Férias na França e o Novo Normal

Setembro é o mês de volta as aulas após as grandes férias de verão. Setembro não é um mês como os outros meses na França. Setembro é como um “segundo” começo do ano no país. O inicio de setembro é talvez comparável ao nosso “depois do Carnaval”.  Que fique claro, Julho e Agosto na França são como Dezembro e Janeiro no Brasil.

Então, a França e o continente Europeu acabam de passar por suas primeiras férias de verão em tempos de Covid 19, ou seja, encarando o novo normal no âmbito turístico. Não quero escrever férias pós-pandemia porque ela não está erradicada, mas os números otimistas permitiram aos franceses se deslocar para muitos destinos livremente neste período.

Desde 15 de junho, a maioria dos países da União Européia e do espaço Schengen suspenderam as medidas restritivas em suas fronteiras aceitando viajantes franceses em seus territórios e vice-versa. Estava dada a largada para o verão e uma retomada parcial da atividade turística européia.

Junho e julho, meses de liberdade!


Durante esta temporada, vinte e cinco países europeus estavam e sequem acessíveis aos franceses sem condições, incluindo dezoito da UE: Alemanha, Áustria, Bélgica, Holanda, Dinamarca, Espanha, Itália, Luxemburgo, Hungria, Croácia, Polônia, Malta, República Tcheca, Romênia, Bulgária, Eslováquia, Eslovênia e Suécia. Os países dos Balcãs, com exceção da Bósnia e Herzegovina, também são acessíveis sem restrições.

No início de julho a média de óbitos diários devido ao coronavírus na França era de 20 pessoas ao dia, no começo de agosto de 9 pessoas ao dia, números promissores.     

No entanto, todos os países observam os níveis de epidemia alheios e podem, se os números  ultrapassarem um determinado limite, reservarem-se o direito de restabelecer as restrições contra quaisquer cidadãos ou os vôos estrangeiros.

Sendo assim, por essas e muitas (põem muitas nisso) outras incertezas ligadas à pandemia, mesmo podendo viajar ao exterior, a maioria dos franceses e europeus resolveu ficar em seus países. Segundo estudos publicados pela Protourisme, empresa especializada em estudos e consultoria no sector turístico, somente 10% dos franceses arriscou atravessar as fronteiras por exemplo.

A cidade luz ficou vazia

Eu imaginei que em plena recessão ocasionada pelo Covid as pessoas não fossem viajar de maneira significativa.

Porém, pouco a pouco, no decorrer de julho Paris se esvaziou, aliás, a capital ficou particularmente vazia sem os parisienses e também sem turistas estrangeiros. Na cidade luz, a hotelaria pertencente às redes como Accord e pequenos hotéis abriram à espera de clientes, enquanto os hotéis 5 estrelas optaram por se manter fechados.

Férias na França e o novo normal
Louvre, Paris julho 2020
Praça da Bastilha, Paris julho 2020

Férias no Novo Normal

O movimento nas estradas se intensificou. Estações balneárias de praia e até de montanha lotaram. Campings, trailers, casas de alugueis, casas secundárias, casas secundárias de familiares, camping selvagem, trekking e refúgios foram bastante procurados pela clientela francesa.

Apesar da crise, todo mundo deu um jeitinho. Meu filho Gabriel de 15 anos optou por caminhar e dormir em refúgios de montanha com um amigo, por exemplo. Veja um pouco deste universo a seguir.

Férias passadas na França, a Côte d’Azur aclamada e hotéis a meio mastro:

Como os franceses viveram suas férias em tempos de Covid?

O “neobanco” Revolut estudou o comportamento dos franceses durante este verão pós-Covid.

A escolha de alojamentos e métodos mencionados anteriormente diz muito sobre a tendência. Muitas “tribus” tentaram gastar o mínimo possível, ficaram em suas “bolhas” ou em atividades ao ar livre.

Felizmente nem todos os cidadãos foram tocados pela crise. A Côte d’Azur, por exemplo, se beneficiou particularmente do fluxo de turistas franceses. Os resorts à beira-mar de Cannes (aumento de 84%), Mandelieu (aumento de 37%), Nice (aumento de 29%) e Antibes (aumento de 26%) viram as despesas dos turistas saltarem, e estão entre as dez principais cidades francesas visitadas, de acordo com Revolut. 

Um estudo semelhante da start-up Sumup, empresa que vende terminais de pagamento, concluiu que a Bretanha experimentou o crescimento mais forte de seus negócios durante o verão, com um aumento de 60% no número de transações de pagamento via cartões de crédito por comerciante.

Aglomerações e mudança de diretrizes

Uso obrigatório de máscara por toda a cidade de Paris .

O vai e vem da população no território nacional acabou inquietando as municipalidades. Assim, no início de julho o uso de máscara só era obrigatório em lugares fechados, no decorrer do verão foi exigido o uso de máscara em lugares propensos a aglomerações, como em pequenas ruas comerciais, feiras e praças da França. O mesmo aconteceu em Paris, primeiramente à beira do Sena e parques e em seguida por toda a cidade.

Infra-estrutura e/ou métodos de controle Da população

No novo normal os comércios têm sempre filas externas e as atrações turísticas e esportivas estão disponíveis somente com hora marcada. Haja paciência!

Há infra-estrutura, menus on-line, pedágio sem contato físico, pagamento sem contato e muito álcool-gel!  Ao analisar vários milhões de transações, a Sumup confirmou o considerável crescimento do pagamento sem contato. Por exemplo, 64,5% dos turistas o usaram neste verão, contra apenas 38,5% no verão de 2019.

E há o que precisa haver: civismo e respeito, especialmente entre a parte mais idosa da população.  

Eu mesma fiz um deslocamento de quinze dias para resolver questões familiares, e aproveitei do apartamento secundário da cunhada para “turistar” um pouco e constatar o “novo-normal”durante as férias na França.

Porém, existem também dissidentes, festas entre jovens, militantes contra o uso de máscaras, pessoas que temem o provável fim do dinheiro vivo e manifestantes políticos perdidos entre as novas regras sanitárias . E para esses há repressão e no melhor dos casos multas. Bem-vindo a setembro.


Nota: Situação atual referente ao Covid.

Saúde Pública França registrou 6.544 novos casos de coronavírus e 39 mortes na França nas últimas 24 horas.

71 departamentos estão agora em “vulnerabilidade moderada ou alta”, de acordo com a Saúde Pública Francesa .

Na primeira semana de aula 10 escolas foram fechadas devido à detecção de casos de Covid na França metropolitana*. ( dados excluem territórios ultramarinos)

A multa para aqueles que se recusam a usar mascaras é de 135 euros.

Siga os links para ver os gráficos detalhados : France Info e Covinfo.

Published by

Silvia Helena

Após breves passagens pela Faculdade Metodista de São Bernardo e Belas Artes de São Paulo, aos 18 anos fui estudar no Canadá, onde vivi durante 23 anos. Lá me formei em História da Arte pela Universidade de Montréal, estudei turismo no Collège Lasalle de Montréal e no Institut de Tourisme et Hôtellerie du Québec. Comecei minha carreira na área trabalhando em Cuba. Durante os anos vividos no Canadá, entre outras coisas, fui guia de circuitos pela costa leste e abri minha primeira agência de receptivo para brasileiros. Há dez anos um vento forte bateu nas velas da minha vida me conduzindo até França. Atualmente escrevo de Paris, onde vivo e trabalho dirigindo a empresa de receptivo, a Holatour.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *