França em tempos de Codiv-19 n°2

Querido leitor,

Escrevo para atualizar as informações referentes ao Codiv-19 na França.

O que está acontecendo e quais atrações estão abertas ou fechadas neste momento?

Como medida preventiva contra o Codiv-19 o governo estipulou que reuniões com mais de mil pessoas em lugares fechados estão proibidas. Isso afeta, sobretudo, grandes salas de teatro e atividades esportivas de grande porte.

  • Os cabarés Moulin Rouge, Lido e Paradis Latin seguem abertos, assim como a Torre Eiffel.  
  • O Louvre está aberto, porém restringiu o número de entradas, dando prioridade para que tenha ingresso comprado antecipadamente.
  • A EuroDisney continua aberta. Três de seus funcionários foram diagnosticados positivos, porém não tiveram contato prévio com o público e não representaram risco aos freqüentadores do parque.
  • Cruzeiros pelo Rio Sena estão parados temporariamente, mas não por causa do Codiv-19, e sim por causa da cheia do Rio Sena, que este ano nem apareceu nas notícias. Seguramente, dentro de alguns dias estarão de volta.

Muitos e-mails que recebi confirmam que todos interventores do ramo do turismo intensificaram aeração e desinfecção intensa como meio preventivo.

Como vivem os franceses neste momento?

Ainda como medida profiláctica, o governo e empresários autorizaram as pessoas em dúvida quanto ao seu estado de saúde a trabalhar a partir de suas residências.

As condições para consultas médicas à distância via aplicativo on-line sofreram mudanças e tornaram-se mais flexíveis.

No mais, para a grande maioria das pessoas, a vida segue normalmente!

No banco, nas praças, nas ruas a vida continua!

Desafios governamentais e trabalhistas: Droit de retraite ou Direito de retirada

De acordo com a legislação trabalhista francesa, o Droit de Retraite é o direito do empregado de se retirar de uma situação de trabalho que represente um “grave e iminente perigo para sua vida ou saúde”. Esse o direito de retirada é um direito individual, mas pode ser exercido coletivamente.

Se os funcionários da área de transportes exercerem seu “direito de retirada” em massa temendo o Codiv-19 as autoridades serão então forçadas a reduzir a oferta de transporte. Uma decisão que o ministro afirma “depender realmente do número de funcionários disponíveis”.

Medidas previstas pela Autoridade Autônoma de Transportes de Paris serão neste caso semelhantes às tomadas no auge da greve deste inverno. Segundo o secretário de Estado dos Transportes, um “maior absenteísmo” pode ser esperado nas empresas do setor, ao mesmo tempo em que afirma que a RATP ou o SNCF estudam planos para a continuidade de seus serviços.  

Para aqueles que estão acostumados à chegada de seu transporte em dois minutos, isso significa pelo momento alguns minutos a mais de espera.  

Quando muita informação mata a informação

Informações abundantes continuam a assolar a população, às vezes criando pânico, às vezes restaurando a tranqüilidade. Enfim, match nulo para este quesito.  

Algumas diretrizes e medidas sanitárias além da lavagem de mãos constante:  

  • Como muitas pessoas jovens podem contrair o vírus Codiv-19 e não apresentar sintomas (que NÃO É GRAVE para a maioria dos seres humanos) foi solicitado que evitem visitar pessoas idosas. 
  • Escolas primárias em regiões chamadas “clusters” foram fechadas por quinze dias também devido ao caráter assintomático da doença em crianças a fim de evitar a propagação junto aos demais membros da população.  

Aparentemente, as pessoas realmente a risco são anciãos, asmáticos ou portadores de problemas pulmonares, pessoas com imunidade baixa e graves problemas de saúde pré-existentes. Somente essas pessoas serão mantidas em hospitais em caso de contaminação, os demais enfermos deverão se cuidar em seus lares, em situação de isolamento.

  • Um amigo chinês que vive em Shangai me avisou: beber água após contato com pessoas potencialmente contaminadas faz com que o vírus saia das vias respiratórias e vá para o estômago, onde o mesmo morre em contato com o suco gástrico.

O que esperar?

Um aumento de casos é previsto para os dias a seguir, devido à alta taxa de contágio do Codiv-19 e potenciais casos assintomáticos.

As medidas preventivas devem melhorar o quadro, que poderia ser pior não fosse a determinação e pragmatismo do próprio povo francês. Amigos não se abraçam, cessaram se os beijinhos e apertos de mãos e em caso de dúvida, como já mencionado, as pessoas se isolam.

Tudo indica que essa situação passará como uma epidemia de gripe comum, que inclusive já atingiu seu pico neste inverno e recua neste momento. Gripe esta que matou 72 pessoas em 2020 na França e contabiliza atualmente 744 casos graves em reanimação. A média de idade das vítimas da gripe comum até o momento é de 52 anos. Dez vítimas eram crianças e adolescentes menores de 15 anos. 30 vítimas tinham entre 15 e 64 anos. 32 pacientes tinham mais de 65 anos de idade. Os vírus influenza H1N1 e B/Victoria foram os mais observados neste inverno, com base em amostras municipais e hospitalares.

E, no entanto, ninguém teme uma gripe comum, não é mesmo?

A cidade continua linda e suas atrações funcionando. A foto foi tirada cedo, tempos atrás, mas de maneira geral as ruas estão repletas, mesmo por quê pessoas evitam os transportes em comum quando possível . O governo tomou medidas ( a palavra prevenção e seus sinônimos preencheram esse texto) e os habitantes de maneira geral se sentem seguros. Neste momento escuto muitos jovens no bar ao lado festejando a vitória do PSG

MinhaS dicaS?

  • Relativizar é preciso.

Pelo que eu saiba não existem faculdade de Paramedicina no Brasil… este mini vídeo fala de como virei Paramédica aqui no Reino Unido. Nós podemos trabalhar em diversas áreas da saúde mas nossa especialidade é emergência e atendimentos fora do hospital. Podemos administrar vários medicamentos sem necessitar de autorização de médicos. Podemos fazer tratamentos invasivos e estabilização de pacientes críticos antes de sua locomoção. Também sabemos ler eletrocardiograma podendo levar o paciente que sofre de ataque cardíaco direto pata a mesa de cirurgia. Aprendemos resgatar pessoas em varias situações e trabalhamos varias vezes com a polícia e corpo de bombeiros. #priscilaparamedicalondres #priscilaparamedica #salvandovidas

Posted by Priscila Paramedica em Londres on Thursday, May 2, 2019
  • Não desesperemos.

Published by

Silvia Helena

Após breves passagens pela Faculdade Metodista de São Bernardo e Belas Artes de São Paulo, aos 18 anos fui estudar no Canadá, onde vivi durante 23 anos. Lá me formei em História da Arte pela Universidade de Montréal, estudei turismo no Collège Lasalle de Montréal e no Institut de Tourisme et Hôtellerie du Québec. Comecei minha carreira na área trabalhando em Cuba. Durante os anos vividos no Canadá, entre outras coisas, fui guia de circuitos pela costa leste e abri minha primeira agência de receptivo para brasileiros. Há dez anos um vento forte bateu nas velas da minha vida me conduzindo até França. Atualmente escrevo de Paris, onde vivo e trabalho dirigindo a empresa de receptivo, a Holatour.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *