a comilança em noronha

Que Noronha seja um desbunde para os olhos, isso é fato amplamente conhecido.

Mas tivemos a deliciosa surpresa de encontrar uma ilha em que a comida também aguçou nosso paladar.

A primeira dica, de longe é o Cacimba do Padre. Voltamos algumas vezes, por isso podemos recomendar o polvo, a moqueca de lagosta e os demais pratos de peixe. Todos com tempero feito na medida e fartos – boas lembranças do ceviche de entrada também. Talvez tenhamos dado sorte, mas tudo que comemos foi incrível.

O Bar do Meio nos fez um arroz de polvo incrivelmente macio, bem temperado, leve, fresco… hummmmm! Fora que ali se tem uma das melhores vistas para o por do sol da ilha.

O Mergulhão, no Porto, nos encantou com seu sashimi de Albacora. Como o restaurante fica no alto e as águas do Porto são Esmeralda claro, é uma experiência soberba ter aquela vista à frente dos olhos e aqueles sabores todos na boca, tudo ao mesmo tempo.

Também fomos conferir o famoso restaurante da Pousada Zé Maria. Muitos nos deram a dica de não optar pelo festival pois o custo beneficio deixava a desejar. Então pedimos apenas dois pratos mesmo e estavam corretos, gostosos, mas nada exuberante como no Cacimba.

Nossa última empreitada gastronômica foi no restaurante da pousada Teju-Açu, onde tivemos o mesmo resultado da Zé Maria: comida boa, mas nada que tenha saltado aos paladares.

Voltaremos em breve, Noronha! Ainda faltou metade do cardápio do Cacimba, só isso já um ótimo motivo não? 🙂

Published by

Julia Casali e Tati Isler

Tati Isler é fundadora da TI Comunicações, empresa de marketing integrado especializada em viagens, que cuida do Turismo da África do Sul. Foi tenista profissional, é formada em História e Jornalismo e é apaixonada, além de viagens, por meditação, ashtanga yoga, plantas, gatos, Ubatuba e pelo amor... Julia Casali se formou em Comunicação em Multimeios e desde 2009 desenvolve estratégias comerciais para projetos de entretenimento, como Hotel Budweiser, festival Tomorrowland Brasil e a série Samantha! da Netflix. Nascida em São Paulo, ama sua cidade mas foge dela sempre que pode. É praticante de meditação, mãe de dois cães, ama pedalar, toca percussão na banda do Tarado Ni Você, aprecia boa comida, faz locução e está aprendendo marcenaria.

2 thoughts on “a comilança em noronha

  1. Faltou o Varanda, Tati, mas no restante as dicas são impecáveis. O Cacimba é extraordinário, delicioso, um dos melhores restaurantes em que já comi na vida. Chef Auricélio Romão não é o queridinho das celebridades à toa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *