Direitos, dinheiro e respeito. A mulher “parisienne” no dia 8 de março e sempre.

Uma característica única de Paris é ser um palco constante de manifestações culturais dos mais diversos tipos. Paris é uma cidade em constante ebulição. Manifestações artísticas, musicais, arquitetônicas, plásticas, manifestações sociais e políticas preenchem o quotidiano do (a) parisiense e até mesmo o visual da cidade (como em sua arquitetura contrastante e muitas vezes fruto de legendarias polêmicas). Algumas manifestações são criativas e, no entanto, conservadoras como a famosa Fashion Week, muitas outras frequentemente revolucionárias.

O dia 8 de março não podia ser diferente.

Este ano mais do que nunca, no domínio socioeconômico, as mulheres estão exigindo direitos, dinheiro e respeito. Apesar das promessas eleitorais de François Hollande, as francesas ainda ganham 26% a menos que os franceses.

 38 associações, feministas, sindicatos, ONGs e organizações de jovens chamam para mobilização. Os organismos chamam as mulheres (e homens comprometidos com a causa) à greve neste dia 8 às 15:40 em ponto. Por que 15:40? Porque, tendo em conta a diferença de 26% entre a remuneração de mulheres e homens (de acordo com dados do Eurostat), é a hora que as mulheres param de ser pagas a cada dia, com base em um dia normal.

Outra razão para desencadear uma greve? 80% dos empregos de tempo parcial são preenchidos por mulheres.

Um protesto percorreu o trajeto da Praça da República a Ópera passando em frente de lojas de departamento, onde há um grande numéro de trabalhadoras no ramo..

Já no registro cultural o projeto da AWARE, Archives of Women Artists, Research and Exhibitions, “Où sont-elles?” ou “Onde estão elas?” promove, em associação com diversos museus, visitas guiadas por conferencistas com destaque para as obras de artistas do sexo feminino de suas coleções. Do dia 8 ao dia 12 no Museu de arte moderna Georges Pompidou, no Museu D’Orsay, no Museu de Artes Gráficas e outros. Visitas gratuitas, reservas no site. http://www.awarewomenartists.com/action/visites-a-la-decouverte-des-artistes-femmes/

La parisienne - Auguste Renoir
La parisienne – Auguste Renoir 1900

E para terminar nosso percurso pela semana e vida da mulher em Paris, a biblioteca Forney no bairro 4 expõem uma coletânea de fotos, documentos e revistas apresentando a evolução da moda feminina durante a 1ª guerra mundial. Quando os acontecimentos ditaram a condição feminina e seu papel na sociedade, levando-as às manufaturas e até a beira das trincheiras, mudando assim seus costumes e aparências externas para sempre.  A exposição fica aberta até dia 17 de junho, dando oportunidade a quem perdeu a semana da mulher em Paris de desfrutar da ocasião e da descoberta da condição, sempre evolutiva, da mulher na França.

Bibliothèque Forney
1 rue du Figuier, 75004 Paris, até 17 de junho 2017

 

 

Published by

Silvia Helena

Após breves passagens pela Faculdade Metodista de São Bernardo e Belas Artes de São Paulo, aos 18 anos fui estudar no Canadá, onde vivi durante 23 anos. Lá me formei em História da Arte pela Universidade de Montréal, estudei turismo no Collège Lasalle de Montréal e no Institut de Tourisme et Hôtellerie du Québec. Comecei minha carreira na área trabalhando em Cuba. Durante os anos vividos no Canadá, entre outras coisas, fui guia de circuitos pela costa leste e abri minha primeira agência de receptivo para brasileiros. Há dez anos um vento forte bateu nas velas da minha vida me conduzindo até França. Atualmente escrevo de Paris, onde vivo e trabalho dirigindo a empresa de receptivo, a Holatour.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *