Expectativa versus Realidade

galeaoHá algum tempo, falei aqui no blog sobre as mudanças da intenção de consumo dos brasileiros e como viajar nas férias se tornou uma opção importante de consumo, atrelada a necessidades básicas como acesso a lazer. Fiz o seguinte questionamento: diante do quadro econômico atual, até onde essa intenção sairia do planejamento para se concretizar?

Na contramão do aumento expressivo da intenção de viagens domésticas registrado no decorrer deste segundo semestre de 2016, a demanda por vôos domésticos teve, neste mês de setembro, uma queda de 4,4%, em relação ao mesmo período do ano de 2014. É o que informa a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear).

Considerando o acumulado do ano, de janeiro a setembro, 65,4 milhões de passageiros realizaram vôos domésticos e, de acordo com balanço divulgado, o número também expressou queda de 6,07% em relação ao mesmo período em 2015.

Segundo a pesquisa de Sondagem do Consumidor – Intenção de Viagem, do MTur, a intenção de viagens pelo Brasil continuou em alta no mês de setembro, tendo a maior porcentagem do ano, 24,3%. Entretanto, em períodos de economia desfavorável, a expectativa pode não se tornar realidade para uma parte dos futuros viajantes, como já pudemos observar.

Mas não dá para desanimar. Ainda assim, o fato de que o brasileiro mantém em alta a expectativa de viagens domésticas é um bom sinal para quem faz o turismo. O interesse demonstrado abre oportunidades de mercado para a indústria do Turismo. Estamos encerrando o mês de outubro, mas ainda há muito o que ser observado no desenvolvimento do setor no Brasil. Vamos acompanhando de perto.

O valor da libra investida

londresEstamos sempre buscando os melhores métodos, a melhor economia e os melhores cálculos na hora de empreender e planejar estratégias para a indústria do turismo. O governo britânico divulgou, nesta terça-feira (11), após revisão anual, os cálculos de retorno dos investimentos em promoção do turismo na Grã Bretanha.

Os números são bastante expressivos: cada libra investida pelas autoridades britânicas no marketing internacional de promoção da Grã Bretanha resultou em £23 de gastos a mais de visitantes estrangeiros, totalizando o reforço de £800 milhões adicionais deixados no país em 2015.

A promoção de viagens domésticas também esteve no planejamento britânico e teve um incremento de £ 97,2 milhões com turistas nacionais.

Obviamente, tais resultados não vêm sem esforço. O valor da libra investida de £23 em retorno para a Grã Bretanha não foi alcançado apenas com publicidade bem paga. Além de um plano estratégico elaborado, com estudo de resultados, o setor privado investiu £ 12,7 milhões é o governo também recebeu apoio de companhias aéreas, incluindo a British Airway ; instituições privadas atuantes no setor de turismo local e de marcas globais, como a Sony Pictures Entertainment.

As iniciativas de promoção do destino receberam ainda a parceria dos conselhos de turismo da Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte.

Aprender nunca é demais. Os incentivos recebidos pela Grã Bretanha da iniciativa privada evidenciam a carência de apoio do Brasil nesse sentido. Buscar este tipo de contribuição junto a entidades que se beneficiam com o fomento do turismo nacional e, por isso, são partes interessadas deve ser uma realidade da nossa indústria, para que o valor do real investido nos dê um retorno expressivo é satisfatório, no turismo doméstico e internacional.

3 lições que podemos aprender com Portugal (vídeo)

portugalPortugal lançou, no início de setembro, uma campanha que convoca os próprios portugueses a descobrir e mostrar em vídeos cantos do país, conhecidos ou não, com objetivo de divulgar experiências e mostrar os atrativos turísticos sob uma ótica um pouco menos “publicitária” . A iniciativa, chamada de “Ponha Portugal no mapa”, tem objetivo de, além de apresentar uma visão real e personalizada do país, principalmente incentivar e motivar os portugueses a passear em Portugal.

Através de um aplicativo, são lançados desafios, um em cada semana, que inspiram os portugueses a filmar Portugal e escolher o que consideram melhor e que recomendam do país. Serão 16 semanas até que o vídeo final fique pronto, criado com a colaboração dos turistas nacionais, que também receberão uma recompensa de €50, caso o vídeo de sua autoria seja selecionado. O primeiro desafio já foi concluído com o tema “Mar”, veja o primeiro vídeo de co-criação: 

https://www.youtube.com/watch?v=JRgiVJqNYHM

O que podemos aprender com a iniciativa de Portugal?

Primeiro: que incentivar o turismo nacional deve ser sempre uma das prioridades. Convidar o turista a conhecer seu próprio país é incentivar a movimentação econômica. Apresentar o Brasil para os brasileiros é mostrar uma alternativa viável de turismo (já que viajar nacionalmente é uma opção mais econômica) que pode ser igualmente enriquecedora, principalmente quando consideramos que vivemos em um país tão plural em cultura, gastronomia, costumes, clima etc.

A segunda lição que tiramos é de que é importante ter preservada a ideia de que o investir no Turismo é também investir no nosso próprio crescimento. “Tem que arrumar a casa não só para a visita, mas também para quem mora nela”. Buscar e pleitear a aplicação de recursos em destinos, melhorias das condições de localidades com potencial de turismo e a preservação da cultura são apenas algumas das iniciativas que beneficiam a todos nós.

O terceiro ponto é que, diante da tecnologia a que temos acesso e dos novos hábitos estabelecidos pelo universo virtual, é necessário, mais do que nunca, desenvolver estratégias de engajamento. No caso de Portugal, vemos um engajamento pensado fora do ambiente das redes sociais (já que os desafios e vídeos são feitos através do aplicativo), lugar onde é mais fácil conseguir envolvimento. Convidar o turista a fazer parte da promoção do destino e estimulá-lo a dar um feedback pode cativá-lo mais do que um vídeo feito inteiramente por uma agência publicitária. Claro que a criação e o êxito desse tipo de estratégia demanda tempo, esforço e pesquisas prévias.

Em janeiro veremos o resultado final da campanha de Portugal. Nesse meio tempo, seguimos aprendendo e pensando o Turismo por aqui.

Balanço olímpico do turismo

parque-olimpicoEm pouco menos de duas semanas, os Jogos Paralímpicos Rio 2016, movimentaram a cidade maravilhosa: de acordo com dados preliminares de pesquisa oficial, aproximadamente 243 mil turistas estiveram no Rio de Janeiro durante a realização da Paralimpíada. O gasto médio desses visitantes foi de R$ 271,20 por dia, o que equivale a uma renda gerada de R$ 410 milhões para o País.

Apesar do número de turistas no evento ser bem menor do que na Olimpíada e, ao contrário do que muitos poderiam prever, foi durante as Paralimpíadas que o Parque Olímpico da Barra, em todo o evento da Rio 2016 (incluindo Jogos Olímpicos), teve seu recorde de visitação, o que ocorreu no primeiro sábado dos Jogos Paralímpicos (10 de setembro), com público de 172 mil pessoas.

A pesquisa também revelou que muitos vieram ao Brasil pela primeira vez: o dado é de quase 60% dos turistas internacionais entrevistados entre o período da Paralimpíada. Medindo o índice de satisfação dos turistas, para 87,8% dos entrevistados a viagem correspondeu ou superou as expectativas e 90,5% tem intenção de retornar ao país, este último dado, maior que o correspondente nos Jogos Olímpicos comentado aqui.

Expectativa x Realidade

Durante a Olimpíada, o Rio de Janeiro recebeu 1,17 milhão de turistas que gastaram, em média, R$ 424,62 diários, gerando, no total, uma renda de R$ 4 bilhões; números que superaram com folga as expectativas divulgadas pela Confederação Nacional de Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

No entanto, na Paralimpíada, os dados, até agora, estão abaixo do esperado pelo setor comercial. O número de turistas ficou um pouco maior que a metade do previsto, de 468,5 mil visitantes, e a renda gerada ficou bem abaixo da projeção de R$912,4 milhões de faturamento.

Ainda assim, o Brasil teve renda gerada significativa e dados bastante expressivos de índice de satisfação e intenção de viagem, o que coloca os resultados do turismo como um dos grandes legados dos eventos Rio 2016. Agora é ainda maior o desafio, tirar o máximo de proveito das oportunidades geradas pela passagem dos Jogos por aqui e da visibilidade que ganhamos mundo afora.

Um estratégia ousada e diferente da promoção do Rio e do Brasil, uma nova política de captação de eventos associativos e esportivos já passou da hora de ser planejada e executada.

Turista brasileiro: o rei das redes sociais

turista-brasileiro-selfieMesmo trabalhando com viagens, você é do tipo de turista que não perde de postar um clique nas suas redes sociais? Então você faz parte da estatística de que o turista brasileiro é o que mais partilha fotografias de viagens nas redes. O dado é da momondo, buscador de passagens aéreas e reservas de hotéis.

Para a pesquisa, foram analisados os hábitos de viagens de turistas de 20 países diferentes; sendo observado que 58% dos viajantes do nosso país publicam postagens enquanto realizam os passeios. Se restringimos a pesquisa a jovens brasileiros entre 25 e 35 anos, o dado chega a 70%.

Os números são bastante expressivos, principalmente se considerarmos que a Bélgica e a Dinamarca, países em última colocação neste ranking, possuem 16% de turistas que afirmam compartilhar suas viagens em tempo real.

Entre nossos conterrâneos, a rede social mais utilizada para publicação de fotos de viagens é o Facebook, usado por 90% dos turistas daqui, em seguida vêm o Whatsapp, com 72%, o  Instagram, com 52%  e o Twitter, com 34%. A famigerada e, ainda assim, pouco pesquisada rede social Snapchat não entrou na pesquisa.

Com uma conectividade tão evidente, é de se esperar que o turista brasileiro também valorize um bom WiFi disponível. A pesquisa revelou que o Brasil também é o que mais aprecia o serviço: 97% dos entrevistados brasileiros acreditam que o WiFi é importante, principalmente em hotéis, aeroportos e restaurantes. Em último lugar neste quesito, ficaram a Áustria e a Alemanha, países em que apenas 21% de entrevistados priorizam a disponibilidade de WiFi em estabelecimentos.

O poder das redes sociais

Durante as Olimpíadas Rio 2016, comentei aqui no blog sobre a força das redes sociais e a expressiva presença dos brasileiros. Com poder de gerar interação de personalidades, formar opinião ou trazer à tona fatos, o conteúdo deste tipo de mídia não pode ser ignorado e deve sim ser usado como estratégia de fomento de turismo.

Quanto mais o tempo passa, mais temos evidências de que, com o brasileiro reinando quase que soberanamente nas redes, essa responsabilidade é ainda maior por aqui. Ignorar a essencialidade da presença de promoção de turismo nas redes sociais é ignorar também a presença dos próprios turistas, e mais: arrisco dizer que é uma forte recusa ao desenvolvimento de marketing e às novas práticas do turismo que se estabelecerão, com ou sem o nosso consentimento.

 O desafio dos destinos

O maior desafio dos destinos para desenvolver um marketing eficaz e de resultados, não é somente desenvolver um site bem estruturado ou estar presente nas redes sociais: é necessário estabelecer uma política contínua de conteúdo de imagens e vídeos que tragam interatividade, ao mesmo tempo em que promovem o destino. Cativar, ser ativo nas redes e interagir com clientes em potencial é essencial e exige planejamento e dedicação.

Marketing nos eventos

Close-up of business people handshaking on background of modern building

Hoje, ao invés de falar de marketing dos eventos, falarei da vantagem do marketing nos eventos, que é o que impulsiona a estratégia de aplicações empresariais em determinadas atividades de um destino. A lógica é simples: atrelamos a imagem do destino a um fator-chave que garanta a captação de turistas e gere visitação e já temos uma relação vantajosa para publicidade de marcas e serviços, o que motiva o investimento das empresas através da associação com o evento, o conhecido patrocínio.

O investimento em eventos é parte integrante do planejamento financeiro e de marketing de empresas que desejam estabilizar ou reforçar sua marca no mercado, ou para segmentos específicos.

A movimentação econômica gerada através deste tipo de parceria é um fator motivador para o segmento do turismo de eventos no país. A exemplo: de acordo com levantamento feito pela Meio & Mensagem, as confederações nacionais do ciclo olímpico da Rio 2016 receberam R$ 1,85 bilhão, apresentando dados das empresas que divulgaram valores. Somando o incentivo das marcas que não externaram números, a estimativa é de que este valor supere os R$ 2 bilhões. Desta quantia, R$ 635,25 milhões foram aplicados pelas estatais Banco do Brasil, Caixa, Correios e Petrobras.

Além disso, o Comitê Olímpico Brasileiro divulgou que assumiu o orçamento de R$ 7,4 bilhões, apresentando o valor como sendo 100% de origem da iniciativa privada.

Esses números não são em vão. Segundo a Kantar IBOPE Media, Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística, mais de 10 milhões de pessoas foram impactadas pelas marcas atreladas a Rio 2016 e, deste total, cada pessoa assistiu, em média 322 comerciais de marcas associadas, durante o período dos Jogos (de 5 a 21 de agosto).

Para organizadores de eventos e profissionais do setor do turismo, o patrocínio surge também como uma oportunidade e é importante que o próprio evento transmita credibilidade para provocar interesse das marcas. O planejamento, estudo de público e análise de interesse de mercado é essencial para todas as partes envolvidas.

A casa é nossa

CIDADE OLIMPICAAnteriormente, falei aqui no blog sobre a casa dos países que estarão abertas a visitações do público durante o período das Olimpíadas no Rio. As “casas de hospitalidade”, como são chamadas, são espaços de convivência montados especialmente para os Jogos por algumas das nações participantes, onde atletas, autoridades, convidados e, em algumas vezes, a população em geral confraterniza, assiste a partidas descobre um pouco mais da cultura dos países.

O  Brasil também terá a sua casa na cidade sede dos Jogos e é uma das maiores. Em um só lugar, estarão reunidos um pouco de nossa história, cultura, turismo e, naturalmente, nossa trajetória no esporte. O espaço terá programação diária e aberta ao público gratuitamente, com atividades interativas e experiências sensoriais e audiovisuais, tudo para cativar os visitantes. Alguns atletas medalhistas também realizarão no espaço a comemoração de vitórias.

Como também comentei previamente, as casas de hospitalidade são ótimas oportunidades para  que o país promova sua marca, sua cultura e sua identidade. Com a possibilidade de serem visitadas por turistas do mundo todo, é bastante oportuno realizar atividades voltadas ao público com intenção de, além de transmitir conhecimento, divulgar o país como destino turístico.

O nosso espaço verde e amarelo também contará com shows, eventos culturais, conferências internacionais, encontros de negócios e degustação de diversos pratos com o bom temperinho brasileiro.

Para quem estiver pelo Rio no período, a Casa Brasil abrirá suas portas a partir do dia 4 de agosto e irá até 18 de setembro, no Píer Mauá. Vale a visita!

Marcas e Jogos Rio 2016

Mascote Tom - ParalímpicoHá uma semana entraram em circulação os cartões pré-pagos comemorativos dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Disponíveis na Mega Store Rio 2016, os cartões possuem design exclusivo dos Jogos em modelos com os mascotes, Vinícius e Tom, ou uma aquarela do Pão de Açúcar e podem ser adquiridos, com carga mínima de R$ 20, recarregados posteriormente em alguns quiosques do evento no Rio e usados em qualquer lugar do mundo, desde que seja um terminal bandeira Visa.

Lançados pela Visa, patrocinadora global, e Bradesco, patrocinador oficial dos Jogos, a ideia é um ótimo exemplo de estratégia de marketing que transcende as experiências do evento, relacionando a marca das empresas com a dos Jogos. Além de ser envolvido pela atmosfera visual dos Jogos Olímpicos, estampada nas edificações, competições, espalhada pela cidade e cerimômia de abertura, por exemplo, o turista se envolve ainda mais com o evento quando é apresentado à temática através de itens menores, como um cartão de compras. Esse é o ” look of the games“, usado pelos patrocinadores oficiais como estratégia de vincular suas marcas aos valores e ambiente do evento.

Um cartão pode parecer irrelevante; mas a construção dos detalhes do evento é o que enriquece a vivência e, consequentemente, forma opinião. O cartão será o mecanismo que proporciona ao turista, atleta, jornalista ou o carioca a compra de uma lembrança, objeto e vivência de uma experiência inesquecível. Já estive em 3 Jogos Olímpicos e posso garantir, fica guardado na memória, inesquecível. Imagina em nosso país.

Investir na experiência é um dos fatores mais significativos quando falamos de turismo. O Marketing e o Turismo de Experiência possuem o mesmo embasamento: aproveitar vivências positivas que cativem os turistas, agregando, através da experiência, um valor à marca, evento ou cidade. No caso dos -bem pensados- cartões pré-pagos, temos um combo dos três.

Google X agentes de viagens ?

James Shillinglaw escreveu um artigo interessante sobre a relação do Google com os agentes de viagens, baseado nas declarações de Dave Pavelko no evento da Virtuoso que ocorreu em Cape Town, África do Sul.

A grande questão é: a especulação da mídia sobre o que o Google está fazendo no setor de viagens e turismo, assim como sobre o possível fato de estar tomando o lugar dos agentes de viagens. O Google diz que vê os agentes de viagens como clientes para seus serviços e não como competidores.

A empresa que domina o mercado de buscas no mundo quer estar ao lado do consumidor no que chama de “new travel consumer journey,” (jornada de viagens do novo consumidor), que passa pelos estágios de planejar, comprar e experimentar, sobretudo por meio da interação digital. Já o agente de viagens, usa o Google como uma ferramenta de trabalho para turbinar seus negócios.

Pelo que argumentou o diretor Pavelko, a empresa valoriza o que ele chama de micro momentos da viagem, em cada instante é possível buscar um endereço, uma atração turística, comprar um ingresso ou saber o horário de um restaurante ou loja, por exemplo. Como se o Google fosse, hoje, a única ferramenta disponível para prover informações aos viajantes em qualquer e todo momento de sua viagem por meio de diversos mecanismos e num só lugar.

Na medida em que o mundo digital, as necessidades instantâneas de informações e as experiências específicas e cada viajante vão mudando radicalmente a forma de viajar, é verdade que o Google se torna um parceiro gratuito para o turista em qualquer momento, lugar ou formato. Não é somente a informação turística final, mas é tudo que pode ser feito durante a viagem, como alterar uma reserva de um voo, tradução, conversão de moedas, o que fazer, aonde ir, e infinitas possibilidades.

E eu diria que ele também está substituindo as organizações públicas de turismo, National Tourist Organisations, como a EMBRATUR, o Destinations on Google (veja o vídeo explicativo) é uma ferramenta de planejamento de viagens que traz tudo sobre os destinos. Será que estamos assim tão eficientes nos destinos com conteúdo e opções? Basta comparar nossos sites e informações com aqui que está disponível na ferramenta. Interessante pesquisar mais sobre esse tema, ao que me consta hoje todos os governos que investem em mídia digital compram posicionamento e usam o adwords do Google.

Mas voltando ao mercado, aonde entraria do agente de viagens ? De acordo com Pavelko, esses consultores ou conselheiros podem oferecer produtos e preços que dificilmente podem ser encontrados no ambiente digital, ou ainda, customisar viagens de acordo com os desejos do cliente, juntando o mundo digital com o real, aonde o agente de viagens pode mostrar seu diferencial. O relacionamento e a credibilidade ainda são fatores que influenciam muitas pessoas no longo processo de viagens.

Qual seria o ponto de separação entre esses atores? Será que ele existe ? O que você pensa ?

Fonte: Will Google Replace Travel Agents?

O país que tem um telefone

IMG_0212

Em nossa busca diária sobre como es destinos se promovem pelo mundo temos encontrado várias curiosidades, campanhas comuns, ações que não deram muito certo, algumas até estranhas, e outras inovações que buscam ao mesmo tempo promover o destino e utilizar ferramentas inéditas.

Hoje o comentário vai para uma ação que está sendo realizada na Suécia pela Swedish Tourist Association. Uma hotline conecta qualquer pessoa do mundo a alguém no país, e pode fazer perguntas, tirar dúvidas e conversar sobre as oportunidades do país para o turismo. A idéia da entidade é provocar a curiosidade das pessoas sobre a cultura, a natureza e a forma de viver das pessoas. O convite é feito aos cidadãos comuns, que são voluntários ao fazer download em um aplicativo e então se disponibilizar a atender aos turistas: The Swedish Number 

No segundo dia do lançamento da campanha e do aplicativo cerca de 3 mil suecos já faziam parte da rede de voluntários e cerca de 3 mil pessoas já haviam ligado para conversar sobre o país, a maioria da Turquia. As pessoas que atendem as ligações não são treinadas, e pouco se sabe sobre o que eles conversam com os possíveis turistas; a única forma de controle é a gravação das ligações para utilização em caso de reclamações ou outros problemas.

Vamos continuar de olho para ver como a ação se desenvolve. Parece ter alguns riscos, mas ao mesmo tempo é altamente interativo, envolve a população local e ao mesmo tempo leva o visitante a um contato livre e real. O que você acha ? Quer ligar lá? Eles dizem que esse é o único país que tem um número de telefone +46 771 793 336.