A Parada que movimenta

Parada LGBT em São paulo movimenta turismo e economia (Foto: Miguel Schincariol)

3 milhões de pessoas em um único evento, 19 trios elétricos, taxa de ocupação de 90% na rede hoteleira localizada no centro da cidade e estimativa de movimentação econômica de R$45 milhões, segundo a prefeitura. Estes são os números que resultam da 21ª Parada do Orgulho LGBT, promovida pela prefeitura de São Paulo e realizada no último domingo, na Avenida Paulista.

Ainda de acordo com a Prefeitura de São paulo, aproximadamente 600 mil participantes do evento vieram de cidades vizinhas, outros estados e outros países.

É constatada a contribuição de grandes eventos para o turismo e para as diversas áreas econômicas envolvidas. O planejamento e a divulgação também exercem um papel indispensável, fazendo com que o evento cresça a cada edição: em 2016, a Parada do Orgulho LGBT em São Paulo reuniu pouco mais de 2 milhões de pessoas. De acordo com o ministério de Turismo, os turistas LGBT representam 10% dos viajantes no mundo.

É substancial para o nosso setor que eventos voltados a públicos específicos constem no calendário de planejamento de qualquer destino. Entretanto, o marketing de eventos não se limita apenas à idealização e realização: entender o público a que se destina e aprimorar as atividades do evento para que ele atraia o maior número de pessoas também são estratégias de ouro.

A Parada é um forte exemplo da relevância das datas do calendário sazonal, eventos e festas populares para nossa economia e para o desenvolvimento do setor. É assunto que merece atenção. Seguimos acompanhando.

Published by

Jeanine Pires

Professora e empresária, tem 19 anos de experiência em turismo e eventos. Diretora da Pires & Associados e da MATCHER Travel Business.Suas principais atividades são a realização de Planos de Marketing de Destinos Turísticos e palestras no Brasil e no exterior. Presidiu a EMBRATUR de 2006 a 2010, onde também foi Diretora de Turismo de Negócios e Eventos. Liderou o trabalho de promoção do Brasil como destino turístico no exterior, os programas de captação de eventos internacionais e a agenda de promoção do Brasil de 2003 a 2010. Participou da elaboração do Plano Aquarela - Marketing Turístico Internacional do Brasil em 2005 e também coordenou sua versão para 2020. Nos Convention & Visitors Bureaux de Maceió e Recife como diretora executiva, desenvolveu os programas de marketing de lazer e eventos para aquelas cidades entre 1997 a 2002. Esse blog reflete opiniões pessoais e não tem qualquer vínculo institucional

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *