PARTE 1 – PAI x FILHO: COMPETIÇÃO OU CAPACITAÇÃO?

Este não é um post sobre tecnologia ou gestão corporativa, nem sobre o mercado de viagens e turismo, tampouco sobre comportamento social e político, os três temas da minha predileção, usuais aqui no Blog B2BTech.

Resolvi contar uma história pessoal, um longo episódio familiar que ilustra bem a importância de uma decisão estratégica e também uma constatação de como o tempo muda a forma como enfrentamos desafios, me refiro a grandes desafios, aqueles que se postam diante de você e, por mais que você reflita, não enxerga uma saída, uma forma de resolvê-lo, sequer um caminho para a solução.

Sempre gostei de jogar xadrez, durante a escola técnica e a faculdade de Engenharia Mecânica, jogava com certa regularidade, mas sem compromisso, sem estudo, sem brilhantismo nenhum, apenas jogava eventualmente, mas sempre com prazer.

Ao longo da infância de Vabo JR, ensinei as regras e o estimulei a jogar xadrez, sempre motivando-o a praticar, aprender, estudar as estratégias do jogo e, como os pais normalmente fazem, a buscar sempre a vitória.

Jogar xadrez desde cedo é uma forma comprovada de estimular o raciocínio e a criatividade

Jogávamos com certa frequência, pai vencendo o filho (sem moleza) e filho esforçando-se para aprender e tentando vencer o pai, até que chegou o ano de 1998, alguns jogos já empatavam e Vabo JR criou o que hoje entendo ter sido uma incrível metodologia de aprimoramento da sua capacidade de jogar xadrez.

Como os pais e filhos nesta fase da vida (eu com 38 anos, ele com quase 13), tínhamos absurdas agendas de trabalho e estudo e, para manter a prática em dia, montamos o tabuleiro sobre a mesa de centro da sala de estar. A cada dia, fazíamos 2 movimentos cada um, de manhã ao sair de casa, e à noite ao retornar à casa, geralmente em horários desconexos. Solange observava e nos ajudava a cuidar para que ninguém mexesse nas peças no tabuleiro, durante os longos dias em que ficava montado.

Ou seja, jogávamos e nos desafiávamos, sem estarmos presentes um à frente do outro, como seria o usual em torneios de xadrez. Nosso limite de tempo para cada lance era determinado pela antecedência com que sentávamos à frente do tabuleiro (planejamento), pela motivação em estudar cada lance anterior do oponente (estímulo), mas principalmente pelo horário do compromisso seguinte, no caso trabalho e escola, nossas prioridades (pressão).

Primeira fase (1998 a 2002)

Logo no início, combinamos que o nosso torneio peculiar seria concluído quando alguém vencesse 10 partidas, ou seja, empates não contavam na pontuação, somente a vitória pontuaria para o resultado final deste torneio, o qual não teria, portanto, prazo determinado para ser concluído. Cada jogo demorava semanas, às vezes meses, devido aos 2 lances por dia e, por isso, esta primeira fase do torneio demorou quase 5 anos, ou seja, até o final de 2002.

Por eu ter vencido os primeiros jogos pela minha maior experiência, Vabo JR começou a aprofundar-se no tema, leu livros dos grandes mestres durante o segundo grau, participou de torneios no colégio e passou a dificultar muito o jogo, venceu algumas partidas, empatou outras e encerramos 2002 com o placar Vabo SR 6 x 2 Vabo JR, sendo que 4 partidas terminaram empatadas (embora estas não importavam para o resultado do torneio).

Apesar de, durante este período, ele ter conquistado um hepta-campeonato de xadrez do Colégio Marista São José (de 1996 a 2002) na Tijuca, eu jogava tranquilo, aplicando a única técnica que eu havia aprendido na prática: eu jogava agressivamente, sempre tomando a iniciativa e acuando o adversário na defesa. Por acreditar que este meu maior trunfo funcionava bem, eu contive o meu orgulho de pai, quando ele venceu essas 2 partidas nesta primeira fase.

As aulas de Christian Toth, mestre e professor de Xadrez (matéria de estratégia para alunos de Engenharia de Produção da PUC-Rio) foram um reforço inesperado para Vabo JR

Foi então que seus primeiros anos de faculdade fizeram a diferença. Meu parceiro de tabuleiro decidiu inscrever-se numa matéria eletiva sobre estratégia através do estudo teórico das grandes partidas da história. A matéria eletiva do curso de graduação em Engenharia de Produção da PUC-Rio chamava-se simplesmente Xadrez e era ministrada por ninguém menos do que Christian Toth, ex-técnico da seleção brasileira e mestre internacional de xadrez.

O resultado de meu amadorismo no xadrez começava a ser posto em xeque…

(Continua no próximo post: PARTE 2 – PAI X FILHO: COMPETIÇÃO OU CAPACITAÇÃO?)


Published by

Luís Vabo

Entusiasta da inovação, do empreendedorismo e da alta performance, adepto da vida saudável, dos amigos e da família, obstinado, voluntário, esportista, apaixonado e exagerado.💲Presidente do Reserve ✈️ Sócio da Solid 🚁 Sócio da MyView 🔌 Sócio do Ligaí VP da Abracorp e da ABAV Nacional.

6 thoughts on “PARTE 1 – PAI x FILHO: COMPETIÇÃO OU CAPACITAÇÃO?

Deixe uma resposta para Pedro Mattos Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *