica Holborn, com bares e restaurantes. Chega-se em 15 minutos também à região renovada no entorno das estações de trem e de metrô de King’s Cross e St. Pancras, casa londrina do Eurostar.

Quartos

São 334 acomodações, com tamanhos entre 11 e 68 metros quadrados. Fiquei em uma suíte com vista para a Russell Square. Na primavera e no verão, o verde das folhas das árvores parece invadir o ambiente acolhedor, com decoração sóbria. Na sala, com tapete sobre piso em madeira escura, sofá de dois lugares, poltrona, mesa de centro e televisão, há bonitas edições de Jane Austen e Charles Dickens, máquina de café expresso e minibar. No quarto, a escrivaninha fica entre dois armários com cortinas em vez de portas. Espelhos ajudam a ampliar os ambientes.

O ponto alto é o banheiro em mármore branco, repleto de luz natural e com banheira separada do chuveiro. A Kimpton é inovadora em design de roupões de banho, mas os do Fitzroy são em estilo clássico.

Leia também: O que um roupão de hotel envolve (além do seu corpo)

Gastronomia

O bar Fitz’s é o destaque. Com uma atmosfera extravagante e sexy, o ambiente escuro mistura antiguidades com plumas, sofás confortáveis em veludo com um globo espelhado de discoteca pendurado no teto. Os drinques são bons e servidos lindos copos. O bar é bem concorrido no início da noite, mesmo em dia de semana. Melhor reservar.

A tradicional wine hour da Kimpton acontece no restaurante Neptune, em tons claros de mármore, com bons vinhos e canapés. No dia em que lá estive, o gerente geral do hotel, Paul Walters, estava conversando com os hóspedes e querendo saber a opinião de todo mundo, em um ambiente descontraído.

O restaurante é especializado em frutos do mar e abre para almoço e jantar. Hóspedes também podem tomar o café da manhã ali. Em outro restaurante, o Palm Court, é servido o chá da tarde. Fica em um pátio interno com plantas e uma claraboia em vidro que deixa passar a luz natural. É um ambiente luminoso, que contrasta com as outras áreas do hotel, mais escuras. Há ainda um café em ambiente mais neutro e moderno, o Burr & Co.

Áreas comuns e serviço

Conhecia o edifício de outras idas a Londres, quando entrava no prédio histórico apenas para admirar seu interior. Cada área é mais incrível do que a outra. Há mármore nas imensas colunas, nas paredes, nos pisos em mosaico. O décor combina móveis clássicos com objetos de design, característica da rede, alguns à venda. Não há piscina nem spa. O serviço é informal e gentil, ainda que um pouco confuso nos bares e restaurantes. Estive lá apenas seis meses depois da abertura. Ajustes já devem ter sido feitos.

No Instagram @HotelInspectors, no destaque Londres, há outras imagens do Kimpton Fitzroy, incluindo vídeos.

Leia também

Como é se hospedar no renovado Mandarin Oriental Hyde Park, em Londres

Como é se hospedar no La Réserve, premiado como o melhor hotel de Paris

Hotel Inspectors está no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectors, no Twitter @HotelInspectors e no LinkedIn @HotelInspectors

Novidades na hotelaria novaiorquina

Já tem um tempinho que Nova York entendeu que era preciso inovar para renovar a hotelaria da cidade. Nos últimos cinco anos, diversos hotéis passaram por renovações e super liftings, e vários novos hotéis abriram suas portas na cidade, em distintos cantos.

Uma grande mudança foi a abertura da segunda unidade do grupo Four Seasons na até então mais isolada Downtown em 2016. O Four Seasons New York Downtown contribuiu enormemente para redesenhar a região, que se configura cada vez mais como uma excelente localização de hospedagem para quem quer explorar a cidade tanto em distintos cantos de Manhattan como também em outros distritos e vizinhanças. E o hotel ainda tem um belíssimo spa e uma filial do CUT by Wolfgan Puck.

Hoje, Downtown conta com um clima muito mais gostoso e tipicamente novaiorquino, com excitantes novos bares, novos cafés, novos restaurantes e dois grandes complexos de compras mais upscale, o Brooksfield Place e o mall Westfield, anexo à genial obra de Calatrava, o Oculus – e com muito menos fluxo de turistas que outros cantos da cidade. A região também ganhou diversas novas atrações, como o imperdível One World Observatory e o Museu e Memorial de 11 de setembro. E ganhou também novas opções em hospedagem, como as residências do AKA Wall Street, hotel membro da Preferred Hotels, para quem fica mais tempo na cidade e quer contar com a conveniência de um apartamento completo, com serviço incluído.

Mesmo os hotéis mais clássicos entenderam que é preciso reinventar e se adaptar aos novos tempos e novos perfis de público – principalmente na hotelaria de luxo. Um caso excelente é o do Mandarin Oriental New York que passou por remodelação, mas segue sendo um clássico na cidade – e adicionou aos seus atrativos grandes sacadas, como o genial bar The Aviary, filial da unidade premiada de Chicago. Instalado no 35o andar, oferece pratos e drinks fora do comum (espere malabarismos, cozinha molecular, nitrogênio líquido etc) e vistas panorâmicas para o Central Park.

Detalhe de uma das estrelas do cardápio do The Aviary, no Mandarin Oriental New York. Foto: Mari Campos

Fora de Manhattan, hotéis cada vez mais transados e focados nos millennials e hipsters entenderam que uma bela vista é fundamental para quem explora outros boroughs. Bom exemplo disso são os novos hotéis no Brooklyn e Williamsburg, sempre investindo em rooftop bars e/ou piscinas externas com vista. O belo Equinox Hotel New York, aberto recentemente em Hudson Yards, também entendeu esta máxima rapidinha e acertou imensamente nos janelões dos quartos, no delicioso rooftop e na escandalosa piscina com vista para Manhattan e uma visão privilegiada do The Vessel (que já é, aliás, o monumento mais fotografado de Nova York hoje).

O The Vessel visto do rooftop do Equinox Hotel, em Nova York. Foto: Mari Campos.

Em visita à cidade na semana passada (com apoio do NYCgo e da Copa Airlines), acompanhei pessoalmente a abertura de outros dois novos hotéis de estilos e budgets bem diferentes, e em pontos distintos de Manhattan. Primeiro, o belo Conrad New York Midtown, que abriu suas portas oficialmente no último dia primeiro de setembro. O hotel, que ocupa o edifício do antigo London Hotel, passou por um extreme makeover e reabriu inteiramente reformado.

Os quartos (que incluem sempre cápsulas de café e chás sem custos) ficaram todos espaçosos e elegantes, com cores discretas, e há obras de arte espalhadas por toda a propriedade. As suítes mais caras ficam nos andares mais altos e têm belas vistas para a cidade – como a suíte presidencial, com dois andares e vista para o Central Park. Há bom serviço de conciergerie e atendimento em geral bastante simpático. E o hotel ganha ainda um novo bar e restaurante até o final desta semana; com jeito de brasserie, a ideia do hotel é que o espaço atraia tanto turistas quanto novaiorquinos no almoço e no jantar.

Com foco nos millennials, a Moxy Hotels, marca budget jovem da Marriott Hotels, acaba de abrir no East Village o Moxy East Village, bem em frente ao lendário Webster Hall. Com design do Rockwell Group, o décor das áreas comuns chama a atenção, com homenagens a figuras históricas da música e da região. Os 286 quartos são em sua grande maioria bastante espartanos, com cama e banheiro integrados, inspirados nas cabines de navios – incluindo alguns com beliches. Mas as roupas de cama são de ótima qualidade e os chuveiros também.

Não há coffee/tea facilities nos quartos e água engarrafada custa exorbitantes (para uma propriedade que se diz econômica) 5 dólares a garrafa – mas há café e chá disponíveis gratuitamente no lobby pelas manhãs cedo. Há acesso gratuito à academia e empréstimo de bicicletas. Mas os maiores atrativos do hotel estão mesmo nas áreas sociais: no gostoso Alphabet Bar&Café no lobby, no belo restaurante de cozinha mediterrânea by Jason Hall Cathédrale e no underground lounge Little Sister, que mal abriu e já anda concorrido. O hotel anunciou também que tem planos de abrir um rooftop bar na primavera americana do ano que vem.

Em breve vai dar para ler review completinha destes hotéis clicando aqui.

Utilizei mais uma vez em Nova York os serviços de transporte da Blacklane, principalmente entre Manhattan e o aeroporto JFK. São sempre infalíveis na qualidade (do carro e do motorista) e na pontualidade.

Siga também nossas redes sociais para ficar por dentro de todas elas: Instagram @ HotelInspectors,facebook @HotelInspectors e  Twitter @HotelInspectors.
.