Como enfrentar essa turbulência?

Os períodos de turbulência causados pelos anos de pandemia, e agora uma situação econômica global complexa, continuam sendo um desafio para a indústria de viagens e turismo. Soma-se a esse cenário a ofensiva militar da Rússia na Ucrânia e os altos custos do petróleo com uma inflação generalizada. A atividade turística é impactada também pelas interrupções das cadeias de suprimento globais aumentando os preços do transporte e das hospedagens.

O turismo internacional segue dando sinais de recuperação com destaque para a Europa. Entre abril e maio de 2021, 41 milhões de pessoas fizeram viagens internacionais.  Para o mesmo período de 2022 já existe uma estimativa da OMT de chegar a 117 milhões de chegadas internacionais. Quando olhamos para o período pré-crise, as chegadas internacionais de 2022 são projetadas para chegar entre 55% e 70% dos níveis de 2019.

Aqui no Brasil também temos um ano complexo vinculado ao cenário mundial e as eleições no final do ano. Mesmo com os juros altos e a inflação limitando a capacidade de compra das famílias as atividades de viagens seguem recuperando empregos e melhorando seu faturamento em relação a 2021. Os últimos dias têm sido de muita turbulência econômica.

E aí fica a pergunta: como enfrentar essa turbulência? 

Analisar dados, fatos e tendências tomando decisões baseadas em números é o início do trabalho que empresas e destinos fazem no atual momento. Não vejo como um momento de falta de rumo, mas sim de desafios e oportunidades que vamos buscando entender. Olhar para o setor de forma a entender quais são esses desafios exige uma visão multidimensional. Turismo sustentável como um negócio de longo prazo exige combinar várias dimensões e assumir riscos em cenários nebulosos. 

Para empresas e profissionais, segue o desafio de resolver problemas econômicos imediatos. Ao lado disso, tudo o que envolve a reconstrução do turismo deve considerar um ambiente de resiliência que envolve fatores econômicos, sociais e do ambiente natural. 

Fazer melhor significa entender e enfrentar riscos e adversidades. Fazer melhor significa entender o que pode vir pela frente. Significa aprender lições que possam sempre direcionar o turismo para um norte de longo prazo com muita resiliência.

Published by

Jeanine Pires

Palestrante e consultora apaixonada pelo turismo com 25 anos de experiência no Brasil e no exterior. Diretora da Pires Inteligência em Destinos e Eventos e Diretora da MATCHER, sua especialidade é marketing de destinos, tendências em turismo e o segmento de eventos. Presidiu a EMBRATUR de 2006 a 2010, onde também foi Diretora de Turismo de Negócios e Eventos desde 2003. Já atuou como Presidente do Conselho da Fecomércio São Paulo e da WTM Latin America.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *