Paris e a França em tempos de CODIV-19

Hesitei um pouco em escrever sobre a situação na França e o coronavirus ou Codiv-19.

Não que o assunto seja sem interesse, em muitos jornais do planeta o Codiv-19 é manchete. As pessoas estão realmente preocupadas.

No entanto, o medo alavancado pelo excesso de informação não mudará os fatos, tais como devem ser, muito pelo contrário.

Atenção! As informações, sempre parciais, nos levam a completar o cenário com nossos receios e temores. O que eu quero dizer com isso? Estou tentando minimizar a situação? Veja bem:

Você sabia que a gripe estival comum mata mais de 60 000 pessoas na Europa por ano! Não sabia, né? Ninguém sabe. Por essa razão nunca ninguém se preocupou com isso antes de vir à Europa.*

Neste caso, o vírus do Codiv-19 tem novas características, precisa ser estudado e controlado. Porém, é importante lembrar que essa não é a primeira vez que isso acontece. Não, não vivemos mais na Idade Média, isso não é a peste negra.  Não precisamos ir tão longe.

Você lembra do Sars? E do H1N1? Quem ficou sabendo do Mers? Sim, pessoas morreram devido a essas doenças. Pois é, pessoas morrem todos os dias pelas mais variadas razões: homicídios, acidentes de carro, paradas cardíacas.Ver nota

Imagino que se as mortes por paradas cardíacas estivessem sendo apresentadas pela mídia com tanta ênfase, talvez já estivéssemos enfrentando filas quilométricas em frente aos gabinetes de cardiologistas**, ou ainda se as mortes por acidentes de automóveis fossem contabilizadas em um site em tempo real estaríamos todos andando a pé para nos deslocar***. Ver nota

A situação referente ao número de enfermos e curados do Codiv-19 muda todo dia e há muito mais pessoas curadas do que mortas. Paralelamente a medicina está trabalhando a todo vapor, médicos, laboratórios farmacêuticos, pesquisadores estão empenhados em encontrar a solução.

O Instituto Pasteur da França conseguiu rapidamente identificar e efetuar a cultura celular do vírus, etapa capital para a pesquisa e encontra da cura. Um amigo meu que vive em Shangai e esteve várias semanas em isolamento domiciliar me informou que a China encontrou um remédio eficaz, alguns sites franceses anunciaram com certa reserva, pois maiores testes são necessários. Pouco se fala destes avanços.

Não me entenda mal, a informação é necessária, mas a dramatização talvez não seja. Como em um jogo de futebol ou episódio de Dragon Ball a situação pode mudar a qualquer momento.

Tendo isso dito, vale a pena destacar o excelente trabalho realizado pelo Ministério da Saúde e pelo próprio povo francês.

  • Assim que a epidemia começou no exterior foi criado um número de triagem para quem tivesse dúvidas quanto ao seu estado de saúde ligado aos sintomas da doença.
  • Pessoas foram informadas que em caso de suspeita, não fossem aos hospitais ou chamassem o médico em suas casas ( temos esse serviço de médico domiciliar) e sim esse número. Tem gente ligando até quando recebe pacote de encomenda vinda da China.  
  • Uma vez detectado a suspeita via telefone, uma ambulância vem buscar o paciente em casa com enfermeiros aparentemente preparados para ir à lua e te levam para o isolamento.
  • A França continental tem 38 estados e em pouco tempo contava com 38 estruturas hospitalares adaptadas para receber eventuais pacientes. Esse número já foi aumentado para 70 desde então.
  • Todos os expatriados franceses que desejaram voltar da China foram transportados por aviões governamentais e isolados por duas semanas em diferentes estruturas hoteleiras antes de integrar o mundo dos saudáveis.
  • Uma turista de origem chinesa passou mal em um comissariado de polícia, todos ficaram em observação dentro mesmo desse comissariado até provarem que ela não estava contaminada.
  • E agora que a Itália também apresenta um quadro de epidemia, há quem tenha voltado de lá após as férias escolares e se colocado em isolamento durante 15 dias por conta própria.  Todos os pais receberam um comunicado via SMS avisando que em caso de ida a qualquer área de risco durante as férias, seus filhos deveriam se ausentar pelo mesmo período. Os empregadores também autorizam sistematicamente o trabalho a partir do domicilio em caso de dúvidas.

Com exceção das pessoas diretamente implicadas e o corpo médico, o resto da população está vivendo normalmente.

As medidas para evitar o contágio do Codiv-19 são exatamente as mesmas medidas que para evitar contágio de qualquer doença viral.

  • Pessoas gripadas devem cobrir a boca e tossir nos cotovelos e não usar as mãos. Pessoas sãs devem lavar as mãos com frequência e se colocar ao menos um metro de distância de pessoas que apresentam sintomas de gripe.  Entrar em pânico agora não vai ajudar ninguém.

E você? O que diz ao seu cliente? Eu sugeriria a mesma coisa que fiz durante minhas recentes férias em um cruzeiro MSC.

  • Lave suas mãos com frequência, o telefone celular também deve ser desinfetado, tenha gel consigo e não tenha medo de usar quando não puder lavar as mãos, obviamente se distancie de pessoas que possam aparentar qualquer doença infecciosa. Ou seja, tenha as mesmas atitudes que deveria ter a todo momento de sua vida.

E lembre-se do que dizia Horace, filósofo grego da antiguidade: Carpe Diem, quam minimum credula postero. Expressão que pode ser traduzida por “Viva bem presente, sem temer o dia de amanhã”.  

Nota importante
Hora de relativizar 

*A taxa de mortalidade anual no mundo por problemas respiratórios associados à gripe comum varia de 0,1 a 6,4 por 100.000 pessoas com menos de 65 anos, de 2,9 a 44,0 por 100.000 pessoas de 65 a 74 anos e de 17,9 a 223,5 por 100.000 pessoas com mais de 75 anos.

**Doenças cardiovasculares são um conjunto de distúrbios que afetam o coração e os vasos sanguíneos. Esta categoria de doenças inclui síndrome coronariana aguda, insuficiência cardíaca e doença da válvula. Os mais conhecidos são certamente infarto do miocárdio (causado por doença cardíaca isquêmica) e derrame. As duas últimas são as principais causas de morte no mundo, causando cerca de nove e seis milhões de mortes por ano.

***De acordo com a OMS, acidentes de trânsito em todo o mundo matam cerca de 1,3 milhão de pessoas por ano e ferem de 25 a 50 milhões de pessoas. É também a principal causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos e a principal causa de transtorno de estresse pós-traumático (TEPT). A maioria dos acidentes de trânsito pode ser classificada como acidentes evitáveis e mortes evitáveis.

****O número de homicídios registrados no Brasil registrado pela ONG, Fórum Brasileiro de Segurança Pública, entre 2011 e 2015, foi de 278.839. Paralelamente a este relatório, de acordo com estatísticas do Observatório Sírio para os Direitos Humanos (SOHR), a guerra que se alastrou naquele país matou 256.124 pessoas no mesmo período. Como resultado, as mortes no Brasil nos últimos quatro anos resultaram em mais mortes do que a guerra na Síria. (dados 2016)

Published by

Silvia Helena

Após breves passagens pela Faculdade Metodista de São Bernardo e Belas Artes de São Paulo, aos 18 anos fui estudar no Canadá, onde vivi durante 23 anos. Lá me formei em História da Arte pela Universidade de Montréal, estudei turismo no Collège Lasalle de Montréal e no Institut de Tourisme et Hôtellerie du Québec. Comecei minha carreira na área trabalhando em Cuba. Durante os anos vividos no Canadá, entre outras coisas, fui guia de circuitos pela costa leste e abri minha primeira agência de receptivo para brasileiros. Há dez anos um vento forte bateu nas velas da minha vida me conduzindo até França. Atualmente escrevo de Paris, onde vivo e trabalho dirigindo a empresa de receptivo, a Holatour.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *