Greve geral. E agora?

Dia cinco de dezembro é dia de greve geral na França.

A lista de reinvindicações é longa, tendo a insatisfação com reforma da previdência em seu topo.

A lista dos grevistas é tão longa quanto é extensa a de reinvindicações: inúmeros sindicatos, diversas categorias, sobretudo servidores públicos.

Jovens, aposentados, bombeiros, profissionais da área da saúde, dos transportes, professores, agricultores, todo mundo parece insatisfeito com algo, seja desemprego, falta de recursos, cortes de subsídios, repressão social e outras reformas governamentais de todos os gêneros. 

Porém, dentre os aderentes à onda de movimentos sociais que se revezam em pontos estratégicos da cidade quotidianamente, faltavam os pesos pesados desta luta.

Quando o transporte público resolve PARAR

Os transportes param dia 5 e ameaçam seguir com serviços afetados nos dias a seguir, isso tanto a RATP , quanto o RER e a SNCF, Thalis e TER. Isso significa serviços municipais de metrô, trens intermunicipais de proximidade e longas distâncias nacionais e internacionais estarão fora de serviço entre os dias 5 e 9 de dezembro. De fato, em torno de 10% do serviço será mantido.  Quanto ao EuroStar, cessou a venda de bilhetes Paris-Londres-Paris do dia 5 de dezembro ao dia 9. Ônibus farão o trajeto Paris-Londres assegurando 23% do serviço.

Os sites dessas empresas propõe busca para verificação da existência ou não do transporte desejado e soluções de transporte opcionais.

Paliativos

A RATP propõe em seu site links para parceiros do ramo do transporte.

Para o tráfego intermunicipal nos arredores de Paris basta consultar Transilien 

Quanto ao site da região Île de France, aproveitou para promover locomoções alternativas com links para:

Penúria de gasolina

Já os profissionais relacionados à construção e trabalhos públicos, os profissionais do BTP *como são chamados, iniciaram desde o dia 29 de novembro o bloqueio a refinarias para protestar contra mudanças fiscais e cortes de subsídios  (*BTP –Bâtiments et Travaux Publiques) . Alguns postos de gasolina começam a sofrer penúria da matéria.

E agora?

Quem lê pode imaginar que isso aqui vai virar um caos!

Porém não, as empresas já contam com o “tele trabalho” (trabalha à distância) e os dispositivos para paliar os problemas dos usuários dos transportes em comum francês parecem estar à altura do desafio. O parisiense vai dar um jeitinho. Eu emprestei a bicicleta do meu filho para o garçom do restaurante que freqüento para que ele possa ir trabalhar, por exemplo.

Em face desses fatos fica até difícil explicar, porém para aqueles que não estão implicados no movimento social quase nada vai mudar.  Basta evitar a região do percurso da manifestação que parte da Gare du Nord, percorre os Boulevards Magenta, Republique, Voltaire e termina na Praça da Nation neste dia 5.

Quem mais para?

A Torre Eiffel pede em seu site que turistas mudem seus planos de visita para o dia 5, alegando perturbações no serviço.

O Museu do Louvre prevê atrasos e algumas salas fechadas no dia 5.

O Castelo de Versalhes, sempre combativo, fecha dias 5 e 6 de dezembro.

E para o turista? e agora?

Se fizer uma venda de última hora para essa semana subseqüente a greve sugira hotéis centrais para facilitar a vida do seu cliente.

Lembrando que Paris tem 105km2, a locomoção a pé é muito fácil. Isso sem falar nas bicicletas e patinetes accessíveis. Uberistas , taxis e receptivos continuarão prestando serviços igualmente.

Para o turista agora é hora de aproveitar e descobrir como as ruas, as praças e avenidas de Paris estão maravilhosas. Alternativas não faltarão.