Imagine um mundo sem viagens

Esse foi o tema de uma campanha feita pelo Airbnb em 2018 que pode ser considerada ousada e ao mesmo tempo simples. A empresa foi ágil ao responder ao travel ban de Donald Trump. O material, que pode ser visto aqui, mostra imagens de como seria o cenário de vida das pessoas sem as viagens.

Com o lema “to limit travel is to turn back progress” (limitar as viagens é virar as costas ao progresso), o material chama a atenção ao fato geo-político, mas ao mesmo tempo reforça sua presença de marca e se posiciona firmemente a favor do livre viajar das pessoas. Dizem eles: imagine um mundo sem viagens aonde as pessoas constroem muros e ninguém sai de casa”. Parece assustador, mas pode ser uma opção de alguns países com políticas restritivas e xenófobas.

Já imaginou proibir as pessoas de viajarem? Isso fere frontalmente a liberdade dos povos, da amizade e da pluralidade de culturas e do valor à paz. Muitas vezes pensamos em nossos negócios na área de turismo sem sequer imaginar que eles podem acabar ou serem prejudicados por atos de guerra política. A luta pelo fim dos vistos ou de taxações pode parecer pequena diante de um cenário que não é impossível. A ousadia do Airbnb combina com sua inovação e marca seu posicionamento. Campanhas de turismo não são mais paisagens e pessoas em cenários maravilhosos, são posições firmes que definem as marcas e reforçam seu posicionamento. Você teria coragem de fazer algo assim em sua empresa ?

menos para as mídias sociais na busca de informações em viagens?

Uma surpresa a ser mais explorada a afirmação do IPK essa semana sobre a menor relevância das mídias sociais na escolha de destinos turísticos. Além de ser uma opção de menor escolha para os pesquisadores de viagens, também mostra que ainda permanece relevante a pesquisa em sites de operadores.

Há 10 anos, em todo o mundo, 46% das pessoas recorriam à internet como fonte de informação na decisão e organização de sua viagem. Sabe quanto é hoje? 82%, quase unanimidade. Mas que internet? Aonde? Muito se fala sobre o papel do marketing digital, ótimo, e das mídias sociais como grandes impulsionadores das buscas para viagens. Será que isso não é bem assim?

O informe do World Travel Monitor 2018, feito pelo IPK, diz alguns meios tradicionais e os intermediárias ainda são relevantes. Em pesquisa realizada em cerca de 90% dos mercados emissores pelo mundo, foram identificados os locais na internet em que as pessoas mais fazem buscas de informações para viagens, e os sites ganham. Os mais usados, em múltiplas escolhas, são de hospedagem (45%); destinos (37%); cias aéreas (32%); reservas on-line como Booking e Expedia (26%); opiniões como TripAdvisor (20%), operadores de turismo (19%) e redes sociais (19%).

Ok, mas quais são essas mídias sociais? Importante saber para ver aonde vamos apostar nosso conteúdo e nosso dinheiro: blogs de viagens, fóruns de viagens e redes sociais como Facebook e Instagram. Também o relatório aponta quais seriam os outros lugares, além da internet, que as pessoas buscam informações, e permanecem fontes que conhecemos há tempo: 33% nas agências de viagens; 27% com amigos e parentes; 13% em guias de viagens e 8% na imprensa, TV e rádio.

Opa! Ainda precisamos então levar em consideração duas coisas que parecem ainda ser relevantes em nossa indústria quando se trata de conteúdo, de informação, de subsídios para vendas e promoção de destinos. Primeiro são os intermediários, operadores e agentes de viagens continuam como meios importantes na informação, e claro, na venda; o segundo são as pessoas, guias de turismo e a tradicional mídia (com menos importância do que as demais fontes). Quais os canais usados por sua empresa? Você concorda que o marketing é on-line, mas também off-line no que diria Kotler para o marketing 4.0?

Quatro razões para a fidelização de um cliente

Uma pesquisa realizada nos EUA, pelo Google, em parceria com a empresa de consultoria Greenberg, revelou quais são os quatro aspectos mais considerados por viajantes frequentes na hora de fazer suas reservas de vôos e hotéis.

Para a realização da pesquisa foram considerados viajantes de alto valor. Ou seja, pessoas que têm uma média anual de sete companhias aéreas e nove reservas de hotéis. E exatamente por isso nutrem grandes expectativas de viagem.

A pesquisa mostrou que os benefícios proporcionados pelos programas de fidelidade ajudam a manter a fidelização dos clientes, mas não impedem que eles se inscrevam nos programas de fidelidade da concorrência.

Segundo os dados reunidos, desses viajantes apenas 21% sacrificam o conforto por um preço menor. E a grande maioria, 87%, é registrada em pelo menos um programa de fidelidade, seja de uma companhia aérea ou de uma rede de hotéis. Porém, os programas de fidelidade não são sequer um dos três principais pontos a serem considerados pelos viajantes na hora de fazerem suas reservas. Nesse aspecto, o atendimento ao cliente fica em primeiro lugar (60%), seguido por um site fácil de usar (55%) e pelas revisões on-line de outros usuários (50%). Os programas de fidelidade ocupam o quarto lugar, motivando menos da metade dos viajantes de alto valor (46%).

A pesquisa também revelou que a lealdade do cliente se relaciona tanto com as associações feitas à marca, e o diferencial que ela apresenta dentro do mercado, quanto com a maneira com a qual a marca se faz presente na indústria, com conteúdo adaptado ao público-alvo em diversas mídias e dispositivos.

É necessário que as marcas fiquem atentas a isso. Pois hoje, com o meio virtual, ampliaram-se as formas de se conhecer o público. Recolher dados, descobrir seus desejos e insatisfações, para conquistar o cliente e, consequentemente, torná-lo fiel. E embora a lealdade com as marcas seja baixa no setor, essas mesmas empresas podem utilizar esses novos recursos a seu favor e tentar mudar o cenário.

 

A pesquisa e o texto do Google podem ser conferidos aqui: https://bit.ly/2wi0ckb

Quantidade ou qualidade de visitantes

Sempre um debate interessante, e mais do que isso, importante para empresas e destinos turísticos: queremos mais visitantes ou mais receitas dos visitantes ? Quantidade ou qualidade?

Essa é uma reflexão que faço sempre, pois o principal objetivo de um lugar ou empresa, ou mesmo daqueles que trabalham com a indústria de viagens é que a atividade traga empregos, rendimentos, lucro; e dure muito, sempre! Recentemente falamos aqui do “Overtourism (termo usado para falar de destinos saturados de números de visitantes). Pode ser uma realidade longe do Brasil ? Não, já temos esse problema em diversos destinos.

Falamos muito em sustentabilidade também, e como funciona essa questão de ser sustentável economicamente, ambientalmente e culturalmente ? Seria incompatível com grandes volumes de visitantes ? Depende.

Depende do destino, de suas características, mas sobretudo de como é sua gestão pública e privada. De como empresários e lideranças encaram o fato de que a grande riqueza de seu negócio é justamente sua cultura (que deve ser valorizada), sua natureza (que precisa ser preservada e cuidada) e sua população (que deve ser beneficiada com a atividade no longo prazo).

Fica aqui a reflexão? E seu destino? E seu negócio? O quanto ele dura e como deve ser sua busca por clientes? Qualidade ou quantidade ?

SalvarSalvar

SalvarSalvar

Mobile: você tem 3 segundos

Temos falado bastante sobre a importância e o crescimento do uso dos dispositivos móveis para o turismo. É claro que conteúdo, por exemplo, e a geolocalização são alguns dos aspectos a levar em conta. Mas além disso, outras questões são também críticas para o sucesso da experiência que o usuário terá ao acessar seu site pelo celular.

Rapidez. As pessoas querem ter acesso fácil e resultado rápido, senão elas vão embora atrás do concorrente. A boa novidade, que foi lançada ano passado mas que foi recentemente atualizada pelo @Google é a ferramenta que testa a abertura de seu site pelo celular. Foi feita uma análise de 11 milhões de publicidades em landing pages de 213 países, e qual não a surpresa, a média de abertura é de 15 segundos, lento demais segundo o Google. Cerca de 53% das visitas em mobile deixam a página se demorar mais de 3 segundos para abri-la.

Muitos elementos, imagens e outras funcionalidades deixam muito para download, e aqui, para conquistar o cliente menos é mais. Veja abaixo os percentuais de perda de acordo com o tempo de abertura dos sites no mobile:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Se você fizer o teste gratuitamente de seu site poderá obter muitas informações e além disso dicas de como otimizar o tempo de abertura, como por exemplo comprimir fotos ou modificar códigos.

Vale a pena testar e ver como está seu desempenho, lembrando que cada vez mais o uso do telefone celular é cada vez maior na indústria de eventos. Destaque: à partir de julho de 2018 a rapidez será um fator de ranqueamento para buscas de mobile! Você pode encontrar mais informações no Think with Google.

Veja ainda: 5 coisas que o celular de quem viaja deve ter 

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

Algumas lições de Instagram para o Turismo

Exemplo de conta em que as imagens “conversam”, dando uma consistência ao tema. (Fonte: Instagram)

O Instagram tem sido um tema comum aqui no blog, já que, como profissional do turismo atuando em marketing de destinos, tenho visto o boom do aplicativo como uma ferramenta de divulgação e acompanhado o seu impacto no nosso setor.

Já falei aqui sobre a “instagramabilidade”no Turismo, a repercussão que a popularidade de um destino no app traz para os adultos até 30 anos e a lista dos 10 destinos mais populares, segundo o próprio Instagram. Hoje trago algumas lições (inspiradas em conteúdos da rede de gerenciamento Hootsuite) que a rede social pode trazer para nós do turismo, tanto no marketing de destinos como para o branding.

Lição 1 e base de tudo: não basta apenas ter uma conta.
Assim como em qualquer rede social de grande alcance, possuir uma @ no Instagram não é sinônimo de visibilidade. Com mais de 500 milhões de usuários, pode ser difícil se destacar na multidão. Possuir um planejamento, observar o calendário sazonal, ter boas imagens, trabalhar na publicação de vídeos e divulgar a @ para o público alvo já é um bom começo.

Estabelecer o tema e dar consistência às imagens não são tarefas fáceis de fazer, mas vale a pena levar um tempo extra para manter um estilo no feed. Concentrar todas as imagens no mesmo filtro ou até paleta de cores “remove o jogo de adivinhação, dá identidade e mantém os usuários voltando à sua página inicial”, segundo o Hootsuite.

Outra dica é utilizar sua grade no Instagram para atrair seus clientes: cada usuário possui suas imagens dispostas em três grades; “brincar”com o layout, dividindo a imagem na grade, pode ser uma ferramenta útil. Claro que é preciso planejamento de detalhes e de design, mas quando feito corretamente gera impacto nos usuários.

Uma lição valiosíssima é o cuidado com o overposting. Postar inúmeras fotos no mesmo dia, sobrecarrega o feed dos usuários e aborrece os seguidores, que não conseguem acompanhar publicações de outros perfis. O overposting no Instagram nunca é positivo e pode trazer repercussão negativa e perda de seguidores do perfil.

Usar a hashtag #TBT não é exclusividade de perfis pessoais! É possível utilizá-la para criar consciência a respeito da sua empresa, promover o tema abordado, evolução do produto ou trazer algum fato histórico que esteja relacionado ao seu perfil.

Criatividade é a palavra de ordem na rede social. Considerar promover marcas e destinos no Instagram é atividade imprescindível em 2018, já que o aplicativo integra as tendências deste ano. Seguimos acompanhando.

Brasileiros viajaram ao exterior em 2017

O Banco Central fechou no último dia 26 de janeiro os dados da receita e despesa cambial do turismo no Brasil para o ano de 2017.

O ano foi marcado pela volta das viagens dos brasileiros ao exterior, sobretudo pela variação do dólar entre R$ 3,1 e R$ 3,2 durante praticamente todo o período de 2017. Isso fez com que a média da variação das despesas em viagens internacionais ficasse com 31% a mais em relação a 2016.

Já os gastos dos estrangeiros no Brasil diminuíram 3,5%, com praticamente todos os meses do ano em queda, e uma pequena recuperação no final de 2017 à partir de outubro. O ruim para 2017 é que caímos do patamar de US$ 6 milhões, chegando a US$ 5,8 milhões o total de divisas com os gastos dos estrangeiros no Brasil. Em ano de aumento de exportações o turismo poderia ter contribuído mais com nossas receitas.

O superávit da balança de turismo foi de US$ 13 bilhões, já que o valor total que os brasileiros gastaram no exterior foi muito superior a 2016, chegando a US$ 19 bilhões (2017). O crescimento de 7% nas viagens internacionais que o mundo viu em 2017 não chegou ao Brasil. Muito ainda a fazer para que a imagem do Brasil no exterior se altere de forma significativa e para que uma nova etapa de promoção moderna e ousada seja implantada no Brasil.

As perspectivas para 2018 estarão certamente ligadas à variação cambial e podem sofrer impactos relacionados às eleições e ao cenários político. Por enquanto, a prevalecer os indicadores de intenção de viagens registrados pela Pesquisa de Sondagem do MTUR os brasileiros continuam viajando pelo Brasil e para o exterior. Quer dicas de como trabalhar a promoção de seu destino em 2018? Veja as tendências de marketing aqui.

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

SalvarSalvar

4 tendências-chave de MKT para 2018

Todo ano, os hábitos do viajante e os métodos dos profissionais de Turismo mudam e, todo início do ano, como já é de praxe, acompanho os estudos a respeito das tendências do Marketing Digital. Além de ser a minha área de atuação, também considero o estudo do MKT global uma porta de entrada para que ferramentas sejam aplicadas no desenvolvimento de ações de marketing do Turismo. Compartilho aqui uma compilação do que há no Marketing que estará em evidência em 2018:

 

  1. Interação humanizada

 

Atendimento e interatividade personalizada ao cliente darão mais poder a marcas. Estratégias focadas em atender, levando a relação B2C a um patamar mais humanizado, menos motorizado e menos automático poderão apresentar mais eficácia. A consideração e importância dada à pessoa do cliente também são fatores que cativam e trazem preferência à marca.

  1. Propósito da marca

Responsabilidade social corporativa e marketing de causa fazem uma conexão com emoções e consciência de clientes, gerando empatia. Iniciativas socio-ambientais e atos de cidadania corporativa traduzidos em campanhas promocionais de uma empresa (que mira o lucro mas não esquece de melhorar algum aspecto da sociedade) ligam-se diretamente à fidelidade do cliente e aumento de audiência. O propósito da marca deve ser autêntico e relevante, aproximar-se a uma causa pode dar a marca uma presença mais forte, alinhando o seu propósito com os valores e prioridades da empresa e dos seus consumidores.

  1. Apelo emocional

O apelo emocional é outra grande tendência para o marketing em 2018. Tendo a experiência como uma tendência de Turismo bastante consolidada, o consumidor quer mais do que um produto ou serviço, ele quer vivências. Criar um vínculo entre a marca e o consumidor por meio do engajamento emocional, promover experiências, investir em storytelling, por exemplo, facilita o elo afetivo entre consumidor e marca.

  1. Influência de marketing

Promover produto/marca através de um agente influenciador estará em alta em 2018. Acompanhamos em 2017 um aumento no uso de bloqueadores de anúncios, com uma publicidade pode ser mais eficaz em trazer popularidade ( “já vi em algum lugar”) do que em prospecção de clientes de fato (“já fiz uso”). Além disso, a publicidade com um influenciador pode ser muito mais poderosa do que anúncios pagos, já que consumidores confiam mais em recomendações do que em anúncios.

Seja em marketing para destinos, marcas, agências de turismo ou empresas, as tendências podem se aplicar de infinitas formas a fim de captar consumidores e seguidores, além de, não raro, serem atividades que trazem engajamento também de colaboradores e marcas parceiras no setor (B2B). Continuamos acompanhando as novidades da indústria.

Os 10 lugares mais presentes no Instagram

Sabemos que o Instagram pode ser, de maneira geral, uma ferramenta poderosa de posicionamento de mercado e, no Turismo, a força que ele exerce é ainda mais notável devido ao compartilhamento digital de imagens de destinos pelos turistas.

O Instagram revelou uma lista dos lugares mais “Instagramados” de 2017 ao redor do mundo. Os resultados não surpreendem tanto, afinal desde 2010 estamos dando double tapping em registros de lugares na rede social.  Confira os 10 locais mais geotagged no planeta:

1. Disneyland, Anaheim, EUA
“O lugar mais feliz na Terra” está no topo da lista como a localização mais geotagged de 2017.. Com 89 atrações clássicas, a Disneyland é relativamente menor do que a sua homóloga da Flórida, porém tem a distinção de ser o único parque temático Disney construído e projetado pelo próprio Walt Disney.

2.Times Square, New York, EUA
No que diz respeito à fotografia Insta-travel, New York é o destino dos destinos. No coração da grande cidade no cruzamento da Broadway e Seventh Avenue, você encontraa famosa Times Square. Com as luzes brilhantes, letreiros enormes e grandes atrações, não é nenhuma surpresa que a Times Square esteja na lista.

3. Central Park, New York, EUA
Outra localização muito instagramada da cidade de Nova York é o Central Park. O trecho de vegetação de 843 acres fornece o cenário ideal de estátuas, lagos e monumentos para a postagem perfeita do Instagram.

4. Torre Eiffel, Paris, França
É muito certo dizer que a Torre Eiffel é o marco mais reconhecível em Paris. Este farol grande e brilhante tem 303 metros de altura e tem vista para a Cidade das Luzes e todas as suas maravilhas. À noite, as luzes da torre estão ligadas, tornando-se instantaneamente um local incrível, ideal para que viajantes capturem a beleza do monumento.

5. Tokyo Disney Resort, Tóquio, Japão
Mesmo com outros cinco parques temáticos da Disney, este Tokyo Disney Resort ainda atrai milhões de visitantes de todo o mundo e eles certamente publicam suas fotos. O resort, que abriu de volta em 1983, é tão mágico quanto os outros parques Disney, por isso é impossível não tirar uma foto para o Instagram

6. Disney’s Magic Kingdom, Orlando, EUA
A magia instagramada continua com o Disney Magic Kingdom em Orlando, na Flórida. Este parque recebe mais de 20 milhões de visitantes e certamente vale a pena visitar e registrar o passeio. É um dos preferidos dos usuários da rede social por alguns motivos e um deles é o Castelo de Cinderela.

7. Musée du Louvre, Paris, França
Embora muitas das imagens postadas sejam de obras de arte famosas no Museu do Louvre, também há muita apreciação pela pirâmide e palácio. Entre a Monalisa, Vênus de Milo e os Jardin des Tuileries nas proximidades, não é de admirar que o Louvre tenha sido marcado por turistas de todo o mundo.

8. Brooklyn Bridge, Brooklyn, EUA
Apontada como a “Oitava Maravilha do Mundo”, quando fez sua estréia em 1883, a Ponte do Brooklyn é o local perfeito para ocupar a paisagem do centro de Manhattan e do Brooklyn. Esta ponte histórica foi a primeira ponte suspensa de fio de aço no mundo.

9. Disney California Adventure Park, Anaheim, EUA
Parece que nenhuma viagem para a Califórnia está completa sem uma visita à Disneyland. O Disney California Adventure Park abriu em 2001 e, desde então, recebeu mais 17 milhões de visitantes mundiais e um lugar nesta lista. Neste parque, os visitantes comumente estão postando fotos com amigos na frente da Mickey’s Fun Wheel ou aderindo a tiros do Red Car Trolley.

10. Las Vegas Strip, Las Vegas, EUA
Graças à abundância de hotéis e cassinos, a Strip de Las Vegas completa a lista dos 10 lugares mais presentes no Instagram, em toda a sua vibrante glória e luzes infinitas.

*Conteúdo adaptado de The Points Guy

Como anda a estratégia do seu site?

Tennessee Vacation: exemplo de interface atraente e interação com o visitante digital

Sabendo da importância de um projeto bem feito de marketing para as vendas de uma empresa (seja ela de Turismo ou não), há, em meio a tantas modalidades de promoção de produtos e/ou marca, um que, não raro, é feito sem muita cautela, mas merece especial atenção, por se tratar de um veículo de interação com o cliente e não só de recepção: os sites.

O site oficial de uma empresa é um mecanismo de divulgação e o espaço que acolhe o futuro cliente e por isso deve ser pensado cuidadosamente com o intuito de atrair e cativar o visitante. No marketing, a área do design responsável em criar uma interação agradável do usuário com interfaces, produtos e sistemas, é chamada de UX (User Experience). A experiência do usuário está desde o fluxo de tela, disposição de imagens e até nas cores dos botões de clique.

No Turismo, enquanto a maioria dos sites relacionados a viagens tem maior atenção à área de reservas, algumas páginas tentam atrair turistas se concentrando num conteúdo informativo e com o design cuidadosamente projetado e direcionado.

Como exemplo, separei alguns sites de destinos que se utilizam do Slick UX (interface responsiva e simples) e de um visual atraente, que atrai o possível visitante.

O Tennessee Vacation toma a atenção do usuário com imagens altamente visuais e atraentes, projetadas
para destacar diferentes aspectos do estado americano.  Também ajuda diferentes tipos de viajantes
a navegar pelo site, dependendo do que eles estão interessados.















Outro exemplo de design excelente é o Visit Finland - especificamente seu mapa animado. Os usuários são
levados ao redor do mapa à medida que rolam, com cada seção detalhando informações sobre as 
principais atrações dentro de quatro regiões. O mapa em si é muito parecido com desenhos
animados, o que atribui um diferencial, gerando uma fácil experiência para o usuário e o contentamento
de um design lúdico.

No Reino Unido, o Visit Cornwall também faz uso de design marcante, integrando o vídeo do site em sua
página inicial. Apresentando as belas vistas costeiras do condado em imagens dinâmicas, a interface capta
a atenção do usuário e mostra seu atrativo exclusivo logo de início.
 
Pode parecer banal à primeira vista, mas um estudo detalhado de criação de interfaces e elaboração de
uma estratégia calculada pode fazer toda diferença no engajamento dos usuários com uma página e,
consequentemente, no aumento de vendas de um produto. Conhecimentos a respeito de inovações que
façam diferença, tragam mais eficiência e promovam oportunidades são sempre bem-vindos!

Este post faz parte de uma série informativa a respeito de aperfeiçoamentos e boas práticas de
marketing digital aplicados ao Turismo. Você pode acompanhar mais clicando aqui e aqui.