Verão na Europa: sim ou não?

Praia de Cascais, próxima de Lisboa

Se você é daqueles que busca respostas rápidas: sim, não há momento melhor de se estar na Europa do que no verão. Parece uma questão óbvia, mas são diversos os pontos que devem ser levados em conta. Se você quer saber o porquê disso, fica aqui comigo e leia o texto até o fim.

Estamos oficialmente no verão, o ápice da alta temporada na Europa – por aqui, a alta vai de maio ao final de agosto, enquanto que o verão se limita ao período entre 21 de junho e 23 de setembro. É um momento de cidades cheias, vivas e abertas, com muitas atividades para os públicos local e não-local. Neste post eu vou pontuar alguns dos prós e contras das visitas na época mais quente do ano. Como eu já dei o spoiler no primeiro parágrafo, o resumo da história é favorável para o turista no Velho Continente.

Contras

Para criar um suspense e deixar você na expectativa, vou começar pelos contras. Apesar de serem pontos menos favoráveis, nenhum deles, na minha opinião, é suficientemente ruim a ponto de fazer alguém desistir de vir para cá.

O primeiro deles são as filas. Por mais que você escolha um lugarzinho remoto da Europa, é muito provável que alguém pensou no mesmo e estará lá ao seu lado, dividindo o mesmo espaço. Se o caso são os grandes destinos, as filas e esperas e multidões serão uma certeza. Ir para a viagem consciente disso ajuda um bocado. O alento é que, não importa a cidade em questão, há sempre opções interessantíssimas fora do circuito turístico – como eu destaquei na minha visita a Veneza. Pesquise, pergunte, explore…seja na Europa ou não, as cidades têm muito mais a oferecer do que mostra o cartão postal.

O lotado Mercado Central de Budapeste, na Hungria

Mais gente interessada, mais caro o produto fica. A lei da oferta e da procura entra em ação no Turismo nas altas temporadas e isso será notado em praticamente todas as etapas da viagem, da passagem aérea ao drinque antes do jantar. Há destinos que inflacionam mais do que outros e a pesquisa prévia é mais uma vez essencial para que você consiga contornar os reajustes exagerados.

A hospedagem ganha um parágrafo só para ela por unir os dois itens anteriores. Os preços das diárias, flutuantes ao longo de todo o ano, sobem invariavelmente assim como cresce o número de hóspedes. Isso significa que, por vezes, concessões deverão ser feitas: leia-se pagar mais pelo padrão que você está acostumado; pagar o mesmo mas aceitar algo mais simples; ou pagar bem mais em um nível acima para garantir um lugar no hotel/rede de preferência.

As temperaturas, o próximo item, vão ser levadas em conta tanto para o bem como para o mau. O verão europeu pode ser extremo em algumas partes do continente, principalmente nas proximidades do mediterrâneo. No ano passado, termômetros de regiões de Portugal, Espanha, França, Itália e Croácia passaram dos 40 graus e exigiram que governos emitissem alertas de atenção à população. Viver sob calor intenso não é agradável e turistar, caminhando por horas em céu aberto, não é diferente.

Teatro a céu aberto no Iveagh Gardens, em Dublin

Prós

Se você chegou a esse ponto do texto, leu todo o lado pessimista da história, e não desistiu de viajar, então com certeza os itens abaixo só vão lhe deixar ainda mais certo de que é na Europa que você quer passar seu próximo verão.

Como prometido, o clima volta a ser citado. A não ser que você tenha escolhido passar o mês todo no Reino Unido, o verão é o momento do ano no qual dificilmente chuvas atrapalharão seus planos. Dias ensolarados e abertos são comuns e há grandes chances de que aquele esperado passeio seja feito debaixo de céu azul – “grandes chances” não significa 100% de certeza, ok? O tempo pode virar, vocês sabem como isso funciona.

Os dias na Europa são looongos no verão. Esse é um dos meus fatores favoritos e de fato tem uma influência enorme no planejamento da viagem. Dependendo de onde você está no continente, o sol não desaparece antes das 21h. Em geral são cerca de 14 horas naturalmente iluminadas que dão ao turista a chance de explorar bairros e cidadezinhas por completo. Um ponto extra nesse item é o horário de funcionamento das atrações. Por conta dos dias mais longos, parques, museus e feiras estendem seus expedientes e ajudam a preencher ainda mais o roteiro do dia.

Palácio de Schöbrunn, em Viena, no inverno (esquerda) e verão (direita)

Por último, um ponto que só é melhor notado quando se compara as estações em um mesmo lugar. Assim como em pessoas, o “humor” da cidade também altera conforme sai o frio e chega o calor. No verão europeu, espere por cidades vivas e coloridas, com uma nova roupagem para a estação, cheias de festivais e de atividades – há sempre programação gratuita nas grandes cidades, fique ligado!

De uma forma geral – excluindo destinos de neve, obviamente -, o verão é sim o melhor momento para se visitar a Europa. Ter dias movimentados, cheios de atividades e com tempo agradável, certamente reduzirá os efeitos negativos que os preços e as filas causarão no viajante.

Não deixe de dar uma olhada nos últimos posts e acompanhe a jornada do Viajante 3.0 pela blogosfera da PANROTAS e também pela conta no Instagram.

 

Published by

Renato Machado

Renato é jornalista e encontrou na cobertura do Turismo a junção de grandes prazeres: escrever e conhecer novas culturas e lugares. Agora vive em Napoli, na Itália, e neste espaço irá experimentar na prática tendências e inovações do mercado, além de buscar um olhar menos óbvio de destinos internacionais. No Instagram @Viajante3.0

2 thoughts on “Verão na Europa: sim ou não?

  1. Viajante3.0,

    Já me deu vontade de retornar a Europa e, particularmente Portugal, onde estive no verão de 2016 (agosto/2016).

    abs

    Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *