2017 segundo a OMT

A Organização Mundial de Turismo divulgou que, em 2017, o turismo internacional aumentou 6% no mundo. Até o mês de outubro, foram 1,1 bilhão de viajantes internacionais.

Até o mês de agosto de 2017, o turismo cresceu 7% e a OMT aguardava um resultado de desenvolvimento de 5% até o fim do ano, já que os últimos meses registram aumentos inferiores. Porém, atipicamente, o forte crescimento no setor se manteve até o mês de outubro, fato que elevou a porcentagem positiva do balanço anual.

De acordo com a entidade, a previsão para 2018 é de aumento 3% e 4% na chegada de turistas internacionais, com projeção de crescimento anual até o ano de 2030.

América do Sul

Segundo a OMT, no fim dos dez primeiros meses de 2017, a América do Sul liderava o crescimento do setor nas Américas, com 7% de aumento nas visitas de turistas. Um dos motivos é o enfraquecimento do desempenho do setor na América do Norte.

Com o ano começando, ficamos no aguardo de estudos e balanços da indústria no ano completo de 2017. Os dados de chegadas internacionais nos ajudam a observar o setor sob um panorama a nível global, analisar projeções e traçar estratégias. Ficamos no aguardo e seguimos acompanhando.

Receita do turismo é a maior do semestre

De acordo com os dados fornecidos pelo Banco Central a respeito das despesas e receita do turismo no mês de novembro, os visitantes injetaram aqui a maior cifra do semestre. A receita cambial foi de US$ 485 milhões no mês passado, 2,62% maior do que no mesmo mês em 2016.

Foi o melhor desempenho do semestre e foi o segundo mês consecutivo que superou o valor da receita no mês referente em 2016. Em outubro, o crescimento foi de 6,69%, um dos maiores do ano.

No entanto, no acumulado do ano,o gasto dos turistas internacionais alcançou US$ 5,3 bilhões, o que corresponde a um percentual de 4,75% inferior ao mesmo período de 2016.

Gastos dos brasileiros

Enquanto a receita cambial apresenta um crescimento pequeno, a despesa acumulou alta de 32,51% em novembro, com os brasileiros gastando no exterior US$ 1,59 bilhão. No acumulado do ano, a despesa cambial chega a US$ 17,38 bilhões, 32,6% maior em relação a 2016, segundo os dados do BC.

Atualmente, o déficit da balança comercial do turismo é de US$12 bilhões, o que representa a diferença entre o gasto do brasileiro fora do país e o valor injetado pelos estrangeiros na economia brasileira. É preciso ainda percorrer muito chão para deixar a balança da economia do nosso Turismo um pouco mais equilibrada…

Nos dados do BC de janeiro, teremos um balanço de todo o ano de 2017. Seguimos acompanhando.

Rio de Janeiro no Top 3 da America Latina

O Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC) divulgou um relatório inédito a respeito do impacto socioeconômico da indústria de Viagens e Turismo em cidades-destino, segmentado por continentes.

De acordo com o City Travel & Tourism Impact 2017, o Rio de Janeiro está entre as Top 3 destinos da América Latina (juntamente com Buenos Aires e Lima), fazendo parte das cidades com melhores chegadas e gastos de visitantes. Segundo o relatório, o Turismo foi responsável por 4,9% do PIB direto da cidade maravilhosa em 2016.

Com demanda doméstica altamente significativa, o turismo na cidade contribuiu com mais de US$ 7 bilhões para a economia nos anos de 2013 e 2014. O relatório prevê aumento nas chegadas de turistas e gastos dos visitantes na cidade, à medida em que a economia do País se recupera.

A WTTC afirma ainda que hospedar a Copa do Mundo de Futebol em 2014 e as Olimpíadas em 2016 trouxe um impacto direto limitado no PIB e  no setor. Em 2014, houve um aumento no volume de visitas e turistas que passam mais de um dia.  Em 2016, como normalmente é previsto em mega-eventos, houve também um grande deslocamento para outros destinos.

Brasília

A capital do País também aparece no relatório sendo uma das 6 cidades com maior crescimento do setor na América Latina. Sua taxa de crescimento na indústria é de 8,3% (supera a do Brasil). Em destaque na cidade, está o turismo de negócios, incluindo os grandes volumes de viagens governamentais.

O fluxo de Brasília de demanda doméstica é o maior das 65 cidades do estudo global completo: os visitantes brasileiros geraram 96% de todas as atividades de Viagens e Turismo em 2016. A previsão da WTTC de crescimento do setor é 5,9% até 2026 na capital brasileira.

Sobre o City Travel & Tourism Impact 2017

O estudo analisa 65 cidades globais, escolhidas por estar entre as melhores para as chegadas e as despesas dos visitantes. Em todas as cidades do estudo existem níveis de importância diferentes, todos expressando o tremendo impacto que o setor exerce sobre a riqueza da cidade e, portanto, sobre seus cidadãos e visitantes.

A indústria de Viagens e Turismo é um dos maiores setores do globo, apoiando mais de 10% da atividade econômica global e 292 milhões de empregos: 1 em cada 10 empregos em todo o mundo.

Estes dados são uma fonte chave de informação para definição de estratégias e decisão dentro dos governos, bancos de investimento, academia e organizações multilaterais em todo o mundo, particularmente nos 185 países para os quais a WTTC fornece relatórios detalhados.  

Acesse o relatório completo: LA City Travel & Tourism Impact 2017

Brasileiros gastam 32% a mais em compras no exterior

A alta de despesas dos brasileiros em terras estrangeiras permanece em alta a cada mês, foi o que confirmou o relatório do Banco Central a respeito do último mês outubro, divulgado hoje (quinta-feira 23).

Até o mês passado, o brasileiro já gastou mais de US$ 15 bilhões em terras estrangeiras, o que corresponde a 32% a mais do que os números do mesmo período em 2016. Seguindo a mesma linha dos últimos meses, a despesa cambial de outubro foi teve alta 15% em relação a outubro do ano passado.

Receita cambial

Já os turistas internacionais injetaram no País US$ 463 milhões em outubro deste ano, 6% a mais do que o mesmo mês em 2016. Porém, no acumulado do ano, a receita fica em queda, sendo de US$ 4,82 bilhões, 5% a menos do que o mesmo período do ano passado.

Dólar estável

O aumento de gastos dos brasileiros em viagens internacionais tem sido previsto mediante a estabilidade do dólar, que segue girando em torno de R$ 3,15 e não deverá sofrer muitas alterações nos próximos meses.

5 razões para observar de perto o turismo gastronômico

Falei recentemente aqui no blog, no post Conquistando o turista pelo estômago, da inegável importância da comida na experiência da viagem e em como essa vem sendo uma tendência crescente nos últimos tempos.

A gastronomia acaba por se relacionar com diversas esferas econômicas e sociais de um lugar: agricultura, turismo rural, produção de alimentos, cultura, exportação etc. É interessante que o Turismo aborde o tema com estudos e estratégia. Retomando o assunto, que agora está sendo observado com mais foco do que antes, mas ainda sem o entusiasmo e empenho necessários, trago aqui alguns dados do setor que reforçam a indispensabilidade de atenção a esse segmento:

1. A gastronomia ocupa a terceira posição entre as principais motivações que levam turistas a viajar: seguida das razões “compras” e “lazer”,  foi o que afirmou o Informe Mundial de Turismo Gastronômico, apresentado pela Organização Mundial de Turismo (OMT). 

2. 80% dos viajantes acreditam que comer e beber ajudam na compreensão da cultura local de um destino: o dado é da World Food Travel Association (WFTA), em seu relatório Food Travel Monitor.

3. 93% dos viajantes podem ser considerados “food travellers”:  outra consideração da World Food Travel Association (WFTA) que tem por participantes do grupo todos os viajantes que participaram de uma experiência de consumo de alimentos e bebidas em estabelecimentos durante uma viagem.

4. Cerca de 70% dos viajantes que tiveram experiências gastronômicas em viagens, compram os produtos para levar pra casa: outro dado da WFTA. Para rememorar a experiência gastronômica, turistas compram itens de comida ou bebida pra levar pra casa. Mais de 60% compra com intenção de dar de presente a parentes ou amigos.

5. Um turista gasta, em média, 25% do seu orçamento em alimentação e bebida: estimar o impacto econômico do turismo de alimentos e bebidas é, sem dúvidas, uma tarefa difícil. Entretanto, de acordo com pesquisas da WFTA, um turista gasta, em média 25% do seu orçamento em alimentação e bebida (porcentagem que pode variar entre 35% em destinos onde esses itens são mais caros e 15% onde são mais baratos).

Com essa amplitude, estando relacionado a tantos outros mecanismos e diante de uma força motivadora nesse nível, por que o turismo gastronômico recebe um incentivo que não condiz à sua importância? O food travel foi bastante discutido na WTM London e o assunto carece de mais repercussão aqui no Brasil. Temos um potencial incrível de autenticidade e variedade capaz de desenvolver bastante o setor através da gastronomia.

Seguimos acompanhando.

Turismo internacional caminha para ano recorde

A demanda do Turismo tem permanecido forte ao longo de 2017, que provavelmente será um ano de recorde no turismo internacional, é o que prevê a UNWTO (OMT) com a mais recente edição do Word Tourism Barometer, o barômetro do Turismo.

Entre janeiro e agosto deste ano, destinos do mundo inteiro receberam 901 milhões de chegadas de turistas internacionais, 56 milhões a mais do que no mesmo período em 2016. A alta corresponde a um aumento de 7%, porcentagem bem maior do que a obtida em anos anteriores.

Os números dos primeiros oito meses de 2017 nos deixa otimistas em relação ao crescimento do setor no restante do ano que, segundo a OMT, deverá ser o oitavo ano consecutivo de crescimento contínuo e sólido para o turismo internacional.

O forte desempenho é confirmado pelos especialistas do mundo inteiro consultados pela Organização para firmar o Índice de Confiança, que também possui perspectivas positivas para os últimos meses do ano.

As chegadas de turistas internacionais no meses de julho e agosto, temporada de verão no hemisfério norte, totalizaram mais de 300 milhões pela primeira vez, de acordo com o relatório. Além disso, muitos destinos registraram crescimento de dois dígitos, principalmente no Mediterrâneo.

Brasil

O relatório destaca a participação do Brasil como um dos países que apresentou forte recuperação de demanda de saída com aumento de 35% nas despesas de turismo em terras internacionais.

América do Sul

De acordo com o Barômetro, a América do Sul obteve crescimento de 7%, com o Uruguay liderando a lista: o país apresentou o notável aumento de 24% nas chegadas internacionais até o mês de setembro, impulsionado pela demanda de turistas argentinos e brasileiros. A Colombia vem em seguida, com aumento de 22%. A OMT comunicou que não há dados a respeito das chegadas internacionais no Brasil para o período necessário a constar o barômetro.

Ano do Turismo Sustentável

A ONU proclamou o ano de 2017 como sendo o Ano Internacional do Turismo Sustentável para o Desenvolvimento, atraindo o tema para as discussões e definições de estratégias do setor, com objetivo de firmar o gerenciamento do Turismo responsável e sustentável durante os próximos anos.

O Barómetro Mundial de Turismo da OMT é uma publicação regular que visa monitorar a evolução do setor. Contém três elementos permanentes: uma visão geral dos dados turísticos de curto prazo dos países de destino e do transporte aéreo, avaliação retrospectiva e prospectiva do desempenho do turismo por especialistas de todo o mundo e dados econômicos. Seguimos acompanhando.

Brasileiros gastam 32% a mais em Setembro

De acordo com dados divulgados pelo Banco Central nesta quinta-feira (26), os brasileiros gastaram a quantia de US$ 1,7 bilhão em viagens ao exterior no último mês de setembro, o que representa uma aumento de 32% em relação a setembro do ano passado. A despesa cambial do mês que passou foi a maior para o mesmo período desde 2014.

A taxa de câmbio tem sido o fator determinante para o aumento dos gastos dos brasileiros em terras internacionais. O aumento dos gastos brasileiros tem sido observado nos últimos meses e se justifica também pelo período favorável de viagens (julho e agosto), embora a cotação do dólar ,que tem se mantido relativamente estável (no fim de setembro estava na casa dos R$ 3,16), seja decisiva nesse quesito.

No acumulado do ano, as despesas estão em US$ 14,145 bilhões, 15% a mais do que nos primeiros 9 meses de 2016.

Receita

Já os estrangeiros injetaram US$ 407 milhões, em setembro, no Brasil, registrando queda, visto que o patamar registrado no mesmo mês de 2016 foi de US$ 443 milhões. Já no acumulado dos nove primeiros meses deste ano, os gastos de estrangeiros no Brasil totalizaram US$ 4,36 bilhões – também com recuo frente ao mesmo período do ano passado, quandos somaram US$ 4,66 bilhões.

Colocando a conta na balança, com os gastos dos turistas brasileiros no exterior maiores do que a receita deixada por aqui pelos turistas estrangeiros, a conta de viagens internacionais fica negativa em US$ 1,309 bilhão, no mês de setembro deste ano e em US$ 9,870 bilhões no acumulado do ano;

O Banco Central informou que a taxa de câmbio não deverá sofrer grandes alterações nos próximos meses. Vamos acompanhar.

Vamos falar sobre economia?

A economia não é nem de longe um dos temas favoritos dos profissionais do Turismo e também não é, talvez, o assunto que todos almejam ler numa segunda-feira de manhã, mas o assunto surge frequentemente devido à predisposição do setor às diversas variáveis, incluindo, obviamente, as alterações econômicas.

A Euromonitor International publicou na última semana um estudo de previsões econômicas ao redor do mundo e, estando o Brasil numa posição instável diante do tema, nosso país foi alvo também do estudo, incluídos dados macro como PIB, inflação, taxa de desemprego, taxa de juros etc.

De acordo com o estudo, nosso mercado emergente possui previsões otimistas de recuperação da economia. Para as taxas de juros, a probabilidade é que haja redução anual.  Com o consumo já se recuperando paulatinamente, a produção industrial também está voltando aos trilhos, apoiada pela produção automobilística, eletrônica e máquinas.

Como resultado, a previsão da Euromonitor de crescimento do nosso PIB fica em 0,5% em 2017 e em 2,1% em 2018.

Relação com o Turismo

Sendo um grande influenciador do setor, o quadro econômico geral conduz algumas esferas e interfere em outras, como o número de viagens para o exterior, o gasto de turistas brasileiros em viagens internacionais, o número de turistas estrangeiros por aqui, compra de serviços de turismo e passagens aéreas, intenção de consumo etc.

Ainda de acordo com a Euromonitor, a estimativa é de que 9,2 milhões de brasileiros realizem viagens internacionais  até o fim de 2017. Nos gastos no exterior, até o mês de agosto, este ano ultrapassou em 35% (em relação ao mesmo período do ano passado) o valor das despesas de brasileiros em viagens para fora do país, de acordo com o Banco Central.

O fato é que, estudos podem prever recuperação e prognosticar riscos, mas a influência do quadro econômico brasileiro no Turismo pode apenas ser sentido no desenrolar dos fatos. Trabalhamos em prol de um setor que é altamente influenciado pela economia e dependente dela, não tem pra onde correr (a solução é permanecer acompanhando!).

Brasileiros gastam 35% a mais em agosto

O Banco Central divulgou essa semana os números da receita e despesa cambiais no País durante o mês de agosto deste ano. De acordo com o balanço, os gastos dos brasileiros no exterior chegou ao valor de US$ 1,75 bilhão, correspondendo a um percentual de 35% superior a agosto de 2016 (quase US$ 500 milhões). No entanto, a cota não superou, mas se aproximou do mês de julho deste ano (um mais alto desde janeiro de 2016), quando os brasileiros chegaram a gastar US$ 1, 87 bilhão em viagens internacionais.

Já os estrangeiros deixaram aqui no país no mês passado US$ US$ 455 milhões, ou seja, quase 25% a menos quando comparado ao mês de agosto de 2016. No acumulado do ano, de janeiro a agosto de 2017, a receita cambial foi de US$ 3,95 bilhões, correspondendo a um percentual de 6,39% inferior ao mesmo período de 2016.

A redução do montante deixado aqui no Brasil pelos estrangeiros já era prevista, já que, o mês de agosto do ano passado foi a época em que recebemos os Jogos Olímpicos e tivemos, devido a isso, um aumento considerável na receita cambial do País (não só no mês referente, mas em todo ano como se pode observar na comparação entre o acumulado de 2016 e 2017).

Provavelmente, teremos uma avaliação mais “justa” na receita cambial do mês de setembro, onde poderemos fazer uma análise mais real dos valores deixados pelos visitantes estrangeiros aqui. Já o aumento dos gastos brasileiros se justifica não só pelo período favorável de viagens (julho e agosto), mas também pela cotação do dólar, que tem se mantido relativamente estável, caminhando na casa dos R$ 3,15 a R$ 3,20.

 

 

O gasto do brasileiro nas férias

Os brasileiros gastaram 1.878,90 bilhão de dólares em viagens e turismo no exterior em Julho, um dos meses mais fortes de férias por aqui, informa o Banco Central do Brasil. Com o montante, o mês de julho atingiu um novo máximo desde Janeiro de 2015.

Relativamente ao mesmo mês em 2016, os gastos aumentaram 38%, ou seja,  mais de 500 milhões de dólares, elevando assim média deste ano. Os números de julho também fazem a despesa cambial de 2017 ultrapassar os dez bilhões de dólares, atingindo os U$$ 10.684,24 bi.

Um dos grandes influenciadores do aumento da despesa cambial tem sido a desvalorização do dólar, que chegou a valer R$ 3,11 no mês passado, tornando os gastos exterior mais atrativos e estimulando as viagens para fora do país.

Intenção de viagem

Segundo a pesquisa do MTur de Sondagem do Consumidor e Intenção de Viagem, no mês de junho deste ano, quase 20% dos entrevistados que afirmaram planejar viajar nos próximos 6 meses pretendiam realizar uma viagem internacional. Em relação à junho do ano passado, o número de turistas brasileiros que pretendiam viajar para o exterior no horizonte de 6 meses correspondia a 16% do total.

Receita cambial

Já os gastos dos estrangeiros no Brasil tiveram queda em julho deste ano, em relação ao mesmo mês de 2016. Como se mostrou previsível, a receita cambial obteve o percentual negativo de 5,54%, correspondendo ao valor de U$$ 440 milhões.

A queda não foi surpresa, visto que os dados do mês de julho no ano de 2016 foram fortemente impulsionados pela realização dos Jogos Olímpicos no País. Seguimos acompanhando.