ILTM Latin America: Rosewood São Paulo

ILTM Latin America e duas ou três coisas sobre a hotelaria de luxo

Evento realizado em março no Fairmont Rio de Janeiro, na Praia de Copacabana, marcou o início da contagem regressiva para a edição de 2022 da ILTM Latin America. A principal feira no Brasil especializada no mercado de viagens de luxo volta ao Pavilhão da Bienal de São Paulo de 3 a 6 de maio. Com o tema “Evolução do luxo”, reunirá 160 expositores de 30 países e 160 comprados de mais de 20 cidades da América Latina (com exceção do México, que sedia a ILTM North America). No “esquenta” no Fairmont, realizado em parceria com a Panrotas, um painel reuniu Simon Mayle, diretor da ILTM Latin America; Michel Nagy, diretor de Vendas e Marketing do Fairmont Rio; Artur Andrade, editor-chefe da Panrotas, e a jornalista Juliana Saad, que perfilou cinco tipos de viajantes de luxo.

Foi uma agradável noite de final de verão, com um ambiente de alegria e confraternização entre os participantes, a maioria consultores de viagem e operadores. A Panrotas está acompanhando de perto toda a preparação para a feira. Faço aqui apenas um recorte de algumas frases que me chamaram a atenção no evento do Fairmont, o primeiro de porte médio do qual participei depois de dois anos de pandemia.

Acompanhe as novidades da hotelaria no Instagram Hotel Inspectors

“O mercado de ultraluxo está de volta”, aposta Simon Mayle. “O volume de negócios ainda não é o mesmo de antes da pandemia, mas os gastos estão chegando perto”.

Com o recorte da hotelaria, Simon destacou a forte presença na ILTM Latin America do Rosewood, que abriu recentemente em São Paulo (foto no alto); da Belmond, que trará novidades de seus hotéis na África, e da ilha caribenha de St. Barth como um todo.

Como o viajante brasileiro, de luxo ou não, de um modo geral viajou mais pelo país do que para o exterior nestes dois anos, naturalmente a conversa chegou a um ponto crucial de uma experiência de luxo: o serviço. De um modo geral, todos que pediram a palavra reclamaram da qualidade do atendimento. Sabemos que ainda há muito espaço para investir em treinamento no Brasil, mas destaco aqui o depoimento de Wellington Melo, diretor geral do Unique São Paulo, o único a abordar o ponto de vista do funcionário do hotel.

Wellington lembra que, assim como a vida dos clientes mudou durante a pandemia, “os funcionários também desaceleraram”. Muitos, inclusive, constaram que não gostam tanto assim de hotelaria e estão preferindo buscar oportunidades em outras áreas que permitam mais tempo livre para a família, por exemplo. No caso específico do Unique, vários funcionários saíram durante a pandemia e preferiram não retornar. Para manter o nível de excelência de serviço, a solução encontrada por Wellington foi operar o hotel paulistano com apenas 70% da capacidade, enquanto as vagas não são preenchidas.

Leia também: Funcionários locais e serviço de primeira no Kilombo Villas, na Praia da Pipa (RN)

Já o Fairmont Rio, sempre com um serviço impecável nas vezes em que me hospedei lá, optou por “olhar para dentro”, como conta Michael Nagy: “A nossa demanda mudou. Se o hotel não se pensar como destino, como não vai existir. O mercado exige novas experiências”.

Leia também: A transformação do Fairmont Rio durante a pandemia

Como exemplo, o Fairmont oferece atividades diversas nos bastidores do hotel, como aulas de coquetelaria e confeitaria, e na praia em frente, onde também inaugurou recentemente um quiosque. Já o bar em frente à piscina do hotel, com vista arrebatadora para Copacabana, conquistou os cariocas durante a pandemia e está sempre cheio.

O serviço de luxo no Brasil pode melhorar sim. Mas é preciso empatia, essa palavra que tanto se falou no início da pandemia, e conexão com o lugar em que o hotel está. Como Simon Mayle reforça, “não há sustentabilidade sem bem-estar, para o viajante e para a comunidade local. O visitante precisa estar mais consciente do lugar onde ele está”.

Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectors, no Twitter @HotelInspectors e no LinkedIn @HotelInspectors

Loft Bom Jardim

7 tendências para a hospitalidade em 2022

Começando o ano 3 da pandemia, já sabemos o quanto a Covid-19 impactou e mudou a indústria da hospitalidade para sempre. O comportamento dessa nova safra de viajantes da pandemia está em constante evolução, mas diversos estudos já começaram a traçar perspectivas bastante significativas para o ano que chega. E é disso que trata a coluna de hoje: 7 tendências para a hospitalidade em 2022 apontadas pelo mercado doméstico e internacional.

ACOMPANHE TAMBÉM AS NOVIDADES DO MERCADO HOTELEIRO NO INSTAGRAM @HOTELINSPECTORS

De 2020 para cá, o segmento encontrou respostas inovadoras extraordinárias para as situações que se desenrolaram ao longo da pandemia. Após o aperto do ano anterior, muitas propriedades brasileiras bateram recordes históricos de ocupação em 2021. E hotéis, pousadas e imóveis de temporada que abriram suas portas durante a pandemia, já plenamente adaptados às necessidades dos novos tempos, também tiveram, em geral, enorme sucesso no ano passado.

Ainda não sabemos quando será o esperado fim destes tempos pandêmicos, mas já sabemos que parte importante dos viajantes – e, consequentemente, do próprio mercado também – está mudando de maneira definitiva.  O viajante hoje tem muito mais consciência sobre tópicos como sustentabilidade, bem-estar, comunidade, propósito. Novos valores, novas necessidades, novas expectativas surgiram e modificaram de maneira indelével o funcionamento cotidiano dos negócios da hospitalidade.

LEIA TAMBÉM: Tendências de viagem para 2022 – o turismo redefinido

.

.

Casa Floresta. Foto: Mari Campos

.

7 tendências para a hospitalidade em 2022

Algumas tendências importantes de 2021 se manterão firmes no ano que começa, e novas tendências estão emergindo neste mercado, face às mudanças de comportamento de viajantes. Confira abaixo sete tendências para a hospitalidade em 2022.

.

* SUSTENTABILIDADE

Mais do que nunca, o hóspede está ganhando conhecimento sobre o quanto uma propriedade da indústria da hospitalidade pode impactar positiva ou negativamente um destino. Responsabilidade social já é visto como obrigação moral e econômica; e diversos estudos do setor prevêem um aumento ainda mais significativo de viajantes querendo investir seu dinheiro com sabedoria, fazendo escolhas responsáveis também na hora de decidir suas férias.  

A pandemia felizmente trouxe muito mais consciência a uma parcela significativa dos viajantes sobre a necessidade de tornar o turismo uma atividade essencialmente sustentável – com impacto direto na hotelaria. Hóspedes buscam cada vez mais propriedades que maximizem impactos positivos junto às comunidades, ambientes e aspectos culturais dos destinos visitados.

E isso não se refere apenas a grandes redes internacionais, não. Até mesmo imóveis para aluguel de temporada nascidos na pandemia já entenderam essa necessidade, como os excelentes Sítio Alto da Cascavel, em Córrego do Bom Jesus (MG), e Casa Floresta, em Bragança Paulista (SP). Duas propriedades que são fruto direto do aumento da procura pelo turismo de isolamento na pandemia e que entenderam que aliar conforto, segurança e sustentabilidade é uma necessidade absoluta. Dá pra ver detalhes de ambas propriedades no meu Instagram @maricampos

LEIA MAIS: Sete hotéis e pousadas sustentáveis no Brasil

.

.

Loft Bom Jardim
Loft Bom Jardim. Foto: Mari Campos

.

* BUBBLE TRAVEL

O conceito de “bubble travel” se espalhou mundo afora em 2021 e deve trazer ainda mais procura por buyouts de hotéis e pousadas, além de aumentar a procura por villas com serviço. Famílias, amigos, grupos multi-geração têm investido de maneira consistente em produtos que valorizem a exclusividade e a hiper-personalização de espaços e serviços em tempos pandêmicos. 

Antes mais restrito ao mercado de luxo, a demanda por buyouts e propriedades de aluguel exclusivo, sem dividir espaço nem atenção com outros hóspedes, vive seu maior boom da história também em outros nichos do turismo. Mesmo hotéis maiores já estão oferecendo possibilidade de buyouts para grupos maiores, que busquem mais privacidade e segurança.

Há cada vez mais viajantes buscando a segurança de ambientes sem contato com outros viajantes  – e no mercado de luxo eles estão dispostos a investir bastante nisso. Não à toa, a procura por estadias em ilhas privativas aumentou exponencialmente de 2020 pra cá, no Brasil e no mundo.  

Os investimentos em propriedades de temporada com serviço incluído aumentaram na mesma proporção. É o caso, por exemplo, do complexo da Villa Bom Jardim, em Paraty (RJ), inaugurado no ano passado pelos proprietários da Pousada do Sandi. Uma villa de sete quartos e um adorável loft de 3 suítes, ambos localizados em uma baía idílica e isolada, para serem alugados independentemente, com serviço de governanta, caseiro, marinheiro, arrumadeira e cozinheira incluído nas estadias. O hóspede tem todos os benefícios do buyout de um hotel ou pousada, sem precisar arcar com os custos de cômodos que não ocupará. Dá pra ver vários detalhes da minha estadia no belo Loft Bom Jardim também no meu Instagram @maricampos

LEIA TAMBÉM: A Paraty exclusiva do Loft Bom Jardim 

.

.

A bela fachada do Palácio que faz parte do Ananda in the Himalayas. Foto: Mari Campos.

.

* BEM-ESTAR/WELLNESS

É mesmo natural que, em tempos de doença, isolamento social e tanto luto, a preocupação com saúde e bem-estar se tornasse maior para parte importante dos viajantes. 

Muito além de cumprir plenamente protocolos de saúde rigorosos para proteger seus hóspedes da Covid-19, a indústria da hospitalidade seguirá enfrentando forte demanda para cuidar também do bem-estar geral de seus clientes.  Medicina preventiva e autocuidado seguem em alta em 2022, transformando a indústria do bem-estar em um mercado de trilhões de dólares, em constante expansão, aqui e lá fora.  

E o hoteleiro atento já entendeu a essa altura que cuidar do bem-estar de seus hóspedes vai muito além de simplesmente ter instalações de spa na propriedade. Experiências individuais e personalizadas focadas em desenvolver vitalidade e equilíbrio emocional, controlar o estresse e dormir bem são cada vez mais bem-vindas, nos mais distintos nichos do setor. 

LEIA TAMBÉM:  Turismo de bem-estar em alta

.

.

Four Seasons chat. Foto: Mari Campos

.

* MENOS CONTATO, MESMA CALIDEZ

Check in e check out virtual, cardápios e manuais em QR codes, pagamentos sem contato, concierges e room service via chat são apenas algumas das mudanças tecnológicas estabelecidas de maneira maciça em boa parte do mercado durante a pandemia. O grande desafio para hotéis e pousadas, assim como bons anfitriões da hospitalidade não convencional, tem sido entender que a necessidade de menos contato físico com o hóspede não pode interferir na calidez nem na qualidade do serviço prestado. 

Infelizmente, nem todos passaram bem por essa fase, sabemos – inclusive muitos grandes resorts brasileiros, que ainda apresentam falhas gigantescas nessa otimização do bom uso das tecnologias. Por outro lado, há diversas propriedades que souberam levar as doses exatas de calidez, cordialidade e excelência também ao atendimento virtual – que seguramente se manterá não apenas como tendência mas obviamente como necessidade também em 2022.

À medida que a inovação tecnológica continua a evoluir, a hospitalidade precisa se adaptar para permanecer à frente da curva. Inclusive na gerência do negócio da hospitalidade através de diferentes aplicativos e sistemas. E é preciso entender que a personalização de serviços é uma forte aliada para a excelência de serviço também nesse sentido. Aproveitar os dados do hóspede através do uso da tecnologia permite criar ofertas e serviços personalizados e realmente relevantes.

LEIA TAMBÉM:  A hospitalidade mais em evidência do que nunca

.

.

Four Seasons Anguilla
Crédito: Four Seasons Anguilla

.

* STAYCATIONS & LONG STAYS

As chamadas “staycations” e as estadias cada vez mais longas (long stays ou extended stays) também já mostraram que não devem ser tendência passageira da pandemia, não. Embora ninguém possa saber ao certo como turistas se comportarão quando a pandemia finalmente acabar, já é fato certo que staycations e long stays seguirão em alta também em 2022. 

Pelas próprias restrições e mudanças constantes provocadas pela pandemia, boa parte dos viajantes se viu forçada a viajar menos, e frequentemente percorrendo distâncias menores, mas por períodos maiores a cada viagem.

Assim, pelas mesmas razões, escapadas em nossa própria cidade, simplesmente para mudar um pouco de ambiente sem precisar de grandes deslocamentos ou polpudos investimentos, também passaram a figurar no menu de possibilidades para muito mais viajantes. No novo cenário gerado pela chegada da ômicron, nacional e internacionalmente, ambas tendências seguramente se manterão. 

LEIA TAMBÉM:  O crescimento das estadias prolongadas

.

.

Serra da Mantiqueira
Cabana da Nomad Place. Foto: Mari Campos

.

* HOSPITALIDADE TAMBÉM COMO LOCAL DE TRABALHO

O tal do “hotel office” ou “anywhere office” já provou que não era uma onda passageira da quarentena do começo da pandemia. Mesmo com a reabertura do mercado tanto no Brasil quanto no exterior, muita gente ainda está passando pela pandemia em home office

Um levantamento da McKinsey&Co estima que em 2021 o percentual de pessoas no mundo todo trabalhando permanentemente de maneira remota praticamente dobrou. E parte dessas pessoas está usando a indústria da hospitalidade também como escritório alternativo.

Diversas grandes multinacionais e startups já anunciaram que não pretendem voltar ao sistema 100% presencial de trabalho quando a pandemia acabar. O chamado bleisure deve ver sua popularidade crescer ainda mais ao longo de 2022. Combinar lazer e trabalho ou estender viagens a trabalho com dias dedicados ao lazer serão prática ainda mais comum neste ano – e saem na frente as propriedades da hospitalidade que se adaptaram (inclusive fisicamente) para atender bem essa demanda e suas necessidades. 

LEIA TAMBÉM: Como o trabalho remoto contribui para a recuperação da hotelaria

.

.

Paisagem perfeita para solo travelers se entrosarem no tour do explora Atacama. Foto: Mari Campos

.

* O boom DOS ‘SOLO GUESTS

O crescimento do turismo de viajantes solo vem sendo destacado em diferentes estudos do setor desde o começo da reabertura do turismo, ainda em 2020. Com o isolamento imposto pela pandemia, muita gente finalmente se sentiu à vontade para fazer viagens em sua própria companhia. E 2022 deve ver um aumento ainda maior nas viagens individuais.

Enquanto mais viajantes buscam sossego ou aventura à sua própria maneira, a indústria da hospitalidade precisará adaptar e ampliar suas ofertas para esse público. Em tempos de hiperpersonalização de serviços e atenção plena, será preciso entender a vasta diferença de propósitos e perfis de viajantes desse nicho e fazer todo “solo guest” se sentir confortável na propriedade na qual se hospeda – em todos os sentidos.  

LEIA TAMBÉM:  Dez destinos para ficar de olho em 2022

.

.

.

Leia tudo que já publicamos sobre hotelaria em tempos de pandemia.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

.

.

Tasca Mandarin Oriental Jumeira Beach Dubai

EXPO2020 movimenta A CENA HOTELEIRA em Dubai

Até março de 2022, Dubai está praticamente “recebendo o mundo todo” na EXPO2020. Adiada em função da pandemia, a exposição universal acontece pela primeira vez no Oriente Médio, e pela primeira vez dividida em dois anos. E, desde outubro passado, a EXPO2020 movimenta a cena hoteleira em Dubai mais ainda, gerando recordes de reservas em diversas propriedades.

Em novembro último, estive novamente em Dubai. Desta vez, a convite da Emirates, que se responsabilizou pelas minhas primeiras quatro noites de hospedagem no emirado e me levou à EXPO. Dá pra conferir detalhes da classe executiva da companhia, que retorna com o A380 ao Brasil, aqui.

Depois, estiquei minha viagem por conta própria por mais alguns dias (dá pra conferir todos os detalhes no feed e nos destaques do Stories do Instagram @maricampos) e aproveitei para conferir não apenas as principais novidades turísticas do destino, como também como anda a sempre fértil (e expansiva!) cena hoteleira no emirado.

LEIA TAMBÉM: EXPO2020 é pretexto perfeito para stop over em Dubai

.

.

case do turismo e da hotelaria internacional

Dubai segue sendo um grande case da indústria turística e também da indústria hoteleira. Um destino “inventado” que não deixa nunca de se reinventar e que, com investimentos acertados e constantes no setor, vem tendo retorno bastante satisfatório mesmo em plena pandemia. 

Na alta temporada 21/22, iniciada em novembro passado, as reservas em hotéis do emirado de diferentes estilos e budgets estão batendo recordes – mesmo com aumento considerável nas tarifas, dado o movimento gerado pela EXPO.

Novas atrações e, obviamente, também novos hotéis estão constantemente abrindo suas portas no Emirado que mais cresce e mais cativa turistas internacionais (em grande parte por ser também majoritariamente um destino de expatriados). E a EXPO, aberta em outubro e em cartaz até março do ano que vem, definitivamente está contribuindo mais ainda para esse movimento. 

ACOMPANHE TAMBÉM AS NOVIDADES DO MERCADO HOTELEIRO NO INSTAGRAM @HOTELINSPECTORS

.

.

O curioso caso da Curio Collection em Dubai

Desta vez, visitei muitos hotéis de diferentes estilos e com diferentes propósitos, mas dividi toda a minha estadia no Emirado em apenas dois deles: o V Hotel Dubai (a convite da Emirates) e o Al Seef Heritage Hotel (inteiramente por minha conta). 

Por acaso (só soube do V Hotel pouco antes da viagem), ambos hotéis são membros da Curio Collection, da Hilton Hotels. E dois hotéis que não podiam ser mais diferentes e antagônicos entre si, bem como o são as diferentes regiões de Dubai nas quais estão localizados. 

O “case” da Curio Collection no destino é mesmo curioso. Para ambos hotéis tenho algumas ressalvas importantes ao serviço, principalmente no que se refere à ausência de compliance com o programa Safe Clean, criado e implantado pela Hilton durante a pandemia. Buffets de café da manhã com hóspedes se servindo normalmente sem máscaras e muitos funcionários com o nariz para fora da máscara ou máscara no queixo foram figurinha constante durante minhas estadias.

Mas, mesmo sem considerar a (tão necessária) segurança pandêmica que estes tempos exigem, há um outro fato que chama a atenção: enquanto o simpático e old fashioned Al Seef, em Old Dubai, vai bem de encontro ao perfil de boa parte das propriedades que geralmente integram a marca Curio Collection, o V Hotel, por outro lado, destoa completamente. Vibe festeira em todos os ambientes, áreas comuns sempre muito movimentadas, barulho nos corredores. E o mais curioso: ocupa o prédio antes ocupado pelo W Dubai em Business Bay (há um novo e lindo W Hotel em Dubai, instalado na “palmeira”) sem mudar uma vírgula, um abajur, no imóvel do antigo hotel da Marriott.

Apesar da mudança de nome e mesmo de rede hoteleira, o rebranding da propriedade não incluiu uma única mudança estrutural ou visual do antigo W. Mesmos quartos, mesmas cores, mesmo décor, tudo absolutamente igual. A única mudança, acredite, foi transformar o clássico W do lobby dos W Hotels em um V vermelho. 

LEIA TAMBÉM: Onde ficar em Dubai? 

.

.

Cresce a procura também para ver Dubai do alto dos hotéis

Um programão em Dubai é ver o emirado do alto, dia e noite. E boa parte dos hotéis por ali tem tirado proveito disso, instalando bares e restaurantes em seus rooftops que andam cada vez mais concorridos. Afinal, a EXPO2020 movimenta a cena hoteleira em Dubai ainda mais neste final de ano.

Restaurantes como os excelentes (e imperdíveis!) Fi’lia, no (lindo!) SLS Dubai, e Tasca by José Avillez, no Mandarin Oriental Jumeira Beach, têm vistas incríveis para diferentes pontos do emirado – Burj Khalifa incluído no horizonte. A casa do sempre ótimo José Avillez no Mandarin Oriental, aliás, tem menu excelente, ótima trilha sonora, serviço super cuidadoso e uma imbatível sangria da casa. Super bem ventilado com os tempos atuais exigem, deixa a vista à escolha do cliente: o inconfundível skyline futurista do emirado de um lado e a praia de Jumeira do outro.

Rooftop bars em hotéis por lá também são cada vez mais fartos e disputados. Em muitos deles, reservas são mandatórias em qualquer dia da semana, dada a procura crescente por esses espaços. Do alto de (muitas, às vezes) dezenas de andares, as vistas enquanto se saboreia um bom drink definitivamente valem os coquetéis de valores inflacionados. Considere seriamente conhecer Cielo Sky Lounge no Park Hyatt, Treehouse no Taj Dubai, SoBe do W Dubai The Palm e CéLaVi no Address Sky View. Até o Sol Sky Bar, o mais baixinho deles, no sétimo andar do Canopy By Hilton, tem seu charme e uma vista bem interessante a partir de Old Dubai. 

LEIA TAMBÉM:  Grandes redes estão investindo cada vez mais em resorts all inclusive

.

.

EXPO2020 MOVIMENTA A CENA HOTELEIRA EM DUBAI

Além do bling-bling das áreas mais contemporâneas (ou seriam futuristas? rs) de Dubai e do clima nostálgico da parte antiga do emirado, muitos dos bons hotéis do destino estão localizados à beira-mar. Fazem sucesso sobretudo entre europeus, que viajam para lá também em busca de escapada pouco convencional de praia. 

Propriedades como Mandarin Oriental Jumeira Beach, One&Only Royal Mirage Resort, Address Dubai Marina, Jumeirah Al Qasr, Anantara The Palm Dubai Resort, Fairmont The Palm e Four Seasons at Jumeirah Beach têm todos excelente estrutura de resort de praia, com ótimos serviços à beira-mar. 

Mesmo o viajante que não se hospeda em um resort “pé na areia” tem a chance de curtir pelo menos um bom dia de praia em Dubai – e dar um belo mergulho no Golfo Pérsico – optando pelo sistema de day use que várias propriedades por ali oferecem. É esse o caso, por exemplo, do Ritz-Carlton Dubai, instalado em plena marina, com vista privilegiada da Ain Dubai (uma das mais novas atrações do destino e mais alta roda-gigante do mundo) de toda sua extensão de praia. E tem tido bastante sucesso no serviço nestes tempos de EXPO.

Ocupando o coração da JBR Beach, o resort conta com um parque aquático com diversas piscinas para adultos e crianças, ampla faixa de areia com serviço de praia e um gostoso restaurante à beira-mar, o La Baie, que serve ótimos drinks e gostosos ceviches, saladas, tostas e outros pratos levinhos, bem bom para o almoço. O day use do hotel vale desde AED150 e inclui serviço de praia com toalhas, água mineral, cadeiras e espeguiçadeiras; dependendo da época do ano, parte do valor do day use pode ser usado como crédito no consumo de alimentos e bebidas no hotel também. 

LEIA TAMBÉM:  Os melhores mirantes de Dubai

.

.

Leia tudo que já publicamos sobre hotelaria em tempos de pandemia.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

.

.

Grandes redes estão investindo em resorts all inclusive

Nos últimos dezenove meses, muitas mudanças ocorreram na indústria da hospitalidade, provocadas pela pandemia. Além das transformações e ajustes que se fizeram necessários de 2020 para cá para que hotéis e pousadas se adequassem aos novos tempos, temos visto também a aceleração de alguns movimentos e tendências que já tinham começado no pré-pandemia. E é nesse contexto que um desses movimentos chama a atenção: grandes redes estão investindo em resorts all inclusive. E de maneira cada vez mais consistente.

Algumas das maiores redes hoteleiras do mundo, incluindo Marriott, Hyatt, Hilton e Wyndham, por exemplo, têm investido bastante nisso ultimamente. Entre 2020 e 2021, diferentes marcas hoteleiras que nunca tinham apostado nesse nicho investiram em portfólios all inclusive – tanto em rebranding de hotéis existentes como no lançamento de propriedades novinhas em folha. Mesmo redes que nunca primaram exatamente pelos padrões de serviço estão entrando nessa onda – e até o mercado de luxo quer uma fatia cada vez maior deste segmento.

ACOMPANHE AS NOVIDADES DO MERCADO HOTELEIRO TAMBÉM NO INSTAGRAM @HOTELINSPECTORS

.

Crédito: Westin Porto de Galinhas / Divulgação

.

Grandes redes estão investindo em resorts all inclusive

A Wyndham Hotels & Resorts, por exemplo, criou a marca Wyndham Alltra, a primeira do grupo inteiramente dedicada a resorts tudo incluído. Definida de maneira controversa como “upper midscale”, a nova marca se aliou à Playa Hotels and Resorts e está convertendo duas propriedades em Cancun e Playa del Carmen nas primeiras unidades da nova Wyndham Alltra – uma delas exclusiva para adultos. A rede comunicou recentemente que anúncios de novas unidades da marca all inclusive virão em breve. 

A Hilton Hotels também anunciou recentemente dois novos resorts all inclusive em seu portfólio no México. O grupo Hyatt, dono dos já populares Hyatt Zilara e Hyatt Ziva, comprou o Apple Leisure Group e, assim, adquiriu também os Secrets Resorts and Spas, famosos por seus resorts com tudo incluído em diferentes destinos.

LEIA TAMBÉM: 10 hotéis e pousadas no Brasil para praticar turismo de isolamento

.

Foto: Marriott/Divulgação

.

A Marriott, que já andava flertando com o nicho dos all inclusive há mais tempo, inaugurou nada menos que vinte novas propriedades all inclusive. E anunciou que deve abrir outras 33 (!) até 2025, incluindo um Westin All Inclusive em Porto de Galinhas (PE). O programa All-Inclusive by Marriott Bonvoy parece estar fazendo sucesso, principalmente entre turistas norte-americanos. 

O grande diferencial da Marriott é que, ao contrário de outras redes que chegam agora aos resorts tudo incluído, ela não está focando apenas nos típicos resorts de categoria turística tão comuns ao nicho. Algumas de suas novas propriedades all inclusive fazem parte do luxuoso portfólio da Autograph Collection, o que tem elevado o conceito de “tudo incluído” a outro patamar.

A longo prazo, a rede planeja incluir também marcas como W e The Ritz-Carlton no nicho all inclusive. A ideia da Marriott é deixar o clássico estereótipo dos resorts all inclusive (comida ruim, quartos caídos, buffets com filas intermináveis, drinks aguados etc) definitivamente para trás.

LEIA TAMBÉM: Turismo de luxo cresce no Brasil durante a pandemia

.

Crédito: Marriott/Divulgação

.

Mudança de mentalidade dos viajantes  

Depois de tanto tempo em casa durante a pandemia, retomar as viagens após completar o processo vacinal tem sido atividade repleta de desafios e inseguranças para a maioria dos turistas – principalmente se a viagem for internacional (tenho falado um pouco sobre isso também no meu Instagram @maricampos).

A maior procura por propriedades all inclusive pode muito bem estar também associada à ideia de “segurança” que ela muitas vezes traz: mais espaço nos resorts para praticar o distanciamento social, tudo organizado sob o mesmo conjunto de protocolos e regras, senso de familiaridade com os processos cotidianos e nada de surpresas financeiras na hora do check out. 

Vale lembrar que muitos resorts em diferentes destinos estão criando também suas pequenas “bolhas” de segurança ao exigir certificados de vacinação ou testes negativos de Covid-19 como condição fundamental para aceitar a reserva e efetuar o check-in.  

Não à toa, grandes redes estão investindo em resorts all inclusive cada vez mais. Seus executivos defendem que estudos recentes mostram cada vez mais viajantes, de diferentes perfis sócio-econômicos e de diferentes nacionalidades, interessados pela ideia das férias com tudo incluído

LEIA TAMBÉM: O hotel cinco estrelas mais barato de cada continente

.

Crédito: Marriott/Divulgação

.

Até os mais jovens estão mais abertos aos resorts all inclusive

Um relatório da STR para a Marriott mostrou que mesmo no pré-pandemia a tendência de valorização dos resorts tudo incluído já existia. No primeiro semestre de 2019, hotéis all inclusive teriam gerado $7.9 bilhões em vendas, o que já representava um aumento de 20% em relação aos cinco anos anteriores.

Junto com o relatório, a Marriott também divulgou uma pesquisa online feita com norte-americanos em julho deste ano na qual 54% dos entrevistados afirmaram considerar um resort all inclusive para as próximas férias – número que salta para 70% na faixa de entrevistados entre 18 e 34 anos. No estudo, 75% dos entrevistados disseram ainda que vêm resorts tudo incluído como opções seguras para as primeiras viagens pós lockdown e 84% afirmaram dar preferência a marcas com as quais estejam familiarizados na hora de escolher a hospedagem, independente do destino.

Atingir viajantes mais jovens com propriedades all inclusive pode ser mesmo um diferencial importantíssimo para as grandes redes – inclusive a longo prazo, trabalhando bem a lealdade à marca ao longo da vida do hóspede. Vale lembrar que a Marriott é hoje não apenas a maior rede operadora de hotéis do planeta com também dona de um dos mais bem-sucedidos e utilizados programas de fidelidade da indústria da hospitalidade.

LEIA TAMBÉM: Sete hotéis e pousadas sustentáveis no Brasil

.

.

Foco nas experiências

Mesmo hotéis que não têm planos de se tornar tudo incluído passaram a oferecer gama muito maior de serviços e experiências aos hóspedes durante a pandemia.  Pousadas, hotéis boutique, unidades de grandes redes e resorts, todos tiveram que se adaptar nos últimos dezenove meses. E o chamado “turismo de experiência” ganhou ainda mais força no mundo e no Brasil durante a pandemia. 

O Amplia Mundo e a Braztoa, por exemplo, se uniram para criar cursos destinados a pequenos negócios do turismo para que sejam capazes de criar experiências interessantes e seguras para atrair a demanda reprimida de viajantes – e têm casos hoje de membros da comunidade que aumentaram em impressionantes 1000% seu ticket médio neste ano. 

LEIA TAMBÉM: Oito tendências para a hotelaria em 2021

No nicho do turismo de luxo, os hotéis Fasano são um bom exemplo do investimento pesado na criação de novas experiências para os hóspedes nestes novos tempos. Até o site do grupo foi agora remodelado para que as reservas já possam ser feitas ali mesmo com as experiências durante a estadia incluídas – reforçando a tendência de “simplificação das férias” apontada pelas pesquisas internacionais. 

O Fasano Angra, por exemplo, aproveitou os atrativos naturais e culturais da Costa Verde para apostar no turismo de experiência. Dentre as novas atividades lançadas pelo resort neste semestre estão caminhada pela Trilha do Ouro com degustação de plantas comestíveis da região, travessia de SUP pela baía de Angra, canoagem pelo manguezal e Rio Grande, piquenique personalizado no bosque e jantar privativo ao luar.

LEIA TAMBÉM: Review completa do hotel Fasano Angra dos Reis

.

.

Leia tudo que já publicamos sobre hotelaria em tempos de pandemia.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

.

.

.

Amanhecer no Kilombo Villas

Kilombo Villas: distanciamento social nos arredores da Praia da Pipa (RN)

Como um destino que era mais conhecido pelo turismo de massa está se portando na pandemia? Foi com essa pergunta na cabeça que fiz minha primeira viagem de avião depois de quase um ano e meio. Voei do Rio de Janeiro para Natal, no Rio Grande do Norte, e de lá fui de carro até a Praia da Pipa. Ou melhor, até Sibaúma, onde fica o Kilombo Villas.

Leia também: Estrela d´Água, hospedagem pé na areia em Trancoso, no Sul da Bahia

Para quem procura um hotel boutique no litoral do Nordeste fazendo tudo certo na pandemia, o belo e discreto Kilombo Villas pode ser uma gostosa opção. São somente dez villas ou suítes em um amplo jardim de frente para o mar, no alto da falésia da isolada e deserta Praia de Sibaúma. Reduto de tartarugas-marinhas e monitorada pelo Projeto Tamar, Sibaúma fica a 15 minutos de carro do centrinho da Pipa e a duas horas do Aeroporto de Natal.

Acompanhe as novidades da hotelaria no Instagram Hotel Inspectors

O Kilombo na pandemia

O Kilombo é um hotel tranquilo desde tempos pré-pandêmicos. O que o tornou facilmente adaptável às novas expressões do vocabulário de viagens, como distanciamento social ou mesmo turismo de isolamento. O check-in é feito online, inclusive o envio do documento de identidade.  No local, o serviço por WhatsApp funciona bem. É atencioso e personalizado.

O espanhol Eduardo Gilles, o sócio à frente da operação do hotel, está sempre por ali e supervisiona todos os encantadores detalhes. Um deles: flores e folhas que caem pelos jardins ganham vida extra em outras áreas comuns e nas acomodações. Os pequenos arranjos podem aparecer nos lugares mais inesperados, como no bolso do roupão de banho. Outro detalhe charmoso: a embalagem de álcool em gel logo na entrada do hotel fica dentro de um coco, o coco gel. Mais um: a trilha sonora perfeita aqui e ali, às vezes quase imperceptível. São delicadezas que fazem bem ao corpo e à alma em tempos tão duros.

O bar e restaurante ficam ao lado da piscina, com mesas ao ar livre ou na área coberta com ventilação cruzada, e o menu é enviado por WhatsApp logo depois da chegada ao hotel. A cozinha é ótima, com pratos frescos e bem apresentados, e atende diariamente o dia todo. As cartas de drinques e de vinhos também são boas. Jantar à beira da piscina em noite de lua cheia é memorável. Ou seja, é possível ficar isolado no Kilombo, se for essa vontade do hóspede. Quem se sentir confiante para ir a restaurantes, tem várias opções na Pipa ao ar livre ou em lugares cobertos com amplas janelas e ventilação cruzada. Jantei em lugares bons, bonitos e charmosos, nos quais me senti segura. Todos fazem parte da associação de empresários Preserve Pipa, que quer tentar fazer com a retomada do turismo na região seja mais sustentável e menos de massa. O pessoal do Kilombo tem dicas de restaurantes e agenda táxis de ida e volta para quem estiver sem carro.

Dá para passear pela região de Tibau do Sul, onde estão Pipa e Sibaúma, passando longe de aglomerações. De carro, barco, bicicleta, cavalo ou simplesmente andando, como cada um se sentir melhor. Optei por combinar passeios privativos de carro organizados pelo hotel e caminhadas pelo Santuário Ecológico e pela falésia e a praia desertas. Fotos e dicas destes passeios e dos restaurantes da Pipa estarão no meu Instagram @CarlaLencastre.

.

Como são as acomodações

Inaugurado em 2007, o Kilombo passa por manutenções constantes. A renovação mais recente foi em meados do ano, quando o hotel esteve fechado por um mês para reforma. Entre as novidades, uma das villas, a romântica das Rosas, com 140 m², passou a oferecer uma pequena piscina privativa ao ar livre e de frente para o mar. Além de uma jacuzzi.

As acomodações têm entre 35 m² e 230 m² (esta última é uma villa para quatro pessoas) e estão espalhadas em uma área verde de 1,6 mil m² frente para o mar, com ar puro, paisagismo exuberante e silêncio. Há uma bonita piscina no jardim, e algumas villas têm terraços com banheiras de hidromassagem. Com decorações únicas, todas as acomodações são repletas de luz natural.

A villa na qual me hospedei tinha um jardim de inverno com duas redes; varanda, e um solarium com jacuzzi e vista para o amanhecer no mar. Havia álcool em gel; minibar com águas, cervejas e refrigerantes, e cafeteira expresso. Um único ponto negativo: as cápsulas de café expresso são pagas à parte. Para quem pode trabalhar remotamente, o Wi-Fi é ótimo em toda a propriedade, e permite inclusive reuniões em vídeo. Há também muitas tomadas por toda a parte, tanto nas acomodações quanto em pontos estratégicos do jardim.

.

O café da manhã pode ser servido na acomodação, ao livre no restaurante à beira da piscina, ou em um bangalô debruçado sobre a falésia. Neste último caso há uma taxa extra, mas vale a pena: a sensação é de estar no deque de um navio. A hora e o local devem ser marcados de véspera, por WhatsApp, e de manhã é possível ajustar o horário. O dia começa com delícias feitas na cozinha do hotel, como pães, bolos, tapiocas, geleias, ovos, queijo coalho na brasa com mel de abelhas nativas da região, doce de leite, um iogurte inesquecível, sucos frescos.

O serviço de arrumação e de abertura de cama são sob demanda e o horário também deve ser combinado por mensagem, assim como qualquer outro pedido, como água de coco gelada. À noite, a arrumação do quarto (somente se e quando o hóspede quiser) inclui aromaterapia, com uma linha exclusiva criada pela aromaterapeuta Fernanda Masson. São três aromas diferentes: alecrim, baunilha e patchouli. Escolhi a leveza do alecrim, e fui feliz.

Ações sustentáveis

Todos os funcionários do Kilombo são da região, e a maioria é descendente da comunidade quilombola homenageada no nome do hotel. Além de empregar a comunidade local, o Kilombo tem outras práticas sustentáveis, como água mineral extraída de um lençol freático a 72 metros de profundidade e energia solar para aquecer a água. Nos banheiros, as amenidades são em dispensers, diminuindo o plástico de uso único. Peixes e frutos do mar são da região, assim como o mel. Os talheres chegam em embalagens de papel reciclado. O terreno irregular não facilita a inclusão de pessoas com deficiência, mas o hotel está se preparando para receber quem tem dificuldades de locomoção. Até o final do ano, uma das villas será adaptada.

Serviço

As diárias do Kilombo para duas pessoas, em outubro, começam em R$ 824 por noite e incluem café da manhã e chá da tarde. É necessário reservar um mínimo de três noites. Fui do Rio para Natal no voo inaugural da Itapemirim (que também voa a partir de São Paulo), convidada pela Empresa Potiguar de Promoção Turística (Emprotur).

Leia também: Tudo o que publicamos sobre hotelaria e pandemia no Hotel Inspectors

Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectors, no Twitter @HotelInspectors e no LinkedIn @HotelInspectors