“Dando uma” de parisiense

Até alguns anos atrás o turismo padrão se resumia a visitar lugares turísticos, aprender sobre o que levou tal ou tal atração a se tornar mundialmente conhecida, admirar as belezas do destino.

Hoje o turista não se contenta mais em somente em admirar atrações longínquas. Atualmente o visitante deseja vivenciar o destino, experimentar um pouco das situações agradáveis vividas pelos habitantes dos lugares visitados.

Por essa razão, vamos falar neste post de atividades parisienses.

Hoje vamos sugerir 5 coisas para o visitante sair por ai “dando uma” de parisiense e desfrutar do que a vida de Paris tem de melhor:

1. Dando uma de parisiense no teatro:

Parisiense adora teatro e espetáculos. A cultura faz parte ativa da vida dos cidadãos, desde a infância.

No entanto, nem sempre é fácil “dar uma de parisiense culto ” sem falar a língua. Essa é uma das razões pela qual sugiro fortemente a ida ao espetáculo Circus Incognitus.

Em cartas até final de agosto, Jamie Adkins faz a plateia rir durante quase duas horas de espetáculo.

Com eximia linguagem corporal e circense, misturando malabares, equilíbrio e palhaçadas, o artista encanta, oferecendo a plateia um momento cultural único e de muito riso.

As gargalhadas da plateia, incluindo os risos das crianças, encantam tanto quanto o espetáculo.

Acontece no Thêatre de l’Atelier, no francesíssimo bairro de Montmartre. Imperdível! Em cartaz até 11 de agosto.

Montmartre

2. Dando uma de parisiense esportivo (ou não):

As margens do Rio Sena se tornaram o lugar para correr, andar de bicicleta ou ainda fazer sua caminhada.

Ok, nem todo mundo gosta de atividades físicas, mas uma caminhada pela beira do rio oferece a vista dos mais belos monumentos da cidade e contato com a verdadeira população.

Para os preguiçosos inveterados: leve uma garrafa de vinho e olhe os outros exercitando. Você não se sentirá menos “parisiense” por isso.

Veja mais imagens a seguir:

3. Dando uma de parisiense no café:

Durante os meses de verão, uma das atividades mais procuradas pelos parisienses consiste em não fazer nada, ou melhor, beber algo num dos inúmeros terraços da cidade.

Aqui, nada de “pingado” no balcão e sair correndo como paulista. Peça um “noisette” (café com leite pequeno) ou um “crème”(café com leite grande) e sinta-se parisiense.

17, Rue des Petits Carreaux

Um dos meus cafés preferidos, ao lado da minha casa, é Les Petits Carreaux. Aos domingos o café da manhã ( suco de laranja, 1 bebida quente, baquete, croissant, geleia e manteiga) custa 7,50 e é servido até as 16h.

Diga-se de passagem, a cozinha francesa do lugar merece atenção. Excelente!

Café da manhã

Já quando estou pertinho do Châtelet não perco a oportunidade de parar no Zimmer.

Noisette e Café Gourmant no Café Zimmer – Place do Châletet

Depois das 18h30, fica mais difícil encontrar um cafezinho nas varandas. Há bistrôs que recusam. O negócio ai é passar para o vinho, se você já não fez essa escolha antes, é claro!

4. Dando uma de parisiense no museu:

Desde os áureos tempos de Napoleão, a França tem verdadeira adoração pelo Egito.

Os franceses que ainda não foram até o país pessoalmente e até muitos daqueles que já viram o tesouro do grande faraó nas salas borbulhantes de calor do Museu do Cairo, não perderão a oportunidade de vivenciar a exposição Tutancâmon- O tesouro do Faraó, em cartaz até 22 de setembro na Villette.

5. Dando uma de parisiense no dia a dia:

Faça fila na padaria e compre tudo que tiver vontade! Baquetes variadas, bombas de caramelo, macarrons, pão de nozes! Em janeiro, peça a Galette des Rois ( foleado com pasta de amêndoas). Aproveite!

Ficam as dicas e meus votos de uma excelente semana!

Published by

Silvia Helena

Após breves passagens pela Faculdade Metodista de São Bernardo e Belas Artes de São Paulo, aos 18 anos fui estudar no Canadá, onde vivi durante 23 anos. Lá me formei em História da Arte pela Universidade de Montréal, estudei turismo no Collège Lasalle de Montréal e no Institut de Tourisme et Hôtellerie du Québec. Comecei minha carreira na área trabalhando em Cuba. Durante os anos vividos no Canadá, entre outras coisas, fui guia de circuitos pela costa leste e abri minha primeira agência de receptivo para brasileiros. Há dez anos um vento forte bateu nas velas da minha vida me conduzindo até França. Atualmente escrevo de Paris, onde vivo e trabalho dirigindo a empresa de receptivo, a Holatour.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *