Tartarugas Filha da Lua Pipa

Todo o charme do Filha da Lua, em Pipa, RN

Pipa, no Rio Grande do Norte, ficou definitivamente mais charmosa em dezembro de 2020. Em plena pandemia, um casal de estrangeiros apaixonado pelo Brasil resolveu inaugurar ali um hotel de charme, sustentável e cheio de propósito. Foi com prazer que finalmente fui conhecer todo o charme do Filha da Lua, em Pipa, RN, uma adorável propriedade instalada na bela Praia das Minas.

Com apenas 17 charmosos bangalôs espalhados por uma enorme área protegida frente ao mar, o Filha da Lua foi ainda mais longe: já abriu de cara com o primeiro restaurante 100% glúten free e lactose free do Rio Grande do Norte. E propõe sustentabilidade real, sem greenwashing ou enrolação, a meros 10 minutos de carro do centro do vilarejo. 

LEIA TAMBÉM: Sem glúten e sem lactose, uma vista deslumbrante em Pipa

CONFIRA: Novos hotéis para ficar de olhoa em 2022

.

.

Todo o charme do Filha da Lua, em Pipa, RN

Localizado em área protegida, o Filha da Lua é um ecolodge que nasceu da paixão de um casal belga pelo Brasil. Inga e Frederic D’Ansembourg compraram o terreno hoje ocupado pelo hotel pensando inicialmente em fazer ali residência privada da família. Mas o projeto cresceu e acabaram optando por criar ali uma propriedade sustentável, com restaurante focado em alimentação saudável.

Com diárias desde R$850,00 por pessoa, a propriedade associada à Serandipians/Traveller Made fica de frente para o mar, em uma região bastante sossegada e longe da badalação do balneário, e famosa também pela desova de tartarugas. Dá para ver muitos detalhes e todo o charme do Filha da Lua no feed e nos destaques “Pipa/RN” do meu instagram @maricampos.

As 17 suítes distribuídas em nove bangalôs sobre palafitas são muito espaçosas, extremamente confortáveis, românticas e rodeadas de verde.  As imensas varandas merecem destaque, mobiliadas com esmero, puro convite ao ócio. As que estão instaladas no segundo andar dos bangalôs contam ainda com banheiros ao ar livre, cama com dossel e área para refeições. 

O café da manhã, servido ao redor da piscina e de frente para o mar é um dos pontos altos do Filha da Lua. Servido à la carte, diretamente na mesa do hóspede, traz sempre produtos muito frescos e saborosos, feitos na hora. E tudo sem glúten ou lactose, incluindo pão de queijo, bolos, pães e os “queijos” da casa. Se o hóspede quiser, pode também ser servido na varanda da suíte, com todo o capricho. 

Nas demais refeições, um vasto menu que vai desde porções para compartilhar à beira da piscina a refinados pratos de cozinha local e internacional – mas sempre mantendo a proposta gluten free e lactose free. 

CONFIRA mais detalhes e valores do Filha da Lua aqui

LEIA TAMBÉM: Viagens de até US$2 milhões: o novo boom do ultra luxo no turismo.

.

.

Sustentabilidade real na hotelaria

Todo construído de maneira sustentável, utiliza madeira de eucalipto de reflorestamento nas acomodações que foram todas erguidas sobre palafitas, para interferir o mínimo possível na delicada geografia local. 

Há uso de energia solar, estação de lixo 100% ecológica e plásticos ou produtos químicos perigosos/danosos de limpeza são sumariamente banidos. Comprando produtos de pequenos produtores locais, todo o menu do hotel é 100% glúten free e 100% lactose free – o primeiro do gênero. Utiliza somente amenidades sustentáveis e está realmente engajada com a comunidade local através de diferentes projetos, com o louvável Hello Pipa/Hello Barra, que fornece alimentação e ensina inglês gratuitamente para crianças, jovens e adultos da região. “Queremos criar uma corrente de consciência ética na hospitalidade”, diz Inga.

Vale destaque também sua Fazenda PachaMamma, que promove cultivo orgânico e regenerativo de ervas, frutas, legumes e verduras diversos através de sistemas agroflorestais e permacultura. Os alimentos produzidos ali abastecem as escolas de inglês, o hotel e também o restaurante Cicchetti Pipa, no centrinho da cidade. 

Além disso, algumas das experiências turísticas oferecidas aos hóspedes foram desenvolvidas em parceria com membros das comunidades locais, com destaque para a escola de kitesurf Kitemaster Pipa.

LEIA TAMBÉM: 10 mudanças de atitude para sermos turistas mais sustentáveis

.

.

Um hotel irmão a caminho

Inga e Frederic D’Ansembourg não apenas abriram ali sua primeira investida na indústria da hospitalidade com o Filha da Lua, como também fizeram de Pipa sua residência familiar em parte do ano e estão prestes a abrir o SEMPRE VIVO, seu segundo hotel na região. 

O Sempre Vivo terá o dobro da capacidade de hóspedes do Filha da Lua e terá mais foco em lifestyle, incluindo diferentes tipos de acomodação para distintos perfis de hóspedes. “O Sempre Vivo vai focar em uma audiência mais diversa, com cozinha internacional, sendo um complemento à cena hoteleira de Pipa”, explica Inga.

Visitei pessoalmente as obras e o Sempre Vivo está mesmo ficando lindo! Com design e proposta bem diferentes do Filha da Lua, mas também de cara para o mar. A inauguração do novo hotel está prevista para julho de 2022. 

LEIA TAMBÉM: ILTM Latin America comprova o crescimento do turismo de luxo

.

.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

.

.

ILTM Latin America: Rosewood São Paulo

ILTM Latin America e duas ou três coisas sobre a hotelaria de luxo

Evento realizado em março no Fairmont Rio de Janeiro, na Praia de Copacabana, marcou o início da contagem regressiva para a edição de 2022 da ILTM Latin America. A principal feira no Brasil especializada no mercado de viagens de luxo volta ao Pavilhão da Bienal de São Paulo de 3 a 6 de maio. Com o tema “Evolução do luxo”, reunirá 160 expositores de 30 países e 160 comprados de mais de 20 cidades da América Latina (com exceção do México, que sedia a ILTM North America). No “esquenta” no Fairmont, realizado em parceria com a Panrotas, um painel reuniu Simon Mayle, diretor da ILTM Latin America; Michel Nagy, diretor de Vendas e Marketing do Fairmont Rio; Artur Andrade, editor-chefe da Panrotas, e a jornalista Juliana Saad, que perfilou cinco tipos de viajantes de luxo.

Foi uma agradável noite de final de verão, com um ambiente de alegria e confraternização entre os participantes, a maioria consultores de viagem e operadores. A Panrotas está acompanhando de perto toda a preparação para a feira. Faço aqui apenas um recorte de algumas frases que me chamaram a atenção no evento do Fairmont, o primeiro de porte médio do qual participei depois de dois anos de pandemia.

Acompanhe as novidades da hotelaria no Instagram Hotel Inspectors

“O mercado de ultraluxo está de volta”, aposta Simon Mayle. “O volume de negócios ainda não é o mesmo de antes da pandemia, mas os gastos estão chegando perto”.

Com o recorte da hotelaria, Simon destacou a forte presença na ILTM Latin America do Rosewood, que abriu recentemente em São Paulo (foto no alto); da Belmond, que trará novidades de seus hotéis na África, e da ilha caribenha de St. Barth como um todo.

Como o viajante brasileiro, de luxo ou não, de um modo geral viajou mais pelo país do que para o exterior nestes dois anos, naturalmente a conversa chegou a um ponto crucial de uma experiência de luxo: o serviço. De um modo geral, todos que pediram a palavra reclamaram da qualidade do atendimento. Sabemos que ainda há muito espaço para investir em treinamento no Brasil, mas destaco aqui o depoimento de Wellington Melo, diretor geral do Unique São Paulo, o único a abordar o ponto de vista do funcionário do hotel.

Wellington lembra que, assim como a vida dos clientes mudou durante a pandemia, “os funcionários também desaceleraram”. Muitos, inclusive, constaram que não gostam tanto assim de hotelaria e estão preferindo buscar oportunidades em outras áreas que permitam mais tempo livre para a família, por exemplo. No caso específico do Unique, vários funcionários saíram durante a pandemia e preferiram não retornar. Para manter o nível de excelência de serviço, a solução encontrada por Wellington foi operar o hotel paulistano com apenas 70% da capacidade, enquanto as vagas não são preenchidas.

Leia também: Funcionários locais e serviço de primeira no Kilombo Villas, na Praia da Pipa (RN)

Já o Fairmont Rio, sempre com um serviço impecável nas vezes em que me hospedei lá, optou por “olhar para dentro”, como conta Michael Nagy: “A nossa demanda mudou. Se o hotel não se pensar como destino, como não vai existir. O mercado exige novas experiências”.

Leia também: A transformação do Fairmont Rio durante a pandemia

Como exemplo, o Fairmont oferece atividades diversas nos bastidores do hotel, como aulas de coquetelaria e confeitaria, e na praia em frente, onde também inaugurou recentemente um quiosque. Já o bar em frente à piscina do hotel, com vista arrebatadora para Copacabana, conquistou os cariocas durante a pandemia e está sempre cheio.

O serviço de luxo no Brasil pode melhorar sim. Mas é preciso empatia, essa palavra que tanto se falou no início da pandemia, e conexão com o lugar em que o hotel está. Como Simon Mayle reforça, “não há sustentabilidade sem bem-estar, para o viajante e para a comunidade local. O visitante precisa estar mais consciente do lugar onde ele está”.

Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectors, no Twitter @HotelInspectors e no LinkedIn @HotelInspectors

Hot Beach Olìmpia

Olímpia: o ‘case’ de sucesso da hotelaria no interior de SP

Há anos tenho curiosidade profissional de conhecer Olímpia. A partir da descoberta de águas termais, na década de 1980, a pacata cidade no interior de São Paulo foi se transformando em um importante destino nacional para o turismo de lazer. Com cerca de 55 mil habitantes, muitos deles empregados em um dos maiores parques hoteleiros do estado, com cerca de 30 mil leitos, Olímpia fica a 440 km da capital, perto das divisas com Mato Grosso do Sul e Minas Gerais. Em 2019, a cidade chegou a atrair quase três milhões de visitantes. As águas quentes naturais, com temperatura média de 30° C, são do aquífero Guarani, o maior do mundo.

No final de 2021, passei alguns dias em Olímpia a convite do Hot Beach Parque e Resorts. Com capacidade para mais de cinco mil pessoas e em fase de expansão, o Hot Beach Olímpia é um dos dois parques de águas termais na cidade (o outro é o Thermas dos Laranjais). São mais de uma dezena de atrações voltadas principalmente para famílias, sem grandes doses de adrenalina e distribuídas em uma ampla área com um bonito paisagismo. O parque faz parte do grupo Ferrasa, que administra quatro hotéis na região. Com 484 apartamentos, o Hot Beach Resort tem acesso direto ao Hot Beach Olímpia. É um “hotel pé na areia”: a piscina de ondas com uma prainha de areias brancas fica a poucos metros do lobby. O hóspede do resort pode entrar e sair do parque aquático quantas vezes quiser ao longo do dia, assim como quem estiver hospedado em um dos outros empreendimentos do grupo.

O encantador Thermas Park Resort & Spa, com apenas 48 suítes espalhadas pelo terreno, foi o primeiro hotel do grupo na região. É uma gostosa opção para quem quer aproveitar as águas termais sem fazer turismo de massa. As acomodações são coloridas, há um spa repleto de charme, um pequeno playground aquático para crianças pequenas, e piscinas quentinhas em um bonito jardim. O grupo Ferrasa tem ainda o Celebration, hotel com 264 apartamentos e pet friendly, e o Hot Beach Suites, com 442 apartamentos em sistema de multipropriedade. Inaugurado no final de 2021, vizinho ao parque e ao Hot Beach Resort, o Suites tem apartamentos para até seis ou oito pessoas com sala, quarto e varanda, e acesso livre ao parque. Além de geladeira e fogão, todas as acomodações têm churrasqueira na varanda.

Acompanhe as novidades da hotelaria no Instagram Hotel Inspectors

Leia também: Dois novos (e bons) hotéis econômicos no Universal Orlando Resort

Multipropriedades: um apartamento, dezenas de donos

Olímpia foi precursora do sistema de multipropriedade, modelo de negócio imobiliário em que um apartamento ou casa possui dezenas de proprietários e cada um tem o direito de usar o imóvel por uma semana ao ano (ou mais, dependendo da quantidade de cotas adquiridas). O dono também pode por deixar a sua fração da propriedade à disposição da rede hoteleira que se encarrega de alugar o apartamento para outros hóspedes, como se fosse um quarto de hotel.

A rede Wyndham administra o Olímpia Royal Hotel, com uma torre hoteleira e outra de multipropriedades. O resort é anexo ao Thermas dos Laranjais, o primeiro parque da cidade, que também está sendo ampliado. O Thermas surgiu no final da década de 1980 como um clube para os moradores da cidade, e se tornou um dos maiores e mais visitados parques aquáticos da América Latina, com dezenas de atrações radicais, entre elas uma famosa montanha-russa. Na hora de planejar a visita, vale evitar fins de semana e feriados, quando o local é muito procurado por moradores de cidades vizinhas, chegando a receber cerca de 20 mil pessoas por dia. No domingo de sol em que estive lá o parque estava lotado e as filas para as atrações mais concorridas, como a montanha-russa aquática, levavam duas horas ou mais.

Quem está em uma das 960 acomodações distribuídas pelas duas torres do Olímpia Royal Hotel tem o conforto de poder entrar e sair do Thermas dos Laranjais várias vezes ao dia, o que permite driblar horários mais concorridos. O hotel tem também sua própria espaçosa área de piscinas, com playground aquático, bares e restaurantes. Até recentemente, o Wyndham de Olímpia era o “maior resort do país” em número de quartos. O título foi perdido, mas continua na cidade. Agora pertence ao grupo Enjoy, com o Solar das Águas Park, com mil suítes, inaugurado no final do ano, e o Olímpia Park, com 912 quartos, ambos multipropriedades.

Leia também: Kilombo Villas, tranquilidade nos arredores da Praia da Pipa, no Rio Grande do Norte

Como é se hospedar no Hot Beach Resort, em Olímpia

Apenas alguns passos separam o lobby do acesso ao Hot Beach Olímpia. É tão perto que de manhã cedo, antes de o parque abrir, a fila para entrar se estende hotel adentro. E o barulho da música alta, dos animadores e dos frequentadores invade o quarto mesmo no 10° andar.

Fiquei em uma acomodação Premier Família, com duas camas de casal queen size, varanda e vista para a bonita piscina do hotel e o parque. Com decoração clean, o quarto era confortável, com algumas ressalvas. Senti falta controles de luz que permitissem, por exemplo, uma iluminação para quando uma criança estiver dormindo e um adulto, acordado. O enxoval de cama e banho é em poliéster. E há uma pequena geladeira vazia, que não é abastecida nem sob demanda. Não há serviço de quarto. Apenas a limpeza diária, se o hóspede quiser.

A área de alimentos e bebidas é o ponto mais fraco do resort. O gigantesco restaurante principal, com meia pensão ou pensão completa, não tem tratamento acústico. Dependendo da lotação, o barulho pode ser ensurdecedor, principalmente no café da manhã e no jantar. Todas as refeições são servidas em esquema de bufê, com filas confusas e pratos lascados.

A apresentação não é das melhores, mas a comida de um modo geral é correta, com tempero caseiro. Há grelhados, pratos com peixe, frango e carne, massas e saladas. Bebidas são pagas à parte. Isso caso você consiga ser atendido, porque o serviço é bem desatento, ainda que simpático. A única bebida alcoólica no restaurante é cerveja. Nos bares, tanto no hotel quanto no parque, há variedade de bebidas, alcoólicas ou não. Vending machines têm água, salgadinhos e chocolates, e a loja de conveniência no lobby tem um bom café espresso.

Por toda a parte chama a atenção o excesso de plástico de uso único: nos copos do restaurante, nas garrafas de água (não há onde abastecer a própria garrafa com água filtrada), nos quartos embrulhando cobertores extras, no xampu e condicionador 2 em 1 de marca própria em pequenas embalagens descartáveis. Mas está lá no banheiro o recado pedindo para o hóspede reutilizar as toalhas, que parte da hotelaria quer fazer crer que é sinônimo de sustentabilidade.

Serviço

No Hot Beach Resort as diárias de um quarto Premier Família (com duas camas de casal e vista para o parque aquático) começam em R$ 902. No Superior Família (também com duas camas de casal, mas sem vista para o parque), as diárias são de R$ 785.

Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectors, no Twitter @HotelInspectors e no LinkedIn @HotelInspectors

Grandes redes estão investindo em resorts all inclusive

Nos últimos dezenove meses, muitas mudanças ocorreram na indústria da hospitalidade, provocadas pela pandemia. Além das transformações e ajustes que se fizeram necessários de 2020 para cá para que hotéis e pousadas se adequassem aos novos tempos, temos visto também a aceleração de alguns movimentos e tendências que já tinham começado no pré-pandemia. E é nesse contexto que um desses movimentos chama a atenção: grandes redes estão investindo em resorts all inclusive. E de maneira cada vez mais consistente.

Algumas das maiores redes hoteleiras do mundo, incluindo Marriott, Hyatt, Hilton e Wyndham, por exemplo, têm investido bastante nisso ultimamente. Entre 2020 e 2021, diferentes marcas hoteleiras que nunca tinham apostado nesse nicho investiram em portfólios all inclusive – tanto em rebranding de hotéis existentes como no lançamento de propriedades novinhas em folha. Mesmo redes que nunca primaram exatamente pelos padrões de serviço estão entrando nessa onda – e até o mercado de luxo quer uma fatia cada vez maior deste segmento.

ACOMPANHE AS NOVIDADES DO MERCADO HOTELEIRO TAMBÉM NO INSTAGRAM @HOTELINSPECTORS

.

Crédito: Westin Porto de Galinhas / Divulgação

.

Grandes redes estão investindo em resorts all inclusive

A Wyndham Hotels & Resorts, por exemplo, criou a marca Wyndham Alltra, a primeira do grupo inteiramente dedicada a resorts tudo incluído. Definida de maneira controversa como “upper midscale”, a nova marca se aliou à Playa Hotels and Resorts e está convertendo duas propriedades em Cancun e Playa del Carmen nas primeiras unidades da nova Wyndham Alltra – uma delas exclusiva para adultos. A rede comunicou recentemente que anúncios de novas unidades da marca all inclusive virão em breve. 

A Hilton Hotels também anunciou recentemente dois novos resorts all inclusive em seu portfólio no México. O grupo Hyatt, dono dos já populares Hyatt Zilara e Hyatt Ziva, comprou o Apple Leisure Group e, assim, adquiriu também os Secrets Resorts and Spas, famosos por seus resorts com tudo incluído em diferentes destinos.

LEIA TAMBÉM: 10 hotéis e pousadas no Brasil para praticar turismo de isolamento

.

Foto: Marriott/Divulgação

.

A Marriott, que já andava flertando com o nicho dos all inclusive há mais tempo, inaugurou nada menos que vinte novas propriedades all inclusive. E anunciou que deve abrir outras 33 (!) até 2025, incluindo um Westin All Inclusive em Porto de Galinhas (PE). O programa All-Inclusive by Marriott Bonvoy parece estar fazendo sucesso, principalmente entre turistas norte-americanos. 

O grande diferencial da Marriott é que, ao contrário de outras redes que chegam agora aos resorts tudo incluído, ela não está focando apenas nos típicos resorts de categoria turística tão comuns ao nicho. Algumas de suas novas propriedades all inclusive fazem parte do luxuoso portfólio da Autograph Collection, o que tem elevado o conceito de “tudo incluído” a outro patamar.

A longo prazo, a rede planeja incluir também marcas como W e The Ritz-Carlton no nicho all inclusive. A ideia da Marriott é deixar o clássico estereótipo dos resorts all inclusive (comida ruim, quartos caídos, buffets com filas intermináveis, drinks aguados etc) definitivamente para trás.

LEIA TAMBÉM: Turismo de luxo cresce no Brasil durante a pandemia

.

Crédito: Marriott/Divulgação

.

Mudança de mentalidade dos viajantes  

Depois de tanto tempo em casa durante a pandemia, retomar as viagens após completar o processo vacinal tem sido atividade repleta de desafios e inseguranças para a maioria dos turistas – principalmente se a viagem for internacional (tenho falado um pouco sobre isso também no meu Instagram @maricampos).

A maior procura por propriedades all inclusive pode muito bem estar também associada à ideia de “segurança” que ela muitas vezes traz: mais espaço nos resorts para praticar o distanciamento social, tudo organizado sob o mesmo conjunto de protocolos e regras, senso de familiaridade com os processos cotidianos e nada de surpresas financeiras na hora do check out. 

Vale lembrar que muitos resorts em diferentes destinos estão criando também suas pequenas “bolhas” de segurança ao exigir certificados de vacinação ou testes negativos de Covid-19 como condição fundamental para aceitar a reserva e efetuar o check-in.  

Não à toa, grandes redes estão investindo em resorts all inclusive cada vez mais. Seus executivos defendem que estudos recentes mostram cada vez mais viajantes, de diferentes perfis sócio-econômicos e de diferentes nacionalidades, interessados pela ideia das férias com tudo incluído

LEIA TAMBÉM: O hotel cinco estrelas mais barato de cada continente

.

Crédito: Marriott/Divulgação

.

Até os mais jovens estão mais abertos aos resorts all inclusive

Um relatório da STR para a Marriott mostrou que mesmo no pré-pandemia a tendência de valorização dos resorts tudo incluído já existia. No primeiro semestre de 2019, hotéis all inclusive teriam gerado $7.9 bilhões em vendas, o que já representava um aumento de 20% em relação aos cinco anos anteriores.

Junto com o relatório, a Marriott também divulgou uma pesquisa online feita com norte-americanos em julho deste ano na qual 54% dos entrevistados afirmaram considerar um resort all inclusive para as próximas férias – número que salta para 70% na faixa de entrevistados entre 18 e 34 anos. No estudo, 75% dos entrevistados disseram ainda que vêm resorts tudo incluído como opções seguras para as primeiras viagens pós lockdown e 84% afirmaram dar preferência a marcas com as quais estejam familiarizados na hora de escolher a hospedagem, independente do destino.

Atingir viajantes mais jovens com propriedades all inclusive pode ser mesmo um diferencial importantíssimo para as grandes redes – inclusive a longo prazo, trabalhando bem a lealdade à marca ao longo da vida do hóspede. Vale lembrar que a Marriott é hoje não apenas a maior rede operadora de hotéis do planeta com também dona de um dos mais bem-sucedidos e utilizados programas de fidelidade da indústria da hospitalidade.

LEIA TAMBÉM: Sete hotéis e pousadas sustentáveis no Brasil

.

.

Foco nas experiências

Mesmo hotéis que não têm planos de se tornar tudo incluído passaram a oferecer gama muito maior de serviços e experiências aos hóspedes durante a pandemia.  Pousadas, hotéis boutique, unidades de grandes redes e resorts, todos tiveram que se adaptar nos últimos dezenove meses. E o chamado “turismo de experiência” ganhou ainda mais força no mundo e no Brasil durante a pandemia. 

O Amplia Mundo e a Braztoa, por exemplo, se uniram para criar cursos destinados a pequenos negócios do turismo para que sejam capazes de criar experiências interessantes e seguras para atrair a demanda reprimida de viajantes – e têm casos hoje de membros da comunidade que aumentaram em impressionantes 1000% seu ticket médio neste ano. 

LEIA TAMBÉM: Oito tendências para a hotelaria em 2021

No nicho do turismo de luxo, os hotéis Fasano são um bom exemplo do investimento pesado na criação de novas experiências para os hóspedes nestes novos tempos. Até o site do grupo foi agora remodelado para que as reservas já possam ser feitas ali mesmo com as experiências durante a estadia incluídas – reforçando a tendência de “simplificação das férias” apontada pelas pesquisas internacionais. 

O Fasano Angra, por exemplo, aproveitou os atrativos naturais e culturais da Costa Verde para apostar no turismo de experiência. Dentre as novas atividades lançadas pelo resort neste semestre estão caminhada pela Trilha do Ouro com degustação de plantas comestíveis da região, travessia de SUP pela baía de Angra, canoagem pelo manguezal e Rio Grande, piquenique personalizado no bosque e jantar privativo ao luar.

LEIA TAMBÉM: Review completa do hotel Fasano Angra dos Reis

.

.

Leia tudo que já publicamos sobre hotelaria em tempos de pandemia.

Acompanhe o Hotel Inspectors também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectorsBlog e no Twitter @InspectorsHotel.

.

.

.

Piscinas da pousada Estrela d'Água, em Trancoso | Foto: Carla Lencastre

Estrela d’Água: hospedagem pé na areia em Trancoso

Que saudade que eu estava da Bahia! Estou recomeçando a viajar pelo Brasil e priorizando destinos de natureza. Depois de uns dias perfeito no Kilombo Villas, ao lado da Praia da Pipa (RN), sobre o qual escrevi aqui, voltei ao Nordeste. Desta vez, o destino foi o Sul da Bahia. Em Trancoso, me hospedei na Estrela d’Água, uma das pousadas mais charmosas e confortáveis da região, a 1h30m de carro do Aeroporto de Porto Seguro.

Foram dias deliciosos de sal e sol. A Estrela é conhecida em Trancoso por ter sido “a casa da Gal”. No caso, Gal Costa, a cantora. A pousada é um clássico local, que vai completar 23 anos. Fica em um terreno 23 mil m² de frente para o mar, em meio a Mata Atlântica e com acesso direto à Praia dos Nativos. O Quadrado está a dez minutos de carro, e o preço do trajeto de táxi é tabelado: cada trecho de ida e volta da pousada custa sempre R$ 30.

Acompanhe as novidades da hotelaria no Instagram Hotel Inspectors

.

Como são as acomodações

A Estrela d’Água tem 20 suítes (a partir de 40 m²), com jardim ou varanda, e oito bangalôs, que podem chegar a 200 m², distribuídos pelos jardins da propriedade. Fiquei em um dos bangalôs com piscina, ótimo para quem busca privacidade. O jardim privativo do bangalô, além da piscina com espreguiçadeiras, tem um gazebo daqueles onde dá vontade de passar horas, inclusive à noite, admirando o céu estrelado e ouvindo o silêncio.

O espaçoso quarto, com objetos de artistas locais na decoração, dispõe de cama de casal com mosquiteiro, sofá que pode virar cama extra, escrivaninha, armário e minibar bem abastecido, incluindo cafeteira e cápsulas de café expresso de cortesia, o que é sempre gentil. O amplo banheiro, com duas pias, tem ainda uma banheira de hidromassagem. As amenidades são Trousseau, em embalagens de vidro reutilizáveis. O Wi-Fi funciona bem.

.

Gastronomia na Estrela d’Água

A pousada tem o Bar da Costa e o restaurante Aldeia de São João, de cozinha brasileira e contemporânea, além de um sushi bar em parte da semana. As mesas são decoradas com álcool em gel e ficam em varandas abertas. O bar, entre as duas piscinas e a praia, serve petiscos e refeições ao longo do dia e o menu está disponível também por QR code. Há um serviço de praia para atender quem estiver nas espreguiçadeiras em frente.

No restaurante é servido o jantar e o café da manhã, esta sem dúvida a melhor refeição da Estrela e incluída em todas as diárias. O delicioso café é à la carte, com um menu que muda ligeiramente a cada dia, sempre privilegiando o que é feito na própria pousada. Nas outras refeições não tive muita sorte. À noite, o melhor foi um negroni perfeito ao som das ondas quebrando na praia. Tudo em Trancoso custa caro, a gente sabe, e na Estrela d’Água não é diferente.

Toda as garrafas de água da pousada são de plástico, tanto no restaurante quanto nos quartos. Conversei com vários funcionários, a maioria da região, sobre o excesso de plástico de uso único em uma propriedade tão bem integrada à natureza. Ouvi frases como “outras pessoas já falaram sobre isso” ou “os hóspedes agora deram para reclamar de garrafa de plástico”. Os comentários só reforçam a minha convicção de que é fundamental que cada um de nós faça a sua parte.

O bar da piscina tem água filtrada nas torneiras e é um bom lugar para abastecer a sua garrafinha antes de sair para caminhar na praia quase deserta. A minha garrafa era sempre devolvida com um simpático “as tartarugas-marinhas agradecem” ou “os corais agradecem”. O restaurante, se você pedir, serve água filtrada no copo. Para amenizar o excesso de descartáveis, a Estrela começou recentemente a separar as tampinhas das garrafas para a Recicla Sul da Bahia, empresa de eventos sustentáveis que produz objetos com plástico reciclado.

.

Serviço

A Estrela d’Água faz parte das associações Roteiros de Charme, Tablet Hotels, Condé Nast Johansens e Brazilian Luxury Travel Association (BLTA). Foi reconhecida com o CN Johansens Awards for Excellence por duas vezes consecutivas, em 2019 e 2020. Diárias para duas pessoas, no final de outubro, custam a partir de R$ 2.015, com café da manhã incluído.

Leia também: Tudo o que publicamos sobre hotelaria na pandemia

Hotel Inspectors está também no Instagram @HotelInspectors, no facebook @HotelInspectors, no Twitter @HotelInspectors e no LinkedIn @HotelInspectors