AVALIANDO CENÁRIO ATUAL COM DADOS

Primeiro trimestre de 2020 aponta queda de 22% nas chegadas internacionais de viajantes pelo mundo; relato da OMT também mostra a diminuição de 19% nas chegadas à América do Sul. A perda de receitas globais do turismo pode chegar a US$ 1,2 trilhões esse ano e os empregos diretos em risco podem chegar a 120 milhões em todo o planeta.

Photo by Mathew Schwartz on Unsplash

Tudo bem, sei que você não está querendo ouvir notícias ruins, pois o cenário já está bastante difícil e está sendo bombardeado com informações difíceis de digerir. Quero te convidar a avaliar os números recentes sobre o impacto da COVID-19 na indústria de viagens e turismo porque estou, assim como você e todos em nosso setor, na torcida e com as mãos na massa para a retomada, e só acredito em cenários quando eles são baseados em números e avaliações consistentes. Considero então que devemos entender o que está passando no planeta para olhar para o futuro do turismo.

Dados de hoje (18 maio 2020), divulgados pela Organização Mundial de Turismo, OMT mostram os primeiros números coletados para o primeiro trimestre de 2020 nas chegadas internacionais de viagens: uma queda global de janeiro a março de 22%. A Ásia-Pacífico é a região mais impactada, pois lá a epidemia chegou mais cedo do que nos demais países, uma diminuição de 35%; as Américas tiveram uma queda de 15% com a sub-região América Latina foi mais impactada, – 19%. Destaca-se que somente o mês de março registrou -57% nas viagens, e fevereiro, -9%. Veja as imagens abaixo:

As projeções da OMT levam a uma diminuição entre 58% a 78% das viagens mundiais em 2020, a depender de como o cenário evolui, especialmente na contaminação e re-abertura progressiva dos países e suas fronteiras. Nas divisas geradas pelas viagens internacionais, a perda pode chegar a US$ 1,2 trilhões, a maior queda registrada historicamente no setor. O setor ainda projeta que o impacto no turismo coloca hoje cerca de 100 a 120 milhões de empregos diretos em risco.

Outras entidades e pesquisas também trazem números que são importantes conhecer. A International Air Transport Association, IATA mostrou uma diminuição de 22% na demanda de passageiros de janeiro a março no mundo, sendo somente em março uma queda de 56%; a projeção para o ano de 2020 é de diminuição de 48%. Estudos sobre os quais a PIRES INTELIGÊNCIA EM DESTINOS E EVENTOS teve acesso em abril mostram que as buscas por viagens aéreas no Brasil começaram a cair em março (-6,6%) e já à partir de abril e maio registraram queda de -36% e -46%, respectivamente. A demanda internacional da Europa, por exemplo, em abril já registrava queda de 31% em relação ao mesmo período de 2019.

Hoje o Brasil tem 8,5% de sua frota de aeronaves voando, e diversas empresas aéreas nacionais e internacionais anunciam a retomada gradual de voos no início de junho, a depender da abertura de fronteiras hoje fechadas no país. Você pode ouvir mais sobre o cenário de aviação no podcast HUB TURISMO, episódio 7, quando conversamos com Eduardo Sanovicz, Presidente da ABEAR.

Seguimos acompanhando os dados futuros, lembrando que a FowardKeys, empresa espanhola de big data para antecipação de demanda mostrou que para os meses de junho, julho e agosto temos no Brasil uma queda de 51.7% nas reservas com confirmação até 2 de maio de 2020 em relação ao mesmo período de 2019.

5 tendências para 2020

Photo by Christian Holzinger on Unsplash

Acompanhar as tendências do turismo é uma das coisas mais importantes para nós, profissionais; elas nos fazem refletir e avaliar como podem impactar nossos negócios. Estive pesquisando sobre tendências da indústria de viagens e turismo para o próximo ano e gostaria de compartilhar aqui com vocês.

  1. Tecnologia voltada à experiência do turista: claro que as tecnologias estão cada vez mais avançadas e chegaram à atividade turística; e o que tenho lido me leva a crer que elas devem avançar muito naquilo que pode melhorar, facilitar e valorizar a experiência em todas as etapas de uma viagem. Aqui no Brasil, sinto que as empresas estão voltadas às tecnologias para a gestão do seu negócio, e talvez seja primordial entender como podemos colocá-las a favor de nossos clientes. Entender e facilitar a vida do visitante é crucial para o sucesso nesses tempos.
  2. Viagem consciente: A sustentabilidade de um destino é cada vez mais valorizada, trata-se de um novo comportamento que já marca o dia a dia das pessoas em suas cidades de moradia e agora se expande para suas viagens. Sustentabilidade aqui trata do meio ambiente saudável, do respeito à cultura local, de valorização da identidade do destino e, sobretudo, de um compromisso eco responsável durante a permanência no destino. Isso não quer dizer que não existam mais turistas que não se comportam de forma consciente, o que pode levar as autoridades locais a fazerem campanhas de esclarecimento e orientação ao visitante. Entramos na era das VIAGENS CARBONO ZERO e essa tendência deve levar as pessoas para cidades ainda pouco conhecidas ou visitadas, não ao overtourism por parte do turista.
  3. Necessidade da presença humana: Mesmo com o avanço dos processos de automação e atendimento virtual, os viajantes a negócios e a lazer querem, de alguma forma, em algum momento do processo de compra e vivência da viagem, ter respostas de humanos, e não de robôs. Mesmo essa necessidade estando presente em todas as áreas econômicas, no turismo ela tem especial valor, pois é preciso que as necessidades dos clientes sejam entendidas e atendidas por pessoas; isso exige, de acordo com cada negócio, entender em que momento entra a interação humana que pode consolidar uma venda ou satisfazer uma demanda de um cliente.
  4. Experiência! Experiência!: As pessoas querem cada vez mais transformar e melhorar suas vidas por meio das viagens; elas querem saber, antes de viajar, o que é possível experimentar no destino. E não é uma atividade só, são várias, diversas e divertidas. Além de ser um desafio para os destinos (que precisam rever seriamente suas ofertas limitadas ou repetitivas e reinventar-se de forma criativa), é um desafio de marketing, pois é preciso levar ao potencial cliente o conteúdo mais próximo àquilo que ele poderá viver no destino. A realidade virtual vai ajudar a experimentar antes de comprar, os influenciadores darão uma ideia do que pode acontecer no destino, amigos e parentes vão transmitir com entusiasmo ou indiferença o que aconteceu em determinado lugar durante sua viagem. O destino terá que oferecer muitas e mais ricas experiências e atrações para atender às necessidades de seus visitantes.
  5. Viagem multi gerações: O pouco tempo para compartilhar com a família, a longevidade ativa e a vontade de compartilhar experiências com as pessoas amadas estão cada vez mais presentes em nossas vidas. Para as viagens, irão se formargrupos com pessoas que possuem diferentes necessidades, que fazem atividades diversas e querem ter um tempo juntos sem problemas e contratempos. Entender o que cada cliente quer e personalizar serviços é a receita para o sucesso de uma viagem entre pais, filhos, avós, amigos.

WTM Latin America eu vou

WTM é sinônimo de negócios.

A feira que tem diversas edições pelo mundo e começou no Brasil há 6 anos entra na sua edição 2018 com oportunidades que eu gostaria de comentar.
A Panrotas tem diversas informações importantes sobre oportunidades de relacionamento como os Speed Networking Sessions ou ainda as oportunidades de contatos com influenciadores digitais ou a nova agenda do corporativo.
Sem mencionar a agenda de super interessantes palestras e seminários. Ou a lista de produtos participantes.
Meu comentário vai para a validade de participar do evento e o que o faz importante para os negócios, a agenda pré organizada e os pares que estarão por lá e que podem fortalecer relações já existentes ou ainda gerar novos negócios.
É para isso que vamos a um evento BtoB e as oportunidades:
1. Apresentar novos produtos
2. Reforçar relações comerciais
3. Atualizar informações sobre profissionais no mercado
4. Gerar novos contatos de vários lugares do mundo
5. Encontrar profissionais inovadores e que podem gerar novas oportunidades

E isso, de agenda já organizada vamos acompanhando.

