Dólar e viagens

O cenário internacional vem provocando uma alta da moeda americana que tem impactos em diversos setores da economia, inclusive o nosso.

Nos últimos três meses, o dólar saiu de R$ 3,2 para quase R$ 3,60. Somamos aqui o cenário nacional de uma situação econômica qua ainda não conseguiu superar índices conforme esperado, e o mundo vivenciando recentemente a decisão dos EUA de deixar o acordo nuclear com o Irã.

O petróleo, produto de alto impacto no custo da aviação civil cresceu 54% nos últimos 12 meses, já provocando prejuízos e preocupações entre as empresas aéreas e, consequentemente nos valores das viagens.

Aqui no Brasil, o ano de 2017 apresentou alta de 31% nos gastos dos brasileiros no exterior, e queda dos gastos dos estrangeiros no Brasil (3,5%). Em 2018, o ano começou com a tendência de aumento dos gastos e uma confiança maior do consumidor que influencia as viagens.

Até março de 2018 os gastos dos brasileiros no exterior aumentaram 10% e os dos estrangeiros no Brasil quase 5%. O novo cenário global e o ano de eleições mostra projeções de aumento da moeda, sem perspectivas de diminuição a médio prazo.

Um ingrediente recente e importante, desvalorização do peso argentino pode ajudar a levar brasileiros para lá, e como vai impactar a vinda de argentinos ? Nosso maior mercado,  responsável por 35% dos visitantes ao Brasil?

Resta acompanhar, e orientar os clientes para realizar viagens com dicas de como usar as moedas estrangeiras.

 

 

Nacional e Internacional se completam

Entendo que não precisamos, como país ou destinos, fazer escolhas entre o mercado nacional e internacional na atração de visitantes.

Se for o caso do destino ter conexões ou servir a mercados no Brasil e no exterior (e isso precisa estar baseado em critérios técnicos), entendo um balanço entre esses mercados emissores. Já aqui falamos sobre qualidade e quantidade de turistas.

No caso do nacional, imenso país com mais de 100 milhões de viagens realizadas, além de aumentar o volume, trata-se de grande oportunidade de conhecimento do país e ainda de diversificar as opções de experiências. Aqui, provavelmente temos número de pessoas mas ainda precisamos aumentar seus gastos; como ? Com mais produtos que atendam a um visitante mais experiente, que já esteve em muitos lugares e quer encontrar qualidade de serviços e atividades que proporcionem uma visita dinâmica.

Quando falamos dos emissores internacionais ao Brasil, claro que olhamos para o lado, os sul-americanos estão perto, cada vez mais conectados a novos destinos no Brasil e ainda significam o maior volume para o Brasil. Seus gastos? Também precisam aumentar, e a responsabilidade é nossa, de ampliar a oferta. Super significativo é o gasto de europeus, nosso segundo mercado em termos de região, cada vez melhor conectado (vide Fortaleza e Recife); o foco aqui, sempre pensando em aumentar o número, é na permanência um pouco mais pela distância e capacidade de gastos. Nossa “lacuna”? Ainda não oferecemos a esses clientes a infraestrutura geral e, sobretudo, as experiências que procuram (com a cara do Brasil) em sua maioria sol, praia, natureza, aventura e cultura.

Pense nisso e compartilhe conosco suas estratégias. Veja ainda planos da Azul.

WTM Latin America eu vou

WTM é sinônimo de negócios.

A feira que tem diversas edições pelo mundo e começou no Brasil há 6 anos entra na sua edição 2018 com oportunidades que eu gostaria de comentar.
A Panrotas tem diversas informações importantes sobre oportunidades de relacionamento como os Speed Networking Sessions ou ainda as oportunidades de contatos com influenciadores digitais ou a nova agenda do corporativo.
Sem mencionar a agenda de super interessantes palestras e seminários. Ou a lista de produtos participantes.
Meu comentário vai para a validade de participar do evento e o que o faz importante para os negócios, a agenda pré organizada e os pares que estarão por lá e que podem fortalecer relações já existentes ou ainda gerar novos negócios.
É para isso que vamos a um evento BtoB e as oportunidades:
1. Apresentar novos produtos
2. Reforçar relações comerciais
3. Atualizar informações sobre profissionais no mercado
4. Gerar novos contatos de vários lugares do mundo
5. Encontrar profissionais inovadores e que podem gerar novas oportunidades

E isso, de agenda já organizada vamos acompanhando.

PIB do turismo no Brasil 2017 e 2018

Já comentamos aqui que o número de turistas de um país deve ser grande, mas que se vier acompanhado de um gasto significativo e com a geração de empregos certamente trará mais contribuição para o desenvolvimento local. O Brasil é a 11a. economia do turismo no mundo em termos absolutos, ou seja, representa uma fatia importante do setor.

O WTTC – World Travel & Tourism Council publicou essa semana os resultados de seus estudos para o impacto do turismo na economia local, e também falou sobre o Brasil em 2017:

  • PIB Direto: 2,9% do total ( USD bilhões 59,6)
  • Empregos Diretos: 2,6% do total (2.337.000)
  • Divisas: 2.3% do total (USD bilhões 6)
  • Investimentos: 6.1% do total (USD bilhões 19.7)

Também as projeções que a entidade fez com a Oxford Economics para o crescimento de 2018:

  • PIB Direto: 2.7%
  • Empregos Diretos: 2.4%
  • Divisas: 10.6%
  • Investimentos: 2.6%

Se liga aqui no #forumpanrotas

Já sabemos que o Fórum Panrotas é o evento de turismo do Brasil que reúne o maior número de profissionais e compartilha um conteúdo relevante para aqueles que trabalham na indústria de viagens.

Um outro aspecto que se revela cada vez mais destacado nessa edição de 2018 do Fórum Panrotas são as mudanças que o grupo promove em sua forma de comunicar e levar ao setor milhares de notícias e conteúdo diariamente por meio de diversas plataformas. E o que me chamou a atenção desde que acompanho a Panrotas é sua capacidade de inovação, isso faz parte de seu DNA e sempre lidera nossa indústria no quesito mudanças e novidades.

Essa edição 2018 mantém, da mesma forma, a condição importante de ser um momento de relacionamento entre líderes da indústria, atualizando contatos, marcando novas oportunidade e, principalmente, fazendo os profissionais pensarem em seu negócio e as mudanças que o mundo do turismo enfrenta.

Estamos por aqui acompanhando, sugiro que você, que não teve a oportunidade de estar presente acompanhe as palestras pelo Facebook da Panrotas. Estar ligado nas tendências é sinônimo de cuidado com nosso negócio e reflexão sobre as profundas e rápidas mudanças de nossa indústria.

Performance top 10 sites móveis turismo no Brasil

Comentamos aqui semana passada de o @Google fez um levantamento do tempo e rapidez com que os sites de vendas abrem nos aplicativos móveis. Somente 5 segundos podem afugentar seu cliente. Mostramos também como fazer o teste de sua empresa e como receber dicas para melhorar seu desempenho e não perder seu público.

Fizemos na Pires e Associados um estudo sobre os 10 maiores sites de venda do turismo no Brasil, e chegamos às seguintes informações: @expedia e @kayak são as empresas que operam no país com a maior rapidez ( 5 segundos ), e @submarinoviagens e @cvc (19 e 20 segundos respectivamente ) são as que mais demoram para abrir seus sites nos acessos por celular.

A tabela abaixo mostra as empresas (Y) e os segundos (X) que seus respectivos sites levam para abrir quando acessados por um celular supostamente em 3G. As informações foram coletadas nos sites brasileiros das empresas pela ferramenta “Test my site”do  Think Google.

Além da velocidade para abrir os sites pelo celular a ferramenta compara outros sites concorrentes do setor de viagens e turismo, avalia os dados do site e a usabilidade do site em dispositivos móveis.

Eis os resultados que obtivemos:

TOP 10 SITES DE TURISMO: VELOCIDADE DE ABERTURA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS – BRASIL

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvarSalvarSalvar

Mobile: você tem 3 segundos

Temos falado bastante sobre a importância e o crescimento do uso dos dispositivos móveis para o turismo. É claro que conteúdo, por exemplo, e a geolocalização são alguns dos aspectos a levar em conta. Mas além disso, outras questões são também críticas para o sucesso da experiência que o usuário terá ao acessar seu site pelo celular.

Rapidez. As pessoas querem ter acesso fácil e resultado rápido, senão elas vão embora atrás do concorrente. A boa novidade, que foi lançada ano passado mas que foi recentemente atualizada pelo @Google é a ferramenta que testa a abertura de seu site pelo celular. Foi feita uma análise de 11 milhões de publicidades em landing pages de 213 países, e qual não a surpresa, a média de abertura é de 15 segundos, lento demais segundo o Google. Cerca de 53% das visitas em mobile deixam a página se demorar mais de 3 segundos para abri-la.

Muitos elementos, imagens e outras funcionalidades deixam muito para download, e aqui, para conquistar o cliente menos é mais. Veja abaixo os percentuais de perda de acordo com o tempo de abertura dos sites no mobile:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Se você fizer o teste gratuitamente de seu site poderá obter muitas informações e além disso dicas de como otimizar o tempo de abertura, como por exemplo comprimir fotos ou modificar códigos.

Vale a pena testar e ver como está seu desempenho, lembrando que cada vez mais o uso do telefone celular é cada vez maior na indústria de eventos. Destaque: à partir de julho de 2018 a rapidez será um fator de ranqueamento para buscas de mobile! Você pode encontrar mais informações no Think with Google.

Veja ainda: 5 coisas que o celular de quem viaja deve ter 

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

Algumas lições de Instagram para o Turismo

Exemplo de conta em que as imagens “conversam”, dando uma consistência ao tema. (Fonte: Instagram)

O Instagram tem sido um tema comum aqui no blog, já que, como profissional do turismo atuando em marketing de destinos, tenho visto o boom do aplicativo como uma ferramenta de divulgação e acompanhado o seu impacto no nosso setor.

Já falei aqui sobre a “instagramabilidade”no Turismo, a repercussão que a popularidade de um destino no app traz para os adultos até 30 anos e a lista dos 10 destinos mais populares, segundo o próprio Instagram. Hoje trago algumas lições (inspiradas em conteúdos da rede de gerenciamento Hootsuite) que a rede social pode trazer para nós do turismo, tanto no marketing de destinos como para o branding.

Lição 1 e base de tudo: não basta apenas ter uma conta.
Assim como em qualquer rede social de grande alcance, possuir uma @ no Instagram não é sinônimo de visibilidade. Com mais de 500 milhões de usuários, pode ser difícil se destacar na multidão. Possuir um planejamento, observar o calendário sazonal, ter boas imagens, trabalhar na publicação de vídeos e divulgar a @ para o público alvo já é um bom começo.

Estabelecer o tema e dar consistência às imagens não são tarefas fáceis de fazer, mas vale a pena levar um tempo extra para manter um estilo no feed. Concentrar todas as imagens no mesmo filtro ou até paleta de cores “remove o jogo de adivinhação, dá identidade e mantém os usuários voltando à sua página inicial”, segundo o Hootsuite.

Outra dica é utilizar sua grade no Instagram para atrair seus clientes: cada usuário possui suas imagens dispostas em três grades; “brincar”com o layout, dividindo a imagem na grade, pode ser uma ferramenta útil. Claro que é preciso planejamento de detalhes e de design, mas quando feito corretamente gera impacto nos usuários.

Uma lição valiosíssima é o cuidado com o overposting. Postar inúmeras fotos no mesmo dia, sobrecarrega o feed dos usuários e aborrece os seguidores, que não conseguem acompanhar publicações de outros perfis. O overposting no Instagram nunca é positivo e pode trazer repercussão negativa e perda de seguidores do perfil.

Usar a hashtag #TBT não é exclusividade de perfis pessoais! É possível utilizá-la para criar consciência a respeito da sua empresa, promover o tema abordado, evolução do produto ou trazer algum fato histórico que esteja relacionado ao seu perfil.

Criatividade é a palavra de ordem na rede social. Considerar promover marcas e destinos no Instagram é atividade imprescindível em 2018, já que o aplicativo integra as tendências deste ano. Seguimos acompanhando.

Como o smartphone transforma o Turismo?

Com o desenrolar dos anos, a tecnologia tem moldado determinados aspectos dos viajantes, incluindo hábitos de viajar, estratégias e alcance de marketing e também a relação empresa-turista (B2C).

De acordo com a GSMA, entidade global de telefonia móvel, em julho do ano passado, 5 bilhões de pessoas no mundo inteiro possuíam smartphones. Com um número tão expressivo e com a tecnologia disponível é esperado que os dispositivos móveis produzam impactos na indústria do Turismo.

A plataforma inglesa Travelport entrevistou 55 profissionais da indústria do turismo, além de pesquisar 955 viajantes de todo o mundo a fim de descobrir as principais tendências trazidas pelos smartphones que irão transformar o setor e podem modificar ainda mais as estratégias de empresas de viagens e forma como viajamos em 2018. Confira alguns dos pontos identificados na pesquisa do Travelport:

Boom da voz

O que se pode chamar de “era tátil” está chegando ao fim. A comunicação audível de empresas com consumidores está ainda mais valorizada, a sugestão é que a interação por voz, ainda que em resposta automática, acaba por ‘humanizar’ o serviço, afastando-o um pouco mais do “robótico”, fornecendo mais segurança. O estudo confirma que aproximadamente 31% das empresas de viagens vão investir em tecnologia de voz este ano.

Interfaces de aplicativos

A interface e o visual dos aplicativos também são muito importantes na experiência do viajante. Escolha de cores, fontes, disposição dos itens e facilidade de busca e acesso são imprescindíveis para a experiência positiva do consumidor no aplicativo e a resolução e obtenção das respostas que procura.

Análise preditiva

Elaborada com auxílio de inteligência artificial e Big Data, esse tipo de análise resulta na personalização do serviços. Pode-se prever quais os destinos de maior interesse do viajante, datas favoráveis, estilos de viagem e preços. A oferta fica menos randomizada e mais direcionada ao consumidor. De acordo com o estudo, 83% dos milenniuns permitiriam que as marcas rastreassem seus hábitos digitais para obter experiências mais personalizadas.

Pagamentos através do celular

A possibilidade de realizar pagamentos através do dispositivo móvel, sem sair do lugar e usando apenas a tecnologia móvel é uma realidade que ganhará força, cada vez mais. Não só pela praticidade, mas por se mostrar uma via segura do serviço. Segundo a Travelport, 35% das empresas de turismo planejam investir em plataformas de pagamento móvel este ano.

Além destas tendências, a pesquisa também revelou informações a respeito de mensagens e redes sociais: 51% dos viajantes esperam poder se comunicar com marcas através de mensagens e 33% através das mídias sociais. Além disso, 69% dos viajantes afirmam que não consumiriam uma marca cuja experiência no aplicativo é ruim.

Os smartphones são alguns dos itens da tecnologia recente mais utilizados no mundo todo e, notavelmente, merecem atenção na indústria de viagens e turismo, pois o seu uso molda as práticas, comunicação e até a forma de viajar.

Seguimos acompanhando!

Um ano repleto para a Espanha

Em 2017, a Espanha foi o segundo país mais visitado do mundo, ultrapassando os Estados Unidos e ficando atrás apenas da França, segundos as informações do Ministério do Turismo . Os dados já eram previstos no fim do ano passado, mas se confirmaram esse mês, quando se fechou o balanço total do ano.

A Espanha recebeu, em 2017, 82 milhões de turistas, 9% a mais do que o ano de 2016. O número é um recorde para o país e injetou na economia espanhola 87 bilhões de euros, 12% a mais do que em 2016; o setor já representa 11% da economia do país.

Terrorismo

Apesar de ter sido alvo de terroristas no mês de agosto, a Catalunha permanece sendo o principal destino do país. A região recebeu 18,2 milhões de visitantes o que equivale a 23% do total dos turistas visitantes, de acordo com o El País.

Overtourism

A Espanha também enfrentou e ainda enfrenta o fenômeno do overtourism, principalmente na cidade de Barcelona. A superexpansão do Turismo no país, gerou diversas manifestações dos espanhóis no ano passado, quando a insatisfação com o aumento do número de turistas e com os resultados dessa visita eclodiu.

Novas rotas

A Espanha ocupa o terceiro lugar da lista dos 15 países com maior número de novas rotas aéreas no ano que passou de acordo com análise do portal anna.aero.

Os Estados Unidos ficam na primeira posição do ranking como país predominante no lançamento de novas rotas em 2017 e a Alemanha em segundo lugar. Segundo o ranking, a Espanha está no ranking dos 3+ por ter lançado 425 novos serviços aéreos em 2017. No mundo inteiro, foram lançadas ao todo 3.524 novas rotas aéreas.

Principalmente desde a década de 90 a Espanha investe pesadamente no seu Turismo e no turismo das suas cidades. Obviamente, barreiras se apresentam e é necessário um controle maior da expansão do setor e uma visão até mais holística a respeito das esferas as quais o setor está ligado (social, econômico, ambiental etc.), porém a Espanha colhe frutos de plantações antigas no Turismo, tanto positivamente, quanto negativamente. A experiência da Espanha no Turismo (só em 2017, o país passou por diversas situações em que foi necessário o monitoramento de perto) nos ensina a respeito de projetos de Turismo a longo prazo, confiança no setor e gerenciamento de crises. A indústria é uma só e devemos aprender com acertos e erros a desenvolver o nosso próprio Turismo.

Seguimos acompanhando o turismo pelo mundo.