Buscas pelo “similar” ou “Mais Barato”

Photo by Jason Wong on Unsplash

Fiquei com vontade de comentar com vocês sobre um estudo do Google que fala sobre o aumento das buscas por produtos e serviços por similaridade (cresceu 60% nos últimos 2 anos). Seria assim, tenho um grande desejo, aspiração de consumo X, mas sei que posso achar algo similar com preço mais acessível; então na minha busca coloco “produto X similar à marca tal ou parecido com algo”. Essa marca tal, ou tipo de produto, seria o objeto de desejo, a referência que tenho; minha busca é por algo parecido com ele.

Também tem a busca por menores preços: “pacote de turismo até R$ 2 mil”; “hotéis perto de mim até US$ 100”, dá pra ver que pode ser uma oportunidade para entendermos ainda mais nosso negócio, nossos concorrentes e entender o comportamento dos consumidores nesse cenário. Ajuda muito no trabalho de SEO. As sugestões do Google são 3:

  1. Avalie as aspirações, desejos que o público tem sobre seu produto e mostre seus diferenciais;
  2. Permita comparação de preços entre produtos de forma a beneficiar o seu produto;
  3. Otimize seu conteúdo e apareça quando as pessoas buscam por “similar”, “parecido”.

No turismo essa tendência faz muito sentido, primeiro porque temos sempre que entender os desejos do consumidor e mostrar que podemos atendê-los; segundo porque é preciso conhecer e acompanhar competidores para avaliar sempre o posicionamento e lugar que o destino está adotando; e por último, conteúdo em turismo é tudo, e não é tão difícil se posicionar para atender às pessoas que buscam por produtos similares ou chegar mais perto do concorrente nas buscas.

Já existem ferramentas de publicidade em turismo que funcionam assim, como na Amadeus, você define seus concorrentes, e quando eles são pesquisados na mesma hora aparece seu destino como opção. Outras ferramentas são bastante eficazes, como no site Para Onde Viajar, você coloca o orçamento disponível, tempo de viagem e origem e são apresentadas diversas opções dentro de seu orçamento.

Fiz 2 pesquisas rápidas, “destino similar/ parecido a Porto de Galinhas”, e aparecem opções como Fortaleza, Maragogi e Jericoacoara; ” destinos até 2 mil reais”, e aparecem diversas opções com todo tipo de preço, muitas dicas e opções. Adorei a dica, e você? Com quem se parece? Quem é seu concorrente? Já fez esse teste? Manda aqui para gente.

Google avança sobre a venda direta?

Com os avanços tecnológicos e as novas possibilidades de personalização de serviços, o viajante atual tem buscado formas simples e autônomas de organizar suas viagens. Através de facilitadores como os sites de reservas, e aplicativos que podem ser tranquilamente acessados pelos telefones móveis, eles usufruem da conveniência na hora do planejamento e durante a viagem, e tudo que contribui para agilizar esse processo e torná-lo mais rápido tende a ser valorizado.

O que não falta sobre o turismo pelo mundo são as respostas para as perguntas: para onde ir? Como ir? Quando ir? E com o lançamento do Google Travel, mais uma vez a empresa sai com alternativas que chegam cada vez mais perto do consumidor final, deixando no ar um questionamento: ele vai substituir seus grandes assinantes do setor de viagens como, por exemplo, o Expedia e o Booking? O Google vai ou não tomar o lugar dos gigantes do turismo mundial por fazer com que o consumidor final chegue direto ao voo, ao hotel e pacotes, sem intermediários?

A novidade lançada recentemente reúne sistemas como Google Voos, busca por hotéis e Google Trips e Maps em um único lugar. Torna possível que, através de uma simples busca, de um termo que se relacione a viagens, o usuário tenha disponível todas as informações necessárias para a planejar e comprar a viagem que ele deseja fazer. E à medida que o viajante se planeja, as buscas e as reservas feitas por ele vão sendo organizadas na aba Trips. A ferramenta também permite que o usuário retome suas pesquisas do ponto em que ele parou, em qualquer dispositivo. Por que, então usar outro canal se o mesmo trabalho pode ser feito pelo mecanismo de pesquisa do Google?

Em 2016, a grande questão era se o Google estaria tomando o lugar dos agentes de viagens. E isso mostra que as especulações sobre as consequências dessa aproximação entre consumidor final e serviços, de maneira direta, não começaram hoje. Na época a empresa se pronunciou afirmando que viam os agentes como clientes e não como competidores e, de diferentes formas, os agentes de viagens sobrevivem. A diferença, talvez, esteja no fato de que o Google possui um número enorme de informações que podem cada vez mais personalizar as sugestões de resultados e chegar mais perto dos desejos do consumidor.

Sobre essa novidade, há outras questões a serem consideradas, como o fato de que ainda faltam serviços no Google Travel que outras plataformas podem oferecer (aluguel de carros); por outro lado, a ferramenta permite optar por diferentes empresas combinadas, nem sempre uma opção existente em algumas outras plataformas. O fato é que a empresa deu um grande passo rumo à formação de pacotes e as reservas numa só ferramenta.

Presença virtual: você tem?


Photo by NordWood Themes on Unsplash

Recentemente a Embratur noticiou que o termo “Turismo Brasil” é um dos mais pesquisados no Instagram. A rede que conta com mais de 1 bilhão de usuários ativos, tem 210 mil publicações sobre o turismo brasileiro. E somando a hashtag Turismo Brasil com outras também populares, como: Destinos Brasileiros, Turismo no Brasil e Jericoacoara o número ultrapassa 1,3 milhões de publicações relacionadas ao assunto.

Sendo o Brasil o quarto país do mundo com o maior número de usuários de internet e o maior da América Latina, é necessário que qualquer empresa ou destino turístico que queira se conectar com os brasileiros entenda a importância de uma “presença virtual” eficaz. Um exemplo de quem entendeu isso foi o Airbnb que, interessado em aumentar a visualização e conversão de seus anúncios ao redor do mundo, estabeleceu uma meta global de marketing para promover sua marca. Aqui no Brasil a estratégia foi digital, voltando-se para o YouTube e lançando uma campanha para captar os elementos que conversam com o estilo de vida do brasileiro.

Os resultados foram obtidos: as pesquisas de termos de marca do Airbnb cresceram 142% e as reservas aumentaram 14%; recompensas de um trabalho que considerou os espaços ocupados pelos clientes e seus modos de funcionamento, evidenciando a necessidade das empresas se manterem atuantes no meio digital. Os produtos turísticos que desejam alavancar espaço no mercado brasileiro, como em outros mercados no mundo, precisam ficar atentos a como se apresentam virtualmente. Quais redes ocupam, que tipo de conteúdo produzem, com quem querem falar, como e com que frequência se comunicam; uma boa performance virtual pode fazer toda a diferença.

Performance top 10 sites móveis turismo no Brasil

Comentamos aqui semana passada de o @Google fez um levantamento do tempo e rapidez com que os sites de vendas abrem nos aplicativos móveis. Somente 5 segundos podem afugentar seu cliente. Mostramos também como fazer o teste de sua empresa e como receber dicas para melhorar seu desempenho e não perder seu público.

Fizemos na Pires e Associados um estudo sobre os 10 maiores sites de venda do turismo no Brasil, e chegamos às seguintes informações: @expedia e @kayak são as empresas que operam no país com a maior rapidez ( 5 segundos ), e @submarinoviagens e @cvc (19 e 20 segundos respectivamente ) são as que mais demoram para abrir seus sites nos acessos por celular.

A tabela abaixo mostra as empresas (Y) e os segundos (X) que seus respectivos sites levam para abrir quando acessados por um celular supostamente em 3G. As informações foram coletadas nos sites brasileiros das empresas pela ferramenta “Test my site”do  Think Google.

Além da velocidade para abrir os sites pelo celular a ferramenta compara outros sites concorrentes do setor de viagens e turismo, avalia os dados do site e a usabilidade do site em dispositivos móveis.

Eis os resultados que obtivemos:

TOP 10 SITES DE TURISMO: VELOCIDADE DE ABERTURA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS – BRASIL

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvarSalvarSalvar

Mobile: você tem 3 segundos

Temos falado bastante sobre a importância e o crescimento do uso dos dispositivos móveis para o turismo. É claro que conteúdo, por exemplo, e a geolocalização são alguns dos aspectos a levar em conta. Mas além disso, outras questões são também críticas para o sucesso da experiência que o usuário terá ao acessar seu site pelo celular.

Rapidez. As pessoas querem ter acesso fácil e resultado rápido, senão elas vão embora atrás do concorrente. A boa novidade, que foi lançada ano passado mas que foi recentemente atualizada pelo @Google é a ferramenta que testa a abertura de seu site pelo celular. Foi feita uma análise de 11 milhões de publicidades em landing pages de 213 países, e qual não a surpresa, a média de abertura é de 15 segundos, lento demais segundo o Google. Cerca de 53% das visitas em mobile deixam a página se demorar mais de 3 segundos para abri-la.

Muitos elementos, imagens e outras funcionalidades deixam muito para download, e aqui, para conquistar o cliente menos é mais. Veja abaixo os percentuais de perda de acordo com o tempo de abertura dos sites no mobile:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Se você fizer o teste gratuitamente de seu site poderá obter muitas informações e além disso dicas de como otimizar o tempo de abertura, como por exemplo comprimir fotos ou modificar códigos.

Vale a pena testar e ver como está seu desempenho, lembrando que cada vez mais o uso do telefone celular é cada vez maior na indústria de eventos. Destaque: à partir de julho de 2018 a rapidez será um fator de ranqueamento para buscas de mobile! Você pode encontrar mais informações no Think with Google.

Veja ainda: 5 coisas que o celular de quem viaja deve ter 

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

Promoção de Pins

drawing-pin-1427330Uma nova ferramenta que poderá atrair clientes e gerar negócios no turismo, e ainda bastante interessante para o marketing dos destinos é uma novidade que estará disponível em breve no mercado de buscas.

O Google vai trazer uma inovação para anunciantes utilizando a ferramenta do Google Maps. Já em teste com alguns usuários, a proposta é patrocinar Pins de serviços turísticos ou mesmo de atrações que estão perto dos viajantes ou mesmo locais. Baseado na utilização do GPS, o usuário poderá escolher serviços e gerar mais negócios, já que além da visibilidade, a marca da empresa e as preferências dos usuários vão ajudar no direcionamento da busca em formato de geolocalização.

A novidade, além de gerar mais visibilidade aos restaurantes, hotéis, lojas e outros serviços turísticos, é mais uma opção para os destinos, já que grande maioria das busca no Google tratam de viagens e turismo. A personalização da busca é outro ponto de destaque, já que o perfil do cliente, cliques anteriores e preferências serão utilizadas para direcionar a publicidade aos turistas com aqueles desejos de consumo.

O que percebemos com essa e outras iniciativas é a proximidade cada vez maior entre o cliente e os serviços, a personalização das opções e os negócios potencializados à partir da presença dos turistas nos destinos, com informações cada vez mais precisas e de fácil acesso. Vale a pena testar.

Google X agentes de viagens ?

James Shillinglaw escreveu um artigo interessante sobre a relação do Google com os agentes de viagens, baseado nas declarações de Dave Pavelko no evento da Virtuoso que ocorreu em Cape Town, África do Sul.

A grande questão é: a especulação da mídia sobre o que o Google está fazendo no setor de viagens e turismo, assim como sobre o possível fato de estar tomando o lugar dos agentes de viagens. O Google diz que vê os agentes de viagens como clientes para seus serviços e não como competidores.

A empresa que domina o mercado de buscas no mundo quer estar ao lado do consumidor no que chama de “new travel consumer journey,” (jornada de viagens do novo consumidor), que passa pelos estágios de planejar, comprar e experimentar, sobretudo por meio da interação digital. Já o agente de viagens, usa o Google como uma ferramenta de trabalho para turbinar seus negócios.

Pelo que argumentou o diretor Pavelko, a empresa valoriza o que ele chama de micro momentos da viagem, em cada instante é possível buscar um endereço, uma atração turística, comprar um ingresso ou saber o horário de um restaurante ou loja, por exemplo. Como se o Google fosse, hoje, a única ferramenta disponível para prover informações aos viajantes em qualquer e todo momento de sua viagem por meio de diversos mecanismos e num só lugar.

Na medida em que o mundo digital, as necessidades instantâneas de informações e as experiências específicas e cada viajante vão mudando radicalmente a forma de viajar, é verdade que o Google se torna um parceiro gratuito para o turista em qualquer momento, lugar ou formato. Não é somente a informação turística final, mas é tudo que pode ser feito durante a viagem, como alterar uma reserva de um voo, tradução, conversão de moedas, o que fazer, aonde ir, e infinitas possibilidades.

E eu diria que ele também está substituindo as organizações públicas de turismo, National Tourist Organisations, como a EMBRATUR, o Destinations on Google (veja o vídeo explicativo) é uma ferramenta de planejamento de viagens que traz tudo sobre os destinos. Será que estamos assim tão eficientes nos destinos com conteúdo e opções? Basta comparar nossos sites e informações com aqui que está disponível na ferramenta. Interessante pesquisar mais sobre esse tema, ao que me consta hoje todos os governos que investem em mídia digital compram posicionamento e usam o adwords do Google.

Mas voltando ao mercado, aonde entraria do agente de viagens ? De acordo com Pavelko, esses consultores ou conselheiros podem oferecer produtos e preços que dificilmente podem ser encontrados no ambiente digital, ou ainda, customisar viagens de acordo com os desejos do cliente, juntando o mundo digital com o real, aonde o agente de viagens pode mostrar seu diferencial. O relacionamento e a credibilidade ainda são fatores que influenciam muitas pessoas no longo processo de viagens.

Qual seria o ponto de separação entre esses atores? Será que ele existe ? O que você pensa ?

Fonte: Will Google Replace Travel Agents?

WTM Lat16: tecnologias

IMG_0225Um dos releases divulgados pela WTM Latin America sobre o segundo dia do evento traz uma série de informações interessantes sobre os debates acerca do uso das tecnologias no turismo. Já abordamos o tema aqui em outras oportunidades, mas destaco esse como um dos aspectos centrais não somente para empresas, mas para destinos.

Na quarta-feira, durante a feira o gigante Google foi responsável pela sessão “O Verdadeiro Valor do Digital”, conduzida por Keith Matsumoto, Analista Sênior da Indústria do Turismo, e André Azevedo, Executivo de Contas.

Durante o evento, os especialistas apresentaram soluções para melhorar o desempenho das empresas na Internet. De acordo com eles, uma em quatro vendas no turismo atualmente são feitas por meio digital. “As pessoas continuam querendo vivenciar novas experiências, conhecer novas culturas. O que mudou foi onde e como elas têm essas necessidades atendidas”, afirmou Azevedo.

Os profissionais do Google ainda pontuaram que os consumidores se tornaram imediatistas e exigentes por causa do crescimento dos canais digitais. “Quanto mais imersivo for o conteúdo, mais chance de o consumidor escolher o produto”, reforçou Matsumoto. Na terça-feira, Vinicius Landucci, Gerente de Novos Negócios do buscador, comandou uma sessão com o mesmo tema. Para ele, o caminho para os sites é se adaptar às novas tecnologias e ir até onde o consumidor está.

No mesmo dia, Carolina Sass de Haro, Especialista de Mercado da Phocuswright, apresentou a sessão “Aluguéis em expansão: O que a Economia Colaborativa e as Acomodações Particulares Significam para as Viagens”. Os participantes foram informados de que a oferta de aluguel de acomodações particulares não para de crescer e que, além dos mais de dois milhões de imóveis listados, empresas ligadas à hotelaria tradicional estão entrando nesse mercado, como o Booking.com e o Expedia. “Antes eram só casas de praia. Quando a oferta chegou aos centros urbanos, começou a concorrer diretamente com o setor hoteleiro, se transformando em um nicho de mercado”, afirmou Carolina. Pesquisa realizada pela Phocuswright aponta que somente 38% dos usuários do Airbnb escolhem utilizar o serviço pelo preço – o que realmente os atrai é a combinação de privacidade, liberdade e espaço

Já Pettersom Paiva e Tales Tomasini, fundadores do comparador online de preços de passagens aéreas Voopter, fizeram uma palestra que abordou a importância da inteligência artificial como ferramenta para traçar um perfil mais completo dos usuários e, desta forma, personalizar os serviços e os produtos oferecidos aos viajantes. Para completar, Pilar Osorio, Diretora de Vendas Estratégicas para a América Latina e o Caribe da TravelClick, falou sobre a importância dos vídeos para os hotéis. De acordo com ela, até 2019 90% do tráfego global na web será feito desta maneira. “Qualquer um faz vídeo, mas vender um hotel é vender uma experiência e é isso que o cliente busca”, disse. A diretora contou ainda que em sites de viagens os filmes rendem o dobro de cliques se comparados às fotos.

Tendências  

 A tecnologia também foi um dos destaques do Relatório de Tendências da WTM Latin America, elaborado em conjunto com a Euromonitor Internacional e apresentado na terça-feira em uma sessão exclusiva para a imprensa. A publicação revelou que a tecnologia móvel mudou o comportamento do consumidor de viagens, consolidando um novo tipo de turista, o Viajante Nacional Autônomo, um buscador de experiências sempre conectado e que usa seus aparelhos móveis para encontrar informações, buscar serviços e fazer reservas. Outra tendência apontada foi que o uso de smartphones pela geração milênio – formada por pessoas de 15 e 35 anos – vai impulsionar a tecnologia móvel na América Latina, cuja população é formada por quase 35% dessa faixa etária. Vamos voltar a esse tema do relatório mais em detalhes.