Se liga aqui no #forumpanrotas

Já sabemos que o Fórum Panrotas é o evento de turismo do Brasil que reúne o maior número de profissionais e compartilha um conteúdo relevante para aqueles que trabalham na indústria de viagens.

Um outro aspecto que se revela cada vez mais destacado nessa edição de 2018 do Fórum Panrotas são as mudanças que o grupo promove em sua forma de comunicar e levar ao setor milhares de notícias e conteúdo diariamente por meio de diversas plataformas. E o que me chamou a atenção desde que acompanho a Panrotas é sua capacidade de inovação, isso faz parte de seu DNA e sempre lidera nossa indústria no quesito mudanças e novidades.

Essa edição 2018 mantém, da mesma forma, a condição importante de ser um momento de relacionamento entre líderes da indústria, atualizando contatos, marcando novas oportunidade e, principalmente, fazendo os profissionais pensarem em seu negócio e as mudanças que o mundo do turismo enfrenta.

Estamos por aqui acompanhando, sugiro que você, que não teve a oportunidade de estar presente acompanhe as palestras pelo Facebook da Panrotas. Estar ligado nas tendências é sinônimo de cuidado com nosso negócio e reflexão sobre as profundas e rápidas mudanças de nossa indústria.

Como o smartphone transforma o Turismo?

Com o desenrolar dos anos, a tecnologia tem moldado determinados aspectos dos viajantes, incluindo hábitos de viajar, estratégias e alcance de marketing e também a relação empresa-turista (B2C).

De acordo com a GSMA, entidade global de telefonia móvel, em julho do ano passado, 5 bilhões de pessoas no mundo inteiro possuíam smartphones. Com um número tão expressivo e com a tecnologia disponível é esperado que os dispositivos móveis produzam impactos na indústria do Turismo.

A plataforma inglesa Travelport entrevistou 55 profissionais da indústria do turismo, além de pesquisar 955 viajantes de todo o mundo a fim de descobrir as principais tendências trazidas pelos smartphones que irão transformar o setor e podem modificar ainda mais as estratégias de empresas de viagens e forma como viajamos em 2018. Confira alguns dos pontos identificados na pesquisa do Travelport:

Boom da voz

O que se pode chamar de “era tátil” está chegando ao fim. A comunicação audível de empresas com consumidores está ainda mais valorizada, a sugestão é que a interação por voz, ainda que em resposta automática, acaba por ‘humanizar’ o serviço, afastando-o um pouco mais do “robótico”, fornecendo mais segurança. O estudo confirma que aproximadamente 31% das empresas de viagens vão investir em tecnologia de voz este ano.

Interfaces de aplicativos

A interface e o visual dos aplicativos também são muito importantes na experiência do viajante. Escolha de cores, fontes, disposição dos itens e facilidade de busca e acesso são imprescindíveis para a experiência positiva do consumidor no aplicativo e a resolução e obtenção das respostas que procura.

Análise preditiva

Elaborada com auxílio de inteligência artificial e Big Data, esse tipo de análise resulta na personalização do serviços. Pode-se prever quais os destinos de maior interesse do viajante, datas favoráveis, estilos de viagem e preços. A oferta fica menos randomizada e mais direcionada ao consumidor. De acordo com o estudo, 83% dos milenniuns permitiriam que as marcas rastreassem seus hábitos digitais para obter experiências mais personalizadas.

Pagamentos através do celular

A possibilidade de realizar pagamentos através do dispositivo móvel, sem sair do lugar e usando apenas a tecnologia móvel é uma realidade que ganhará força, cada vez mais. Não só pela praticidade, mas por se mostrar uma via segura do serviço. Segundo a Travelport, 35% das empresas de turismo planejam investir em plataformas de pagamento móvel este ano.

Além destas tendências, a pesquisa também revelou informações a respeito de mensagens e redes sociais: 51% dos viajantes esperam poder se comunicar com marcas através de mensagens e 33% através das mídias sociais. Além disso, 69% dos viajantes afirmam que não consumiriam uma marca cuja experiência no aplicativo é ruim.

Os smartphones são alguns dos itens da tecnologia recente mais utilizados no mundo todo e, notavelmente, merecem atenção na indústria de viagens e turismo, pois o seu uso molda as práticas, comunicação e até a forma de viajar.

Seguimos acompanhando!

Brasil recordista em aumento de gastos em 2017

Dados divulgados hoje (31/01/2018) pela OMT – Organização Mundial de Turismo mostram que o Brasil e a Rússia, com as viagens de seus cidadãos ao exterior ajudaram a aumentar a demanda internacional por viagens em 2017. Sobretudo os gastos dos brasileiros foram notados no exterior no último ano.

2017 fechou com aumento de 7% de viagens, uma média bastante superior aos anos anteriores que vinha se mantendo em 4%; com grande destaque para o desempenho da Europa (+8%). Os países que mais recebem visitantes são França, Estados Unidos, Espanha, China e Itália; o Brasil aparece em 43o. lugar em 2016 e 2017, segundo a OMT.

No lado dos gastos, o desempenho dos países que mais gastam em viagens internacionais mostra a retomada das viagens dos brasileiros e dos russos; somos o país que mais cresceu percentualmente em gastos em 2017 (33%) e os russos o segundo (30%). Os países que mais arrecadam receitas com gastos dos estrangeiros em seus territórios são Estados Unidos, Espanha, Tailândia, China e França.

 

SalvarSalvar

4 tendências-chave de MKT para 2018

Todo ano, os hábitos do viajante e os métodos dos profissionais de Turismo mudam e, todo início do ano, como já é de praxe, acompanho os estudos a respeito das tendências do Marketing Digital. Além de ser a minha área de atuação, também considero o estudo do MKT global uma porta de entrada para que ferramentas sejam aplicadas no desenvolvimento de ações de marketing do Turismo. Compartilho aqui uma compilação do que há no Marketing que estará em evidência em 2018:

 

  1. Interação humanizada

 

Atendimento e interatividade personalizada ao cliente darão mais poder a marcas. Estratégias focadas em atender, levando a relação B2C a um patamar mais humanizado, menos motorizado e menos automático poderão apresentar mais eficácia. A consideração e importância dada à pessoa do cliente também são fatores que cativam e trazem preferência à marca.

  1. Propósito da marca

Responsabilidade social corporativa e marketing de causa fazem uma conexão com emoções e consciência de clientes, gerando empatia. Iniciativas socio-ambientais e atos de cidadania corporativa traduzidos em campanhas promocionais de uma empresa (que mira o lucro mas não esquece de melhorar algum aspecto da sociedade) ligam-se diretamente à fidelidade do cliente e aumento de audiência. O propósito da marca deve ser autêntico e relevante, aproximar-se a uma causa pode dar a marca uma presença mais forte, alinhando o seu propósito com os valores e prioridades da empresa e dos seus consumidores.

  1. Apelo emocional

O apelo emocional é outra grande tendência para o marketing em 2018. Tendo a experiência como uma tendência de Turismo bastante consolidada, o consumidor quer mais do que um produto ou serviço, ele quer vivências. Criar um vínculo entre a marca e o consumidor por meio do engajamento emocional, promover experiências, investir em storytelling, por exemplo, facilita o elo afetivo entre consumidor e marca.

  1. Influência de marketing

Promover produto/marca através de um agente influenciador estará em alta em 2018. Acompanhamos em 2017 um aumento no uso de bloqueadores de anúncios, com uma publicidade pode ser mais eficaz em trazer popularidade ( “já vi em algum lugar”) do que em prospecção de clientes de fato (“já fiz uso”). Além disso, a publicidade com um influenciador pode ser muito mais poderosa do que anúncios pagos, já que consumidores confiam mais em recomendações do que em anúncios.

Seja em marketing para destinos, marcas, agências de turismo ou empresas, as tendências podem se aplicar de infinitas formas a fim de captar consumidores e seguidores, além de, não raro, serem atividades que trazem engajamento também de colaboradores e marcas parceiras no setor (B2B). Continuamos acompanhando as novidades da indústria.

Tendências para o Turismo em 2018 [vídeo]

Semana passada participei da WTM London, maior feira de Turismo do mundo, onde tive oportunidade de participar de discussões  e apresentações que prevêem algumas tendências para o setor em 2018.

De acordo com o que foi discutido no evento, fiz alguns comentários a respeito das tendências e projeções na indústria de viagens e turismo para o ano que vem, confira no vídeo:

Vídeos imersivos: grande tendência digital

Visit Philadelphia

Os serviços de assessoria e consultoria para o Turismo têm mudado expressivamente ao longo dos anos e as formas de tornar destinos atrativos e alcançar turistas também têm acompanhado essas transformações.

Há, cada vez mais, uma busca pela aproximação na comunicação com os viajantes e os recursos online são a principal ferramenta para motivar pessoas a viajar.

Como consultora há mais de 15 anos no mercado, entendo que. assim como o Turismo, nós que fazemos o setor também não podemos parar. Na busca por novos aprendizados, encontrei no site da Econsultancy (plataforma de pesquisa, aprimoramento e treinamento em Marketing Digital) uma tendência que tem ganhado força no Turismo, no mundo inteiro: o vídeo imersivo.

O que são vídeos imersivos? São os vídeos de 360 ​​graus, apresentados em 2015 pelo Facebook e pelo YouTube e já experimentado por muitos destinos turísticos. Os benefícios são visíveis: se bem feito, o vídeo de 360 ​​graus permite que os espectadores “mergulhem” em um destino, bem como atividades ou eventos específicos, gerando um engajamento muito maior do que o vídeo padrão.

Alguns dos melhores exemplos de marcas de Turismo que usaram a ferramenta:

Excursão virtual da Filadélfia

Visit Philadelphia permite aos espectadores saltar para as vistas e sons da Filadélfia com uma série de vídeos imersivos dos pontos mais reconhecidos da cidade.

Os espectadores podem andar de skate ao longo da Ponte Benjamin Franklin, olhar ao redor de Elfreth’s Alley e experimentar o que é estar no meio da Washington Square. Com um formato de tela cheia, ele oferece uma ótima maneira de ter um vislumbre do que é realmente estar lá.

VisitLEX Horses

Lexington em Kentucky é conhecida como ‘país do cavalo’. O conselho de turismo da cidade, VisitLex, escolheu aprimorar esse atrativo nicho com um vídeo de 360 ​​graus, Horses.

O vídeo conduz os espectadores ao mundo dos cavalos, permitindo que eles tenham uma visão 360 ​​graus de um dia de corrida, a preparação dos animais e os campos em que eles vagam. Ao se concentrar nisso e não na localização geral, o VisitLex pode segmenta o alvo, atingindo um público muito mais específico.

https://www.youtube.com/watch?v=4bx-RXegHus

British Columbia: Whistler Within

A Columbia Britânica, província canadense, usa muita ação para no roteiro do seu vídeo de 360 ​​graus, Winter Within, mostrando aos espectadores exatamente como é esquiar na área. De fato, ao permitir que os espectadores naveguem onde quer que escolham, acaba oferecendo uma visão do que os próprios esquiadores desfrutam.

https://www.youtube.com/watch?v=VVRAB4eoPbk

Os vídeos tour de 360 ​​graus pode servir para um propósito funcional, de inserir o futuro visitante no destino e fazê-lo conhecer a paisagem, a fim de torná-la ainda mais atrativa. Essa tecnologia, quando aplicada aos vídeos de aventura, transmite uma emoção diferente da simples observação, passando um pouco da adrenalina ao turista. Em ambos os casos, os vídeos 360º são uma tendência de marketing de destinos para os próximos anos.

Em breve trarei mais tendências digitais para a indústria de viagens e Turismo. Continuamos atentos ao setor.