NÃO PERCA TEMPO COM EMPREENDEDORES DE PALCO

Está cheio por aí…

É incrível como o empreendedorismo evoluiu ao longo dos anos, recebeu a atenção e a formatação de diversos autores, ensaístas e palestrantes, especialistas que transformaram o que era um talento (montar um negócio) em uma ciência (empreender).

Ninguém mais quer ser empresário, termo arcaico que absorveu as manchas deixadas por maus empresários do passado e do presente, hoje todos querem ser empreendedores, expressão nova que denota quase um ser superior, ligado a um propósito, muita determinação e espírito de liderança…

Tal e qual a internet, dada a sua precocidade ainda não pode-se falar em história do empreendedorismo como ciência (aliás não é unanimidade que seja uma ciência), mas a trajetória do estudo do empreendedorismo e sua aplicação na vida profissional já afeta centenas de milhões de jovens em todo o mundo, atraídos pela mosca azul do que os americanos chamam “entrepreneurship”.

Da mesmíssima forma, não se monta mais uma empresa, o certo é fundar uma “startup”… afinal, o próprio termo já denota uma certeza de crescimento, de arranque, de aceleração, avante e pra cima, bem diferente de quando se “abria uma firma”…

As histórias de empreendedores de sucesso habitam o imaginário de 10 em 10 jovens universitários. Todos querem ser um novo bilionário e acreditam que podem fazer isso sem esforço...
As histórias de empreendedores de sucesso habitam o imaginário de 10 em 10 jovens universitários. Todos querem ser um novo bilionário e acreditam que podem fazer isso sem esforço…

O fato é que empreender virou moda, é “cool”, desejo de 9 em 10 formandos de administração, computação e engenharia de produção, entre outras carreiras, a tal ponto que já existe uma legião de gurus do empreendedorismo, palestrantes, blogueiros, profissionais que literalmente vendem (e se vendem) as nobres virtudes do espírito empreendedor.

São os novos gurus da autoajuda, geralmente profissionais “em momento de transição”, que ministram “coaching” para executivos, palestram em eventos corporativos, escrevem livros e ebooks, mantêm redes sociais bem movimentadas (com seguidores tão fanáticos quanto críticos), moderam foruns de discussões, realizam mentorias e, seguramente, são blogueiros especializados no tema em que se destacaram para o mercado, devido à sua alegada experiência empreendedora bem sucedida.

Da mesma forma que, no passado, surgiram muitos consultores corporativos sem qualquer experiência corporativa, também já começam a surgir, hoje em dia, os chamados “empreendedores de palco”, que são aqueles profissionais que se agarram à causa empreendedora e, mesmo sem uma relevante trajetória empresarial, conseguem se destacar em palestras, entrevistas, eventos, mídias socias etc., a partir do uso rebuscado da retórica empreendedora (sim, já existe isso).

O empreendedorismo de palco é um fenômeno social relativamente recente, tendo sido identificado, entre outros, por autores como Ícaro de Carvalho e Bob Wollheim e tem na palestrante brasileira Bel Pesce a imagem mais difundida, uma quase celebridade no tema, pela forma como construiu (ou formatou, ou inflou, ou inventou) a sua “trajetória empreendedora”, hoje completamente desconstruída por diversos autores, como Izzy Nobre e Felipe Machado, da Veja.com. Acho que ambos foram um tanto injustos na forma como personificaram nesta moça um fenômeno que não é exclusividade dela e já arrasta uma legião de prolixos seguidores, que já se organizam para fundar a ABRAEMP – Associação Brasileira dos Empreendedores de Palco.

Capacitação é fundamental, mas o exagero na curiosidade e no interesse por casos de sucesso de empreendedores gera a mais pura perda de tempo, na contramão do verdadeiro espírito empreendedor
Capacitação é fundamental, mas o exagero na curiosidade e no interesse por casos de sucesso de empreendedores gera a mais pura perda de tempo, na contramão do verdadeiro espírito empreendedor

O mais incrível é que está crescendo um novo mercado de cursos e palestras, online e presenciais, onde profissionais que montaram negócios reais vão tomar lições de empreendedorismo com pessoas que nunca abriram um CNPJ e sequer têm alguma experiência gerencial que mereça ser ouvida, uma verdadeira sucessão de frases feitas, típicas de autoajuda, uma após a outra, e nenhum “insight” ou qualquer dica relevante para quem está interessado em empreender ou progredir no seu negócio.

Incrível como a história se repete e sempre existirão seguidores para todo tipo de embuste.

.

Published by

Luís Vabo

Entusiasta da inovação, do empreendedorismo e da alta performance, adepto da vida saudável, dos amigos e da família, obstinado, voluntário, esportista, apaixonado e exagerado. Sócio e Presidente do Reserve 💲 Sócio da Solid ✈️ Sócio da MyView 🚁 VP da Abracorp VP da ABAV Nacional

18 thoughts on “NÃO PERCA TEMPO COM EMPREENDEDORES DE PALCO

  1. Luís querido amigo,
    Este é o seu melhor texto do ano (e olha que ainda tem algumas semanas até o fim dele..) Mais ainda hoje a reflexão é sensacional – assim como o capital não aceita desaforo, o palco aceita tudo. Amei !
    Helô

    1. Grande Noronha,

      Penso que a grande vantagem da experiência está mais em saber o que evitar do que em como fazer.

      Afinal, o tempo é a variável de maior valor e sobre a qual temos menos controle.

      []’s

      Luís Vabo

  2. Caro Luís,

    Tem plena razão no que falou no seu texto, sou um jovem com sonhos de um dia me tornar em alguém com o seu próprio negócio, mas tenho noção que para chegar a esse nível, terei de batalhar bastante e que não chegarei ao topo, apenas ouvindo historias “encantadas” que esses tais “gurus” empreendedores andam por este mundo fora a contar. Temos de saber escolher bem quem devemos ouvir e conseguir captar o melhor de todas as pessoas com quem nos cruzarmos.

    Cumprimentos,

    Vítor Morim

    1. Vítor,

      Batalhar bastante, de forma obstinada, mas com um propósito bem definido, numa direção clara.

      Ouvir tré-lé-lé sobre a vida deste ou daquele empreendedor não te levará a nada…

      []’s

      Luís Vabo

  3. Amigo Vabo,
    Parabéns pelo que escreveu e mais ainda pela visão, pelo que teve de experiências como um empresário há vários anos que sabe que ser um bom empreendedor é ter competências gerenciais e estratégicas, correr riscos e acima de tudo ter 02 vitais atitudes: disciplina e resiliência.
    Isso só se consegue ensinar com maestria e prática se já viveu na pele.

    Um grande abraço,

    Lúcio Oliveira
    Capacitar

    1. Super Lucio,

      Acredito que ter experiências anteriores, boas e ruins, é condição fundamental para tornar-se referência em alguma coisa.

      Por mais que eu leia e estude sobre o coração, não conseguirei fazer uma palestra útil sobre transplante de coração para cirurgiões cardíacos.

      Faltaria a experiência prática no assunto.

      []’s

      Luís Vabo

  4. Boa noite Luís, que artigo maravilhoso, parabéns! Tudo que penso está aí. Como podemos falar mais? Irei compartilhá-lo no meu grupo de empreendedoras e tenho interesse de conhecê-lo, vc fica aonde?

    1. Thks, Patricia,

      Está mesmo na hora dessa nova geração colocar os pés no chão e a mão na massa se deseja mesmo empreender e conquistar alguma coisa.

      Obrigado pela leitura e comentário.

      []’s

      Luís Vabo

  5. Luís,

    Acredito muito que não só a nova geração, mas sim todos tenham que ter pés no chão. Não acho que devemos generalizar e achar que todos são iguais e seguem “empreendedores de palco”.. Fora isso, bem pertinente o texto.

    Foi bom para abrir os olhos de algumas pessoas (não só a nova geração), que acreditam em tudo que veem na internet e esquecem que devemos tomar as rédeas e agir no mundo real e não virtual.

    1. Oi, Luís,

      Sem generalizações, naturalmente, mas o estouro da manada é inevitável, já estourou e a maioria seguiu pra onde todos estão indo, sem preconceito de jovens ou velhos, experientes ou nem.

      Obrigado por comentar,

      []’s

      Luís Vabo

  6. Vabo , Boa Tarde !!

    Espetacular !
    Na jugular de muita gente que merece e precisa entender o que é o mundo real .

    Grande Abraço do seu sempre seguidor

    Hélio

  7. Caro Luis

    Certissimos os seus cometários, estou cheio de ver esses “falsos gurus” enganando jovens.
    Parabens pelas suas excelentes materias.

    Raul Sardon
    Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *