A ERA DA ABUNDÂNCIA

Homens de 18 anos da RAF (Royal Air Force) pilotavam caças Spitfire para defender Londres, que era bombardeada por pilotos com 19 anos da Luftwaffe, isso na Europa da década de 40 do século passado.

Até a segunda guerra mundial, a maioridade separava os homens dos meninos…

Com a segunda grande guerra, milhões de homens e mulheres morreram e os que sobreviveram voltaram para casa e tiveram que trabalhar duro para reconstruir suas vidas, seus países e suas cidades, tiveram filhos e envelheceram.

Foi uma época dura, duríssima, comiam o que havia para comer, economizavam o que não podiam, trabalhavam muito e cuidavam de suas famílias, isso é tudo o que faziam nossos avós e bisavós, e foi isso que formou a base da economia de abundância que temos hoje em todo o mundo.

Homens e mulheres trabalharam duramente para reerguer nações destruídas pela guerra

Hoje, a adolescência vai até os 35 anos e esses jovens vivem muitas crises, num mundo cruel, com muita pressão, eles têm que tomar muitas decisões, questionam tudo o que foi construído até hoje, acham que quase tudo está equivocado.

Homens de 30 anos tomam toddynho, fazem depilação e massagem facial, usam óleos especiais na barba bem desenhada, fazem limpeza de pele, praticam yoga e pilates, frequentam sessões de Reiki, recebem coaching, não perdem uma sessão de análise e precisam de um mentor como do ar que respiram…

A expressão metrossexual saiu de moda pois não indica mais um comportamento excepcional. Hoje quase todos os homens jovens são ou serão metrossexuais.

Depois de uma semana árdua de trabalho, em ambientes confortáveis, bem iluminados e refrigerados, digitando em teclados ergonômicos, onde também atualizam freneticamente suas redes sociais, reúnem-se com amigos igualmente estressados, em bares modernos, decoração descolada, com mesas posicionadas segundo Feng Chui, telões HD, ao som das mensagens inspiradoras da música de Pablo Vitar e Ludmilla.

Pedem suflê de mandioquinha com alho poró e traços de curry com framboesa selvagem, e harmonizam com caipirinha de aguardente de alecrim, mixed de saquê e vinho crianza catalão, com adoçante natural destilado da casca da mini-jaca colombiana.

Os bares e restaurantes refletem a era da abundância, oferecendo produtos raros, serviços exóticos e ambientes exclusivos.

Finalizam com uma taça de café gourmet gelado (descafeinado, é claro), aromatizado com favas de baunilha de Madagascar e raspas de limão siciliano, que degustam enquanto conversam sobre os planos da próxima viagem, que poderá ser uma temporada em Aspen, uma expedição na Antartida ou uma escalada no Kilimanjaro, destinos que exigirão consciência plena e/ou mindfullness

Quando olhamos em volta, percebemos que esta “era da abundância” não corresponde ao que deveria ser uma “era da igualdade, do equilíbrio ou da distribuição” e nos damos conta que o ciclo histórico é o mesmo que vem se repetindo há séculos:

1) Tempos difíceis criam pessoas fortes.

2) Pessoas fortes criam tempos fáceis.

3) Tempos fáceis criam pessoas fracas.

4) Pessoas fracas criam tempos difíceis.

Neste início de século, estamos entre as fases 3) e 4) e acredito que, brevemente, o ciclo se repetirá, e torço para eu estar errado.

Obs.: Este post é uma adaptação. O texto original foi publicado em projeto60anos.com.br

.

Leia outro texto da série “ERA”:

A ERA DA VELOCIDADE

.

Postagens relacionadas

Published by

Luís Vabo

Fundador e presidente do sistema Reserve, da Solid Corporate Travel e da Solid Consultoria e Tecnologia, diretor de tecnologia e integração da ABAV, fundador e conselheiro da Abracorp e IATA Strategic Partner, Luís Vabo também é corredor de rua, tenista amador e nadador eventual.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *