A “grande muralha” do Ceará

chapada_do_araripe_01No meio do território que separa o estado do Ceará de Pernambuco e Piauí, ergue-se uma imponente muralha coberta de vegetação abundante e que é cenário de paisagens exuberantes da Região do Cariri: a Chapada do Araripe. Reserva ecológica e que abriga fontes naturais e grutas, o local confere à região Nordeste uma das mais belas vistas e um dos destinos mais valiosos de vínculo com a história natural  e de contato com a natureza.

Por abrigar uma floresta, datada de 120 milhões de anos, com grande diversidade de fauna e flora (algumas espécies, inclusive, são específicas da região) é um destino comumente procurado por mochileiros e adeptos do ecoturismo. 

O lugar também é conhecido como o berço da paleontologia nacional e, devido a constantes descobertas de fósseis, recebe diversos visitantes com objetivos científicos. A última descoberta, publicada esta semana em periódico internacional, foi de uma nova espécie de Pterossauro, batizada de Aymberedactylus cearenses. Foi também na Chapada do Araripe que foi encontrada, em fóssil, o que se acredita ser a primeira flor do planeta.

Turismo da região em expansão

O fato de ser o mais importante sítio arqueológico do País rende e pode desenvolver ainda mais o turismo de eventos na Região do Cariri, quando considerada, estrategicamente, a promoção do próprio destino como um diferencial para determinadas sociedades científicas.

Em volta da Chapada o desenvolvimento do turismo se dá em cidades pequenas em território, mas largas em história: Juazeiro do Norte (que recebe aproximadamente 2,5 milhões de turistas romeiros por ano); Crato (cuja parte da Floresta Nacional do Araripe é bastante procurada para prática de esportes radicais) e Barbalha (município onde, anualmente, milhares de devotos de Santo Antônio e mulheres solteiras se encontram para a ‘Festa do Pau de Santo Antônio’). Veja os vídeos sobre a Festa das Solteiras aqui.

Dotada de riquezas culturais, naturais e históricas, está mais do que na hora da região do Cariri, conhecida internacionalmente pelos seus artefatos arqueológicos, ser reconhecida nacionalmente como um destino valioso para o turismo e uma joia nacional.

Balanço olímpico do turismo

parque-olimpicoEm pouco menos de duas semanas, os Jogos Paralímpicos Rio 2016, movimentaram a cidade maravilhosa: de acordo com dados preliminares de pesquisa oficial, aproximadamente 243 mil turistas estiveram no Rio de Janeiro durante a realização da Paralimpíada. O gasto médio desses visitantes foi de R$ 271,20 por dia, o que equivale a uma renda gerada de R$ 410 milhões para o País.

Apesar do número de turistas no evento ser bem menor do que na Olimpíada e, ao contrário do que muitos poderiam prever, foi durante as Paralimpíadas que o Parque Olímpico da Barra, em todo o evento da Rio 2016 (incluindo Jogos Olímpicos), teve seu recorde de visitação, o que ocorreu no primeiro sábado dos Jogos Paralímpicos (10 de setembro), com público de 172 mil pessoas.

A pesquisa também revelou que muitos vieram ao Brasil pela primeira vez: o dado é de quase 60% dos turistas internacionais entrevistados entre o período da Paralimpíada. Medindo o índice de satisfação dos turistas, para 87,8% dos entrevistados a viagem correspondeu ou superou as expectativas e 90,5% tem intenção de retornar ao país, este último dado, maior que o correspondente nos Jogos Olímpicos comentado aqui.

Expectativa x Realidade

Durante a Olimpíada, o Rio de Janeiro recebeu 1,17 milhão de turistas que gastaram, em média, R$ 424,62 diários, gerando, no total, uma renda de R$ 4 bilhões; números que superaram com folga as expectativas divulgadas pela Confederação Nacional de Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

No entanto, na Paralimpíada, os dados, até agora, estão abaixo do esperado pelo setor comercial. O número de turistas ficou um pouco maior que a metade do previsto, de 468,5 mil visitantes, e a renda gerada ficou bem abaixo da projeção de R$912,4 milhões de faturamento.

Ainda assim, o Brasil teve renda gerada significativa e dados bastante expressivos de índice de satisfação e intenção de viagem, o que coloca os resultados do turismo como um dos grandes legados dos eventos Rio 2016. Agora é ainda maior o desafio, tirar o máximo de proveito das oportunidades geradas pela passagem dos Jogos por aqui e da visibilidade que ganhamos mundo afora.

Um estratégia ousada e diferente da promoção do Rio e do Brasil, uma nova política de captação de eventos associativos e esportivos já passou da hora de ser planejada e executada.

Promoção de Pins

drawing-pin-1427330Uma nova ferramenta que poderá atrair clientes e gerar negócios no turismo, e ainda bastante interessante para o marketing dos destinos é uma novidade que estará disponível em breve no mercado de buscas.

O Google vai trazer uma inovação para anunciantes utilizando a ferramenta do Google Maps. Já em teste com alguns usuários, a proposta é patrocinar Pins de serviços turísticos ou mesmo de atrações que estão perto dos viajantes ou mesmo locais. Baseado na utilização do GPS, o usuário poderá escolher serviços e gerar mais negócios, já que além da visibilidade, a marca da empresa e as preferências dos usuários vão ajudar no direcionamento da busca em formato de geolocalização.

A novidade, além de gerar mais visibilidade aos restaurantes, hotéis, lojas e outros serviços turísticos, é mais uma opção para os destinos, já que grande maioria das busca no Google tratam de viagens e turismo. A personalização da busca é outro ponto de destaque, já que o perfil do cliente, cliques anteriores e preferências serão utilizadas para direcionar a publicidade aos turistas com aqueles desejos de consumo.

O que percebemos com essa e outras iniciativas é a proximidade cada vez maior entre o cliente e os serviços, a personalização das opções e os negócios potencializados à partir da presença dos turistas nos destinos, com informações cada vez mais precisas e de fácil acesso. Vale a pena testar.