Four Seasons Napa Valley

Trabalho remoto contribui para a recuperação da hotelaria

Hotel office, resort office, room office, anywhere office. Você seguramente já leu e ouviu várias vezes essas expressões nos últimos meses. Afinal, nestes longos mais de treze meses de pandemia, muita gente ainda segue em trabalho remoto. E, graças também a ele, a indústria da hospitalidade – aqui e lá fora – tem conseguido se manter nesses tempos complicados. Sim, o trabalho remoto contribui para a recuperação da hotelaria. 

ACOMPANHE TAMBÉM AS NOVIDADES DO MERCADO HOTELEIRO NO NOSSO INSTAGRAM

Durante a pandemia, muitos profissionais começaram a aproveitar o pretexto do trabalho remoto para eventualmente mudar por alguns dias o seu local de home office, mantendo algum distanciamento social em outro endereço. Afinal, sabemos que não é nada fácil passar 24h por dia no mesmo lugar, com vida profissional e pessoal se misturando o tempo todo.

Assim, lazer e trabalho foram ganhando limites mais tênues e o escritório de casa começou a ser substituído para algumas pessoas por uma casa alugada por uma semana na praia, um chalé na montanha, uma villa isolada, uma pousadinha discreta, um hotel à beira-mar. Desde, é claro, que tenham uma conexão bem potente à internet para que o trabalho possa ser executado sem absolutamente nenhum percalço durante a estadia.

LEIA TAMBÉM: Pandemia pode transformar home office em road office.

.

.

Crédito: Divulgação

Como O trabalho remoto contribui para a recuperação da hotelaria

A tendência do bleisure (mistura de business e leisure) ou das chamadas workcations (mistura de work e vacations) nunca fizeram tanto sentido quanto nesses tempos. E assim, com cada vez mais importância, o trabalho remoto contribui para a recuperação de parte da hotelaria – inclusive aqui no Brasil. 

LEIA TAMBÉM: Os termos do turismo popularizados durante a pandemia.

Diversas famílias com crianças em idade escolar que conseguem flexibilizar o trabalho também já utilizaram o ensino à distância como pretexto para mudar um pouquinho o endereço do seu isolamento social para um imóvel de temporada, pousada ou hotel. Muitos hotéis começaram a investir ainda em julho do ano passado em divulgação com uso do termo hotel schooling

Dados recentes da Abear mostram que em novembro passado o Brasil operou o equivalente a 60% dos voos do mesmo período de 2019. Em destinos como Salvador esses números chegaram a impressionantes 81% no mesmo mês. Muitos hoteleiros, agentes e consultores de viagem atribuem tais índices justamente à “virtualização” do trabalho em muitas empresas e parte das instituições de ensino brasileiras.

LEIA TAMBÉM: 10 hotéis e pousadas no Brasil para praticar turismo de isolamento.

.

.

Aposta bem sucedida em propriedades com diferentes perfis

De hotéis fazenda (como o Dona Carolina, no interior de São Paulo) a resorts (como Royal Palm Plaza, Mavsa Resort, Sofitel Jequitimar, Hotel Fazenda Mazzaropi, Tauá), diversos hotéis e pousadas têm focado cada vez mais nos conceitos de hotel office e hotel schooling para atraírem hóspedes durante a pandemia. Principalmente durante os dias da semana.

Grandes hotéis de luxo também vêm aproveitando a tendência com sucesso, do Palácio Tangará, em São Paulo, ao icônico The Dorchester, em Londres. Alguns resorts de luxo focados em turistas americanos no México e algumas ilhas no Caribe chegaram a oferecer inclusive o serviço de monitores de home schooling como parte das amenidades incluídas nas diárias de hotel office durante a semana.

LEIA TAMBÉM: A curadoria fundamental do agente de viagem na pandemia.

Aqui no Brasil, trabalho e ensino remotos têm sido grandes responsáveis pelas taxas de ocupação de muitas propriedades durante a semana. As estadias prolongadas com foco em hotel office e hotel schooling também têm sido cada vez mais requisitadas por distintos perfis de turistas e profissionais.

Fora do Brasil, o trabalho remoto também contribui para a recuperação da hotelaria em geral desde meados do ano passado. Plataformas especializadas em reservar hotéis por apenas algumas horas fizeram bastante sucesso desde então, como a dayuse.com.

VEJA TAMBÉM: O crescimento das estadias prolongadas em 2020

.

.

Crédito: Accor/Divulgação

Como tem funcionado o conceito de hotel office

Devagarinho, o home office começa a virar eventualmente uma espécie de road office para alguns brasileiros. Afinal, muita gente já vinha mesmo tendo problemas em se adaptar ao home office desde o começo da pandemia, com dificuldades de trabalhar e morar no mesmo endereço.

Ainda em maio de 2020, algumas propriedades em São Paulo começaram a transformar seus quartos ociosos em escritórios que poderiam ser alugados por um dia, semana ou mesmo um mês. Primeiro foi a rede Accor que apostou no conceito de room office em seus hotéis; depois, diversas outras propriedades independentes também começaram a apostar no mesmo modelo de day use dos quartos como escritório, incluindo até o pequeno Guest Urban, em São Paulo.

Mas, sem dúvidas, a possibilidade de migrar de mala e cuia por alguns dias para um outro destino e poder, além de trabalhar e estudar em outro ambiente, aproveitar também benefícios do local em si (muitas vezes sem ter que pensar no que cozinhar para o almoço e o jantar) tem outro sabor. 

LEIA TAMBÉM: Brasileiro dá mais importância à hotelaria.

.

.

Bleisure, Workcation, anywhere office

Em muitas propriedades brasileiras, graças à difusão do conceito de hotel office (ou anywhere office), quartos ganharam nos últimos meses conexões mais potentes à internet e mesas e cadeiras mais confortáveis e eficientes. Afinal, o hóspede agora passará horas sentado ali, trabalhando naquele espaço antes pensado exclusivamente para o lazer.

Até mesmo propriedades que nunca tinham cogitado receber esse tipo de hóspede antes – como a remota Canto do Papagaio, em Aiuruoca, Minas Gerais – se viram obrigadas a fazer modificações estruturais importantes para atender à nova demanda. 

Alguns resorts e grandes hotéis de rede aproveitaram o crescimento da tendência do hotel office para transformar suas salas de eventos, completamente ociosas desde o começo da pandemia. Os espaços foram transformados em estruturas compartilhadas (com o devido distanciamento social, é claro) de trabalho e estudo.  Em muitos casos, com design que segue a tendência dos chamados “co-working” (que já existiam desde muito antes da pandemia), incluindo até mini-bar cortesia com café, água, sucos e lanches.

LEIA TAMBÉM: Como o staycation pode beneficiar a hotelaria durante a pandemia

.

.

Tendência parece ter vindo para ficar 

A indústria da hospitalidade já entendeu que investir em transformações e adaptações para atender a essa nova demanda de hóspedes em busca de espaços para misturar trabalho e lazer é inevitável. A tendência do hotel office parece ter vindo para ficar: muitas grandes corporações já anunciaram que pretendem manter o trabalho remoto ao menos parcialmente para muitos dos seus funcionários após o fim da pandemia.

Hotéis inaugurados durante a pandemia já abriram suas portas com isso em mente. Caso, por exemplo, do Canto do Irerê, em Atibaia, interior de São Paulo, que desde sua abertura tem recebido majoritariamente hóspedes procurando conjugar isolamento, trabalho e lazer no mesmo endereço. 

LEIA TAMBÉM: Escapadas possíveis na pandemia

Prova de que o trabalho remoto também contribui para a recuperação da hotelaria é que, para muitas propriedades brasileiras, investir no hotel office e no hotel schooling gerou aumento de pelo menos 40% nas taxas de ocupação durante a semana. E contribuiu imensamente para as arrecadações durante todo o período, mesmo com as tarifas mais camaradas geralmente praticadas durante a semana.

Além disso, muitas vezes, viajantes que se hospedaram durante a semana em determinada propriedade para praticar hotel office e hotel schooling, variando um pouquinho o cenário do trabalho e do estudo remoto destes tempos, gostam tanto da experiência que acabam voltando semanas ou meses depois em um final de semana. Mas, desta vez, apenas para descansar e curtir os serviços da boa hospitalidade.

LEIA TAMBÉM: Como hotéis estão driblando a crise na pandemia.

.

.

Leia tudo que já publicamos sobre hotelaria em tempos de pandemia.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.


Oito tendências para a hotelaria em 2021

Viramos a página e 2020, o ano mais duro para a história da hotelaria nacional e internacional, ficou felizmente para trás. Mas, mesmo com duas vacinas finalmente aprovadas para uso emergencial no Brasil (yeay!), a gente sabe que a pandemia não acabará como mágica de uma hora para outra. E algumas mudanças vieram mesmo para ficar. Importantes tendências para a hotelaria em 2021 vieram justamente de transformações comportamentais geradas no ano passado – e devem seguir firme nos próximos anos.

Acompanhe as novidades da hotelaria também no instagram HOTEL INSPECTORS!

Em dezembro passado participei mais uma vez da ILTM, o maior e mais importante evento de turismo de luxo do mundo, e ali hoteleiros do mundo todo foram unânimes em ressaltar o efeito das mudanças trazidas pela pandemia nas novas tendências para a hotelaria e o turismo em geral. Falei bastante sobre isso neste meu texto aqui para o Estadão, e nesse meu outro texto para o UOL, ambos publicados ainda no final de 2020. E, se o mundo não é mais o mesmo, é absolutamente natural que o hóspede também não seja.

.

Diferentes soluções possíveis

A pandemia deixou diversos hotéis sem hóspedes por meses a fio no ano passado. Com experiências distintas (variando muito em função das regras locais para contenção da pandemia, é claro), a reabertura desses hotéis veio acompanhada de diferentes soluções possíveis para diferentes tipos de hóspedes. De serviço de delivery de refeições (inclusive café da manhã!) à domicílio aos chamados room offices, vimos muita coisa nova sendo implementada nos hotéis ao longo de 2020.

LEIA MAIS: Como hotéis estão driblando a crise durante a pandemia

Hotéis se engajaram mais do que nunca em prol de suas comunidades. O conceito de sustentabilidade na hotelaria foi felizmente mais difundido do que nunca. Soluções antes disponíveis apenas para hóspedes tornaram-se possíveis para uma gama muito maior de potenciais clientes para diversas propriedades.

Muita gente viu, justamente durante a pandemia, surgir a chance de poder finalmente acessar de alguma maneira serviços de hotéis nos quais sempre sonhou em se hospedar. Outros descobriram o prazer de se hospedar em bons hotéis em sua própria cidade, mesmo “sem viajar”, mudando de ares e renovando energias. E o conceito de “revenge travel” finalmente está migrando do hemisfério norte para cá e pode impulsionar muitas viagens neste ano.

SAIBA MAIS: O que é Revenge Travel?

Conversei com diferentes especialistas no setor sobre todas essas transformações, o que veio para ficar e o que ainda deve vir por aí para hotéis e pousadas. E listo aqui oito tendências importantes para a hotelaria em 2021.

.

Oito tendências para a hotelaria em 2021

1) Menos contato, mas mais foco no lado humano

Adotar cada vez mais tecnologias contacless, uma necessidade trazida pela pandemia, causa estranhamento e desconforto à maioria dos hoteleiros. Afinal, a indústria da hospitalidade sempre foi construída por interações pessoais essencialmente. Mas muitas redes e propriedades independentes estão mostrando que é possível encontrar o equilíbrio, sim.

Entram em cena quiosques e aplicativos para check-in virtual, QR codes para as refeições, chats para demanda de serviços e até entrada keyless nos quartos. A hotelaria de luxo, que em geral já investia pesado em tecnologias, adaptou-se de maneira muito rápida.

Mas o elemento humano segue mais presente do que nunca na interação e na entrega dos serviços. Priorizar a criação de experiências inesquecíveis e o envolvimento com o destino e as comunidades locais é fundamental em tempos de distanciamento social. “As pessoas darão cada vez mais importância para um mundo realmente mais humano”, defende Simon Mayle, diretor de eventos da ILTM (International Luxury Market).

Pequenos hotéis independentes e pousadas, tão acostumados a essa necessidade humana atrelada à hospitalidade, se adaptaram mais rapidamente nesse quesito. Simone Scorsato, diretora da BLTA (Brazil Luxury Travel Association), concorda:  “Veremos também a maior humanização de serviços e a valorização das relações pessoais entre locais e visitantes”, diz. 

LEIA TAMBÉM: A força dos pequenos na hotelaria.

.

2) Sustentabilidade real

A pandemia mostrou como ações e reações, mesmo as mais simples e corriqueiras, estão interconectadas inegavelmente no mundo todo. E cada vez mais viajantes estão conscientes sobre essas conexões, entendendo que sustentabilidade no turismo é uma necessidade imediata.

Muitos hoteleiros estão compreendendo, enfim, que sustentabilidade na hotelaria vai MUITO além dos avisos nos banheiros pedindo para os hóspedes reutilizarem suas toalhas. “O viajante será cada vez mais consciente, entendendo que sustentabilidade em turismo é também saber como hotéis e prestadores cuidam do meio ambiente, mas também saber se ajudam suas comunidades, como ajudam, se contratam pessoas da comunidade etc”, afirma Simon Mayle.  Hotéis que não investirem em ações e condutas sustentáveis definitivamente ficarão para trás. 

LEIA MAIS: Sustentabilidade na hotelaria

.

3) Novos usos para antigos espaços 

As mudanças de comportamento dos hóspedes e restrições trazidas pela pandemia também geraram transformações físicas importantes nos hotéis. Dentre as importantes tendências para a hotelaria em 2021 estão os novos usos dados para espaços já existentes nos hotéis. 

A adaptação de propriedades aos novos tempos incluiram, por exemplo, remodelar quartos para criar ambientes confortáveis para a prática de home office (mesmo investir no conceito de road office), inclusive em resorts antes focados exclusivamente no lazer. Estruturas para convenções, inutilizadas em tempos de distanciamento social e ausência de grandes eventos corporativos, foram transformadas com sucesso em estruturas para home office e homeschooling em diversos hotéis (inclusive em hotéis fazenda no interior de São Paulo). 

VEJA TAMBÉM: Oito pousadas para escapar no final de semana.

Lobbies perderam sua função social, mas muitas propriedades adaptaram também seus espaços para criar mais oferta interna de mesas ao ar livre na hora das refeições. Outras criaram estruturas externas para que seus restaurantes possam trabalhar com delivery para não hóspedes, o que tem feito a diferença para vários hotéis.

Até mesmo o tradicionalíssimo Ritz Paris criou um corner para vender pâtisseries para não hóspedes em sua fachada – que fez um imenso sucesso. “Em Amsterdã vários restaurantes queridinhos da cidade estão abrindo com sucesso versões temporárias dentro de hotéis para sobreviver mesmo em tempos de lockdown“, conta Erik Sadao, especialista em mercado de luxo e fundador da Sapiens Travel. Hotéis e restaurantes estão felizes com esses novos ajustes.

SAIBA MAIS: A evolução dos hotéis na pandemia

.

4) Estadias cada vez mais longas

As chamadas “extended stays” (estadias prolongadas) ganharam de vez a preferência de muitos hóspedes. E a expectativa é que essa mudança de hábito perdure também depois do fim da pandemia. Afinal, muitos viajantes descobriram, enfim, o prazer de curtir um hotel por mais tempo, sem correria, com segurança.

Estadias prolongadas aumentaram até 300% em 2020 em algumas propriedades, desde pousadas brasileiras até hotéis de grandes redes de luxo, como Four Seasons (que viu seu filão das Private Retreats fazer mais sucesso do que nunca, inclusive entre millennials). 

“Veremos um crescimento ainda maior do slow travel“, afirma Simone Scorsato. “As viagens em 2021 serão mais longas e mais tranquilas, as estadias em um mesmo hotel serão mais demoradas, e as pessoas tentarão sempre aproveitar ao máximo cada experiência fora de casa”. 

LEIA TAMBÉM: O crescimento das estadias prolongadas em 2020.

.

5) Mais customização de serviços

Durante a ILTM World Tour, em dezembro passado, hoteleiros foram unânimes em afirmar que o foco dos hotéis em 2021 será mais do que nunca centrado no hóspede. Personalização e customização no atendimento são moedas essenciais.

Por isso mesmo, uma das tendências para a hotelaria em 2021 é ampliar ao máximo o contato direto com os viajantes, mesmo com total distanciamento físico – antes, durante e depois da hospedagem. “Através da personalização do atendimento conseguimos garantir que hóspedes relaxem e realmente aproveitem suas estadias durante a pandemia”, afirma Helen Smith, gerente de experiências do cliente na Dorchester Collection.

Não à toa, alguns hotéis criaram novos cargos, novos departamentos e até projetos específicos (como o The Wishmaker, dos hotéis Cheval Blanc) para garantir essa personalização constante dos serviços. E muitas pousadas brasileiras intensificaram ainda mais essa vocação para a customização em seu atendimento. 

LEIA TAMBÉM: Como a hotelaria redesenhou cargos e funções durante a pandemia

.

6) Maior uso dos espaços abertos 

Pela segurança em tempos de pandemia, nós todos temos buscado mais experiências ao ar livre em nosso dia-a-dia. E isso obviamente não será diferente nas nossas estadias em hotéis e pousadas. O próprio conceito do turismo de isolamento pegou de vez e muitos resorts que trabalham com baixa ocupação estão tirando bom proveito disso.

VEJA TAMBÉM: Seis resorts urbanos no Brasil

Hoje em dia, quase todo hóspede busca cada vez mais a garantia de atividades ao ar livre e contato com a natureza, mesmo em propriedades urbanas, nas viagens durante a pandemia. “A procura por acomodações estilo villa também deve aumentar”, diz Simon Mayle. 

A possibilidade de fazer suas refeições – inclusive o café da manhã! – ao ar livre também vira requisito importante na hora da escolha do hotel. E o bem-estar em geral passa a ser, mais do que nunca, uma grande motivação para as viagens e escapadas da pandemia. “Os viajantes cuidarão do seu bem-estar de uma maneira mais holística, pensando em saúde de corpo, mente e espírito”, destaca Simon Mayle.  A própria dinâmica dos spas dos hotéis mais tradicionais já começa a mudar para atender esse novo movimento de parte dos hóspedes. 

LEIA TAMBÉM: 10 hotéis para fazer turismo de isolamento no Brasil

.

7) Foco no local: a vez das staycations

Em época de tantas fronteiras ainda fechadas e do turismo doméstico fortalecido, apostar em um approach com alvo mais geograficamente definido faz sentido. Tem sido inclusive crucial nos índices de ocupação para os hotéis que realmente apostaram nas staycations

Mesmo com as restrições para o turismo, as pessoas querem sair de casa, variar os horizontes, equilibrar as energias. E a saída por estar muitas vezes em um hotel a quinze minutos da nossa casa. Com tantas restrições às viagens e tanta gente em home office, podendo trabalhar remotamente de qualquer lugar, cada vez mais turistas descobrem os benefícios de se hospedar em um hotel na sua própria cidade. 

Muitos hotéis do Rio de Janeiro começaram a focar bastante nos próprios cariocas em suas reaberturas, criando ofertas exclusivas para staycations. Agora vários hotéis em São Paulo, em Belo Horizonte e em Curitiba também começam a apostar nessa tendência. As apostas incluem ampliação de serviços em gastronomia e criação de maior infra-estrutura para o hóspede que vai mesclar trabalho e lazer durante sua staycation.

LEIA TAMBÉM: Revolução cultural na hotelaria durante a pandemia.

.

8) Segurança, segurança, segurança

Confiança é, sem dúvidas, o novo luxo. Em tempos de pandemia, as pessoas continuam querendo viajar – mas querem segurança, confiança e serviços personalizados. Algumas marcas hoteleiras mudaram inclusive seu approach de marketing durante a pandemia para se adaptar a essa nova realidade. 

Caso, por exemplo, dos hotéis Shangri-La, que adotaram a hashtag #shangrilacares para focar mais do que nunca no lado humano da marca nas mídias sociais. Com o slogan “Your well-being in our care”, enfatizaram práticas de distanciamento social do staff e equipamentos de segurança em muitos dos materiais produzidos, deixando claro a segurança de suas instalações e propriedades.  A Dorchester Collection também apostou neste foco mais humano e adotou o slogan “when you’re ready, we’ll be waiting”, investindo em empatia, segurança e comprometimento.

Vale lembrar que o foco cada vez maior em segurança não deverá ficar restrito à segurança sanitária para os hotéis. O hóspede, em um cenário mundial de constante incerteza, quer garantir que se sentirá seguro do planejamento ao retorno da viagem. “As boas políticas de cancelamento e reembolso em geral serão cada vez mais valorizadas na hora de escolher um produto ou serviço”, afirma Simone Scorsato.

LEIA TAMBÉM: Turismo de luxo segue firme na pandemia.

.

.

.

Leia tudo que já publicamos sobre hotelaria em tempos de pandemia.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.


O crescimento das estadias prolongadas em 2020

Desde abril passado, quando o mundo todo já tinha entendido que estávamos vivendo uma pandemia e tantas fronteiras permaneciam fechadas em todo o planeta, muitos hoteleiros começaram a ver inesperadamente o crescimento das estadias prolongadas. Hóspedes buscando nos mais diversos destinos acomodação não por duas ou três noites, mas sim por duas semanas, um mês e até dois meses se tornaram cada vez mais frequentes. 

Acompanhe mais notícias da hotelaria no nosso Instagram.

O crescimento das estadias prolongadas (as chamadas long stays/extended stays) em parte da hotelaria em 2020 tem sido uma ferramenta importantíssima na recuperação do setor nestes tempos de pandemia. Em comum, a maioria destes hóspedes vem de cidades grandes e busca alternativas com maior espaço ao ar livre e maior conexão com a natureza para se manter socialmente distanciado em um endereço fora de seu próprio domicílio. 

Algumas propriedades chegaram a notificar um crescimento de até 300% na procura por estas estadias prolongadas neste ano, sobretudo em hotéis e pousadas à beira-mar ou rodeados por montanhas, desde o começo da pandemia.

Acomodações em estilo villa e chalés estão se tornando cada vez mais disputadas (como já comentamos em textos anteriores por aqui) pela privacidade e isolamento que naturalmente oferecem. Mas diversas propriedades têm visto também com frequência – graças a tantos profissionais em home office por tempo indeterminado e tantas crianças e adolescentes em EAD – famílias inteiras ocupando de dois a cinco quartos de uma vez em um mesmo hotel. 

LEIA TAMBÉM: Pandemia pode transformar o home office em road office.

.

Provence Cottage. Foto: Mari Campos

Um novo perfil de hóspede para as estadias prolongadas

Há gente planejando fazer quarentenas voluntárias em um destino diferente do seu e há gente também que, ao invés de planejar muitas pequenas viagens diferentes como fazia antigamente, passou a optar por apenas uma escapada – um único destino, mas por muito mais tempo. 

Propriedades em diferentes países estão apostando neste mercado. Alguns destinos nos EUA e na Espanha, por exemplo, começaram a oferecer pacotes de estadia baseados em pelo menos um mês de hospedagem ainda no primeiro semestre. O movimento foi tão significativo em alguns destinos que há hotéis fazendo mudanças estruturais para conseguir atender esses hóspedes. 

Afinal, muitas propriedades econômicas, por exemplo, acostumadas a receber hóspedes “de passagem” por uma ou duas noites, sequer tinham itens como guarda-roupas, mesas e cadeiras nas acomodações; em pouco tempo, se viram obrigados a transformar seus quartos para acomodar adequadamente os hóspedes com estadias prolongadas que não paravam de chegar. 

E os casos são geralmente muito bem sucedidos. Os hotéis HomeTowne Studios (antigos Red Roof), por exemplo, investiram pesado neste modelo e sua performance em tempos de Covid já se compara em números a 2019, com mais de 80% de ocupação média neste ano. Mesmo que as tarifas praticadas sejam menores, os hóspedes estão ficando por mais tempo, o que tem equilibrado as finanças de muitos hotéis. 

Leia também: A evolução dos hotéis durante a pandemia.

.

Foto: Four Seasons Image Library

Um conceito de hospedagem criado há 35 anos

O conceito de estadia prolongada (extended-stay) teria sido criado há cerca de 35 anos por Jack DeBoer e Robert L. Brock, fundadores da rede Residence Inn. A marca deu tão certo que hoje é parte da Marriott International.  Já nos anos 2000, o próprio DeBoer criou uma nova rede similar, mas ainda mais econômica: a Value Place. Anos depois, mudou o nome da rede para WoodSpring Suites para vende-la para a Choice Hotels International há dois anos. 

A Choice Hotels também tem um excelente histórico de redes focadas em estadias prolongadas, como MainStay Suites e Suburban, e agora está lançando mais uma marca, a Everhome Suites, que já vem sendo muito bem recebida pelo mercado. 

Além dos índices satisfatórios de ocupação, muitos hotéis que investiram mais em extended-stays viram também queda nos custos operacionais ao cortar os bufês de café da manhã e diminuir a frequência do serviço de camareira como medidas de segurança na pandemia.

Muitas redes estão usando também estes duros meses de 2020 para reavaliar que padrões e amenidades devem mesmo manter quando a pandemia estiver sob controle. 

LEIA TAMBÉM: A revolução cultural na hotelaria em 2020.

Diversos hóspedes também reavaliaram suas prioridades ao escolher uma acomodação na pandemia e passaram também a considerar cozinhas como uma amenidade muito importante. Hoje, investidores do setor hoteleiro também já consideram acomodações com pequenas cozinhas as melhores alternativas de investimento nestes tempos. 

.

Anantara Veli. Foto Divulgação.

O crescimento das estadias prolongadas em 2020 também no mercado de luxo

No começo da pandemia, muitos dos hóspedes procurando estadias prolongadas eram trabalhadores essenciais da saúde, logística e construção. Em pouco tempo, a hotelaria de luxo começou a ver também famílias inteiras buscando estadias prolongadas em hotéis e villas nas Maldivas (destino que, aliás, segue sendo um verdadeiro case de sucesso neste 2020, tema que abordarei em uma próxima coluna). 

A coisa foi levada tão a sério nas Maldivas – testemunhando celebridades se mudando praticamente de mala e cuia para lá, por meses a fio – que o resort Anantara Veli achou por bem criar um pacote de estadia ilimitada por até 365 dias consecutivos.

LEIA MAIS sobre hotelaria nas Maldivas aqui.

Misty Belles, diretora de relações públicas da Virtuoso, disse recentemente que o comportamento do viajante de luxo realmente mudou e a tendência atual são viagens com semanas de duração. Com tanta gente trabalhando remotamente e sem a necessidade de as crianças voltarem para a escola em muitos países, tempo virou o verdadeiro luxo. 

O grupo Auberge Resorts, que possui 19 propriedades focadas no mercado upscale e de luxo, teve dezenas de reservas de estadia prolongada neste outono do hemisfério norte – contra apenas uma no mesmo período do ano passado. 

O Eden Roc Cap Cana, na República Dominicana, foi ainda mais longe no seu programa de estadia prolongada para famílias: a reserva de uma suíte de dois quartos com vista para o mar inclui todas as refeições, uso de escritório para trabalho e atividades ilimitadas para crianças, de aulas de culinária e esportes a aulas de idiomas e instrumentos. 

Os hotéis Hyatt Ziva e Hyatt Zilara, no Caribe, também criaram programas de extended-stay focados em hóspedes que trabalharão remotamente. Os pacotes para quem se hospedar por pelo menos duas semanas incluem estações de trabalho, suporte de TI, serviços educacionais e recreativos para as crianças e até personal trainer três vezes por semana e serviço de lavanderia gratuita. 

Pequenos hotéis e pousadas no Brasil passaram a oferecer a possibilidade de serem reservados por inteiro por um determinado grupo ou família. Mesmo redes hoteleiras tradicionais, como Four Seasons, deram ainda mais prioridade aos seus serviços de villas e residences (com serviço completo) para as estadias prolongadas neste 2020.

LEIA TAMBÉM: O futuro do turismo de luxo no Brasil.

.

Foto: Four Seasons/ Divulgação

Crescimento das estadias prolongadas deve seguir em 2021

Ainda assim, vale lembrar: embora a indústria hoteleira esteja testemunhando um crescimento sem precedentes das estadias prolongadas neste 2020, este tipo de acomodação ainda representa apenas 5% da ocupação geral dos hotéis e pousadas. Mas especialistas do setor acreditam que esse número deve crescer ainda mais nos próximos meses, com tantas empresas anunciando que não devem voltar ao trabalho presencial pelo menos até 2022. E mais: alguns acreditam que hóspedes que optem pela estadia prolongada durante a pandemia podem acabar reservando mais extended stays no futuro. 

.

.

.

Leia tudo que já publicamos sobre hotelaria em tempos de pandemia.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.