A evolução dos hotéis durante a pandemia

Que 2020 foi um ano de crise sem precedentes para a hotelaria e toda a indústria turística nacional e internacional nós já sabemos. O desaparecimento dos hóspedes e hotéis fechados em março ao processo de reabertura de propriedades e destinos neste segundo semestre, passamos por um sem fim de protocolos, ajustes e transformações não apenas para adequação aos novos tempos como também de muita criatividade para tentar driblar a crise. E, no processo, houve uma incrível evolução dos hotéis durante a pandemia. 

Acompanhe também nosso Instagram

Afinal, com muita cautela, hotéis precisaram este ano não apenas adaptar-se aos novos protocolos de higiene e segurança desenvolvidos pela indústria, como também flexibilizar-se diante das novas expectativas dos viajantes.

LEIA AQUI: Como é a reabertura de um hotel na pandemia

.

A tendência do isolamento

A popularização do termo turismo de isolamento, por exemplo, impulsionou nestes dois últimos meses a procura por propriedades que garantam distanciamento entre hóspedes que realmente não querem ter contato frequente com outras pessoas – e, sobretudo, hotéis rodeados de natureza.

Já contei aqui na coluna que os lodges na Amazônia brasileira finalmente estão vendo crescimento significativo no número de hóspedes domésticos (e finalmente também estão direcionando seus esforços de comunicação e divulgação a eles). Na Europa, essa mesma tendência provocou um avanço do turismo rural em países como Itália, Espanha e França neste último verão do velho continente que já passa dos 40%.

LEIA TAMBÉM: Os desafios da hotelaria na Amazônia durante a pandemia

A onda do staycation também vem “salvando” propriedades urbanas em grandes cidades aqui e lá fora. Hotéis na orla do Rio de Janeiro, por exemplo, têm investido bastante na ideia de que vale a pena mudar de bairro na sua própria cidade para viver uma nova experiência em viagem e recarregar energias com vistas deslumbrantes da capital carioca e bom serviço – sobretudo enquanto viagens de longa distância ainda são consideradas arriscadas pela maioria dos viajantes (ou mesmo impossíveis atualmente para os brasileiros, dependendo do destino).

LEIA TAMBÉM: 10 hotéis no Brasil para fazer turismo de isolamento.

.

Foto: Shangri-La Istanbul at Bosphorus

Novas funções

A evolução da hotelaria na pandemia trouxe novidades antes consideradas impensáveis que podem ter vindo, de fato, para ficar. Se parte do mercado demitiu muitos funcionários no começo da pandemia, a reabertura vem forçando algumas dessas propriedades a recontratar pessoal para se adaptar adequadamente às exigências para reabertura, como novos formatos de serviço de café da manhã etc.

LEIA TAMBÉM: Como a hotelaria está redesenhando empregos na pandemia

E a hotelaria de luxo segue criando inclusive novas funções para o mercado – vide o interessante exemplo do Shangri-La Istanbul at Bosphorus, que criou o primeiro “mordomo de Baklava” do mundo, dedicado exclusivamente a servir de maneira pomposa a clássica sobremesa acompanhada de sorvete (que passou a ser ofertada a todos os hóspedes do hotel). 

.

NOVOS USOS PARA ESPAÇOS ANTIGOS

Outras propriedades passaram a criar novos usos para seus espaços de negócios (que ainda devem ficar ociosos por muito tempo, dados os prognósticos para este setor), como estruturas para home office e school office (como já contei aqui). Ou mesmo para exibições privadas de disputadas partidas esportivas televisionadas (de futebol, por exemplo) para pequenos grupos, com serviço dedicado de alimentação e bebidas (exemplo do Shangri-La Toronto que começa a chegar a alguns hotéis em São Paulo e Londres). 

LEIA TAMBÉM: Como hotéis estão driblando a crise na pandemia.

Depois da bem sucedida onda dos “room offices” – termo desenvolvido pela Accor mas já adotado por inúmeras outras propriedades, de rede ou independentes, que transformaram parte de seus quartos em escritórios para uso diário como workplaces -, tem hotéis convertendo quartos em academias privativas.

É o caso, por exemplo, dos hotéis da marca Westin, que transformaram alguns de seus quartos e suítes em salas fitness de uso privado, com equipamento personalizado e esterilizado – e que ainda permitem também a contratação por hora de um personal trainer para quem desejar (além, é claro, de banheiro completo e exclusivo para a ducha pós treino). 

A Meliá International criou nos Estados Unidos uma estratégia digital chamada BeDigital360 com a premissa de se aproximar do hóspede e criar novas experiências diversas dentro do hotel. O foco são clientes que morem em um raio de até 200km da propriedade, mesmo que não fiquem hospedados. Quartos para serem usados como escritórios ou academias durante o dia, ou mesmo experiências gastronômicas ou de day use estão entre as possibilidades oferecidas pelo serviço. 

.

Alimentos e bebidas na dianteira

O setor de Alimentos & Bebidas, como já comentei aqui há algumas semanas, tem sido um dos grandes ativos da hotelaria na recuperação do setor desde o começo dos processos de reabertura. Hotéis estão se esforçando não apenas para criar opções gastronômicas para levar visitantes a seus restaurantes como – e principalmente – criando opções sedutoras para que o hóspede da casa se sinta seguro para fazer todas as suas refeições ali mesmo. 

LEIA MAIS: Como Alimentos e Bebidas vêm ajudando a recuperação hoteleira na pandemia

A estratégia tem dado certo em grandes cidades brasileiras e também no exterior, sobretudo em destinos com toques de recolher ou limitações de horários de funcionamento permitidos para bares e restaurantes, como cidades na França, Itália ou Espanha.

Vale destaque o exemplo do The Balmoral de Edimburgo, na Escócia, parte da RoccoForte Hotels, que criou o The Curfew Club (algo como “clube do toque de recolher”), com experiências diversas disponíveis apenas após das dez da noite. As experiências incluem, por exemplo, um “tour” por uma seleção de uísques do bar Scotch (que conta com mais de 500 rótulos) servida diretamente no quarto e com degustação conduzida pelo “Whisky Ambassador” do hotel. Ou uma aula de mixologia para criar seus próprios coquetéis madrugada adentro, em sua suíte. 

A inovação também está levando os caprichados restaurantes de hotéis de luxo a investirem pela primeira vez em serviços de delivery. É o caso, por exemplo, do Hotel Unique, em São Paulo. Membro da Preferred Hotels, seu badalado restaurante SKYE lançou o STAAR @SKYE, serviço de entrega dos pratos e drinks do seu menu através do aplicativo iFood.  

Mais do que nunca, a evolução da hotelaria na pandemia mostrou que o mercado precisa ficar atento tanto às transformações do planeta como às transformações dos próprios hóspedes (estilos, prioridades, necessidades, focos) neste processo para evoluir de fato junto com eles.

LEIA TAMBÉM: Revolução cultural na hotelaria em tempos de coronavírus.

.

.

.

Leia tudo que já publicamos sobre hotelaria em tempos de pandemia.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

Published by

Mari Campos

Mari Campos (@maricampos) é jornalista formada e premiada nacional e internacionalmente. Viajante de toda a vida, escreve desde 2004 sobre turismo e hotelaria de luxo para os principais jornais, revistas e sites do Brasil, além de colaborar com revistas e jornais de outros seis países. É também consultora para a indústria da hospitalidade e foi eleita em 2020 pelo ranking Panrotas+Elo uma das 100 pessoas mais influentes do turismo no Brasil. Além da coluna aqui no Panrotas, é colunista fixa no jornal O Estado de S.Paulo, tem três livros de viagem publicados pela Verus/Record e comanda também desde 2007 o MariCampos.com. Seu instagram @MARICAMPOS foi eleito pelo Kayak um dos dez melhores perfis de viagem do Brasil. Praticante do turismo responsável e regenerativo, põe atenção nos mínimos detalhes de cada hospedagem e acredita que, sim, uma boa cama, uma bela vista e, principalmente, um serviço caprichado podem tornar qualquer viagem ainda melhor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *