O que você precisa cultivar se quer trabalhar com turismo?

Quais dos seus talentos foram transformados ou melhorados nos últimos 15 meses? Já parou para analisar quais são suas novas habilidades profissionais ? Inseriu isso no currículo? Mencionou numa entrevista?

Um artigo da MacKinsey me chamou a atenção. Entre 25 habilidades que foram pesquisadas as que mais cresceram nas buscas e desenvolvimento das empresas foram as relacionadas aos aspectos sociais, emocionais e cognitivos. Quais desses talentos são essenciais para os profissionais da indústria de viagens e turismo?

Tudo está focado no social e emocional

Esse estudo, se aplicado ao cenário de sensibilidade e novas formas de trabalho impostas a partir da pandemia, mostra que liderança e gerenciamento de equipe, ao lado de um pensamento crítico e a capacidade de decidir são aptidões muito valorizadas pelas empresas. Estes dois temas se juntam ao gerenciamento de projetos. Os outros três elementos que seguem na lista de importância são a adaptabilidade e aprendizado constante, as habilidades digitais básicas e a empatia e as aptidões de relacionamentos interpessoais.

Todos esses elementos num caldeirão em que o principal ingrediente é social e o tempero que dá gosto é emocional, podemos imaginar o quanto todos esses talentos serão necessários daqui pra frente. Agora vamos trazer isso ao setor de turismo que vive imensas e rápidas transformações (falamos mais aqui), altamente direcionado às pessoas. O significado das próximas viagens terá muitos aspectos subjetivos, como a valorização da liberdade, do bem-estar e dos relacionamentos entre os companheiros de jornada (também falamos aqui). Estamos capacitando e observando nossos times nesse sentido? Faz sentido essa reflexão em nosso setor?

5 habilidades pra turbinar sempre:

  1. Liderança e gerenciamento de pessoas
  2. Pensamento crítico e processo de tomada de decisões
  3. Adaptabilidade e aprendizado contínuo
  4. Habilidades digitais básicas
  5. Empatia e relacionamentos interpessoais

Atestado para a força do turismo

O difícil cenário que o Brasil enfrenta desde o ano passado vem se agravando ainda mais, afinal vivemos já a triste perda de mais de 300 mil vidas humanas. E o forte golpe deixa ainda mais evidente que a indústria de viagens e turismo é responsável pela geração de milhões de empregos e que tem um papel econômico e sócia; sem mencionar  o bem-estar das pessoas.

O Conselho Mundial de Turismo WTTC trouxe um dado alarmante de que o setor perdeu 49% de seu impacto no PIB global em 2020[1]; enquanto a economia global caiu “só” 3,7%. No total, a contribuição do setor para o PIB global caiu US$ 4,7 trilhões em 2020 (5,5% da economia global), de quase US$9,2 trilhões em 2019 (10,4%). Em 2018, por exemplo, o crescimento foi de 3,9% contra 3,1% da economia do planeta[2].

Em 2019, o setor mundial de Viagens e Turismo gerava um em cada quatro novos empregos ao redor do mundo, contribuindo com 10,6% (334 milhões) de empregos. Em 2020 a pandemia levou à perda de mais de 62 milhões de postos de trabalho; uma queda de 18,5%. As pequenas e médias empresas foram as que mais sofreram e ainda amargam um situação financeira muito complexa em muitos países, onde não há auxílio de créditos e outros. Os gastos com viagens internacionais foi 69,4% menor do que em 2020 e nas viagens domésticas a queda foi de 45%.

No Brasil, a realidade não é diferente. A CNC, com base nos dados do CAGED, apontou que as perdas do turismo em 2020 chegaram a mais de R$ 290 bilhões e uma destruição de quase 400 mil postos formais de trabalho de brasileiros[3]. Sem mencionar as perdas de ocupações informais e aquelas impactadas indiretamente pelo turismo. Nesse post aqui você encontra mais análises com dados específicos do turismo em 2020 no Brasil. E nesse aqui você pode saber mais sobre as perdas do Brasil no mercado internacional.

Você pode me dizer, nossa já temos muitas notícias ruins, o cenário é difícil. Sim, isso mesmo. Esses dados que trazemos devem ser lembrados, pois eles são a mostra de que o turismo precisa de políticas públicas de longo prazo. Que precisamos já e, ainda por um bom tempo, de suporte a empregos e empresas. Demonstra que são mais do que urgentes as medidas de sustentabilidade econômica, cultural e ambiental para que essa tragédia não se agrave e comprometa o futuro do setor no Brasil.

Esses números globais e do Brasil são o atestado da força da indústria de viagens e turismo, e nosso passaporte para maior engajamento na reconstrução daquele que pode ser o maior aliado da recuperação econômica de nosso país: o turismo.


[1] Disponível em: https://wttc.org/News-Article/Global-TandT-sector-suffered-a-loss-of-almost-US4-trillion-in-2020. Acesso em 26 mar.2021.

[2] Disponível em: https://blog.panrotas.com.br/mktdestinos/2019/03/11/turismo-cresce-o-dobro-da-economia/. Acesso em 26 mar.2021.

[3] Disponível em: https://www.panrotas.com.br/mercado/pesquisas-e-estatisticas/2021/03/turismo-perde-r-290-bilhoes-e-397-mil-empregos-em-2020_180134.html?utm_campaign=panrotas_news_-_edicao_003426&utm_medium=email&utm_source=RD+Station. Acesso em 26 mar.2021.