O francês não é quadrado

O francês não é quadrado e sim hexagonal ou a nova campanha da SNCF

Aqui não se fala outra coisa que a obra de Christo no Arco do Triunfo (embalado) que custou quatorze milhões de Euros. Mesmo aqueles franceses que detestaram o resultado podem se deleitar criticando. E criticar, o francês gosta.

Arco do Triunfo embalado: 25 000 mil metros de tecido, três mil metros de cordas, 14 milhões de euros e muita polêmica. Em exposição até 3 de outubro.

No entanto, como gosto não se discute, eu não vou escrever sobre o Arco do Triunfo, hoje quero escrever sobre um outro florão nacional francês, a SNCF (Sociedade Nacional de Caminhos de Ferro). E vou aproveitar para louvar a obra de um outro artista, mas para isso vou ter que contar primeiro uma experiência bem pessoal.  

Eu detesto a SNCF

Eu detesto a SNCF, quero dizer, eu detestava a SNCF. Isso porque um dia, viajando entre o Brasil e os Alpes fui obrigada a parar em Lyon.

Naqueles tempos onde ainda era possível viajar com 2 malas de 35 quilos me vi na plataforma da estação de trem de Lyon com os dois objetos sem saber o que fazer. Elevadores quebrados e uma escada magistral me separavam do saguão principal onde eu devia imprimir minha passagem de Lyon à Grenoble.

30 minutos mais tarde, cheguei, suada e exausta ao dito saguão. Também, que ideia viajar com 70 quilos + 2 bagagens de cabine pra trazer presentes, roupas novas, caju, bombom garoto, goiabada, paçoca e Deus sabe mais lá o quê!!??

12 horas de viagem GRU-CDG, 3 horas de Paris Lyon, 30 minutos para descer escadas e agora só me bastava imprimir o bilhete que me levaria a minha casa naquele momento.Uffa! E eis que uma fileira de cadeiras impede a passagem das minhas companheiras de viagem. Malas, cadeiras, totem SNCF, tudo coladinho, analisei: um metro me separaria de minhas malas, a dimensão da fileira de cadeiras e logo atrás eu poderia imprimir os bilhetes. Fui!  

Enquanto “lutava” com o Totem para imprimir o TKT, distraída poderia ter sido roubada. Porém, não foi isso que aconteceu. Quando me dei conta dois militares em roupas de camuflagem e armas nas mãos buscavam em torno das malas um terrorista mentecapto. Que bronca eu levei! Fui tratada como um lixo, como um assassino. Minha cabeça cansada mal conseguia lidar com essa situação.

Vigipirate _ O dispositivo militar que luta contra o terrorismo. Você teria medo como eu tive?

Uma vez que eles partiram me pus a chorar e liguei para que meu companheiro viesse me buscar. Não mexeria dali sozinha. Fiquei esperando, bem do ladinho das malas e a cada partida de um trem ouvia o jingle da SNCF anunciando a destinação. Desde então, cada vez que ouço o jingle (patatara) fico triste.

jingle SNCF

O Francês separando joio do trigo

Nem sempre é fácil distinguir o trigo do joio, mas quem poderia acreditar? Dezesseis anos atrás, na França, eu fui suspeita de ser uma terrorista, eu!!

De fato, fluxos migratórios vêm mudando o cenário francês. Aqueles que chegam trazem novidades, novas problemáticas e um jeito diferente de viver, bagunçando inconscientemente a harmonia dos que já estavam presentes.  

Diante dessas mudanças, a identidade nacional é questionada e o futuro da nação parece incerto para muitos. Assim, o Estado se vê face ao grande desafio de unir o novo e o velho, criando sincronia e um país melhor para todos. No entanto, unir qualquer coisa “nova” com “velha” é quase com querer misturar água com óleo. A receita pode parecer complicada. A pirâmide do Louvre também foi polêmica e difícil de engolir para muitos no momento de sua realização. No país apelidado carinhosamente por seus habitantes O Hexágono, a subida de extrema-direita nas pesquisas confirma o receio de alguns de perderem seu país de outrora.

Diga-se de passagem, verdadeira ou falsamente, o Brasil antes das últimas eleições presidenciais fazia ofício de referência para o mundo quanto ao seu sincretismo cultural e religioso

Diante do questionamento do francês, eu me pergunto: Qual a fórmula para chegarmos a um sincretismo cultural equilibrado onde a sociedade evolui e pessoas diferentes convivem pacificamente?

Uma campanha publicitária para federar a nação

E de repente a SNCF cria uma publicidade que digna de federar a nação. Como não ter orgulho de ser francês ouvindo as palavras de Gael Faye, este jovem franco ruandês que conseguiu misturar pimenta malagueta com croissant?  Gael Faye encontrou o que cada francês tem em comum, com seu Slam o jovem faz um discurso onde cada um pode se identificar.

Com a campanha Hexagonal, a SNCF e o cantor/compositor Gael Faye nos lembram quem é o francês e assim, quem é a França. Tudo que posso adicionar é “Sejam bem-vindos”:

Hexagonal

Criativos e inventores, grandes artistas

Grandes feministas, grandes bocas,

Grande de coração, mas acima de tudo grande “reclamão”.

Grandiloquente às vezes, a flor na arma, e os entraves nos dentes,

mas romântico como um Apollinaire de 20 anos.

Elegante como nenhum outro, adornado com o mais belo acessório,

vestidos excessivamente “estilosos” e desfilando no Grand Palais

Mas acima de tudo pronto para marchar pela igualdade,

para declarar direitos para todos os homens,

para todas as mulheres e para nossos pimpolhos.

Humanistas até o fim das garras, humanos até o fundo das entranhas,

cigarras na língua, oceano nos lábios,

(Queijo) Maroilles na boca, ou chucrute sob o dente,

vibramos, choramos, rimos, dos seis cantos do país,

respiramos o mesmo vento. Pessimista muitas vezes,

enfrentando adversidades, bem como enfrentando o adversário,

(pessimistas) erroneamente, no entanto, basta olhar para trás,

Partidários da Terra, amantes do meio ambiente, de nossas florestas, nossas planícies,

nossos mares, azul, branco, vermelho, mas cada dia mais verde.

Não somos estáticos, somos progressistas, não vamos nos refazer,

às vezes estamos atrasados, mas não somos atrasados, somos a vanguarda,

não estamos presos, temos um humor excepcional,

não estamos de má fé, somos apenas um pouco paradoxais

Não somos quadrados… Somos hexagonais.

Published by

Silvia Helena

Após breves passagens pela Faculdade Metodista de São Bernardo e Belas Artes de São Paulo, aos 18 anos fui estudar no Canadá, onde vivi durante 23 anos. Lá me formei em História da Arte pela Universidade de Montréal, estudei turismo no Collège Lasalle de Montréal e no Institut de Tourisme et Hôtellerie du Québec. Comecei minha carreira na área trabalhando em Cuba. Durante os anos vividos no Canadá, entre outras coisas, fui guia de circuitos pela costa leste e abri minha primeira agência de receptivo para brasileiros. Há dez anos um vento forte bateu nas velas da minha vida me conduzindo até França. Atualmente escrevo de Paris, onde vivo e trabalho dirigindo a empresa de receptivo, a Holatour.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *