Indústria de Eventos 2: Brasil

O estudo da ICCA – International Congress & Convention Association, “A Modern History of International Association Meetings” foi alvo de um post aqui no blog semana passada INDÚSTRIA DE EVENTOS. Vamos agora dar uma olhada no crescimento do Brasil nesse cenário, que ao lado da China apresentou um dos maiores índices de crescimento.

A América Latina saiu de 4,2% do total de eventos realizados em 1963 para 10% em 2012. Veja abaixo o market-share atual dos continentes:

Europa: 54%

Ásia: 18,2%

América Norte: 12%

América Latina: 10%

África: 3,3%

Oceania: 2,5%

Cabe destacar, que os eventos latinoamericanos também aumentaram em quantidade, representavam menos de 1% dos eventos mundias e hoje chegam a 4%.

No início dos anos 60, o Brasil realizava em média 15 eventos a cada cinco anos, atualmente, realiza quase mil eventos a cada cinco anos. Isso significa sair de um market-share de 0,8% para 2,8% e também receber a cada cinco anos cerca de 536 mi turistas estrangeiros para participar de eventos internacionais pelo critério da ICCA.Um olhar mais detalhado para os últimos 10 anos, mostra a evolução do número de eventos que o Brasil recebeu, veja no link: EVENTOS ICCA BRASIL

Muitos desafios pela frente. Creio que o fato de recebermos os grandes eventos esportivos em 2014 e 2016 devem ser motivo de muita ação para mostrar a capacidade de receber e realizar eventos com profissionalismo. Lembrando que poderíamos estar recebendo muito mais eventos, em muitas cidades brasileiras, e para isso é preciso um trabalho focado e direcionado para as entidades de classe mundiais, instituições e organizadores de eventos espalhados pelo planeta.

Published by

Jeanine Pires

Professora e empresária, tem 19 anos de experiência em turismo e eventos. Diretora da Pires & Associados e da MATCHER Travel Business.Suas principais atividades são a realização de Planos de Marketing de Destinos Turísticos e palestras no Brasil e no exterior. Presidiu a EMBRATUR de 2006 a 2010, onde também foi Diretora de Turismo de Negócios e Eventos. Liderou o trabalho de promoção do Brasil como destino turístico no exterior, os programas de captação de eventos internacionais e a agenda de promoção do Brasil de 2003 a 2010. Participou da elaboração do Plano Aquarela - Marketing Turístico Internacional do Brasil em 2005 e também coordenou sua versão para 2020. Nos Convention & Visitors Bureaux de Maceió e Recife como diretora executiva, desenvolveu os programas de marketing de lazer e eventos para aquelas cidades entre 1997 a 2002. Esse blog reflete opiniões pessoais e não tem qualquer vínculo institucional

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *