Medo viral

As anulações de eventos e viagens se intensificaram nestes últimos dias através do mundo.

Enquanto médicos e especialistas afirmam que ainda não é tempo de parar com suas atividades e frear planos de viagens, políticos dizem o contrário e todo mundo sai dando palpite “a torto e a direita” em canais de comunicação. 

Como medida preventiva, o governo francês proibiu qualquer evento em lugar fechado que reúna mais de 5000 pessoas.

Mas o que isso quer dizer? Sem compreender exatamente a medida, na região da Oise*, a polícia local proibiu uma feira municipal ao ar livre, mas deixou o supermercado localizado à frente aberto. Ou seja, agiu como barata tonta e ficou esperneando de patas para o ar, sem realmente impedir qualquer possível contaminação e porque não dizer acabou piorando a situação de todos implicados. Afinal, onde há maior chance de contaminação, na feira ao ar livre ou no supermercado fechado? 

Baseado na mesma medida anunciada pelo governo, os funcionários do Louvre, tomados pelo medo fecharam suas portas neste domingo 1° de março. Note que esses funcionários do governo são efetivados.

Ao mesmo tempo, na tela da TV um infectologista e um membro do Ministério da Saúde diziam que a medida era válida para jogos de futebol e atividades esportivas de grande porte, onde pessoas bebem e gritam abundantemente, aumentando o risco de contágio, mas jamais em um museu, onde pessoas não falam e gritam perante aos demais presentes. Os funcionários do Louvre não foram autorizados a fechar e não são capacitados para julgar a situação, dizia o membro do Ministério da Saúde.

Enquanto isso, em Marselha, um evento privado de grande porte, contabilizava minuciosamente seus participantes para que não ultrapassassem o número de 4999, mantendo portas abertas até o fatídico algarismo.  

Ou seja, os funcionários do Louvre, motivados pelo medo da gripe e sem medo de perder seus empregos ou renda julgaram por conta própria a situação perigosa. Enquanto as lojas do Carrossel do Louvre e os participantes do evento marselhês julgaram exatamente a situação de maneira oposta.

Diga-se de passagem, a situação do Louvre deve ser definida nas horas a seguir. Neste momento o museu segue fechado. No entanto, somente uma nota sobre movimentos de greve em seu site indica perturbações nas horas de abertura.

Enfim concluo: cuidado! O medo do codiv-19 é muito mais viral que a doença.   

Nota 1

Oficialmente, na manhã de segunda-feira, o Ministério da Solidariedade e Saúde confirmou 131 casos na França, sendo nove graves e três óbitos. Até o momento 12 pessoas foram curadas, 3 morreram** e 116 estão hospitalizadas. Enquanto escrevia o post os casos subiram para 191. Como uma gripe comum, o Codiv-19 se alastra rapidamente.

Três principais “clusters”, termo usado para a presença de casos agrupados e localizados, foram identificados:

  • *Oise, particularmente nos municípios de Creil, Crépy-en-Valois, Vaumoise, Lamorlaye, Lagny-le-Sec e Lacroix-Saint-Ouen,
  • Haute Savoie, no vilarejo La Balme-de-Sillingy
  • Morbihan, os municípios de Auray, Crac’h e Carnac

O presidente Emmanuel Macron mudou sua agenda para se concentrar na gestão de crises.

Nesta segunda-feira, a França ainda estava na fase 2 de vigilância sanitária, um estágio pré-epidêmico.  

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), os sintomas são leves para a maioria dos pacientes, graves (pneumonia) para 14% deles e 5% dos afetados estão em estado crítico. A taxa de mortalidade parece ser de 2 a 5%, segundo a agência da ONU.

Nota 2

Mortes na França: **2 octogenários dos quais um turista chinês e uma pessoa de 60 anos originária do departamento Oise.

Published by

Silvia Helena

Após breves passagens pela Faculdade Metodista de São Bernardo e Belas Artes de São Paulo, aos 18 anos fui estudar no Canadá, onde vivi durante 23 anos. Lá me formei em História da Arte pela Universidade de Montréal, estudei turismo no Collège Lasalle de Montréal e no Institut de Tourisme et Hôtellerie du Québec. Comecei minha carreira na área trabalhando em Cuba. Durante os anos vividos no Canadá, entre outras coisas, fui guia de circuitos pela costa leste e abri minha primeira agência de receptivo para brasileiros. Há dez anos um vento forte bateu nas velas da minha vida me conduzindo até França. Atualmente escrevo de Paris, onde vivo e trabalho dirigindo a empresa de receptivo, a Holatour.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *