Louvre fachada

Homenagem de Paris e da França às mulheres

Uma homenagem à liberdade e à igualdade.

Tudo em Paris e na França, a começar por Marianne*, homenageia as mulheres. Sua arquitetura transborda de alegorias, suas fachadas, suas cariátides**, suas praças, seus cabarés, enfim, tudo a minha volta parece festejar a feminilidade. Por isso gosto de dizer que Paris é uma linda e poderosa mulher.

Que o dia 8 de março não seja comemorado somente como dia da mulher, mas sim como o dia em que buscamos alcançar a igualdade entre homens e mulheres: igualdade salarial, igualdade no que diz respeito à liberdade de expressão, igualdade quanto à segurança nas ruas, liberdade para os semblantes e as pernas de fora, igualdade para todos.

Fica aqui, nas imagens que registrei para você, minha homenagem ( e a de Paris) às Mulheres, e sobretudo meu voto de um realizado dia da liberdade e da igualdade entre os Homens  para você querido(a) leitor (a)!

POST SCRIPTUM  1 ou P.S. 1

*Marianne, uma mulher com boné vermelho 

As primeiras representações de Marianne, alegoria da liberdade, aparecem sob a revolução francesa.

A origem de Marianne não é conhecida com certeza. O fato é que o nome era muito comum no século XVIII, assim como são no Brasil os nomes Maria ou José. Por essa razão a denominação Marie – Anne passou a representar o povo, como em nosso país falamos de Zé-Mané por exemplo. Então, durante a Revolução Francesa os contra-revolucionários começaram a apelidar, ironicamente, a República de Marie-Anne.

Marianne guiando o povo, Eugène Delacroix 1830
Marianne, a Liberdade guiando o povo, Eugène Delacroix 1830

O boné vermelho  era usado na antiguidade pelos escravos alforriados da Grécia e de Roma. Mais tarde, um boné desse mesmo tipo passou a ser usado por marinheiros do Mediterrâneo,  sua utilização como símbolo da revolução foi primeiramente adotada  por revolucionários do Sul da França antes de conquistar todo o território francês.

 

Uma vez a monarquia deposta e a República Francesa instaurada, as estátuas e bustos de Marianne se multiplicaram nas prefeituras e prédios administrativos afora, até alcançarem as mais variadas representações artísticas e  inúmeros lugares, como podemos ver nas fotos acima chegou até mesmo em New York.

Post Scriptum II –

  • Nas fotos de dançarinas: Charloti, a estrela franco brasileira do Cabaré Le Lido de Paris e a dançarina de French Cancan do Cabaré Paradis Latin, aos quais agradeço a concessão de imagens
  • **cariátides : figura humana que sustenta uma arquitrave ou cornija.

Post Scriptum III –

  • O texto foi escrito com o antigo código de ortografia
  • As imagens do vídeo editadas por Thiago Oliveira

Postagens relacionadas

Published by

Silvia Helena

Após breves passagens pela Faculdade Metodista de São Bernardo e Belas Artes de São Paulo, aos 18 anos fui estudar no Canadá, onde vivi durante 23 anos. Lá me formei em História da Arte pela Universidade de Montréal, estudei turismo no Collège Lasalle de Montréal e no Institut de Tourisme et Hôtellerie du Québec. Comecei minha carreira na área trabalhando em Cuba. Durante os anos vividos no Canadá, entre outras coisas, fui guia de circuitos pela costa leste e abri minha primeira agência de receptivo para brasileiros. Há dez anos um vento forte bateu nas velas da minha vida me conduzindo até França. Atualmente escrevo de Paris, onde vivo e trabalho dirigindo a empresa de receptivo, a Holatour.

2 thoughts on “Homenagem de Paris e da França às mulheres

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *